IPCA + 7,5%: receba esta e outras ofertas ‘premium’ de renda fixa no WhatsApp; clique aqui

Cotações por TradingView
2023-01-17T18:52:46-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
MERCADOS AGORA

Bolsa agora: Ibovespa interrompe sequência de quedas e sobe 2% com salto da Petrobras (PETR4); dólar desce a R$ 5,10

17 de janeiro de 2023
7:15 - atualizado às 18:52

RESUMO DO DIA: A volta das negociações em Nova York não foi suficiente para injetar mais otimismo nos investidores. Os dados da economia chinesa pressionam os investidores nesta terça-feira (17). Os balanços do Goldman Sachs e Morgan Stanley antes da abertura reflete no desempenho das bolsas em NY. Por aqui, os olhos se voltam para a participação de Haddad em Davos.

FECHAMENTO DO DIA

Quando se está no olho do furacão é difícil enxergar uma saída para escapar dos ventos de centenas de quilômetros por hora e da chuva torrencial. O Ibovespa esteve no centro do tornado formado pelo rombo contábil bilionário da Americanas (AMER3) nos últimos dias.

Por quase uma semana, as correntes de ar vindas da varejista dominaram o noticiário local e o foco do mercado. E elas seguem soprando forte com novos desdobramentos do caso surgindo a cada hora.

Mas, nesta terça-feira (17), ventos vindos do exterior finalmente conseguiram penetrar essa barreira e alcançaram os investidores brasileiros. 

A primeira brisa viajou bastante até chegar à bolsa: veio diretamente da China. O PIB do país mostrou desaceleração do crescimento econômico — o ritmo é um dos mais lentos desde a década de 1970.

Leia mais.

FECHAMENTO DO DÓLAR

O dólar à vista fechou a terça-feira (17) em queda. A moeda norte-americana recuou 0,84% hoje, cotada em R$ 5,1055.

QUALICORP (QUAL3) RECUA QUASE 6% APÓS REBAIXAMENTO DO GOLDMAN SACHS

As mudanças na gestão anunciadas no primeiro dia útil do ano não foram suficientes para conter o mau desempenho das ações da Qualicorp (QUAL3) — e  o Goldman Sachs está mais pessimista com os papéis.

O banco rebaixou a recomendação das ações da companhia, de neutro para venda, e cortou o preço-alvo da ação de R$ 12,00 para R$ 6,00 — o que representa uma alta de 1,3% em relação ao fechamento anterior. 

Como reação, os papéis da Qualicorp (QUAL3) recuavam 5,57%, a R$ 5,59 por volta das 16h (horário de Brasília). Acompanhe a cobertura completa de mercados.

Se, antes, o impasse envolvendo a Qualicorp se dava pela participação da Rede D’Or — que deve transferir 70% da sua fatia na empresa  para uma holding e ficará com apenas 6% do capital social da operadora  — agora, segundo o banco, o cenário macroeconômico é um dos fatores que pesam sobre os resultados da companhia. 

Leia mais.

SOBE E DESCE DO IBOVESPA

As perspectivas de retomada do crescimento na China seguem animando o mercado de commodities e impulsionando as ações do setor. Os papéis ordinários e preferenciais da Petrobras, por exemplo, estão entre as maiores altas do Ibovespa mesmo com o arrefecimento dos preços do petróleo.

Confira as maiores altas do índice por volta das 15h55:

CÓDIGONOMEULTVAR
RDOR3Rede D'Or ONR$ 27,856,58%
TOTS3Totvs ONR$ 28,994,88%
PETR3Petrobras ONR$ 28,314,85%
ABEV3Ambev ONR$ 13,865,00%
PETR4Petrobras PNR$ 25,044,16%
Fonte: B3

Veja também as maiores quedas:

CÓDIGONOMEULTVAR
QUAL3Qualicorp ONR$ 5,60-5,41%
VIIA3Via ONR$ 2,53-3,44%
MGLU3Magazine Luiza ONR$ 3,72-3,38%
IRBR3IRB ONR$ 1,07-1,83%
CVCB3CVC ONR$ 4,36-1,58%
Fonte: B3
BOLSA ATINGE MARCA DE 5 MILHÕES DE CPFS E BATE META ANTIGA DA B3

A bolsa brasileira finalmente alcançou a histórica marca de 5 milhões de CPFs cadastrados em dezembro de 2022, atingindo, assim, uma meta antiga da própria B3.

Segundo os destaques operacionais publicados pela dona da bolsa nesta terça-feira (17), o número de pessoas físicas cadastradas totalizou 5.007.761 ao final de 2022, uma alta de 8,8% em relação a novembro e 19% em comparação com o dezembro de 2021.

  • 11 ações para buscar lucros neste ano: conheça a lista de empresas consideradas as melhores ‘apostas’ para 2023, segundo especialistas do mercado ouvidos pelo Seu Dinheiro. ACESSE AQUI.

A marca atingida agora era um sonho antigo da B3, que traçara, ainda em 2009, a meta de alcançar os 5 milhões de CPFs ainda até 2014.

Em dezembro de 2021, a bolsa já tinha batido a marca de 5 milhões de contas (cada CPF pode ter mais de uma conta), item que agora em dezembro atingiu os 5.885.238, um alta de 8,2% em relação a novembro e 17,4% em relação a dezembro de 2021.

Leia mais.

AMERICANAS (AMER3): RIAL CONTA COMO DESCOBRIU O ROMBO BILIONÁRIO

Muitas dúvidas ainda pairam sobre as inconsistências contábeis de R$ 20 bilhões da Americanas (AMER3), mas algumas respostas começam a aparecer agora. Uma delas diz respeito a como o rombo foi encontrado e quem desvenda esse mistério é Sérgio Rial, o ex-CEO da varejista. 

Ele conta que o buraco bilionário foi encontrado a partir de entrevistas com executivos remanescentes da Americanas.

“Coube-me, como executivo-líder, primeiro entrevistar executivos remanescentes, questionar e entender quaisquer preocupações e novas perspectivas. Nessas conversas, informações e dúvidas foram compartilhadas e com o natural aprofundamento para entendê-las e dar-lhes direcionamentos conjuntamente com o novo CFO, Andre Covre, chegamos ao quadro do fato relevante com transparência e fidedignidade”, escreveu Rial no Linkedin. 

Rial afirma ainda que “quaisquer especulações ou teorias distintas disso são leviandades”.

Leia mais.

FECHAMENTO DA EUROPA

Com a agenda esvaziada na Europa, as bolsas encerraram as negociações sem direção única. Confira o fechamento:

  • Frankfurt: +0,33%;
  • Londres: -0,09%;
  • Paris: +0,48%;
  • Stoxx 600: +0,30%.
DÓLAR NAS MÍNIMAS

O dólar segue em trajetória de queda nesta terça-feira (17) e, por volta das 14h, atingiu uma nova mínima. A moeda norte-americana à vista recuava 1,01%, cotada em R$ 5,0966, enquanto o dólar futuro caía 1,13%, a R$ 5,111

LOJAS RENNER (LREN3) NEGA NEGOCIAÇÕES PARA COMPRA DA C&A (CEAB3)

A Lojas Renner (LREN3) negou nesta terça-feira (17) que pretender comprar a rival C&A (CEAB3). O rumor sobre a possível aquisição no varejo da moda espalhou-se pelo mercado ontem e provocou uma disparada nas ações da C&A, que fecharam o dia em alta de mais de 11%.

Questionada pela B3 a respeito da notícia, a Renner afirmou que "não procedem as informações de que estaria negociando a compra da operação brasileira da varejista de moda C&A".

Por volta das 13h20, os papéis LREN3 subiam 0,96%, a R$ 19,92, enquanto as ações CEAB3 recuavam 5,9%, cotadas em R$ 2,55.

A BOLSA AGORA

Com o apoio das commodities e do setor bancário - que recupera parte das perdas provocadas pela Americanas (AMER3) -, o Ibovespa opera em alta nesta terça-feira (17). Por volta das 12h55, o principal índice acionário da B3 subia 1,37, aos 110.713 pontos.

A performance vai na contramão do mercado internacional. Em Nova York, os principais índices acionários de Wall Street, registram quedas. Veja abaixo:

  • S&P 500: -0,09%
  • Nasdaq: -0,02%
  • Dow Jones: -0,9%

O dólar à vista também opera no campo negativo, seguindo a trajetória de enfraquecimento da moeda norte-americana no exterior. No mesmo horário, a divisa caía 0,68%, cotada em R$ 5,1128.

SOBE E DESCE DO IBOVESPA

Confira as maiores altas do Ibovespa por volta das 12h30:

CÓDIGONOMEULTVAR
AMER3Americanas S.AR$ 2,1510,82%
RDOR3Rede D'Or ONR$ 27,706,01%
ABEV3Ambev ONR$ 13,764,24%
PETR3Petrobras ONR$ 28,114,11%
PETR4Petrobras PNR$ 24,973,87%
Fonte: B3

Veja também as maiores quedas do índice:

CÓDIGONOMEULTVAR
QUAL3Qualicorp ONR$ 5,58-5,74%
VIIA3Via ONR$ 2,54-3,05%
BEEF3Minerva ONR$ 14,91-1,58%
MGLU3Magazine Luiza ONR$ 3,80-1,30%
CPFE3CPFL Energia ONR$ 31,99-1,27%
Fonte: B3
BANCOS TENTAM RECUPERAR PERDAS COM ‘RISCO AMERICANAS’

Os bancos com exposição à Americanas (AMER3), ou seja, que concederam crédito à varejista operam em queda no Ibovespa em razão do "Risco Americanas" de calote. Segundo estimativa do Valor, a Americanas (AMER3) deve cerca de R$ 18,8 bilhões aos bancos, sendo R$ 13,6 bilhões de capital como "risco sacado" (financiamento para pagar fornecedores):

Confira o desempenho dos bancos:

CÓDIGONOMEULTVAR
BPAC11 BTG Pactual units R$ 22,19 3,40%
BBAS3Banco do Brasil ON R$ 36,61 2,81%
SANB11 Santander Brasil units R$ 28,94 1,26%
ITUB4 Itaú Unibanco PN R$ 25,65 0,31%
BBDC4 Bradesco PN R$ 14,530,00%
BBDC3 Bradesco ON R$ 12,79 -0,23%

Agora, confira os números das dívidas das Americanas nos bancos:

BANCO CREDORVALOR DA DÍVIDA
Bradesco R$ 4,7 bilhões
SantanderR$ 3,7 bilhões
Itaú UnibancoR$ 3,4 bilhões
SafraR$ 2,5 bilhões
BTG PactualR$ 1,9 bilhões
Banco do BrasilR$ 1,3 bilhões
DaycovalR$ 0,6 bilhões
BVR$ 0,4 bilhões
ABCR$ 0,3 bilhões
TOTALR$ 18,8 BILHÕES
Fonte: Valor
AMERICANAS (AMER3) DÁ CALOTE EM DEBÊNTURES

O imbróglio da Americanas (AMER3) ganhou novo capítulo nesta terça-feira (17) com a informação de que a varejista deixou de pagar os juros remuneratórios referentes à 17ª emissão de debêntures, isto é, títulos de crédito privado. Na prática, isto significa que a Americanas deu calote nos detentores dessas debêntures.

Em comunicado publicado na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a Americanas justifica o calote mencionando a tutela cautelar obtida pela varejista na sexta-feira (13) no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. Essa é uma etapa que antecede e prepara a companhia para a recuperação judicial.

Na decisão, a Americanas fica blindada contra possíveis bloqueios ou penhoras de bens e adia o pagamento das dívidas, que, ainda de acordo com o documento, chegam a R$ 40 bilhões.

Desse modo, de acordo com a Americanas, o pagamento dos juros das debêntures está suspenso.

Leia mais.

ABERTURA DE NOVA YORK

As bolsas americanas abriram sem direção única. Os investidores repercutem a divulgação dos balanços de Goldman Sachs e Morgan Stanley, no pré-mercado. Soma-se a isso, o forte recuo do PIB da China, mas com sinalizações positivas da reabertura do país no quatro trimestre de 2022.

Confira a abertura em Nova York:

  • Dow Jones: -0,15%;
  • S&P 500: +0,01%;
  • Nasdaq: -0,09%.
AMERICANAS (AMER3) SOBE 12%

Os papéis da Americanas (AMER3) avança 12,89%, a R$ 2,18.

Os ativos operam com muita volatilidade desde a descoberta do rombo contábil de R$ 20 bilhões, que culminou na renúncia do presidente Sergio Rial e do diretor financeiro, André Covre, na última quarta-feira (11).

ATIVIDADE INDUSTRIAL NOS EUA EM DEZEMBRO

O índice de atividade industrial Empire State, que mede as condições da manufatura no Estado de Nova York, caiu de -11,2 em dezembro de 2022 para -32,9 em janeiro de 2023, segundo pesquisa divulgada pela distrital de Nova York do Federal Reserve (Fed).

O resultado foi aquém das expectativas de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que previam alta do indicador a -7 neste mês.

Entre dezembro e janeiro, o subíndice de número de empregados caiu 11 pontos, para 2,8, seu menor nível em mais de dois anos, "sinalizando que crescimento do emprego estagnou", indica relatório do Fed.

*Com informações de Broadcast

GAFISA ATENDE SOLICITAÇÃO DA ESH E CONVOCA NOVA ASSEMBLEIA; AÇÕES DISPARAM 23%

Pouco mais de uma semana após a última assembleia geral extraordinária da Gafisa (GFSA3), que debateu o aumento de capital de R$ 78 milhões homologado recentemente e possíveis ações de responsabilidade contra os executivos da costrutora, a companhia anunciou que fará outro encontro de acionistas.

A notícia alimenta o apetite pelos papéis da construtora nesta terça-feira (17). Por volta das 11h10, as ações GFSA3 operavam em alta de 23,17%, aos R$ 14,30.

Marcada para 10 de fevereiro, a nova AGE foi solicitada novamente pela Esh Capital, acionista da empresa cujo pedido também foi responsável pela convocação anterior. A proposta da gestora foi derrotada no encontro de janeiro, mas não desistiu da batalha pública que trava contra o empresário Nelson Tanure e outros controladores da Gafisa.

Na pauta do novo encontro está a suspensão dos direitos políticos da Planner, MAM Asset, Trustee Distribuidora, Banco Master e pessoas físicas e jurídicas que tenham qualquer tipo de ligação com Tanure até que uma oferta pública de aquisição (OPA) seja realizada com base na poison pill — ou pílula de veneno.

O dispositivo está presente no estatuto das empresas que buscam manter o equilíbrio e resguardar os acionistas minoritários. A poison pill é utilizada para dificultar a tomada de controle de uma empresa com capital pulverizado na bolsa, quando um acionista pode, em muitos casos, dar as cartas mesmo sem alcançar mais de 50% de participação.

No caso da Gafisa, o estatuto social determina que qualquer investidor que atingir 30% do capital precisa lançar uma oferta pública de aquisição das ações dos demais acionistas a preços iguais ou superiores ao pago pelos investidores nos seis meses anteriores.

Vale destacar que, antes da última assembleia, Nelson Tanure e outros controladores da empresa fortaleceram a posição para a votação.

A MAM Asset Management, gestora do Banco Master e veículo de investimentos do empresário, aumentou para 20,54% sua participação na Gafisa.

O argumento da Esh é o de que por mais que a MAM não tenha ultrapassado a linha dos 30%, a fatia detida pela asset, somada a eventuais participações detidas por Tanure e outros veículos ligados a ele, atingiram cerca de 44,33%, marca que dispararia a poison pill e exigiria a realização de uma OPA.

AREZZO (ARZZ3) COMPRA A FABRICANTE DE CALÇADOS VICENZA POR R$ 103,8 MILHÕES

Basta conversar com algum gestor de ações sobre o setor de consumo para ouvir o nome Arezzo (ARZZ3) entre os favoritos, reflexo de um negócio bem executado e bons resultados, que resistiram ao pior período da pandemia.

Conhecida também por suas aquisições, a empresa liderada por Alexandre Birman acaba de anunciar a compra de 60% das ações da Calçados Vicenza por um total de R$ 103,8 milhões — o valor ainda pode sofrer ajustes conforme definições de contrato.

Segundo o comunicado arquivado na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a Vicenza foi avaliada em R$ 173 milhões. Deste valor, 60% (ou R$ 104 milhões) será pago em dinheiro e os R$ 69 milhões restantes em ações — com período de lockup de quatro anos.

A Arezzo terá de fazer um aumento de capital para cobrir a parte em ações, mas isso deve representar uma diluição pequena para os acionistas atuais, estimada em 0,7% pelos cálculos da Empiricus Research.

Leia mais.

QUALICORP (QUAL3) RECUA APÓS REBAIXAMENTO NA RECOMENDAÇÃO

O banco Goldman Sachs rebaixou as recomendações de neutro para venda dos papéis de Qualicorp (QUAL3), além do corte no preço-alvo de R$ 12,00 para R$ 6,00.

Como reflexo disso, as ações de Qualicorp (QUAL3) caem 5,57%, a R$ 5,59.

AREZZO (ARZZ3) SOBE 1%

Os ativos de Arezzo (ARZZ3) sobem 1,51%, a R$ 78,60, após a empresa anunciar a compra da Vicenza por R$ 103,8 milhões.

Além da operação, os papéis beneficiam-se do alívio nos juros futuros (DIs), que operam em queda nesta terça-feira (17).

SOBE E DESCE DO IBOVESPA

O Ibovespa opera em alta de 1,04%, aos 110,336 pontos.

Confira as maiores altas:

CÓDIGONOMEULTVAR
RDOR3Rede D'Or ONR$ 26,912,99%
CASH3Meliuz ONR$ 1,102,80%
VIIA3Via ONR$ 2,682,29%
ABEV3Ambev ONR$ 13,451,89%
MGLU3Magazine Luiza ONR$ 3,921,82%

E as maiores quedas do dia:

CÓDIGONOMEULTVAR
QUAL3Qualicorp ONR$ 5,74-3,04%
SMTO3São MartinhoR$ 22,01-1,61%
BEEF3Minerva ONR$ 14,92-1,52%
ENGI11Engie unitsR$ 40,43-1,15%
CPFE3CPFL Energia ONR$ 32,14-0,80%
AMERICANAS (AMER3) ENTRA EM LEILÃO

As ações de Americanas (AMER3) seguem o ritmo dos últimos dias, com alta volatilidade e pausas de negociações (leilões).

Há pouco, os papéis AMER3 entraram em leilão após avançar 10,31%, a R$ 2,41. Esse já a terceira interrupção na sessão.

ABERTURA DO IBOVESPA

O Ibovespa abriu em alta de 0,63%, aos 109.898 pontos, na contramão de Nova York.

A bolsa brasileira sobe com as expectativas positivas sobre a abertura da China a partir de dados de retomada econômica do quatro trimestre de 2022, apesar do forte recuo do PIB chinês no ano.

Além disso, o Ibovespa é impulsionado pelo alívio nos juros futuros, com o arrefecimento do IGP-10 de janeiro, e com o avanço de mais de 1% do petróleo no mercado internacional. A fala do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, sobre a possível votação da Reforma Tributária, com foco no consumo, ainda no primeiro semestre, durante painel em Davos também reflete nos ativos.

No mesmo horário, o dólar à vista opera em queda, a R$ 5,1259.

FUTUROS EM NOVA YORK

Os índices futuros operam em queda, com o recuo da atividade econômica (PIB) da China e divulgação dos balanços dos bancos Goldman Sachs e Morgan Stanley.

Confira o desempenho de Wall Street:

  • Dow Jones futuro: -0,31%;
  • S&P 500 futuro: -0,24%;
  • Nasdaq futuro: -0,33%.
ADRS DE VALE E PETROBRAS EM NOVA YORK

Com o PIB mais fraco da China, mas com sinalizações positivas de reabertura das fronteiras do país, as commodities operam sem direção única - o petróleo avança mais de 1%, enquanto o minério de ferro registra queda de 1,30%.

Isso reflete nos papéis negociados em Nova York, conhecidos como recibos de ações (ADRs) de companhias brasileiras, de Vale e Petrobras.

Os ativos de Vale caem 1,52%, a US$ 18,15 e Petrobras recua 1,38%, a US$ 10,69 no pré-mercado de Nova York, acompanhando os índices futuros de Wall Street.

MATHEUS SPIESS: MERCADO EM 5 MINUTOS

AQUELE R$ 1,00 QUE PODE SE TRANSFORMAR EM R$ 370 MILHÕES

Lá fora, as bolsas asiáticas caíram nesta terça-feira, apesar dos sinais positivos dos mercados globais durante o pregão de ontem, com os investidores reagindo aos importantes dados econômicos do quarto trimestre vindos da China – ainda que acima das expectativas, o gigante asiático registrou seu segundo menor crescimento econômico anual em quase 50 anos. Adicionalmente, os investidores também estão avaliando a persistência da inflação e a possibilidade de recessão.

Acompanhando o humor negativo, os mercados europeus têm queda nesta manhã. A mesma direção para baixo pode ser verificada nos futuros americanos — os ativos dos EUA voltam hoje do feriado de Martin Luther King Jr., que fechou os mercados por lá ontem.

A temporada de resultados ganha força nesta semana, em paralelo à divulgação de alguns dados econômicos importantes por lá. No Brasil, voltamos a nos preocupar com o contexto político, diante da chance de nova derrota de Haddad.

A ver…

00:45 — E o salário-mínimo?

Por aqui, além do interminável debate sobre os desdobramentos do caso Americanas, ainda temos que voltar a nos preocupar com a nova possibilidade de derrota da equipe econômica na discussão sobre um aumento maior do salário-mínimo. Se o pacote de medidas da semana passada, apesar de dar uma direção um pouco mais positiva, já ficou apagado, o risco agora é de novo ruído fiscal relevante prejudicando a curva de juros e o câmbio.

Ao que tudo indica, o presidente Lula está estudando subir o valor do mínimo acima dos R$ 1.320 previsto no orçamento para o ano firmado no final de 2022. O problema é que para cada R$ 1,00 de aumento no valor do mínimo estima-se um impacto de R$ 370 milhões. Para uma equipe econômica, que esperava poder levar o déficit para algo entre 0,5% e 1% ainda em 2023, a possibilidade de derrota não é uma opção. 

É problemático porque o salário-mínimo atual de R$ 1.302 já cumpria a promessa de campanha, com aumento real (acima da inflação) de 1,41%. É pouco, sim, mas melhor do que houve nos últimos anos. Ou seja, caso caminhemos para mais aumentos (as centrais sindicais pedem mais de R$ 1.340,00), podemos esvaziar novamente o poder da equipe econômica, prejudicando o trabalho de sinalizar responsabilidade fiscal.

01:44 — Dados econômicos e o encontro de Yellen

Nos EUA, os investidores devem enfrentar hoje a volta do feriado do mercado, com a divulgação do Livro Bege e da inflação ao produtor, ambas previstas para amanhã, na cabeça dos agentes preocupados com atividade e nível dos preços em 2023. Ainda temos esperança de que haja um ritmo moderado de crescimento, o qual possibilitaria uma menor pressão inflacionária e, consequentemente, menos espaço para mais juros. 

Ao mesmo tempo, há uma preocupação com a temporada de resultados, que hoje conta com nomes como Morgan Stanley e Goldman Sachs, caso haja uma desaceleração exacerbada dos números corporativos, sinalizando uma recessão mais dura do que se pressupunha.

Até agora, pelo menos, das 29 empresas do S&P 500 que divulgaram lucros, 24 superaram as expectativas dos analistas. O problema é que, como se não bastasse as perspectivas econômicas, ainda há geopolítica para hoje.

A secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, deve realizar uma reunião com o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, no Fórum Econômico Mundial, em Davos. A ideia seria reforçar a coordenação das políticas macroeconômicas e financeiras entre as principais economias do mundo.

O encontro deve acontecer amanhã, dia 18 de janeiro, e pode concluir a implementação dos acordos firmados entre o presidente dos Estados Unidos e o presidente da China, Xi Jinping, no final do ano passado.

02:40 — Ventos europeus

Os mercados europeus digerem os dados trabalhistas do Reino Unido, que mostraram menos contratação em dezembro. A força adicional no mercado de trabalho reforça o que tem sido dito pela autoridade monetária, de que as taxas de juros terão que entrar em território restritivo para trazer a inflação de volta à meta. O mesmo pode ser observado na Zona do Euro: dificilmente o BCE irá frear o aperto monetário agora.

Para ajudar, os dados de sentimento provenientes da Alemanha (a pesquisa ZEW de especialistas econômicos) vieram mais fortes do que o esperado. Por um lado, o movimento sinaliza que uma recessão dura no velho continente é menos provável. Por outro, uma atividade econômica forte e a manutenção do patamar de inflação em níveis elevados prejudicam o espaço para flexibilização da política monetária.

03:29 — O crescimento chinês

O mundo foi surpreendido ontem com a notícia de que a população da China caiu em 2022 pela primeira vez em seis décadas. Uma das forças do PIB de um país deriva da quantidade de pessoas que nele vivem e quantas delas trabalham (crescimento populacional e crescimento da produtividade). Em outras palavras, populações em queda tornam o crescimento negativo mais provável, o que provavelmente será uma preocupação latente no mundo nas próximas décadas.

Coincidentemente, tivemos também dados de crescimento econômico chinês também. A economia da China teve um crescimento anual de 2,9% no quarto trimestre, sendo um número melhor do que o esperado (a composição dos dados sugere uma queda na participação do consumidor no PIB, podendo significar um crescimento de pior qualidade e com menor tendência para os próximos trimestres).

Podemos ver a força da China em 2023 com seu processo de reabertura. O país afetou fortemente a atividade econômica nos últimos meses, devido ao aumento de infecções, escassez temporária de mão de obra e interrupções na cadeia de suprimentos. Uma reversão desse processo pode servir de amortecedor da desaceleração global, dando suporte às matérias-primas.

04:25 — Há motivos para otimismo

Nem tudo é desgraça lá fora; afinal, ainda não estamos em recessão. Nos EUA, por exemplo, a contração ainda não se verifica de maneira unilateral, com mercado de trabalho ainda forte. Ao mesmo tempo, como também se verifica em outras regiões do mundo, ainda que o custo de vida esteja elevado, a taxa de inflação parece ter atingido o pico. As notícias são positivas para quem quer trabalhar com um 2023 mais otimista.

Em sendo o caso, talvez haja uma nítida desaceleração da economia, como deveria ser em qualquer ciclo econômico em que há contracionismo monetário, mas nada catastrófico. O movimento pode ser positivo para o Brasil, que costuma ser considerado um grande beta global (as coisas vão muito bem quando o mundo vai bem). Assim, mesmo que cresçamos menos em 2023, talvez evitemos a recessão.

ABERTURA DOS JUROS FUTUROS

Com o arrefecimento do IGP-10, que veio mais fraco do que o esperado, os juros futuros (DIs) abriram as negociações estáveis e com viés de queda. Confira:

NOME ULT  FEC 
DI Jan/2413,54%13,54%
DI Jan/2512,62%12,64%
DI Jan/2612,50%12,50%
DI Jan/2712,46%12,48%
GIRO CORPORATIVO: PETROBRAS, CSN E OI

A Petrobras (PETR4) e a CSN Mineração (CMIN3) vão engordar o caixa, mas por motivos bem distintos. A Oi (OIBR3) decidiu jogar a toalha e retirou as projeções para o negócio da empresa dentro do plano estratégico feito em 2021.

Leia a seguir alguns dos destaques do giro corporativo desta terça-feira

O dólar à vista perdeu os ganhos da abertura e passou a operar em tom negativo. A moeda americana cai 0,14%, a R$ 5,1413.

ABERTURA DO DÓLAR

O dólar à vista abriu em alta de 0,13%, a R$ 5,1533.

ABERTURA DO IBOVESPA FUTURO

O Ibovespa futuro abriu em alta de 0,04%, aos 110.000 pontos. Por sua vez, o dólar à vista começou o dia em queda de 0,14%, cotado a R$ 5,1413.

COMMODITIES SE AJUSTAM AO PIB CHINÊS

As principais commodities do mundo têm ajuste após os dados da China. A expectativa com a demanda da segunda maior economia do planeta motiva uma leve alta hoje.

Ainda que o PIB tenha crescido menos do que o esperado, a atividade por lá segue em expansão.

Confira:

  • Petróleo Brent: US$ 85,19 (+0,84%)
  • Minério de ferro (Dalian, China): US$ 121,10 (+0,37%)
DAY TRADE NA B3

Após o fechamento do último pregão, identifiquei uma oportunidade de swing trade baseada na análise quant - compra dos papéis de Positivo (POSI3).

POSI3: [Entrada] R$ 7.85; [Alvo parcial] R$ 8.06; [Alvo] R$ 8.37; [Stop] R$ 7.50

Recomendo a entrada na operação em R$ 7.85, um alvo parcial em R$ 8.06 e o alvo principal em R$ 8.37, objetivando ganhos de 6.6%.

O stop deve ser colocado em R$ 7.50, evitando perdas maiores caso o modelo não se confirme.

Leia mais.

IGP-10 DE JANEIRO

O Índice Geral de Preços - 10 (IGP-10) subiu 0,05% em janeiro, um arrefecimento maior que projeções do mercado, de alta de 0,34%.

No mês anterior, a taxa havia sido de 0,36%.

Com esse resultado, o índice acumula alta de 4,27% em 12 meses. Em janeiro de 2022, o índice subira 1,79% no mês e acumulava elevação de 17,82% em 12 meses.

*Com informações de Broadcast.

FUTUROS DE NOVA YORK VOLTAM DO FERIADO EM QUEDA

Os índices futuros de Wall Street começam o dia em queda.

As bolsas por lá permaneceram fechadas ontem em virtude do feriado de Martin Luther King. Os investidores digerem os dados da economia chinesa enquanto aguardam os balanços do dia.

Goldman Sachs e Morgan Stanley devem divulgar seus dados do trimestre antes da abertura; a United Airlines deve fazê-lo após o fechamento do pregão.

Confira:

  • S&P 500 Futuro: -0,26%
  • Dow Jones Futuro: -0,18%
  • Nasdaq Futuro: -0,40%
BOLSAS DA EUROPA CAEM APÓS PIB DA CHINA

Os índices da Europa operam em queda nesta terça-feira. As bolsas por lá reagem aos dados do PIB da China.

Os investidores acompanham o segundo dia do Fórum Econômico de Davos, na Suíça. Ao mesmo tempo, o relatório mensal de petróleo da Opep também é destaque. O documento, no entanto, deve ser divulgado só mais tarde.

Confira:

  • Frankfurt: -0,23%;
  • Londres: -0,22%;
  • Paris: -0,21%:
  • Euro Stoxx 50: -0,29%
BOLSAS DA ÁSIA FECHAM MISTAS APÓS PIB DA CHINA

As principais bolsas de valores da Ásia fecharam mistas hoje. Os investidores reagiram principalmente ao PIB da China.

A expansão econômica chinesa desacelerou de 8,1% em 2021 para 3% no ano passado. Entretanto, o PIB do quarto trimestre cresceu 2,9%, bem acima das expectativas.

O resultado levou a reações mistas pelas região.

Veja como fecharam as bolsas asiáticas hoje:

  • Tóquio: +1,23%
  • Seul: -0,85%
  • Xangai: -0,10%
  • Hong Kong: -0,78%
  • Taiwan: +0,04%
PIB DA CHINA TEM FORTE DESACELERAÇÃO, MAS RESULTADO VEM MELHOR QUE O ESPERADO

O Produto Interno Bruto (PIB) da China cresceu 2,9% no quatro trimestre de 2022 ante igual período de 2021, informa o Escritório Nacional de Estatísticas do país.

O número superou a previsão de analistas consultados pelo Wall Street Journal, que esperavam expansão de 1,7%.

No acumulado do ano, a economia chinesa registrou expansão de 3%, o que representa uma forte desaceleração em relação a 2021, quando o PIB do país avançou 8,1%.

Em relação ao terceiro trimestre, o crescimento no último período de 2022 foi nulo.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

LOTERIAS

Lotofácil e Quina acumulam; Mega-Sena pode pagar R$ 115 milhões hoje

1 de fevereiro de 2023 - 6:01

Mega-Sena está acumulada desde o sorteio da virada; Lotofácil e Quina também oferecem prêmios milionários nesta quarta-feira

maus ventos

O Brasil vai acabar? Inflação pode deixar de responder ao BC se Lula conseguir mudar meta, dizem gestores

31 de janeiro de 2023 - 21:24

Rodrigo Azevedo, da Ibiuna, e Felipe Guerra, da Legacy, estão com visão pessimista para o Brasil

DIA 31

Está confirmado: Lula vai para os EUA no dia 10 de fevereiro — veja o que ele vai discutir com Biden

31 de janeiro de 2023 - 20:06

Enquanto o encontro não chega, o petista tentou acalmar os ânimos dos investidores — que seguem desconfiados em relação à responsabilidade fiscal do novo governo

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa sobe em meio ao caos de um interminável janeiro; o que afeta a bolsa nos próximos dias?

31 de janeiro de 2023 - 18:57

Veja tudo o que movimentou os mercados nesta terça-feira, incluindo os principais destaques do noticiário corporativo

MELHORES DO MÊS

Renascimento cripto: bitcoin (BTC) volta a brilhar, sobe mais de 30% e é disparado o melhor investimento de janeiro; títulos do Tesouro ficam na lanterna

31 de janeiro de 2023 - 18:46

As medalhas de prata e bronze foram para o ouro e para o Ibovespa, em um movimento de busca por segurança — e barganhas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies