O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-05-10T23:21:06-03:00
Carolina Gama
AGENTES DO CAOS

Hegemonia ameaçada? Powell admite que Rússia e China juntas podem abalar a economia dos EUA; entenda por quê

Segundo o presidente do Federal Reserve (Fed), o banco central norte-americano tem capacidade limitada para enfrentar desafios impostos pelos dois países

4 de maio de 2022
16:43 - atualizado às 23:21
Tabuleiro de xadrez; nele, há três peças diferentes, identificadas com as bandeiras dos EUA, da China e da Rússia; simboliza a tensão geopolítica e a guerra no leste europeu
Imagem: iStock

Rússia e China não precisaram declarar guerra contra os EUA para colocar a maior economia do mundo em risco. Os efeitos colaterais da invasão da Ucrânia e o aumento de casos de covid-19 na China são suficientes para abalar as estruturas norte-americanas. 

E quem disse isso foi o presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell, durante coletiva nesta quarta-feira (04) para explicar a elevação da taxa de juros em 0,50 ponto percentual

O chefe do banco central norte-americano reconheceu que Rússia e China são agentes de um caos que fará a economia norte-americana desacelerar e ser castigada por uma inflação persistentemente alta.

“A invasão da Ucrânia e as medidas da China para controlar o aumento de casos de covid-19 certamente vão afetar a economia global e atingir a economia dos EUA por vários canais”, afirmou. 

Rússia e China: situação muito difícil

Powell classificou os efeitos econômicos da guerra entre Rússia e Ucrânia e do lockdown na China como situações difíceis que o banco central dos EUA terá que enfrentar. 

Segundo ele, a continuidade da guerra manterá os preços das commodities, em especial do petróleo, em patamares muito elevados, e as medidas do governo chinês contra a covid-19 terão reflexos na cadeia de suprimentos, em especial dos chips. 

"Essa é uma situação difícil. Ambas vão adicionar pressão sobre a inflação. As pessoas vão sentir muito mais pressão sobre os preços dos alimentos e da energia”, disse. 

Mesmo antes de a guerra na Ucrânia começar, a inflação era o dobro da meta do Fed de 2% ao ano — muito em função da reabertura econômica com o arrefecimento da pandemia. A situação dos preços piorou com a invasão russa. 

Em março, o índice de preços para gastos pessoais (PCE, na sigla em inglês) — a medida preferida do Fed para a inflação — subiu 6,6% ante igual período do ano anterior, no maior valor registrado desde 1978.

“As ferramentas do Fed não atuam sobre choques de oferta, mas sim sobre a demanda”, afirmou Powell, referindo-se à capacidade do banco central norte-americano de usar a política monetária para estimular a demanda nos EUA. 

E o que Fed vai fazer?

Diante desse cenário, o Federal Reserve está em uma encruzilhada: aumentar ainda mais a taxa de juros para conter a inflação e correr o risco de lançar a economia em uma recessão ou adotar um ritmo mais brando de aperto e arriscar ter uma inflação fora de controle.

De acordo com as declarações de Powell na coletiva, o banco central norte-americano não vai tirar o pé do acelerador do aperto monetário temendo Rússia e China, mas também não irá ultrapassar seus limites de velocidade. 

“É um consenso entre os membros do comitê [de política monetária] que um aumento de 0,50 pp nas duas próximas reuniões é adequado. Esse aumento está sobre a mesa”, afirmou.

Questionando se o Fed pretende elevar os juros em uma grau ainda maior, em 0,75 pp, já que a inflação não dá sinais de trégua, Powell respondeu que não. 

“Não é algo que estamos avaliando neste momento, mas iremos analisar a situação reunião por reunião”, disse. “Nossa expectativa é de que a inflação não desacelere, mas se estabilize e se isso acontecer, o aumento de 0,50 pp é adequado”, acrescentou. 

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

'PERGUNTA PRO SACHSIDA'

Bolsonaro se pronuncia sobre ‘fritura’ e possível substituição do presidente da Petrobras (PETR4)

Bolsonaro voltou a dizer que “ninguém vai tabelar preço de combustível”, mas afirmou que a “finalidade social” da Petrobras não está sendo cumprida

BAIXOU A PREVISÃO

Magazine Luiza (MGLU3) rebaixado: JP Morgan corta previsão para ações antes do balanço de amanhã, mas projeção ainda é de alta de quase 50%; entenda motivos

O cenário de alta dos juros deve pressionar o varejo, mas o JP Morgan entende que a empresa está bem posicionada no setor

ESFRIOU

Ano deve ter queda de fusões e aquisições, mas 2022 conta com negócios de grante porte até o momento; relembre algumas delas

Entre os fatores que causaram essa freada, estão a guerra entre Rússia e Ucrânia e a expectativa de desaceleração na China, após lockdowns para conterdos casos de covid

SEU DIA EM CRIPTO

Terra (LUNA) não acompanha recuperação do bitcoin (BTC) neste domingo; criptomoedas tentam começar semana com pé direito

Mesmo com a retomada de hoje, as criptomoedas acumulam perdas de mais de dois dígitos nos últimos sete dias

A COISA VAI ESQUENTAR

Novo capítulo da guerra? Vizinhos da Rússia, Finlândia e Suécia devem se juntar à Otan e tensão na região aumenta

Vladimir Putin, presidente russo, já havia dito que a entrada dos países na Organização exigiria retaliações

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies