Menu
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Venezuela

Bolsonaro: Ditaduras não passam o poder de forma pacífica

Em entrevista, presidente diz temer ações da “ditadura Maduro” e também fez um balanço da participação em Davos. Sobre o filho, diz que atingem o “garoto para tentar me atingir”

23 de janeiro de 2019
22:38 - atualizado às 9:18
Presidente Jair Bolsonaro durante entrevista para a TV Record. - Imagem: Alan Santos/PR

Em entrevista à rede “Record”, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que a história mostra que as ditaduras não passam o poder de forma pacífica. O presidente comentava os eventos desta quarta-feira, na Venezuela, onde Juan Guaidó se declarou presidente interino, ato reconhecido pelo Brasil, Estados Unidos e outros países.

“Tememos as ações da ditadura Maduro”, disse Bolsonaro, lembrando, que "há países fortes dispostos a outras consequências" como os Estados Unidos de Donald Trump. O presidente americano disse não estar considerando nada sobre a questão envolvendo a Venezuela, "mas todas as opções estão sobre a mesa".

“Estamos no limite do que podemos fazer para restabelecer a democracia na Venezuela”, disse o Bolsonaro.

Em nota divulgada mais cedo, o Itamaraty disse reconhecer Guaidó como presidente “encarregado”, acrescentando que “apoiará política e economicamente o processo de transição”.

Davos

Bolsonaro se disse feliz por fazer o discurso de abertura no Fórum Econômico Mundial, em Davos (Suíça), que falou do “Brasil do futuro” e que foi procurado por líderes e empresários interessados no país.

Segundo o presidente, o Brasil é visto com carinho pelos empresários, mas “temos de fazer a nossa parte”, pois não podemos ter mais déficits ano após ano. As reformas, segundo Bolsonaro, serão feitas para que os empresários tenham confiança no Brasil.

O presidente também disse que investidores e empresários querem que o país seja desburocratizado, que seja mais ágil e se eliminem barreiras. “Passa por aí, que o resto vem”, disse.

Bolsonaro também falou que os ministros Paulo Guedes (Economia), Sergio Moro (Justiça) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores) “deram seu recado” e que “fazendo a lição de casa, o Brasil sai fortalecido”.

Na sequência, o presidente lembrou que o Ibovespa, principal índice de ações da B3, bateu recorde nominal de pontuação e que isso aconteceu depois das falas de Guedes e também dele ao longo do dia em Davos.

Bolsonaro também fez um breve aceno ao Congresso, ao dizer que depende do parlamento para fazer as mudanças necessárias.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Entrevista Cancelada

Sobre a entrevista coletiva prevista para a tarde desta quarta-feira e que foi cancelada. Bolsonaro disse que seguiu recomendações médicas e que tem de chegar descansado em São Paulo, no domingo, pois vai enfrentar uma cirurgia complexa. Com isso, foram cancelados os compromissos que poderiam ser cancelados e que não ele tinha nada a acrescentar à imprensa “tendo em vista o que foi tratado de forma pública” em Davos.

Flávio Bolsonaro

Perguntado sobre as investigações envolvendo o filho Flávio Bolsonaro, a postura foi diferente da vista em entrevista concedida pela manhã à “Bloomberg”, quando ele falou que “se por ventura ele vier a errar, se for comprovado, eu lamento como pai, mas vai pagar aí o preço dessa ação que nós não podemos coadunar”.

Bolsonaro disse que acredita em seu filho e que o que está acontecendo é “pressão", é algo "para tentar me atingir”. Segundo o presidente, Flávio tem dado explicações, mas teve seu sigilo quebrado, o que seria ilegal.

Segundo o presidente, ninguém está acima da lei, mas é preciso que se cumpra a lei. Para Bolsonaro, as denúncias são uma forma de “atingir o garoto para tentar me atingir”, mas com "fé em Deus", tudo será esclarecido.

Comentários
Leia também
Com governo em crise

“Estamos determinados a mudar o rumo do país”, diz Bolsonaro no Twitter

Segundo presidente, o governo está fiscalizando recursos, diminuindo gastos, propondo endurecimento penal e a reforma da Previdência

Crise no governo

Magoado, Bebianno não vai poupar filho de Bolsonaro

A interlocutores, Bebianno tem deixado clara sua mágoa com a atitude do vereador do Rio de Janeiro que tentou lhe cunhar a pecha de mentiroso

No Twitter

Trump diz que fará reuniões e ligações importantes sobre acordo comercial com a China

Na última sexta-feira, Trump comunicou que americanos e chineses estariam “muito próximos” de um “acordo muito bom”

Entrevista

“Sem investimentos será difícil continuar”, diz presidente da GM no Brasil

Segundo Carlos Zarlenga, negociações com funcionários, fornecedores, concessionários e governos para atrair novos projetos estão dando certo

Reformar é preciso

Guedes vence primeira batalha da Previdência, mas guerra será longa

Força da reforma parcialmente apresentada está no tempo de transição de 12 anos, mais curto que o previsto no texto enviado por Michel Temer

Bon Vivant

Hospedagem com tons de realeza: conheça os mimos dos hotéis ‘6 estrelas’ do Brasil

Hotéis mais luxuosos do país apostam em experiências exclusivas, vinhos e charutos raros, além de uma boa dose de romantismo

Caso Coaf

MP teria informação de que advogado de Flávio Bolsonaro atuou no caso Queiroz, diz jornal

Motorista de senador, Victor Alves teria mantido contato direto com o ex-motorista em nome de Flávio nos primeiros dias, quando o caso veio à tona

Small cap

A prova de fogo da Linx para emplacar seu sistema de pagamentos, o Linx Pay

Para esclarecer como será feita a distribuição da nova solução e quais são as perspectivas para o futuro da empresa, conversei com o presidente da companhia, Alberto Menache

Após 'briga' com setor agropecuário

Equipe econômica vai revisar 37 medidas antidumping

De acordo com dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), estão em revisão 37 medidas antidumping e outras 39 vencem ao longo de 2019

Suspeita de lavagem de dinheiro

Raquel Dodge pede ao STF que mande para o TRE inquérito que envolve Kassab e JBS

No inquérito, a PF identificou pagamentos de R$ 23,1 milhões da JBS a Kassab e disse ver indícios de lavagem de dinheiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu