🔴 EVENTO GRATUITO: COMPRAR OU VENDER VALE3? INSCREVA-SE

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
MERCADOS HOJE

Bolsa agora: Ibovespa opta pela cautela antes do feriado de carnaval e recua, mas saldo da semana é positivo; dólar cai

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
17 de fevereiro de 2023
7:09 - atualizado às 18:17

RESUMO DO DIA: Os temores de um aperto monetário mais intenso nos Estados Unidos acabou comandando a véspera de feriado.

No Brasil, apesar da falta de novidades na troca de farpas entre o governo federal e o Banco Central, os investidores optaram por uma postura mais cautelosa antes do feriado que irá fechar a bolsa de valores até a próxima quarta-feira 22).

Além do cenário político-fiscal, os investidores também repercutiram balanços de peso-pesados como a Weg e a Vale.

Confira os principais acontecimentos do dia:

SOBE E DESCE DO IBOVESPA

Confira as maiores altas da semana:

CÓDIGONOMEULTVARSEM
HAPV3Hapvida ONR$ 5,1012,33%
VIIA3Via ONR$ 2,259,76%
BBDC4Bradesco PNR$ 13,909,71%
SOMA3Grupo SomaR$ 9,348,48%
TIMS3Tim ONR$ 12,218,15%

Confira também as maiores quedas do período:

CÓDIGONOMEULTVARSEM
AZUL4Azul PNR$ 7,80-11,46%
RRRP33R Petroleum ONR$ 39,88-10,54%
PRIO3PetroRio ONR$ 38,28-10,46%
BRKM5Braskem PNAR$ 20,13-8,71%
MGLU3Magazine Luiza ONR$ 3,68-7,77%
FECHAMENTO

O Ibovespa encerrou o dia em queda de 0,70%, aos 109.176 pontos. Na semana, a alta do índice foi de 1,02%

FECHAMENTO EM NOVA YORK

Os índices americanos tentaram reduzir o ritmo de queda na etapa final do pregão, mas o cenário macro acabou falando mais alto.

O dia foi de perdas em Wall Street, repercutindo uma piora de expecativa para a economia global (o que derrubou as commodities), mas também a leitura de que o Federal Reserve pode ser obrigado a seguir elevando os juros em um ritmo desconfortável para o mercado financeiro.

Confira o fechamento dos principais índices:

  • Dow Jones: + 0,39%
  • S&P 500: - 0,27%
  • Nasdaq: - 0,58%

Minutos antes do encerramento do pregão, as bolsas americanas ganham força. O Dow Jones passou a operar no azul.

VALE (VALE3) TRAZ O EX-BRAÇO DIREITO DE ELON MUSK NA TESLA PARA SE DESFAZER DE PARTE DO NEGÓCIO DE METAIS BÁSICOS

Numa grande batalha, a regra é contar com bons aliados. E foi assim que a Vale (VALE3) chamou Jerome Guillen, ex-braço direito de Elon Musk dentro da Tesla, para ajudar na venda de parte de sua divisão de metais básicos.

O anúncio foi feito nesta sexta-feira (17) durante teleconferência com analistas para comentar o resultado do último trimestre de 2022 da mineradora.

Esse é o primeiro anúncio de um executivo para o conselho da Vale Base Metals, subsidiária que inclui as operações das minas de níquel e cobre da companhia, em atuação separada do segmento de minério de ferro.

Na Tesla, Guillen cuidava da unidade de caminhões da empresa, onde permaneceu durante 10 anos. Antes disso, foi presidente da área automotiva da companhia de Elon Musk, além de ter trabalhado na Daimler.

Leia mais.

FECHAMENTO DO DIA

O dólar à vista encerrou o dia em queda de 0,96%, a R$ 5,1615

XP DESPENCA QUASE 20% EM NY APÓS RESULTADOS, E CREDIT REBAIXA AÇÃO PARA VENDA

O balanço da XP Investimentos, divulgado na noite da última quinta-feira (16), não agradou os investidores nem os analistas, levando os papéis da corretora a despencarem quase 20% nesta sexta-feira na Nasdaq, em Nova York. Os BDRs negociados na B3 sob o código XPBR31 tombaram 18,15%.

Considerados fracos, os números levaram, inclusive, o Credit Suisse a rebaixar a recomendação para as ações da empresa para underperform (equivalente a venda), cortando o preço-alvo dos papéis de US$ 27 para US$ 15, um potencial de queda de 5,60% em relação ao fechamento de ontem.

O banco suíço reduziu suas estimativas para a XP em razão do "ambiente de receitas mais deteriorado", considerando os resultados da companhia muito negativos.

"Com a queda das receitas em todas as áreas (varejo e principalmente atacado), os resultados da empresa foram afetados pela alavancagem operacional negativa, apesar do esforço de redução de custos. Mais uma vez a XP não gerou caixa, com redução do caixa líquido de R$ 459 milhões", destacou o relatório.

Leia mais.

DESTAQUE DO DIA

A recriação do Minha Casa Minha Vida vem movimentando o setor imobiliário nesta sexta-feira (17).
Fora do Ibovespa, um dos principais destaques é a Viver (VIVR3), que sobe quase 30%.

VALE (VALE3) TEM BALANÇO SÓLIDO, MAS O MERCADO AINDA PREFERE ESPERAR PARA EMBARCAR OUTRA VEZ NA MINERADORA

O balanço da Vale (VALE3) divulgado na noite de quinta-feira (16) até veio um pouco melhor do que os números estimados pelos analistas, mas isso não quer dizer que o mercado vai correr em busca dos papéis da mineradora ou embarcar de vez em sua tese.

Isso porque, mais do que olhar esse retrato da reta final de 2022, os investidores querem mesmo é obter mais respostas sobre o futuro da empresa. E aí, sim, apostar em sua valorização. De maneira geral, esse foi o recado dos principais analistas após análise do balanço trimestral.

Parte desse reflexo já pode ser observado no pregão de hoje: por volta das 15h00, VALE3 recuava 0,37%, cotada a R$ 88,86. Longe de ser um tombo, mas mostrando que ninguém se animou demais com os dados revelados na véspera.

As primeiras impressões sobre o balanço da Vale (VALE3)

Em relatório, o JP Morgan — que rebaixou a recomendação da Vale há poucos dias — aponta que não espera revisões para os números da companhia após o balanço. Destacam, ainda, que os investidores permanecem receosos com as perspectivas para o preço do minério de ferro nos próximos meses, o que pode afastá-los do ativo.

Leia mais.

JUROS FUTUROS

A leve cautela que predomina na B3 também afeta os juros futuros. Apesar da falta de notícias no campo político, o temor fiscal e com o futuro da autonomia do Banco Central ainda são feridas recentes, levando os investidores a evitarem passar o feriado com posições muito otimistas montadas. Confira:

CÓDIGONOME ULT  FEC 
DI1F24DI Jan/2413,26%13,21%
DI1F25DI Jan/2512,55%12,54%
DI1F26DI Jan/2612,68%12,68%
DI1F27DI Jan/2712,87%12,87%
DÓLAR NAS MÍNIMAS

Apesar da cautela que domina na bolsa, o dólar à vista segue renovando mínimas. O movimento vem na esteira do movimento visto no exterior, com a moeda americana enfraquecida frente aos seus principais pares.

FECHAMENTO NA EUROPA
  • Frankfurt: -0,33%
  • Londres: -0,10%
  • Paris: -0,25%;
  • Stoxx-600: -0,23%

O dólar à vista mantém-se em queda a R$ 5,1888.

Os juros dos Treasuries perderam a força e passaram a cair há pouco. O movimento deve aliviar os DIs por aqui

JUROS FUTUROS AVANÇAM

Apesar da desvalorização do dólar, o avanço dos Treasuries e a cautela com o cenário fiscal doméstico impulsionam a curva de juros futuros para o tom altista. Confira:

NOMEULT FEC 
DI Jan/2413,32%13,21%
DI Jan/2512,61%12,54%
DI Jan/2612,75%12,68%
DI Jan/2712,96%12,87%

SOBE E DESCE DO IBOVESPA

O Ibovespa cai 0,27%, aos 109.650 pontos.

Confira as maiores altas:

CÓDIGONOMEULTVAR
SOMA3Grupo SomaR$ 9,382,07%
RAIL3Rumo ONR$ 18,312,01%
VIVT3Telefônica Brasil ONR$ 41,281,98%
BEEF3Minerva ONR$ 12,601,86%
UGPA3Ultrapar ONR$ 13,111,71%

E as maiores quedas do dia:

CÓDIGONOMEULTVAR
HYPE3Hypera ONR$ 44,47-4,01%
CASH3Meliuz ONR$ 0,91-3,19%
PCAR3GPA ONR$ 17,76-3,11%
CVCB3CVC ONR$ 3,60-2,96%
PRIO3PetroRio ONR$ 39,13-2,78%
COMO ANDAM OS MERCADOS

Os mercados operam com maior cautela nesta sexta-feira (17), em dia de agenda esvaziada e queda forte do petróleo, com expectativa de manutenção do acordo firmado pela Opep+ no final do ano passado.

O Ibovespa cai 0,36%, aos 109.543 pontos. O dólar à vista também opera em queda, a R$ 5,1915, com maior entrada de fluxo estrangeiro.

No cenário doméstico, os investidores repercutem os balanços trimestrais de Vale (VALE3), Lojas Renner (LREN3), Hypera (HYPE3) e Engie (EGIE3). Além disso, os riscos fiscais continuam no radar com o anúncio do reajuste do salário mínimo, para R$ 1.320.

Os destaques do dia são o avanço do setor de energia, puxada pelo bom desempenho de Engie (EGIE3); e Weg (WEGE3) com JP Morgan e Itaú BBA reiterando as recomendações de compra dos papéis da companhia. O setor de bancos também ensaia recuperação no Ibovespa.

Na ponta negativa, Hypera (HYPE3) lidera as perdas repercutindo os resultados do quarto trimestre. As petroleiras também registram forte queda com o recuo do petróleo no mercado internacional: Petrobras (PETR4), por exemplo, cai 1,01%, a R$ 26,57.

No exterior, os últimos dados de emprego (payroll), inflação ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) e inflação ao produtor (PPI, na sigla em inglês), mais fortes do que o esperado, em janeiro contribuem para o aumento da cautela, com expectativas de uma nova alta de 50 pontos-base nos juros futuros na próxima reunião do Fed, em março.

Confira o desempenho das bolsas em NY:

  • S&P 500: -0,65%;
  • Dow Jones: -0,11%;
  • Nasdaq: -0,95%.
MARKET MAKERS #32

Até o início da crise, a Americanas (AMER3) se posicionava como um verdadeiro titã do varejo. Acontece que a revelação de um rombo contábil na empresa abriu uma janela de oportunidade para as rivais, que parecem preparadas para abocanhar o espaço antes ocupado pela companhia — especialmente no que diz respeito ao e-commerce.

Segundo relatório do Itaú BBA, a companhia perdeu cerca de 57% do fluxo nos sites — incluindo Americanas.com, Submarino e Shoptime — entre o anúncio da saída de Sérgio Rial do cargo de CEO até o fim de janeiro.

Acontece que, na visão dos fundadores e gestores da Aster Capital, Marcello Silva e Rodrigo Nasser, nem todas as concorrentes serão capazes de absorver o mercado da empresa.

No episódio #32 do Market Makers, os gestores da Aster destrincharam o cenário do varejo após a divulgação da fraude contábil na Americanas e revelaram quais as três rivais da Lojas Americanas que podem se beneficiar do caos no setor.

Leia mais.

ABERTURA DE NOVA YORK

As bolsas americanas iniciaram o dia em queda, com desvalorização do petróleo, e temor a um aperto monetário mais forte após dados de emprego, inflação ao consumidor e ao produtor acima do esperado em janeiro.

Confira a abertura em NY:

  • S&P 500: -0,65%;
  • Dow Jones: -0,31%;
  • Nasdaq: -0,95%.
MARISA (AMAR3) SOBE COM TROCA DE CEO

As ações da Marisa (AMAR3), rede de lojas de vestuário, sobem 1,25%, cotadas a R$ 0,81 na B3. Os investidores reagem positivamente à troca de CEO da companhia.

Na noite de quinta-feira (16), o conselho de administração da Marisa aprovou a eleição de João Pinheiro Nogueira Batista para o cargo de diretor presidente. Ele será o quarto ocupante do cargo em menos de um ano.

A transição ocorre em um momento delicado para a Lojas Marisa. Na semana passada, junto a uma série de renúncias em seu conselho de administração, a companhia anunciou que tenta renegociar cerca de R$ 600 milhões em dívidas com bancos.

Leia mais.

PETROBRAS (PETR4) E SETOR RECUAM

Com a desvalorização do petróleo em mais de 3% no mercado internacional, as ações da Petrobras (PETR4) e os pares caem no Ibovespa. Confira:

CÓDIGONOMEULTVAR
PRIO3PetroRio ONR$ 39,68-1,42%
PETR4Petrobras PNR$ 26,57-1,04%
RRRP33R Petroleum ONR$ 40,96-0,92%
PETR3Petrobras ONR$ 29,98-0,56%
ENGIE (EGIE3) SOBE E PUXA SETOR

As ações da companhia Engie Brasil Energia opera em alta de 1,23%, a R$ 39,52, entre as maiores altas do dia e impulsionando as empresas do setor no Ibovespa.

O desempenho positivo é resultado da repercussão do balanço trimestral da companhia. A Engie Brasil Energia teve lucro líquido de R$ 904 milhões no quarto trimestre deste ano, alta de 10,9% em relação ao mesmo período do ano passado.

No acumulado do ano, o lucro da companhia foi de R$ 2,764 bilhões, aumento de 16,7% em relação a 2021.

A receita operacional líquida da companhia totalizou R$ 3,102 bilhões no trimestre, alta de 12% em base anual de comparação. Considerando os 12 meses de 2022, a receita da empresa foi de R$ 11,907 bilhões, redução de 5,1%.

De outubro a dezembro, o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e Amortização) ajustado totalizou R$ 1,735 bilhão, queda de 22,8%. Já no acumulado do ano, o Ebitda ajustado da Engie ficou em R$ 6,941 bilhões, 3,4% menor do que o observado em 2021.

Por fim, a dívida líquida de Engie encerrou 2022 em R$ 15,685 bilhões, ou 7,3% maior do que o observado um ano antes.

*Com informações de Broadcast, Estadão Conteúdo

O Ibovespa recua 0,39%, aos 109.510 pontos.

O dólar à vista também cai, com entrada de fluxo cambial, a R$ 5,2081.

ADRS DE XP CAEM FORTE

Os recibos de ações da XP Inc. (XPBR31) operam em queda de 11,78%, a R$ 71,51, com investidores repercutindo o balanço trimestral da holding de investimentos, divulgado ontem (16) após o fechamento dos mercados.

O lucro líquido da XP sofreu uma queda importante de 21% em relação ao quarto trimestre de 2021, chegando a R$ 783 milhões. Houve queda de 24% do lucro também da passagem do terceiro para o quarto trimestre de 2022.

No total do ano, o resultado foi de R$ 3,58 bilhões, o que representa uma leve queda em relação aos R$ 3,59 bilhões registrados no ano anterior.

No quarto trimestre, a captação líquida também caiu 36% na comparação com o mesmo período do ano passado, passando a R$ 31 bilhões. No ano como um todo, a captação líquida caiu 33%, para R$ 155 bilhões.

Leia mais.

MARISA TROCA CEO DE NOVO

A cadeira de diretor presidente da Lojas Marisa (AMAR3) parece estar fervendo. A interinidade de Alberto Kohn de Penhas na presidência da varejista durou uma semana.

Na noite de quinta-feira (16), o conselho de administração da Marisa anunciou a eleição de João Pinheiro Nogueira Batista para o cargo de diretor presidente. Ele será o quarto ocupante do cargo em menos de um ano.

A transição ocorre em um momento delicado para a Lojas Marisa. Na semana passada, junto a uma série de renúncias em seu conselho de administração, a companhia anunciou que tenta renegociar cerca de R$ 600 milhões em dívidas com bancos.

Pinheiro Batista acumulará a diretoria de relação com investidores. Diante isso, Kohn de Penhas volta a se dedicar exclusivamente às funções de vice-presidente comercial e executivo, mas sem deixar de lado a transição pela qual passa a Marisa.

Leia mais.

SOBE E DESCE DO IBOVESPA

O Ibovespa cai 0,71%, aos 109.160 pontos.

Confira as maiores altas:

CÓDIGONOMEULTVAR
VIVT3Telefônica Brasil ONR$ 41,292,00%
EGIE3Engie ONR$ 39,601,41%
CCRO3CCR ONR$ 11,170,81%
CPFE3CPFL Energia ONR$ 31,150,71%
KLBN11Klabin unitsR$ 19,770,36%
ENBR3Energias do Brasil ONR$ 20,080,50%

E as maiores quedas do dia:

CÓDIGONOMEULTVAR
LREN3Lojas Renner ONR$ 18,47-4,70%
CASH3Meliuz ONR$ 0,91-3,19%
HYPE3Hypera ONR$ 45,02-2,83%
LWSA3Locaweb ONR$ 5,54-2,81%
SOMA3Grupo SomaR$ 8,95-2,61%
NTCO3Natura ONR$ 14,99-2,41%
RENNER (LREN3) SAI DE LEILÃO

Os ativos da Lojas Renner (LREN3) tiveram as negociações retomadas há pouco.

Os papéis lideram as perdas do dia, com queda de 4,08%, negociados a R$ 18,60.

RENNER (LREN3) ENTRA EM LEILÃO APÓS QUEDA DE 4% NA ABERTURA

As ações da Lojas Renner (LREN3) entraram em leilão depois de cair 4,90% nos primeiros instantes da abertura do pregão.

Os investidores repercutem o balanço da varejista de moda, divulgado ontem após o fechamento dos mercados, com atenção maior aos números do quarto trimestre.

A companhia registrou R$ 4,01 bilhões de receita líquida, sendo que R$ 3,54 bilhões vieram da venda de mercadorias (-0,5% na base anual), e outros R$ 474,7 milhões foram obtidos com serviços diversos (+50,7%).

Chama a atenção, no entanto, o comportamento da linha de custos, que teve um leve recuo de 0,3% em relação ao quarto trimestre de 2021, para R$ 1,6 bilhão; as despesas operacionais cresceram 2,2%, a R$ 1,78 bilhão, mas, ainda assim, mostraram uma expansão menor que a das receitas.

Mas, os números anuais foram mais positivos. Em 2022, o lucro líquido da Renner chegou a R$ 1,291 bilhão, mais que o dobro dos R$ 633,1 milhões registrados em 2021.

Apenas no período de outubro a dezembro do ano passado, o lucro da Renner totalizou R$ 481,8 milhões, um aumento de 15,9% na base anual. E isso tudo mesmo em meio a um crescimento tímido na receita total, de 3,7%, a R$ 4,01 bilhões; no consolidado de 2022, a receita saltou 25,5%, a R$ 13,2 bilhões.

Leia mais.

ABERTURA DO IBOVESPA

O Ibovespa abriu em queda de 0,59%, aos 109.297 pontos e acompanha a maior cautela do exterior. A forte desvalorização do petróleo e a repercussão dos balanços corporativos divulgados ontem (16) puxam a bolsa brasileira ao tom negativo.

O dólar à vista passou a operam em tom negativo, com maior entrada de fluxo cambial. A moeda americana cai a R$ 5,2171.

AUREN ENERGIA (AURE3), EX-CESP, VAI DISTRIBUIR DIVIDENDO BILIONÁRIO

Se você é aquele tipo de investidor que está sempre caçando um bom dividendo, é bom prestar atenção à Auren Energia (AURE3), a antiga Cesp. Isso porque ela anunciou que vai pagar um total de R$ 1,5 bilhão em dividendos nos próximos meses.

Segundo o documento disponível na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o valor por ação será de R$ 1,50, pagos no dia 15 de maio deste ano.

Mas atenção: somente quem tiver papéis da Auren em 4 de maio poderá receber esse dividendo gordo. A partir do dia seguinte, 5 de maio, eles serão negociados ex-dividendos.

O acordo feito pela Auren Energia (AURE3)

O pagamento do dividendo bilionário pela Auren Energia (AURE3) acontece após a empresa anunciar um acordo para receber R$ 1,717 bilhão da União. O valor representa R$ 4,1 bilhões atualizados pela Selic, de acordo com o JP Morgan.

Leia mais.

ADRS DE VALE E PETROBRAS EM NY

A cautela dos mercados reflete-se também nos ativos das companhias brasileiras no pré-mercado em Nova York. A desvalorização do petróleo em mais de 2% e o resultado mais fraco de Vale fazem com que os recibos de ações de Vale e Petrobras operem em tom negativo.

Confira:

  • Vale (VALE): -0,12%, a US$ 17,07;
  • Petrobras (PBR): -1,37%, a US$ 11,48.
MATHEUS SPIESS: MERCADO EM 5 MINUTOS

C'EST FINI LA UTOPIA, MAS A GUERRA TODO DIA

Lá fora, os mercados asiáticos fecharam em baixa nesta sexta-feira, acompanhando os sinais amplamente negativos de Wall Street durante o pregão de ontem, já que os investidores continuam preocupados com as perspectivas para as taxas de juros — mais aperto político por parte do Fed dos EUA após a recente divulgação de dados econômicos fortes, incluindo preços ao produtor maiores do que o esperado.

Os mercados europeus e os futuros americanos também caem nesta manhã, dando início ao que pode ser uma sexta-feira bastante turbulenta.

Temos mais falas de autoridades monetárias para absorvermos lá fora, enquanto no Brasil avaliamos alguns resultados corporativos e a entrevista de Lula, divulgada na noite de quinta-feira. Pelos menos algumas commodities estão em alta, o que pode ajudar.

A ver…

00:37 — Pacato cidadão, ô pacato da civilização

Por aqui, devemos começar o dia absorvendo alguns resultados corporativos importantes divulgados ontem, como os números de Vale, que tem suas ADRs subindo nesta manhã no pre-market de NY, e de XP, que teve um quarto trimestre muito complicado.

Considerando o contexto, ainda precisamos lembrar que estamos em uma sexta-feira de Carnaval e que, portanto, o mercado brasileiro só volta ao normal às 13 horas da Quarta-Feira de Cinzas (na véspera de feriados, os investidores costumam ajustar as posições para não dormirem comprados enquanto o mundo gira lá fora).

Paralelamente, como o Conselho Monetário Nacional (CMN) não serviu para muita coisa, os investidores repercutem a entrevista de Lula à CNN. Notamos um leve aprimoramento no tom do presidente. Contudo, a postura ainda é agressiva frente ao BC, o que é negativo para o país e deve gerar certa apreensão.

A coisa boa: Lula parece ter realmente deixado a interlocução para Haddad, que tem parecido uma pessoa mais razoável e foi muito bem em sua participação no evento do BTG nesta semana. Provavelmente, qualquer revisão da meta de inflação ficará para depois.

01:31 — Os americanos também vão descansar um pouco

Nos EUA, a agenda desta sexta-feira é menos cheia, com investidores também se preparando para um feriado na segunda-feira.

Ontem, vimos que as ações americanas voltaram a cair repercutindo negativamente os dados de preços ao produtor, que vieram mais fortes do que o esperado, e a fala de algumas autoridades monetárias, como a presidente do Fed regional de Cleveland, Loretta Mester, que disse querer aumentar as taxas de juros em 50 pontos-base. A verdade é que o mercado parece ainda não perceber que a taxa de juros nos EUA vai subir ainda mais, se mantendo elevada por mais tempo.

O Fed tem procurado um afrouxamento do mercado de trabalho para ajudar a combater a inflação, o que parece ser difícil de acontecer.

Por exemplo, os dados trabalhistas divulgados na quinta-feira mostraram que o número de americanos que entraram com pedidos de desemprego pela primeira vez na semana passada foi de 194 mil, abaixo das estimativas dos economistas de 200.000.

Em outras palavras, o mercado de trabalho nos EUA ainda entrega resultados surpreendentemente fortes. Complementarmente aos dados do produtor de ontem, contamos hoje com os preços de importação e exportação dos EUA.

02:28 — Questões europeias

O mercado europeu voltou hoje a discutir a separação entre o Reino Unido e a União Europeia. Nos próximos dias, o primeiro-ministro do Reino Unido, Rishi Sunak, deverá negociar com autoridades europeias novos termos sobre a Irlanda do Norte. Consequentemente, podemos ver sobre os ativos alguma especulação sobre as implicações de qualquer acordo para a estabilidade política do Reino Unido.

Entre os dados para o dia de hoje, contamos com as vendas no varejo do Reino Unido, que vieram mais fortes do que o esperado, e os preços ao consumidor na França. Falas de autoridades monetárias da Zona do Euro também estão agendadas. O dia começou com uma tendência negativa, entretanto, que parece ser difícil de ser revertida, com investidores antecipando a segunda-feira de menor liquidez.

03:06 — Pressões na OTAN

Enquanto vivemos nossas vidas por aqui, acabamos nos esquecendo que a guerra na Ucrânia segue acontecendo. Aliás, na semana que vem, completaremos um ano desde o início da agressão russa. Diante do contexto, há uma pressão para que os membros da OTAN aumentem seus gastos com defesa.

Em 2014, na época da invasão da Crimeia pela Rússia, os estados da OTAN se comprometeram a aumentar seus respectivos gastos com defesa para 2% do produto interno bruto. Ainda assim, embora muitos tenham aumentado seus gastos com equipamento militar e treinamento, a maioria dos países da OTAN ainda fica aquém da meta de 2%, incluindo Alemanha, França, Itália e Canadá.

Os EUA, por sua vez, lideram o grupo, gastando 3,47% do PIB em defesa. Entretanto, ao passo em que a guerra devasta a Europa novamente e as tensões com a China aumentam, devemos cada vez mais começar a ver a meta de 2% como um piso dos países e não o teto. A próxima década será consideravelmente mais bélica do que a última.

04:01 — E a Finlândia e a Suécia?

Sabemos que a Finlândia e a Suécia podem ingressar na OTAN em momentos diferentes, uma vez que as negociações com a Turquia sobre a adesão da Suécia ao grupo não estão indo bem, devendo ficar em segundo plano depois dos terremotos que devastaram o país. Como nenhum país nórdico pode se tornar um membro da aliança sem o apoio unânime de todos os membros existentes e o presidente turco, Erdogan, tem uma briga comprada com a Suécia, a adesão do país fica mais complicada.

Erdogan está furioso porque o governo da Suécia ofereceu asilo para dezenas de líderes curdos que seu governo considera terroristas. As coisas pioraram depois que um ativista de direita suéco queimou uma cópia do Corão, o livro sagrado do Islã, fora da embaixada turca em Estocolmo, um ato que, apesar de péssimo, é protegido como liberdade de expressão pela constituição sueca. Um vetor importante pode ser a eleição na Turquia neste ano, que poderá tirar Erdogan do poder, mudando o tom das negociações. Para a OTAN, a adesão da Finlândia é a prioridade mais urgente.

O dólar à vista renova mínima, mas ainda opera em tom positivo, a R$ 5,2296.

XP CAI MAIS DE 11% NO PRÉ-MERCADO EM NY

Os papéis da XP Inc. negociados na bolsa de NY opera em forte queda de 11,45%, no pré-mercado americano.

O desempenho negativo repercute os resultados mais fracos do quatro trimestre de 2022 e anual, divulgados ontem (16) depois do fechamento dos mercados.

O lucro líquido da XP sofreu uma queda importante de 21% em relação ao quarto trimestre de 2021, chegando a R$ 783 milhões. Houve queda de 24% do lucro também da passagem do terceiro para o quarto trimestre de 2022.

No total do ano, o resultado foi de R$ 3,58 bilhões, o que representa uma leve queda em relação aos R$ 3,59 bilhões registrados no ano anterior.

No quarto trimestre, a captação líquida também caiu 36% na comparação com o mesmo período do ano passado, passando a R$ 31 bilhões. No ano como um todo, a captação líquida caiu 33%, para R$ 155 bilhões.

Leia mais.

ABERTURA DOS JUROS FUTUROS

A curva dos juros futuros (DIs) abriu em viés de alta, com avanço dos Treasuries e do dólar à vista. Além disso, o risco fiscal doméstico com o reajuste do salário mínimo e o temor ao aperto monetário mais intenso nos EUA, com a forte pressão inflacionário.

Confira a abertura dos DIs hoje:

NOMEULT FEC 
DI Jan/2413,29%13,21%
DI Jan/2512,68%12,54%
DI Jan/2612,81%12,68%
DI Jan/2713,00%12,87%

O Ibovespa futuro intensificou a queda e opera com recuo de 1,07%, aos 110.950 pontos.

A piora do desempenho deve-se a maior cautela do exterior, sobretudo, nos EUA com a pressão inflacionária e possível aumento do aperto monetário por lá. A forte queda do petróleo também contribui para a baixa.

Mas, os investidores locais operam de olho nos efeitos de um novo ajuste no salário mínimo, para R$ 1.320, confirmada ontem (16) pelo presidente Lula. Embora, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, tenha afirmado na última quarta-feira (15), que um novo arcabouço fiscal deve ser apresentado em março, ainda não há expectativas que o prazo seja cumprido.

ABERTURA DO DÓLAR

O dólar à vista abriu em alta de 0,56%, a R$ 5,2406.

ABERTURA DO IBOVESPA FUTURO

O Ibovespa futuro abriu em queda de 0,91%, aos 111.135 pontos e acompanha a cautela do exterior.

COMMODITIES SEM DIREÇÃO ÚNICA

Em dia de cautela, na véspera de Carnaval no Brasil e feriado nos EUA, os mercados internacionais operam em tom negativo. O movimento também se reflete nas negociações das commodities, principalmente, do petróleo.

O minério de ferro regista alta de 2,01% em Dalian, com a tonelada a US$ 129,24, ainda com expectativas de demanda e reabertura econômica da China.

O petróleo tipo Brent opera em forte queda de 2,77%, com o barril a US$ 82,81. Além da cautela dos mercados, a commodity repercute a fala do ministro da Energia da Arábia Saudita, Abdulaziz bin Salman, em entrevista à imprensa local.

O ministro do principal país exportador da Opep+ afirmou que o acordo de produção firmado no final do ano passada deverá seguir em vigor até dezembro de 2023, ou seja, sem ajustes na demanda até o momento.

2ª PRÉVIA DO IGP-M

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) recuou 0,04% na segunda prévia de fevereiro, ante 0,35% na mesma leitura em janeiro. O dado foi divulgado há pouco pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

VEM FOLIA POR AÍ

Adorado por uns, odiado por outros, o Carnaval de 2023 chegou chegando e deve movimentar o Brasil inteiro — inclusive sambar no calendário por aqui. O início da folia está marcado para esta sexta-feira (18) e vem acompanhado pela dúvida: o que vai abrir e fechar nos próximos dias? 

Apesar de ser considerado ponto facultativo no país, os funcionamentos da B3, banco, transporte metropolitano e Correios serão alterados para se adequar à festança.

O Seu Dinheiro foi atrás de todas as informações que você precisa para organizar a agenda e curtir os bloquinhos sem preocupação.

A B3 vai funcionar no Carnaval?

A bolsa de valores brasileira vai entrar em ritmo de festa a partir da próxima segunda-feira. 

Leia mais.

AGENDA DO DIA

Em véspera de pausa de Carnaval, a agenda doméstica segue esvaziada, assim como no exterior.

As atenções do dia devem se voltar ao temor de que a pressão inflacionária impulsione um aperto monetário mais forte, com juros básicos altos por mais tempo, nos EUA. Por lá, os investidores acompanham discursos de dirigentes do Federal Reserve (Fed) ao longo do dia.

Por aqui, os mercados devem repercutir ainda o novo reajuste no salário mínimo, para R$ 1.320 a partir de maio. Ou seja, o risco fiscal continua a pressionar os ativos brasileiros.

Confira os principais destaques do dia:

OndeAgenda econômicaPeríodoHorário
Reino UnidoVendas no varejoJaneiro4h
EUAÍndices de preços de importação e exportaçãoJaneiro10h30
Fonte: Investing.com

DAY TRADE NA B3

Após o fechamento do último pregão, identifiquei uma oportunidade de swing trade baseada na análise quant - compra dos papéis de Eletrobras (ELET3).

ELET3: [Entrada] R$ 35.99; [Alvo parcial] R$ 36.94; [Alvo] R$ 38.37; [Stop] R$ 34.40

Recomendo a entrada na operação em R$ 35.99, um alvo parcial em R$ 36.94 e o alvo principal em R$ 38.37, objetivando ganhos de 6.6%.

O stop deve ser colocado em R$ 34.40, evitando perdas maiores caso o modelo não se confirme.

Leia mais.

CONSELHO DA MARISA ELEGE NOVA CÚPULA ADMINISTRATIVA

O conselho de administração da Lojas Marisa elegeu João Pinheiro Nogueira Batista como diretor presidente e diretor de relações com investidores da companhia.

Na mesma votação, o conselho também nomeou Luis Paulo Rosenberg para assumir interinamente o cargo de presidente do conselho, posto que era ocupado por Pinheiro Batista.

"Diante da importância dos relacionamentos comerciais e operacionais da companhia, o novo diretor presidente está definindo, em conjunto com Alberto Kohn de Penhas, a forma de sua colaboração com a companhia uma vez que Kohn de Penhas deixa nesta data o cargo de diretor presidente interino", informa a Marisa.

Além disso, o conselho elegeu Roberta Ribeiro Leal para o cargo de diretora financeira, após renúncia de Renê Santiago dos Santos.

FUTUROS DE NOVA YORK AMANHECEM NO VERMELHO

Os índices futuros de Wall Street amanheceram no vermelho nesta sexta-feira.

Na véspera, dados da inflação ao produtor (PPI) dos EUA acima do esperado reforçaram a visão de que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) terá de manter juros elevados por mais tempo do que se imaginava. Isso derrubou as bolsas de Nova York.

Para hoje, apesar da agenda de indicadores esvaziada, investidores vão acompanhar comentários de dois dirigentes do Fed em busca de pistas sobre a intensidade das próximas altas de juros.

Ao mesmo tempo, um feriado local manterá os mercados norte-americanos fechados na segunda-feira, o que tende a drenar a liquidez hoje.

Veja como estavam os índices futuros de Nova York por volta das 7h15:

  • Dow Jones: -0,44%
  • S&P-500: -0,60%
  • Nasdaq: -0,83%
BOLSAS EUROPEIAS ABREM EM QUEDA

As principais bolsas de valores da Europa abriram em baixa nesta sexta-feira.

Os índices da região acompanham as fortes perdas registradas ontem em Wall Street.

O mercado norte-americano de ações está sob pressão de temores de que os juros nos Estados Unidos avancem em ritmo mais agressivo.

Na contramão do mercado, a ação da Air France-KLM disparou em Paris depois da divulgação de um balanço melhor do que o esperado.

Veja como estavam as principais bolsas europeias por volta das 7h10:

  • Londres: -0,26%
  • Frankfurt:  -0,86%
  • Paris:  -0,75%
BOLSAS DA ÁSIA FECHAM EM BAIXA

As bolsas de valores da Ásia fecharam em queda generalizada nesta sexta-feira.

Os mercados da região deram continuidade às fortes perdas da véspera em Wall Street.

Na quinta-feira, as bolsas norte-americanas sofreram as maiores perdas em quatro semanas em reação a dados fortes de inflação, o que alimenta temores de altas de juros mais agressivas nos EUA.

Veja como fecharam as principais bolsas asiáticas hoje:

  • Tóquio: -0,66%
  • Seul: -0,98%
  • Xangai: -1,16%
  • Hong Kong: -1,28%
  • Taiwan: -0,46%

Compartilhe

DESTAQUES DA BOLSA

Exame bem feito: Fleury (FLRY3) acerta o diagnóstico com aquisição milionária e ações sobem 4%

23 de abril de 2024 - 14:04

A aquisição marca a entrada do Grupo Fleury em Santa Catarina com a estratégia B2C, o modelo de negócio direto ao consumidor

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa recua com pressão de Vale (VALE3) na véspera do balanço; dólar cai após dados nos EUA

23 de abril de 2024 - 7:06

RESUMO DO DIA: O Ibovespa até começou a semana com o pé direito, mas hoje faltou impulso para sustentar a continuidade de ganhos da véspera O Ibovespa fechou com queda de 0,34%, aos 125.148 pontos. O dólar à vista segue enfraquecido e terminou o dia a R$ 5,1304, com baixa de 0,74%. Por aqui, o […]

SEM PARAR

A bolsa nunca mais vai fechar? O plano da Bolsa de Valores de Nova York para negociar ações 24 horas por dia, sete dias da semana

22 de abril de 2024 - 17:22

O tema esquentou nos últimos anos por conta da negociação de criptomoedas e também por concorrentes da Nyse, que tentam registro para funcionar sem intervalo

EXCLUSIVO

Gestor do Quasar Agro (QAGR11) acusa Capitânia de “estratégia predatória” em disputa sobre FII com mais de 20 mil cotistas na B3 

22 de abril de 2024 - 13:32

A Capitânia solicitou no mês passado uma assembleia para discutir uma possível troca na gestão do fundo imobiliário

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Com Petrobras (PETR4) e Wall Street, Ibovespa fecha em alta; dólar cai e volta para o nível abaixo de R$ 5,20

22 de abril de 2024 - 6:54

RESUMO DO DIA: A Petrobras (PETR4) deu o tom do pregão mais uma vez e impulsionou o principal índice a bolsa brasileira, mas sem desprezar o apoio de Wall Street. O Ibovespa fechou em alta de 0,36%, aos 125.573 pontos. Já o dólar seguiu a trajetória de queda e fechou a R$ 5,1687, com baixa […]

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: Inflação é destaque no Brasil e nos Estados Unidos na mesma semana dos balanços das ‘big techs’

22 de abril de 2024 - 6:20

Também nos EUA serão publicados dados do PIB do primeiro trimestre e diversos outros indicadores, como pedidos de bens duráveis e a balança comercial norte-americana

BOLSA NA SEMANA

Petz (PETZ3) zera as perdas do ano enquanto CVC (CVCB3) despenca quase 15% — veja o que foi destaque na bolsa na semana

20 de abril de 2024 - 12:50

Ibovespa teve uma sequência de seis quedas com a disparada do dólar em meio às incertezas sobre os juros nos EUA

APERTA O PLAY!

Barril de pólvora — e inflação. Como o conflito no Oriente Médio e os juros nos EUA mexem com a bolsa e o dólar

20 de abril de 2024 - 11:02

O podcast Touros e Ursos recebe João Piccioni, CIO da Empiricus Gestão, para comentar a escalada das tensões entre Irã e Israel e a pressão inflacionária nos EUA

VOLTOU ATRÁS

Vitória dos acionistas? Petrobras (PETR4) pode distribuir parte dos dividendos extraordinários após sinal verde de Lula

20 de abril de 2024 - 9:58

O pagamento dos proventos foi aprovado pelo conselho de administração e deve ser votado na assembleia geral na próxima semana

Market Makers

Vale (VALE3) é a mais barata do setor de mineração e sai ganhando com futuro promissor do minério de ferro

19 de abril de 2024 - 13:46

Eu, Matheus Soares, enxergo um grande potencial na commodity independentemente da crise de sua maior exportadora: a China — e a mineradora brasileira sai ganhando com isso

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar