🔴 TCHAUZINHO, NUBANK: Itaú BBA revela ação que pode colocar o roxinho para comer poeira; CLIQUE AQUI  e descubra a resposta no nosso Telegram

2022-09-08T12:20:33-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Reportagem especial

A gasolina baixou — mas, para os brasileiros, ainda vale a pena cruzar a fronteira e encher o tanque na Argentina

A desvalorização cambial na Argentina, somada ao preço ainda alto da gasolina no Brasil, eleva o fluxo de motoristas na fronteira dos países

6 de setembro de 2022
6:06 - atualizado às 12:20
Bombas de gasolina de um posto de combustíveis Shell
Imagem: Jakob Rosen / Unsplash

Passa das 22h30 em Puerto Iguazú, a pacata cidade da Argentina que faz fronteira com Brasil e Paraguai. É sexta-feira, e o movimento nas ruas é maior do que se imaginaria para uma localidade de meros 100 mil habitantes: bares e restaurantes estão quase cheios.

Mas, se você realmente busca agito, esqueça a boemia — a casa mais disputada da cidade não serve bebidas. Carros enfileiram-se na avenida Misiones, quarteirão após quarteirão; tudo por uma chance de entrar no posto de gasolina Shell, o único que funciona 24h por dia.

A busca por combustível reúne os moradores locais e os habitantes de Foz do Iguaçu, o lado brasileiro da tríplice fronteira. Dia após dia, as filas se repetem nos quatro postos do município argentino, num espelho fiel da situação econômica dos dois países.

Em meio a uma inflação acumulada de 71% nos últimos 12 meses — o índice oficial saltou 7,4% apenas em julho —, a Argentina passa por uma situação caótica: a população tenta gastar seu dinheiro o quanto antes, de modo a evitar uma corrosão maior do poder de compra.

Ou seja: há uma corrida aos caixas eletrônicos, aos postos de gasolina e aos mercados — chama a atenção o número de pequenos comércios abertos noite adentro. A desvalorização de 30% do peso argentino em relação ao dólar numa janela de apenas um ano também pressiona a economia local.

O Brasil não tem números tão chocantes de inflação, mas também vive seus dramas particulares: no momento mais crítico da alta global do petróleo, o litro da gasolina chegou a ser vendido acima dos R$ 8,00 em muitas regiões do país.

E, por mais que os preços nas bombas brasileiras tenham recuado nos últimos meses, fato é que os postos da Argentina ainda têm preços atraentes, dada a forte desvalorização da moeda local.

Pelo câmbio oficial, um real equivale a pouco mais de 27 pesos; há um ano, a relação era de um para 18. Fazendo as contas, encher o tanque na Argentina ainda vale a pena para o motorista brasileiro, por mais que a tarefa envolva horas de espera e possíveis armadilhas.

Afinal, as dificuldades econômicas enfrentadas pelos nossos vizinhos, somadas à demanda por combustível pelos brasileiros, criam um ambiente cheio de distorções — e pessoas dispostas a explorá-las. Há um jeitinho argentino para quem não quer passar a madrugada numa fila.

A reportagem do Seu Dinheiro esteve em Puerto Iguazú na semana passada e conta os detalhes dessa situação bastante peculiar.

O posto Shell da avenida Misiones, em Puerto Iguazú, na Argentina: filas de carros até tarde da noite. Foto: Victor Aguiar

Gasolina, por favor

“Eu vou à Argentina encher o carro a cada dois dias”, me disse um motorista de aplicativo. A bordo de um Renault Kwid, ele pediu para não ser identificado nesta matéria — a corrida, de pouco mais de 10 quilômetros, custou perto de R$ 24,00.

Num relato que foi confirmado por outros moradores de Foz, ele afirmou que é comum esperar mais de duas horas para abastecer num posto do outro lado da fronteira, isso sem contar o tempo gasto na imigração — e que nem todo mundo é atendido da mesma maneira.

E isso porque os motoristas brasileiros são bem-vindos, mas só até a página dois: é comum que os estrangeiros tenham que pagar um valor ligeiramente maior que o oficial para usar as bombas na cidade.

Há outros mecanismos que limitam o acesso dos não-argentinos à gasolina local: alguns postos fixam horários específicos para atender os brasileiros; outros limitam a quantidade de combustível vendida aos forasteiros.

Mas vale a pena enfrentar tantos obstáculos para abastecer o carro? A economia é grande o suficiente para compensar o tempo e o desgaste envolvidos no processo?

Na ponta do lápis

Vamos aos números: a cidade argentina conta com poucos postos de combustível; o litro de gasolina custava algo na faixa de 150 a 165 pesos argentinos na sexta-feira, 26 de agosto — o posto Shell citado no começo do texto é o mais caro.

Considerando o câmbio de um real para 27 pesos, chegamos a um valor entre R$ 5,50 e R$ 6 por litro nos postos argentinos. Na ponta do lápis, não parece ser um preço tão competitivo assim em relação ao visto em Foz do Iguaçu.

Veja abaixo como se comportou o litro da gasolina nos postos da cidade paranaense ao longo das últimas semanas, de acordo com levantamento feito pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP):

Evolução dos preços da gasolina comum em Foz do Iguaçu. Fonte: ANP

Só que a conta não é tão simples assim: é preciso levar alguns outros fatores em consideração. Em primeiro lugar, há a taxa de câmbio em si — a cotação oficial do peso argentino não tem muita serventia no dia a dia.

No comércio, nos bares e nos restaurantes de Puerto Iguazú, é adotada uma taxa informal de conversão entre pesos e reais; para os brasileiros, é muito mais vantajoso trocar o dinheiro nesse mercado informal do que recorrer a uma casa de câmbio.

Voltemos à taxa oficial, de um real para 27 pesos. A reportagem do Seu Dinheiro chegou a encontrar um restaurante que pagava 50 pesos por cada real; em geral, os comércios fazem uma conversão de, no mínimo, 1:40.

É mais um retrato da situação econômica delicada da Argentina: com a moeda local perdendo valor de maneira acelerada, a população prefere ter qualquer outra divisa mais forte — reais, dólares ou euros — a ter pesos na carteira. E, para tal, aceita pagar caro.

Portanto, se adotarmos esse câmbio extra-oficial para os preços praticados nos postos, de 150 pesos, chegamos a um valor de R$ 3,00 pelo litro de gasolina. Ou seja: abastecer na Argentina ainda é negócio, mesmo que seja cobrado um valor mais alto para os brasileiros.

E ainda há um segundo atrativo: a gasolina argentina é pura, enquanto o combustível vendido no Brasil é uma mistura contendo 27% de etanol anidro em sua composição. Portanto, além de mais barata, a alternativa rende mais.

Considerando tudo isso, o motorista de aplicativo que conversou com a nossa reportagem não hesita ao cruzar a fronteira para abastecer, por mais que dirija um modelo econômico — o Kwid faz mais de 15 km/l de gasolina em tráfego urbano, de acordo com a Renault.

“Mas eu só vou nos postos, não quero mais saber dos capetas”, disse ele.

Mercado paralelo

''Capeta'' é o apelido dado aos argentinos que revendem combustível aos brasileiros; ao menos, no grupo de WhatsApp que compartilha os contatos desses vendedores clandestinos — o motorista que falou conosco é um dos membros dessa comunidade.

Funciona mais ou menos assim: os residentes de Puerto Iguazú abastecem ao preço de tabela, sem maiores complicações; eles, então, esvaziam seus tanques em galões, vendendo-os diretamente aos vizinhos da fronteira — uma espécie de mercado paralelo da gasolina.

De um lado, os valiosos reais; do outro, o cobiçado combustível — e, na fronteira entre Brasil e Argentina, os dois lados se encontram para a troca. O preço cobrado é mais caro que o dos postos, mas o tempo perdido é quase zero.

Só que, ao optar pela informalidade, os dois lados da negociação estão sujeitos a uma série de fatores que fogem ao controle das autoridades. E essa imprevisibilidade é a razão pela qual o motorista não recorre mais aos revendedores.

Ele contou à reportagem que, ao abastecer com um “capeta”, seu carro começou a engasgar em poucos minutos — o combustível tinha sido diluído em algum solvente, o que lhe causou um prejuízo de quase mil reais em reparos.

À esquerda, os preços praticados no posto Shell, o único 24h de Puerto Iguazú; à direita, a tabela de um posto da bandeira YPF. Fotos: Victor Aguiar

Bolsonaro, gasolina e inflação

Poucos dias após a visita da reportagem do Seu Dinheiro a Puerto Iguazú, o presidente Jair Bolsonaro esteve na região da tríplice fronteira: no dia 31 de agosto, ele inspecionou as obras da nova ponte que ligará Foz do Iguaçu a Ciudad del Este, no Paraguai.

À imprensa, Bolsonaro ressaltou a redução nos preços dos combustíveis vista nas últimas semanas; segundo ele, os brasileiros antes iam ao Paraguai para abastecer seus carros; agora, ocorre o movimento contrário, com um fluxo de paraguaios aos postos de Foz.

A queda na gasolina tem sido um dos carros-chefe de Bolsonaro em sua campanha para a reeleição: com o forte alívio visto nas bombas de combustível, a inflação tem passado por um alívio relevante no país.

O discurso de fortalecimento da economia ainda engloba outras frentes: a redução no desemprego, as projeções de maior crescimento do PIB e o aumento do Auxílio Brasil, de R$ 400 para R$ 600, são outras apostas do atual presidente a menos de um mês da eleição.

As falas de Bolsonaro dão grande peso às medidas adotadas pelo governo, como a redução de impostos federais sobre os combustíveis. No entanto, fato é que boa parte do alívio no preço da gasolina se deve à queda das cotações do petróleo no exterior.

A política de preços da Petrobras, como se sabe, está atrelada às flutuações da commodity — e, nos últimos meses, o petróleo saiu das máximas e voltou a ser negociado abaixo dos US$ 100 por barril. 

Nesse contexto, a estatal teve espaço para cortar o preço da gasolina vendida às distribuidoras, criando um ciclo de alívio para a economia como um todo. Tanto é que a inflação medida pelo IPCA ficou negativa em 0,68% em julho, apoiada no recuo dos preços de combustíveis e energia.

Vale lembrar, no entanto, que a deflação mostrada pelo IPCA de julho não atinge todos os setores da economia de maneira unânime. Enquanto os gastos com transportes diminuíram, outras áreas importantes do dia a dia do brasileiro continuam com preços salgados.

É o caso do subgrupo de alimentação e bebidas, que teve alta de 1,3% em julho, e de despesas pessoais, com salto de 1,13%. Ou seja: o alívio nas bombas de combustível traz o IPCA para baixo, mas os efeitos da inflação ainda são sentidos no país.

E é nesse sentido que a busca por combustível barato ainda movimenta o dia a dia de Puerto Iguazú: com o custo de vida ainda muito elevado no Brasil, qualquer economia se mostra atrativa — ainda mais para trabalhadores informais, como o motorista de aplicativo que falou com o Seu Dinheiro.

Numa conta de padaria, os R$ 24,00 obtidos com a corrida que atendeu a reportagem equivalem a 4,63 litros de gasolina no Brasil, mas podem render 8 litros na Argentina — e o combustível por lá é mais puro que o daqui, lembre-se.

Até que o peso argentino volte a se valorizar, ou até que o custo geral do Brasil volte a cair, as filas em Puerto Iguazú devem continuar extensas.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

CAÇADOR DE TEDÊNCIAS

Day trade na B3: Oportunidade de lucro de mais de 7% com ações da Yduqs (YDUQ3); confira a recomendação

27 de setembro de 2022 - 8:16

Identifiquei uma oportunidade de swing trade baseada na análise quant – compra dos papéis da Yduqs (YDUQ3). Saiba os detalhes

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

O saldão da B3: Os planos da Dimensa, pechinchas na bolsa, mercado de lítio e outras notícias que mexem com os seus investimentos hoje

27 de setembro de 2022 - 8:14

Ainda nas comemorações pelos 4 anos do Seu Dinheiro, a Ana Carolina Neira entrevistou o CEO da Dimensa, enquanto o colunista Matheus Spiess trouxe uma de suas principais teses de investimento para os próximos quatro anos.

CENTRAL DAS ELEIÇÕES

Eleições 2022: Confira a agenda dos candidatos à Presidência da República nesta terça-feira

27 de setembro de 2022 - 7:35

Acompanhe a cobertura ao vivo das eleições 2022 com as principais notícias sobre os principais candidatos à Presidência e nos Estados

DE OLHO NA BOLSA

Esquenta dos mercados: Bolsas internacionais tentam emplacar alta com busca por pechinchas; Ibovespa acompanha ata do Copom hoje

27 de setembro de 2022 - 7:34

A prévia da inflação brasileira será divulgada na terça-feira e o IPCA-15 deve registrar deflação mais uma vez

União que deu resultados

Com fome de aquisições e dois sócios grandes por trás, Dimensa acirra a disputa pelo mercado de software financeiro e mira IPO

27 de setembro de 2022 - 7:00

A Dimensa é fruto de uma joint venture entre a Totvs (TOTS3), maior companhia de sistemas de gestão do país, com a B3 (B3SA3), a dona da bolsa de valores brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies