Menu
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Mudanças profundas

Líder da oposição, Juan Guaidó se declara presidente interino da Venezuela; líderes e OEA já reconhecem novo governo

Declaração ocorreu durante um dos vários atos realizados no país, onde milhares de pessoas marcham pedindo a queda de Nicolás Maduro

23 de janeiro de 2019
17:29 - atualizado às 19:46
Juan Guaidó - Imagem: Twitter/Reprodução

O líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó, se declarou presidente interino do país durante um protesto contra o governo de Nicolás Maduro realizado nesta quarta-feira, 23. Em caráter simbólico, o atual presidente da Assembleia Nacional levantou sua mão direita e disse que estava "assumindo formalmente a responsabilidade do Executivo nacional".

A declaração ocorre em meio a vários atos realizados no país, onde milhares de pessoas marcham pedindo a queda de Maduro, que assumiu um novo mandato duas semanas atrás.

Líderes anunciam apoio

Logo após a fala de Guaidó, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, soltou um comunicado oficial reconhecendo o novo governo. De acordo com a nota, a Assembleia Nacional, fazendo uso de seu posto "legítimo" eleito pelo povo venezuelano, invocou a Constituição local para declarar o presidente Nicolás Maduro como "ilegítimo", o que deixaria a presidência vaga.

"O povo da Venezuela tem se pronunciado de modo corajoso contra Maduro e seu regime e exigido liberdade e o Estado de Direito", afirma a nota da Casa Branca.

Trump também afirmou que continuará a usar "todo o peso do poder econômico e diplomático dos Estados Unidos para pressionar pela restauração da democracia venezuelana". Ele diz ainda que encoraja outros governos do Hemisfério Ocidental a reconhecer Guaidó como presidente interino e trabalhar de modo construtivo com eles em apoio aos esforços do parlamentar para "restaurar a legitimidade constitucional".

"Nós continuamos a considerar o ilegítimo regime de Maduro como diretamente responsável por quaisquer ameaças que possam se apresentar à segurança do povo venezuelano", afirma Trump. A nota termina citando declaração anterior do próprio Guaidó, segundo a qual a "violência é a arma do usurpador" e há apenas uma ação clara a ser feita: "seguirmos unidos e firmes por uma Venezuela democrática e livre".

O governo do Paraguai e da Colômbia também afirmaram ser a favor do governo Guaidó. O presidente paraguaio. Mario Abdo Benítez. usou sua conta no Twitter para firmar o apoio e disse que o líder oposicionista poderá contar com o seu país "para abraçar novamente a liberdade na Venezuela". Já o presidente da Colômbia, Iván Duque, que também participa do Fórum Econômico Mundial, disse que seu governo apoia e acompanhará o processo de transição.

Bolsonaro segue a onda

De Davos, o presidente da República, Jair Bolsonaro, também afirmou que reconhece o líder da oposição venezuelana como o novo presidente do país.

"Todos nós conhecemos um pouquinho quem é Maduro. Há uma preocupação, sim, mas acredito que o Guaidó não receberá nenhum tipo de retaliação por parte do Maduro, até porque o mundo está de olho nisso. Os EUA já reconheceram também", disse o presidente.

Minutos depois, o Itamaraty informou que o Brasil "apoiará politicamente e economicamente a transição para a democracia na Venezuela".

OEA fala em "liberdade contra tirania"

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, usou sua conta no Twitter para parabenizar Guaidó por assumir como "presidente interino" da Venezuela. Em nome da organização, Almagro afirmou que Guaidó "tem o reconhecimento para impulsionar o retorno do país à democracia".

Mais cedo, o secretário-geral da OEA havia condenado a repressão de Maduro e afirmou que a população local "reclama por sua liberdade e contra a tirania", além de defender o direito de protestos e manifestações públicas no país.

Maduro fala em golpe e rompe com os EUA

Logo após a repercussão internacional das declarações de Guaidó, Maduro fez um discurso em que qualificou o movimento do opositor como uma "tentativa de golpe" orquestrada pelos Estados Unidos. Segundo ele, o "governo imperialista" dos EUA busca impor um "golpe de Estado" e que, diante disso, estava rompendo relações diplomáticas com a administração de Donald Trump, determinando a expulsão do país de todos os diplomatas americanos em 72 horas.

"Um qualquer não pode se autointitular presidente, só o povo", ressaltou Maduro. Segundo o presidente, houve "eleições livres" na Venezuela em 15 de outubro, apesar das críticas ao processo de parte da comunidade internacional, inclusive do Alto Comissariado da Organização das Nações Unidas para os Direitos Humanos, da Organização dos Estados Americanos (OEA) e da União Europeia, bem como de vários países, como os EUA. Por outro lado, o processo eleitoral foi apoiado por China, Irã, Rússia e Turquia, por exemplo.

Maduro afirmou que seu governo defenderá a soberania "a todos custo", com "o povo e as Forças Armadas". Ele lembrou que a Constituição não contempla qualquer forma de eleição de presidente que não seja o voto popular, portanto a atitude de Guaidó seria "uma questão para a Justiça, a fim de preservar o Estado".

*Com Estadão Conteúdo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Berkshire Hathaway

Até ele perde! Empresa de Warren Buffett tem prejuízo no 4º tri, e tombo da Kraft Heinz deu uma bela mãozinha

Prejuízo da empresa de alimentos, controlada por Buffett junto com a turma de Jorge Paulo Lemann, pesou nos resultados da Berkshire Hathaway

Novidades

O que mudou na declaração de imposto de renda em 2019

Principal novidade é a obrigação de informar CPF de dependentes e alimentandos, independentemente de idade; confira todas as mudanças e a atualização dos valores

Reforma da Previdência

Proposta de reforma para militares deve chegar ao Congresso antes de 20 de março

Segundo Rogério Marinho, secretário especial de Previdência e Trabalho, mudanças devem ser apresentadas ao Congresso antes do término do prazo de 30 dias estabelecido inicialmente

Em busca de um novo líder

Oi ainda sonda Amos Genish, ex-presidente da Vivo, para comandá-la

Em busca de novo líder para a sua reestruturação, operadora quer ex-presidente da Vivo e da Telecom Itália no comando, mas executivo recusou convite, por ora

Siga o dinheiro

Receita Federal entra na dança e passa a investigar miliciano ligado a Flávio Bolsonaro

Fisco vai ampliar a cooperação com o MP do Rio e investigar alvos da Operação Os Intocáveis; entre eles, está o ex-PM Adriano Magalhães da Nóbrega, cujas mãe e esposa trabalharam para o filho do presidente

Bon Vivant

Noronhe-se como os famosos! Fernando de Noronha tem luau de chefs, ‘sea coach’ e, claro, praias paradisíacas

Roteiros exclusivos e experiências customizadas são os ingredientes para incrementar a visita um dos lugares mais lindos do planeta onde dá praia o ano todo. Você também merece pisar no paraíso e curtir uns dias de folga.

É cilada, Bino

Mais de 930 moedas digitais deixaram de existir em 2018. Saiba quais são as apostas alternativas mais seguras para este ano

As informações são do site Deadcoins. Diante de tantos projetos mal-sucedidos no ano passado, criptomoedas como o Ethereum, Ripple e Iota permaneceram e são algumas das opções interessantes para 2019

Reforma da Previdência

À BBC, Mourão diz que Congresso aprova “qualquer coisa” para militar

Mourão justificou que a tramitação é muito mais rápida no caso dos militares porque, para isso, é necessário apenas um projeto de lei, que requer maioria simples dos votos

Mais um empecilho?

Tipo novela mexicana… Justiça concede liminar para suspender assembleia da Embraer que decidirá sobre acordo com Boieng

O juiz destacou que “não se visualiza nesta decisão qualquer ameaça ou comprometimento da economia do País ou situação provocadora de crise na medida que busca conservar uma situação que se encontra consolidada no tempo e eventual oscilação em preços de ações da Boeing ou da Embraer são considerados efeitos metajurídicos normais de qualquer decisão judicial sem a tônica de representar repercussão nos interesses do País”

O melhor do Seu Dinheiro

O Ministério da Economia adverte

Tem uma piada antiga sobre o fulano que vai comprar um maço de cigarros na padaria e, ao ler na embalagem que fumar causa impotência sexual, pede para o balconista trocar por um que causa câncer. Eu me lembrei da anedota ao me deparar com uma espécie de advertência do Ministério da Economia: o atual […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu