O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-01-05T21:54:51-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo pela Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa recua mais de 2% após Fed sinalizar fim definitivo dos estímulos monetários da pandemia; dólar vai a R$ 5,73

A ata da última reunião do banco central norte-americano azedou os mercados e chegou a fazer o Ibovespa encostar nos 100 mil pontos

5 de janeiro de 2022
19:34 - atualizado às 21:54
federal reserve bola de cristal
Confira o que movimenta o Ibovespa e o dólar hoje (05). Imagem: Montagem Andrei Morais/Shutterstock

Falar que a pandemia do coronavírus foi um evento sem precedentes em janeiro de 2022 pode até parecer chover no molhado, mas é um fato que não pode ser ignorado enquanto o mundo lida com uma tentativa de volta à normalidade.

Para lidar com os sintomas do vírus na economia, os bancos centrais ao redor do mundo agiram com rapidez para tentar estancar a sangria, com programas de compras de ativos e taxas de juros nas mínimas históricas, o que levou o mercado financeiro a viver quase dois anos de uma liquidez abundante.

É difícil falar em previsibilidade diante de uma pandemia, mas novas variantes e gargalos no processo de vacinação deixaram o cenário ainda mais complicado de ser analisado.

Nos Estados Unidos, com uma inflação que deixou de ser transitória, mas indicadores de atividade mistos, ficou complicado cravar quando a injeção de trilhões do Federal Reserve teria um fim, mas já é seguro afirmar que será antes do que se esperava.

Primeiro veio a redução do ritmo de compra de ativos. Depois, a sinalização de que a taxa de juros deve subir já em 2022, que veio na última reunião. Com o temor de um tom mais duro do Fed, a cautela tomou conta dos mercados nesta quarta-feira, antes da divulgação da ata do último encontro do comitê de política monetária da instituição.

O documento, no entanto, foi além do que os investidores esperavam e mostrou que não só os dirigentes da instituição já falam em acelerar o processo de elevação de juros, mas também de encerrar completamente o programa de compra de ativos. A Carolina Gama conta todos os detalhes nesta matéria.

A reação do mercado foi intensa. Os rendimentos dos títulos do Tesouro americano dispararam, e as bolsas em Nova York tiveram um dia de perdas significativas, com destaque para o Nasdaq, que recuou mais de 3%.

Mais instáveis e incertos, os mercados emergentes tendem a ser os primeiros afetados pela redução de liquidez no mundo e a busca por ativos mais seguros. Mesmo entre aqueles que topam o risco, investir no Brasil dificilmente aparecerá como primeira opção.

Comparado até mesmo com os seus pares emergentes, investir no Brasil é arriscado. A crise político-fiscal que se arrasta há anos gera incertezas, a inimiga número um dos investidores. O próprio pano de fundo atual não é nada convidativo. Novos riscos ameaçam o teto de gastos.

Juros em disparada, futuro incerto e o mau humor generalizado que se instalou hoje nos mercados foram os elementos que levaram o Ibovespa a encerrar o dia em queda de 2,42%, aos 101.006 pontos, nível mais baixo desde novembro de 2021. O dólar à vista, que operou em queda na primeira etapa do pregão, subiu 0,39%, aos R$ 5,7351.

O compasso de espera não interrompeu o noticiário corporativo, que seguiu agitado. Confira os destaques:

Reajuste da discórdia

Embora o cenário fiscal tenha ficado em segundo plano nesta tarde, as incertezas que rondam as contas públicas seguem bem vivas. 

Além da falta de compensação para a prorrogação da desoneração da folha de pagamento para 17 setores, a pressão por reajustes de servidores federais pressiona ainda mais o teto de gastos. A mobilização dos servidores ocorre após o reajuste feito à classe policial.

Covid-19 pelo mundo

O coronavírus se espalha pelo globo de maneira alarmante e, ao que tudo indica, graças à variante ômicron. França, Itália, Argentina e Brasil foram alguns dos países que bateram recordes de infecções nas últimas 24h. 

Por aqui foram registrados 19.091 casos em apenas um dia, pouco abaixo do recorde de 22.109 de 5 de outubro de 2021. 

Sobe e desce do Ibovespa

Apenas quatro ações conseguiram escapar da queda generalizada do dia. A BRF conseguiu fôlego e se manteve entre os principais destaques do dia ao longo da sessão, após o Credit Suisse elevar a recomendação dos papéis para compra. Confira as maiores altas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
BRFS3BRF ONR$ 22,701,25%
VALE3Vale ONR$ 77,810,95%
BPAN4Banco Pan PNR$ 9,460,32%
BRAP4Bradespar PNR$ 24,940,24%

Com o avanço da curva de juros americana, as empresas de tecnologia e crescimento foram as mais impactadas, acompanhando a queda de quase 3% do Nasdaq. Confira também as maiores quedas:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
LWSA3Locaweb ONR$ 10,38-12,70%
PRIO3PetroRio ONR$ 18,55-10,47%
CASH3Meliuz ONR$ 2,61-9,69%
SOMA3Grupo SomaR$ 10,49-9,02%
POSI3Positivo Tecnologia ONR$ 9,08-8,28%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

NOITE CRIPTO

Não durou muito: bitcoin (BTC) opera em queda e volta a ficar abaixo do nível de US$ 30 mil; veja a performance das outras criptomoedas

O peso da perda de confiança do mercado é um dos pontos que mais afastam o investidor do mercado de criptomoedas atualmente

DISTRIBUINDO MAIS DO QUE COMBUSTÍVEIS

Dividendos e JPC: Vibra Energia (VBBR3) anuncia o pagamento de R$ 131 milhões em proventos; confira prazos

Ao todo, a distribuidora de combustíveis já pagou R$ 663 milhões em dividendos e juros sobre capital próprio no exercício de 2021

CSN (CSNA3) e CSN Mineração (CSNA3) vão recomprar até 164 milhões de ações; veja o que muda para os acionistas

As duas companhias aproveitam o momento descontado na B3 para encerrar os programas atuais e iniciar novas operações com duração de um ano

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Inflação derruba bolsas, Hapvida vai às compras e a varejista que ameaça o Magalu; confira os destaques do dia

Depois de um dia de animação, preocupações com o movimento dos preços e a atividade econômica pelo mundo estragaram o humor dos investidores

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana come margem de grandes empresas e derruba bolsas globais; Ibovespa cai mais de 2% e dólar cola em R$ 5

Com inflação pressionando e China voltando a fechar cidades, o Ibovespa caiu menos que as bolsas em Wall Street, mas ainda assim amargou fortes perdas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies