2022-01-24T08:50:40-03:00
Empréstimo

Gol acerta financiamento de US$ 600 milhões para renovar frota de aviões

Empresa aérea usará o dinheiro para financiar a aquisição de 12 novas aeronaves Boeing 737 MAX 8, a uma taxa de juros menor que o custo atual da frota

24 de janeiro de 2022
8:50
Aeronave da Gol no aeroporto de Congonhas (SP) - Imagem: Shutterstock

Enquanto ainda lida com as consequências da pandemia da covid-19 nos negócios, a Gol (GOLL4) decidiu olhar para frente. A companhia fechou um financiamento de até US$ 600 milhões para financiar a aquisição de 12 novas aeronaves Boeing 737 MAX 8.

A Gol conseguiu o dinheiro do empréstimo com a Castlelake, uma empresa de investimentos norte-americana especializada em negócios no setor aéreo. A transação contemplará 10 arrendamentos financeiros e 2 sale-leasebacks.

A taxa de juros para os arrendamentos financeiros é de aproximadamente 6% ao ano, o que representa uma redução em relação aos custos de arrendamentos operacionais das aeronaves atuais na frota, segundo a Gol.

Os recursos cobrem 100% do custo de aquisição das novas aeronaves e também serão usados para obrigações e custos de devolução das aeronaves 737 NG da Gol.

A entrega das 12 aeronaves Boeing 737 MAX começa agora janeiro de 2022. O plano da Gol é ter metade das aeronaves sob arrendamentos financeiros até 2026.

No terceiro trimestre, a companhia firmou contratos para 26 aeronaves adicionais MAX 8, e atualmente possui um total de 102 aeronaves Boeing 737 MAX a serem entregues.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

Gol mira redução de custos e emissões

Ainda segundo a Gol, o Boeing MAX também é um componente chave na meta da companhia para atingir a neutralidade de carbono até 2050, já que a aeronave consome 15% menos combustível, produz 16% menos emissões de carbono e 40% menos ruído, e possui maior alcance de voo do que o modelo NG.

Vale a pena acompanhar a reação das ações da Gol (GOLL4) ao acordo de financiamento hoje na B3. Nos últimos 12 meses, os papéis da companhia aérea acumulam queda de 23%. Desde o estouro da pandemia, no fim de janeiro de 2020, a empresa perdeu metade do valor na bolsa.

A bolsa ainda pulsa?

O assunto da semana nos mercados foi a arrancada do Ibovespa nos primeiros dias de 2022. Por que a bolsa brasileira se descolou do clima negativo lá fora e o que esperar daqui para frente? Esse foi o tema da edição desta semana do podcast Touros e Ursos, do Seu Dinheiro. Aperte o play logo abaixo e confira:

Leia também:

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

NOVO MODELO DE NEGÓCIOS

Varejo adota ‘loja-contêiner’ para fugir dos custos de shoppings e aluguéis; conheça o que são os estabelecimentos modulares

A estreante no formato é a Chilli Beans, de óculos de sol. “Acho que não teria uma Eco Chilli se não houvesse pandemia”, afirma o CEO, Caito Maia

NÃO MEXE NO MEU QUEIJO

Membros do mercado financeiro defendem Lei das Estatais em documento enviado ao ao Congresso; revogação seria ‘retrocesso’

O texto também cita o relatório de 2020 em que a OCDE afirma que a Lei das Estatais deixou os conselhos de empresas públicas mais independentes de interferências

NESTA SEGUNDA-FEIRA

Governador de São Paulo fará coletiva nesta segunda-feira após Bolsonaro aprovar isenção do ICMS sem garantia de compensação aos estados

O presidente da República vetou o fundo de ajuda aos estados após sancionar o teto do imposto estadual

SEU DOMINGO EM CRIPTO

‘Compre na baixa’ anima e bitcoin (BTC) busca os US$ 22 mil; criptomoedas aguardam semana de olho no Fed

Entre os destaques da próxima semana estão o avanço dos juros nos Estados Unidos e um possível default da Rússia

DE OLHO NO FUTURO

Goldman Sachs quer entrar no mundo da ‘renda fixa’ em criptomoedas e lidera grupo para comprar a Celsius por US$ 2 bilhões

O staking vem crescendo nos últimos meses e é motivo de certa preocupação após o caso da Celsius — e o banco de Wall Street quer um pedaço dele