🔴 AÇÃO QUE JÁ DISPAROU 1.200% E AINDA ESTÁ BARATA – VEJA QUAL

Onde investir com a alta dos juros e o fim da era do dinheiro de graça no mundo

Quem tiver a competência, ou a sorte, de detectar o pico da inflação e das taxas de juros e comprar papéis com renda prefixada, poderá ganhar uma nota preta

8 de maio de 2022
7:45 - atualizado às 7:37
Nota de dólar queimando, simbolizando a inflação
Nota de dólar queimando - Imagem: Shutterstock

Já tinha até virado praxe. Nos Estados Unidos, por exemplo, o Fomc (Federal Open Market Committee – Comitê Federal do Mercado Aberto, colegiado equivalente ao nosso Copom), manteve a taxa básica de juros quase zerada (entre 0,00% e 0,25% ao ano). Isso durou entre 2008 e 2015.

Para um país, poder rolar sua dívida interna praticamente sem nenhum custo, é uma dádiva. O Japão que o diga.

Vale acrescentar que, durante esses oito anos, a inflação americana média, de acordo com o CPI (sigla em inglês para Índice de Preços aos Consumidores), foi de 1,5%, com um pico de 3,0% (2011) e um low de 0,1% (2008).

Ou seja, os Estados Unidos cobravam para vender papéis do Tesouro.

Ainda na gestão de Ben Bernanke, a taxa começou a subir. Foi até 2,44% em 2019. Como, nesse ano, a inflação (sempre considerando o CPI como referência) bateu 2,3%, já havia retorno real positivo. Merrequinha, mas havia.

Tudo indicava que o FED conseguiria inibir uma nova exuberância irracional (certamente Alan Greenspan jamais poderia imaginar que sua expressão faria parte constante do economês clássico) nas bolsas e trazer a economia para uma soft landing (aterrissagem suave).

O crash de 1929 e a Grande Depressão dos Anos Trinta nunca sai da mente dos chairmen, aos quais veio se juntar uma chairwoman: Janet Yellen (atual secretária do Tesouro de Joe Biden), que ocupou a principal cadeira do FED entre 2014 e 2018.

A covid muda a rota dos juros

Retomando o fio da meada, eis que, por volta de dezembro de 2019, surge na cidade de Wuhan, província chinesa de Hubei, um vírus que iria mudar a trajetória da Humanidade e dos mercados.

A partir daí, ao redor do planeta, foi um tal dos bancos centrais e governos baixarem taxas de juros e distribuírem fundos a fundo perdido (com minhas desculpas pela redundância) para a população confinada em suas casas.

Mais do que depressa, o FOMC retornou à taxa zero.

Dinheiro a rodo, carência de produtos (por causa das fábricas fechadas), falta de mão de obra... Só poderia resultar em alta de preços de mercadorias e serviços, que foi justamente o que aconteceu.

Repetimos os anos 1970 quando, após a guerra do Yom Kippur, tivemos o primeiro choque do petróleo. O segundo veio em 1980, com a revolução iraniana. O terceiro parece que chegou agora, com a guerra da Ucrânia.

Se alguém, há três anos, predissesse que a inflação americana chegaria a 8,5% ao ano, tal como foi divulgado há poucos dias pelo Departamento do Trabalho (U. S. Bureau of Labor Statistics), essa pessoa não seria levada em consideração.

Só que o mesmo (inflação muito acima do razoável) aconteceria na Alemanha, 7,4%, no Reino Unido, 4,9%, na França, 4,5%. Um escândalo para os europeus ocidentais.

Acontece que, em todos esses países, as taxas de juros não só estão no início do processo de alta, como esse processo poderá demorar alguns anos, já que a praxe é tratar a inflação com doses homeopáticas.

Caso contrário, surge o que os americanos chamam de hard landing (aterrissagem forçada), geralmente acompanhada de quebradeira.

Como se proteger da alta dos juros e da inflação

No Brasil, após mais de meio ano com a taxa Selic em 2%, o Copom partiu na frente dos outros bancos centrais e não está muito longe do fim do ciclo.

Por enquanto, para os investidores, a pedida é a compra de papéis de renda fixa. 

Acho que as bolsas, com exceção de alguns papéis específicos, ainda devem permanecer em bear market por algum tempo. Mas logo surgirão algumas oportunidades excepcionais.

Quem tiver a competência, ou a sorte, de detectar o pico da inflação e das taxas de juros, e comprar papéis com renda prefixada, poderá ganhar uma nota preta. Principalmente se tiver condições de alavancar.

Se, ao mesmo tempo, o mercado de ações estiver fazendo um fundo, poderá matar dois coelhos com uma só cajadada.

Logo os dividendos de ações que caíram muito superarão as taxas dos títulos de renda fixa.

O importante é não se afobar.

Uma sugestão para o momento é deixar o dinheiro em Tesouro Selic, até que os fundamentos fiquem mais transparentes.

Por fundamentos, estou me referindo à guerra na Ucrânia, à crise de abastecimento de petróleo e gás russo, à seca indiana, às eleições presidenciais brasileiras e ao novo surto de Covid na China, não necessariamente nessa ordem de importância.

Crise não é a primeira e nem será a última

Nos 64 anos em que trabalho no mercado financeiro, já vi diversas ocasiões tão ou mais complicadas como a atual.

Só para lembrar algumas:

Aqui em terras tupiniquins, o golpe militar de 1964, a hiperinflação dos anos 1980 e primeira metade dos 1990, o confisco do Collor, o ataque especulativo contra o real (final dos anos 1990) e outras similares.

Lá fora, a guerra do Vietnã, a crise de Watergate, os acima citados choques do petróleo, os ataques de 11 de setembro de 2001, etc.

Em todas elas, tanto no Brasil como no exterior, surgiram grandes oportunidades de ganhar dinheiro, assim como não menores riscos de se perder.

Eu ganhei uma grana preta em algumas delas e fui à lona em outras.

Saí, quase que de um dia para o outro, do pão com mortadela no botequim ao lado do escritório para “canard a l’orange” do La Tour d’Argent em Paris.

Agora vou com menos sede ao pote. Penso mais tempo e opero mais leve.

Leia também:

Compartilhe

TAXA NEGATIVA

Há chance de deflação recorde no terceiro trimestre? Analistas preveem maior queda do IPCA desde o início do Plano Real

11 de setembro de 2022 - 14:41

Após dois meses seguidos de queda dos preços, economistas agora monitoram a chance de uma nova taxa negativa em setembro

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: inflação no mundo e atividade no Brasil são os destaques da semana

11 de setembro de 2022 - 8:06

A inflação medida pelo IPCA é o principal dado da agenda econômica local; no exterior, atenção para o BCE e os juros da zona do euro

PREVISÕES PARA O COPOM

Um dos maiores especialistas em inflação do país diz que não há motivos para o Banco Central elevar a taxa Selic em setembro; entenda

10 de setembro de 2022 - 16:42

Heron do Carmo, economista e professor da FEA-USP, prevê que o IPCA registrará a terceira deflação consecutiva em setembro

O PREÇO DA CRISE

Putin envia fatura de trilhões à Europa e conta de luz deve chegar a R$ 2,5 mil por mês

6 de setembro de 2022 - 16:36

Goldman Sachs calcula que as contas de energia para os lares europeus aumentarão em 2 trilhões de euros quando atingirem o pico, no início do próximo ano

Reportagem especial

A gasolina baixou — mas, para os brasileiros, ainda vale a pena cruzar a fronteira e encher o tanque na Argentina

6 de setembro de 2022 - 6:06

A desvalorização cambial na Argentina, somada ao preço ainda alto da gasolina no Brasil, eleva o fluxo de motoristas na fronteira dos países

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: inflação no Brasil e juros na Europa são destaques de semana mais curta

4 de setembro de 2022 - 7:42

A inflação medida pelo IPCA é o principal dado da agenda econômica local; no exterior, atenção para o BCE e os juros da zona do euro

E AGORA, BETINHA?

Um dragão no colo da rainha! Britânicos podem encarar inflação de 22% — e o grande vilão dessa história é bem conhecido

30 de agosto de 2022 - 17:24

Além de uma inflação de 22,4% para o próximo ano, o Produto Interno Bruto (PIB) britânico pode cair 3,4%, segundo projeções do Goldman Sachs

A CASA BRANCA GOSTOU

Efeito Fed? Biden diz que os norte-americanos já sentem o alívio dos preços altos

26 de agosto de 2022 - 16:37

Mais cedo, o Departamento do Comércio dos EUA informou que o dado preferido do Fed para medir a inflação recuou 0,1% em julho ante junho, mas Powell não está satisfeito; entenda por quê

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: simpósio de Jackson Hole é destaque; semana também conta com dados de inflação no Brasil e nos EUA

20 de agosto de 2022 - 7:11

O simpósio de Jackson Hole deve trazer sinalizações importantes por parte do Federal Reserve (Fed) quanto ao futuro dos juros no país

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: ata do Fed, dados de varejo nos EUA e inflação na zona do euro são os destaques da semana

13 de agosto de 2022 - 8:11

A ata da última reunião do Fed é o principal dado da agenda econômica; a inflação ao consumidor (CPI) na Europa também é destaque

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar