🔴 03/06 – ‘GATILHO’ PARA BUSCAR ATÉ R$ 2 MILHÕES COM CRIPTOMOEDAS PODE SER DISPARADO – SAVE THE DATE

Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
DEZ ANOS DEPOIS...

Dilma venceu? Auren Energia (ex-CESP) faz acordo bilionário para receber indenização por usina

Auren Energia (antiga Cesp) vai receber R$ 4,1 bilhões atualizados pela Selic, mas valor é o mesmo que o governo da ex-presidente já estava disposto a pagar em 2014

Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
8 de dezembro de 2022
9:35 - atualizado às 10:24
Montagem com a ex-presidente Dilma Rouseff e linhas de transmissão de energia ao fundo
A ex-presidente Dilma Rouseff - Imagem: Montagem Julia Shikota/Shutterstock

Um "esqueleto" do governo de Dilma Rousseff emergiu na noite de ontem, quando a Auren Energia (antiga Cesp) anunciou um acordo para receber R$ 1,717 bilhão da União. O valor representa R$ 4,1 bilhões atualizados pela Selic, de acordo com o JP Morgan.

Trata-se sem dúvida de uma soma expressiva, mas de certo modo pode-se concluir que Dilma venceu a parada. Afinal, esse é exatamente o montante que o governo já estava disposto a indenizar a companhia desde 2014.

A União deve, não nega, mas vai pagar a Auren em 84 meses, a partir de outubro de 2023, em valores corrigidos pela taxa básica de juros.

Seja como for, o mercado interpreta o desfecho como um final feliz. Tanto que as ações da Auren (AURE3) disparam quase 8% na manhã de hoje da B3.

Agora com o acordo, que ainda precisa passar pela homologação da Justiça, a Auren renuncia a todos os demais pedidos da ação. Procurada, a companhia não comentou o assunto até a publicação desta matéria.

A Auren, vale lembrar, é controlada pela Votorantim Energia e pelo fundo de pensão canadense Canada Pension Plan Investment Board (CPPIB). Depois de arrematar a Cesp no leilão de privatização em 2018, as empresas decidiram integrar todos os ativos de energia para formar a companhia.

Auren herda disputa da era Dilma

Para você entender o que estava em jogo para a Auren é preciso dar alguns passos atrás. A empresa herdou uma disputa que vem de 2012, quando a ex-presidente editou a polêmica Medida Provisória 579.

Com o objetivo de reduzir a conta de luz, o governo deu às geradoras de energia duas opções: prorrogar os contratos nas condições estipuladas pela União ou devolver a concessão.

No segundo caso, as empresas receberiam uma indenização pelos investimentos que ainda não haviam sido amortizados. A Cesp seguiu esse caminho e decidiu entregar a concessão da Usina Hidrelétrica Três Irmãos.

Dois anos depois, o governo então editou uma portaria, definindo o valor de R$ 1,717 bilhão para a usina da antiga Cesp. Mas a companhia discordou dos valores e acionou a Justiça em busca de uma indenização maior.

Com a privatização da estatal paulista em 2018, a Auren assumiu a disputa e, portanto, o direito de receber a indenização. Mas aparentemente se conformou com o valor original para dar fim ao processo contra a União.

Compartilhe

MAIS DINHEIRO NO BOLSO

Nvidia anuncia alta de 150% nos dividendos e desdobramento de ações após trimestre com recorde de receita e salto no lucro

22 de maio de 2024 - 18:13

Os proventos passarão de US$ 0,04 por ação para R$ 0,10 por papel ordinário. Mas, como a companhia fará um desdobramento de ações, esse valor ainda será ajustado

GIGANTE DA IA

Lucro da Nvidia salta mais de 600%, receita bate recorde e ações disparam; confira os destaques do balanço da empresa

22 de maio de 2024 - 17:36

A gigante da Inteligência Artificial conseguiu ultrapassar as projeções já elevadas dos analistas e entregou números acima do previsto

DEDO GORDO

Citigroup é multado em mais de R$ 400 milhões — e tudo por causa do potencial erro de digitação de um trader de ações 

22 de maio de 2024 - 15:27

Os reguladores do Reino Unido aplicaram uma multa combinada de 62 milhões de libras por falhas nos sistemas de negociação em maio de 2022

PRETENDENTE INSISTENTE

BHP eleva oferta de megafusão com a Anglo American para quase US$ 50 bilhões — mas proposta é rejeitada de novo

22 de maio de 2024 - 14:39

Menos de duas semanas após a segunda tentativa, a BHP aumentou a proposta de aquisição em cerca de 17%, para US$ 49,87 bilhões

NOVOS TERMOS

Petrobras (PETR4) recebe sinal verde do Cade para cancelar vendas e manter cinco refinarias no portfólio

22 de maio de 2024 - 14:16

O acordo põe fim a obrigação de alienação de oito refinarias — incluindo três unidades já vendidas — que havia sido acertada entre o Cade e a Petrobras durante a gestão de Jair Bolsonaro

FABRICANTE DE CHIPS

É hoje! Veja o que analistas esperam do balanço da Nvidia: crescimento da gigante da Inteligência Artificial perdeu vapor?

22 de maio de 2024 - 11:02

Dados consensuais da Bloomberg apontam para uma expectativa de crescimento de 400% do lucros em comparação ao trimestre imediatamente anterior

O boi Subiu no telhado?

Sinal vermelho para a Minerva (BEEF3): autoridade uruguaia barra compra de plantas de abate da Marfrig (MRFG3) no país

21 de maio de 2024 - 18:38

O negócio faz parte de uma transação de R$ 7,5 bilhões anunciada em agosto do ano passado; Minerva deve recorrer da decisão

LUCHA LIBRE DAS FINTECHS

Como o Mercado Livre (MELI34) pretende enfrentar o Nubank em disputa pelo mercado do México

21 de maio de 2024 - 17:26

O Mercado Pago está em busca de uma licença bancária para se estabelecer como “o maior banco digital do México”, em uma briga direta com o Nu

FICOU BARATA?

Ação da Suzano não para de cair na B3 — e esse bancão vê dois futuros possíveis para SUZB3. É hora de abocanhar os papéis?

21 de maio de 2024 - 12:28

O BTG Pactual acredita que a intensa desvalorização recente abriu uma oportunidade de se tornar sócio da companhia a preços muito baixos — mas há riscos no radar

NADANDO COM TUBARÕES

Adeus, Shark Tank? Justiça acata recuperação judicial da Polishop, de João Appolinário

21 de maio de 2024 - 12:16

Em meio a cobranças e ações de despejo, recuperação judicial protege a Polishop de seus credores por 180 dias

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar