O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-01-05T19:45:09-03:00
Carolina Gama
A CORRIDA COMEÇOU

Juro de 10 anos nos EUA atinge maior nível desde abril após ata do Fed. O que isso significa para quem investe?

Embora a realidade pareça distante, movimento tem efeito sobre empresas e sobre as ações em carteira

5 de janeiro de 2022
19:31 - atualizado às 19:45
Esforço, obstáculo, corrida
Imagem: Shutterstock

Sabe quando os analistas dizem que uma alta da taxa básica nos Estados Unidos vai afetar ativos de países emergentes como o Brasil? Pois bem. Isso foi visto na prática hoje, quando os juros projetados pelos títulos de dívida do governo norte-americano (Treasuries) subiram ao seu nível mais forte em nove meses. 

Os yields dos Treasuries de dez anos - que estão entre os ativos considerados mais seguros do mundo - deram um salto para a casa de 1,70%, nível que não era visto desde pelo menos abril de 2021. Confira a nossa cobertura de mercados

O gatilho para isso foi a divulgação da ata da reunião de dezembro do Federal Reserve (Fed), como o banco central norte-americano é conhecido. O documento acabou com as esperanças dos investidores de desfrutar de dinheiro farto por mais tempo nos Estados Unidos.

A mensagem da ata de que a taxa básica, hoje perto de zero, pode subir mais rápido e mais vezes do que era esperado foi o suficiente para provocar uma corrida dos investidores para os títulos de dívida do governo norte-americano.

Corrida lá, menos dinheiro aqui

Mas, afinal, o que isso tudo significa? A alta de juros pelo Fed nos Estados Unidos afeta os mercados globais e uma taxa básica mais elevada por lá, torna os Treasuries muito mais atraentes

Isso se traduz na diminuição do apelo de ativos de risco, como as bolsas, e os de países emergentes a exemplo do Brasil.

Fed sobe juros, empresas pagam mais

Embora pareça uma realidade distante, o aumento da taxa de juros nos Estados Unidos tem efeito sobre as empresas e, consequentemente, sobre suas ações

Hoje, com os juros perto de zero, as empresas conseguem o chamado negócio de pai para filho ao tomar um empréstimo. 

Uma taxa mais elevada significa que esses empréstimos vão encarecer, a dívida corporativa pode aumentar e a percepção do valor de uma companhia na bolsa pode diminuir, refletindo em seus papéis no mercado. 

Para as empresas brasileiras, que tomam crédito no exterior ou que tem negócios lá fora, o cenário é mais ou menos o mesmo. 

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

PORTFÓLIO DE BILHÕES

Aposta contra a Apple (AAPL34)? Veja as mudanças que Warren Buffett, Michael Burry e investidores de elite fizeram nas carteiras

Esses pesos-pesados do mercado financeiros tomaram decisões surpreendentes no primeiro trimestre; confira as mudanças mais significativas que eles fizeram no período

DO BRASIL PRO MUNDO

Guedes tem encontro com Escobari, da General Atlantic, e vai a jantar do BTG; confira a agenda do ministro em Davos

O banqueiro André Esteves, que em abril voltou ao comando do conselho do BTG Pactual, está participando do evento na Suíça

UMA TECH ATRAENTE

É hora da Locaweb? Saiba por que o Deutsche Bank vê ponto de entrada para as ações LWSA3

Banco alemão atualizou a recomendação para a empresa de neutra para compra e vê potencial de valorização de mais de 50% para os papéis

O QUE VEM POR AÍ

Ata do Fed e IPCA-15: confira a agenda de indicadores da semana aqui e lá fora

Nos Estados Unidos, a segunda prévia do PIB no primeiro trimestre também é destaque; na Europa, o PIB da Alemanha é o principal dado

CAMINHO DO MEIO

Menor rejeição e apoio interno no MDB dão vantagem a Simone Tebet; veja os rumos da senadora da terceira via

Maior desafio, segundo marqueteiros, é torná-la popular: 46% do eleitorado desconhece Simone Tebet, segundo pesquisas recentes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies