Menu
2019-02-08T08:47:27+00:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Incertezas com economia global e Previdência pesam nos mercados

Temor de desaceleração do crescimento global eleva aversão ao risco no exterior e influencia os negócios locais, impactados, também, pela piora na saúde do presidente

8 de fevereiro de 2019
5:34 - atualizado às 8:47
incertezaspesam
Aos olhos do mercado, saúde de Bolsonaro pode afetar o andamento da agenda de reformas -

O mercado financeiro chega ao fim da primeira semana deste mês com um cenário bem mais nebuloso do que o projetado em janeiro. Após a euforia que embalou os ativos globais no mês passado, em meio a um maior apetite por risco, fevereiro já dá sinais de que eram exageradas as expectativas em relação à reforma da Previdência e à guerra comercial.

Bastaram alguns dias para os negócios locais se darem conta de que o processo de apreciação das novas regras para a aposentadoria no Congresso Nacional será bem mais longo - com riscos de diluição do texto original, o qual ainda nem se conhece. Da mesma forma, os mercados lá fora perceberam que o conflito entre Estados Unidos e China vai muito além do comércio.

Com o Congresso aberto e com o prazo para o fim da trégua tarifária entre as duas maiores economias do mundo se aproximando, a volatilidade dos ativos tende a aumentar. A diferença é que aqui ainda se espera a aprovação de alguma reforma previdenciária, daqui a alguns meses, talvez, enquanto lá fora cresce o temor de uma desaceleração global.

Além da perda de tração da economia chinesa, os dados fracos sobre a atividade na Alemanha mostram um cenário desafiador na Europa, que já está sofre com as incertezas sobre a saída do Reino Unido do bloco comum europeu. Já França e Itália entram em rota de colisão diplomática, após os piores ataques verbais de Roma “desde o fim da Guerra”.

Ao mesmo tempo, pesam nos mercados relatos de que os líderes Donald Trump e Xi Jinping não irão se encontrar para tratar da questão comercial antes do fim da trégua tarifária, no início de março. Com isso, devem entrar em vigor no próximo mês a sobretaxa de 25% em US$ 200 bilhões de produtos chineses, elevando a tensão entre os dois países.

Exterior tenso

As renovadas preocupações com as negociações comerciais sino-americana e os novos temores quanto ao crescimento econômico mundial por causa dos sinais vindos da Europa abalam os mercados internacionais nesta sexta-feira. As bolsas asiáticas encerraram em queda, com Hong Kong voltando aos negócios após a pausa pela festividade de ano-novo.

Mas as perdas foram mais pronunciadas em Tóquio e Seul, ao passo que na Oceania, Sydney também fechou no vermelho. No Ocidente, os índices futuros das bolsas de Nova York apontam para mais uma sessão negativa hoje, após o pessimismo sobre a questão comercial e com a economia global pressionar Wall Street ontem.

A falta de progresso em pontos delicados sobre o comércio envolvendo EUA e China cerca as incertezas de uma resolução, o que aumenta a busca por proteção em ativos seguros, fortalecendo o dólar e os bônus norte-americanos. O ouro também avança. Já o petróleo é cotado abaixo de US$ 53, enquanto o minério de ferro alcançou o maior nível desde 2014, em meio à crise envolvendo a Vale, que reduz a oferta global do metal básico.

Fora de combate

Esse desempenho negativo no exterior pode puxar um novo recuo da Bolsa brasileira e uma nova valorização do dólar hoje, com os negócios locais também impactados pela cautela frente à ausência de novidades sobre a reforma da Previdência. Aos olhos do mercado, a piora na saúde do presidente também pode afetar o andamento da agenda de reformas.

Com Jair Bolsonaro ainda “fora de combate”, o cenário político tende a ficar ainda mais nebuloso, elevando a postura defensiva dos investidores e pressionando os ativos domésticos. Ainda mais após detectarem uma pneumonia bacteriana, que irá prolongar a permanência do presidente no hospital.

Não há nova previsão de alta, após 11 dias de internação. A detecção da pneumonia pode prolongar o afastamento do presidente por, no mínimo, mais sete dias. Inicialmente, a equipe responsável pela operação estimava dez dias de internação, completados na quarta-feira. Mas a forte febre que ele teve no último domingo já havia adiado esse prazo.

Com isso, a versão definitiva para a reforma da Previdência fica em suspense, já que Bolsonaro dará a palavra final sobre temas-centrais, como a idade mínima para se aposentar. Além disso, a demora do presidente em retornar às atividades em Brasília cria margem para ruídos e incertezas sobre a agenda do governo e o estado de saúde do presidente, tornando um terreno fértil para especulações.

Ao mesmo tempo, a equipe econômica vai soltando outros “balões de ensaio”, de modo a medir a aceitação dos diversos públicos (mercado, político e população) às medidas que estão sendo analisadas. É o caso da carteira de trabalho verde e amarela, na qual o trabalhador poderá “escolher” os direitos que quer ter.

O problema é que ao ventilar essa possibilidade, sem detalhar como seria tal sistema alternativo, o ministro Paulo Guedes (Economia) acaba criando muitos assuntos de interesse e dividindo as atenções, ao invés de focar em um tema por vez. Afinal, a questão é igualmente polêmica e não fará parte da proposta (PEC) de reforma da Previdência.

IPCA em destaque

A agenda econômica desta sexta-feira traz como destaque a leitura oficial da inflação ao consumidor brasileiro em janeiro. A previsão é de que o IPCA tenha um resultado “salgado”, pressionado pelos reajustes nas tarifas de ônibus urbanos e também no grupo Educação. Com isso, a taxa mensal deve ganhar força em relação a dezembro e subir 0,4%.

Ainda assim, a taxa acumulada em 12 meses deve seguir em nível confortável, distante da meta perseguida pelo Banco Central neste ano (4,25%), em 3,8%. Os números efetivos serão divulgados às 9h, juntamente com dados sobre o custo na construção civil e sobre o desempenho da indústria regional. Já no exterior, o calendário do dia está esvaziado.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Blog da Angela

Juízo ao entrar e muito cuidado ao sair (não se trata de namoro, mas da Bolsa)

A ditadura militar havia acabado, uma Nova República fora instaurada no ano anterior e o governo Sarney empenhava-se para debelar a inflação com o primeiro programa de estabilização monetária de que se tinha notícia. Nada daria errado naquele 1986.

Leve recuperação

Ibovespa abre em leve alta, dividido entre otimismo local e cautela no exterior

O mercado mostra-se otimista em reação à possibilidade de anúncio da liberação dos saques do FGTS. No entanto, o exterior ainda negativo traz pressão ao Ibovespa

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Vista sua galocha na corrida do ouro

Veja os destaques do Seu Dinheiro nesta manhã

estratégias para emplacar novo embaixador

Aliados querem mudar comissão que vai sabatinar Eduardo

Primeira alteração seria tornar o senador Flávio Bolsonaro, irmão de Eduardo, titular do colegiado

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Entrevista

‘Teremos um ciclo melhor do que o de 2006 e 2007’

Para o presidente do banco americano JPMorgan no Brasil, José Berenguer Neto, o ciclo de entusiasmo no mercado brasileiro tem potencial para ser maior do que o observado há mais de uma década

na expectativa

Governo quer reduzir alíquota do IR para máximo de 25%, diz Bolsonaro

Outra ideia do governo é unificar impostos e contribuições federais, como PIS, Cofins, IPI e IOF, em um imposto único

Novos planos

Weg chega ao varejo e amplia projeto de miniusinas solares em condomínios

Abertura dessa relação direta com o cliente pessoa física segue de perto a estratégia adotada por uma de suas principais concorrentes no segmento corporativo, a Siemens

a bula do mercado

Guerra comercial chega aos balanços corporativos

Detalhes sobre saque do FGTS são esperados no Brasil

Crypto news

Volátil, mas rentável. As surpresas positivas de quem investe no mundo das criptomoedas

Ao contrário do que pensa uma boa parte dos investidores, não podemos propagar a falácia de que o mercado cripto é um mercado perdedor. Por exemplo, no ano, mais de 63 criptoativos subiram mais do que o Ibovespa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements