O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-05-05T13:05:35-03:00
Larissa Vitória
Larissa Vitória
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pelo portal SpaceMoney e pelo departamento de imprensa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
DESTAQUES DA BOLSA

Suzano (SUZB3) se salva do massacre na bolsa com bom balanço; dólar em alta também ajuda Klabin (KLBN11)

A produtora de papel e celulose agradou ao reverter em lucro líquido de R$ 10,3 bilhões o prejuízo de R$ 2,6 bilhões registrado no primeiro trimestre do ano passado

5 de maio de 2022
13:04 - atualizado às 13:05
Linha de produção da Suzano SUZB3
Linha de produção da Suzano - Imagem: Clayton de Souza/Estadão Conteúdo

O Ibovespa tornou-se um mar vermelho nesta quinta-feira (5). Com o mercado digerindo (muito mal) o discurso do presidente do Federal Reserve sobre a política monetária dos EUA, apenas duas ações escapam da queda: Klabin (KLBN11) e Suzano (SUZB3).

Por volta das 13h00, os papéis da Suzano sobem 1,28%, a R$ 52,03; já a Klabin avança 2,07%, a R$ 22,70. E a tábua de salvação que impede as duas de se afogarem na aversão ao risco global é o resultado financeiro da primeira empresa.

A produtora de papel e celulose caiu nas graças dos investidores ao reverter em lucro líquido de R$ 10,3 bilhões o prejuízo de R$ 2,6 bilhões registrado no primeiro trimestre do ano passado.

O Ebitda (Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, na sigla em inglês) ajustado cresceu 10%, na mesma base de comparação, e chegou a R$ 5,1 bilhões entre janeiro e março.

O indicador só não cresceu mais graças à valorização do real frente ao dólar no período, o que diminuiu os ganhos na receita da exportadora.

Mas o movimento também teve um contraponto benéfico: a queda na relação entre a dívida líquida e o Ebitda para 2,4x. Como a maior parte da dívida da Suzano está em moeda estrangeira, o efeito da alta do real é positivo nesse caso.

Celulose em alta  

Conforme explica o Bank of America em relatório divulgado hoje, as cifras também foram impulsionadas pelo crescimento no custo da celulose.

Segundo a Suzano, o preço médio do produto no mercado externo foi de US$ 639 por tonelada no período, valor 20% superior ao do 1T21.

E vem mais por aí: “Um novo aumento de US$ 30 por tonelada já foi anunciado para maio por alguns produtores”, diz o BofA. Vale lembrar que a Suzano é a maior produtora mundial de celulose de eucalipto.

Considerando este cenário e a cotação atual da Suzano na B3, os analistas consideram que há um ponto de entrada “atraente” e recomendam a compra dos papéis. O preço-alvo do BofA, definido em R$ 91 por ação, implica em um potencial de alta de quase 75% para SUZB3.

Suzano (SUZB3) vai recomprar ações

Além do resultado financeiro, a Suzano também agradou os investidores com o anúncio de um novo programa de recompra de ações.

A empresa poderá recomprar até 20 milhões de ações nos próximos 18 meses, montante que equivale a cerca de 2,8% dos papéis em circulação.

Segundo a Suzano, a operação busca “maximizar a geração de valor para os acionistas” e também sinaliza a “confiança da administração na performance da companhia”. Mas o que realmente muda para os investidores com o programa?

Até que a companhia decida qual será o destino das ações recompradas, os efeitos para os acionistas ainda são incertos. Mas os dois cenários mais prováveis você confere abaixo:

  • Se os papéis forem novamente cancelados, o acionista termina, proporcionalmente, com uma fatia maior da empresa, o que pode engordar sua contas de dividendos;
  • Se os ativos permanecerem guardados na tesouraria para uma oferta no futuro, o acionista ganhará apenas após sua venda. Nesse caso, o ganho de capital fará parte do lucro da empresa, o que também influencia na distribuição de proventos.
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

DISTRIBUINDO MAIS DO QUE COMBUSTÍVEIS

Dividendos e JPC: Vibra Energia (VBBR3) anuncia o pagamento de R$ 131 milhões em proventos; confira prazos

Ao todo, a distribuidora de combustíveis já pagou R$ 663 milhões em dividendos e juros sobre capital próprio no exercício de 2021

CSN (CSNA3) e CSN Mineração (CSNA3) vão recomprar até 164 milhões de ações; veja o que muda para os acionistas

As duas companhias aproveitam o momento descontado na B3 para encerrar os programas atuais e iniciar novas operações com duração de um ano

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Inflação derruba bolsas, Hapvida vai às compras e a varejista que ameaça o Magalu; confira os destaques do dia

Depois de um dia de animação, preocupações com o movimento dos preços e a atividade econômica pelo mundo estragaram o humor dos investidores

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana come margem de grandes empresas e derruba bolsas globais; Ibovespa cai mais de 2% e dólar cola em R$ 5

Com inflação pressionando e China voltando a fechar cidades, o Ibovespa caiu menos que as bolsas em Wall Street, mas ainda assim amargou fortes perdas

BR Properties (BRPR3) vende 80% do portfólio para fundo canadense, em transação de quase R$ 6 bilhões

Além de representar um movimento importante no atual cenário macroeconômico brasileiro, a transação marca a saída de boa parte do capital do fundo soberano de Abu Dhabi (ADIA) da empresa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies