O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

Ivan Sant’Anna
Seu Mentor de Investimentos
Ivan Sant’Anna
É trader no mercado financeiro e autor da Inversa
2022-03-13T11:01:13-03:00
SEU MENTOR DE INVESTIMENTOS

Petróleo a 200 dólares? Como um novo choque de preços deve mudar a política da Petrobras (PETR4) para os combustíveis

Simplesmente não confio em governos, mas acredito que, em ocasiões de emergência, a União pode interferir em alguns preços para evitar abusos

13 de março de 2022
8:08 - atualizado às 11:01
Composição mostrando uma miniatura de plataforma de petróleo e um barril, na cor preta, em cima de notas de dólar. Simboliza a indústria de óleo e gás e empresas como a Petrobras (PETR4)
Imagem: Shutterstock

Me lembro bem que até 1973, quando estourou a Guerra do Yom Kippur, a gasolina era uma das menores despesas dos carros e dos aviões (eu tinha um monomotor Cessna 180). Nas estradas brasileiras, rodavam caminhões movidos a gasolina.

No mercado internacional, o preço dos combustíveis era controlado por empresas petrolíferas ocidentais conhecidas como Sete Irmãs. Pela ordem alfabética: Anglo-Iranian Oil Company; Royal Dutch Shell; Standard Oil Company of California; Gulf Oil; Texaco; Standard Oil Company of New Jersey e Standard Oil Company of New York.

Pois bem, veio a guerra. Egito e Síria atacaram Israel no dia sagrado do Yom Kippur. Atacaram e estiveram a um passo de vencer o conflito.

Mas, com a ajuda dos Estados Unidos, então governados por Richard Nixon, que enviaram armas e munições, inclusive tanques direto de aviões na península do Sinai para o campo de batalha, os israelenses acabaram vencendo.

Só não foram adiante, em direção ao Cairo e a Damasco, porque a União Soviética ameaçou intervir ao lado dos árabes.

O primeiro choque do petróleo

Em vingança pela derrota, os países árabes, em conjunto, que já haviam constituído a OPEP treze anos antes, mas tinham pouca (ou quase nenhuma) influência na fixação dos preços, tomaram a si essa incumbência.

Em apenas dois meses, a cotação do barril de petróleo, no mercado spot de Roterdã, pulou de US$ 3 para US$ 22, uma alta de 633,33%, provocando inflação e recessão no Ocidente. Iniciara-se o Primeiro Choque do Petróleo.

Como medida de defesa, a indústria automobilística de Detroit trocou as banheiras rabo de peixe por carros compactos, a velocidade máxima nas estradas americanas foi fixada em 55 milhas (88,5 km/h).

A Grã-Bretanha instituiu a semana de três dias úteis; no Brasil, o presidente Emílio Garrastazu Médici, que estava de saída, deixou o pepino para seu sucessor, general Ernesto Geisel — e ele demorou a agir antes de tomar duas decisões:

  • Racionamento de energia: os postos de abastecimento ficavam fechados durante as noites e fins de semana; e
  • Criação do Proálcool, um dos mais bem-sucedidos programas de alteração de matriz energética de todos os tempos. Mas que demorou anos para surtir efeito.

O segundo choque do petróleo

O Segundo Choque do Petróleo, em 1979, foi causado pela revolução islâmica iraniana e levou o preço do óleo cru para 40 dólares. Entre as duas grandes crises do petróleo, a maioria das empresas exploradoras do Oriente Médio foi estatizada, assim como aconteceu na Venezuela, que criou a PDVSA (Petróleos de Venezuela S. A.).

Terminara o reinado das Sete Irmãs e, aos poucos, o petróleo foi se tornando uma commodity como outra qualquer, com seus preços sendo determinados pelas leis de oferta e procura.

Mesmo durante a primeira Guerra do Golfo, detonada pela invasão do Kuwait pelas tropas do ditador iraquiano Saddam Hussein, a alta do preço do barril, embora tenha sido de 100%, de US$ 20 para US$ 40, durou pouco.

O certo é que boa parte dos países procurou se valer de fontes alternativas de energia, tais como eólica, solar, nuclear, das marés e construir mais barragens e usinas hidrelétricas; houve prospecção em massa em todas as partes do globo.

No Brasil, que na época do primeiro choque produzia apenas 20% de seu consumo de óleo cru, foram descobertas jazidas em águas profundas na bacia de Campos. Tornamo-nos autossuficientes em petróleo.

Preços internacionais do petróleo

Depois de ter seus objetivos desvirtuados para fins políticos-eleitorais, e mais tarde para corrupção em alta escala, a Petrobras (PETR4) iniciou um período virtuoso com a posse, na presidência, de Pedro Parente, durante o governo Michel Temer.

A empresa passou a praticar, no mercado interno, os preços internacionais, tal como fazem os produtores de soja, trigo, milho, minério de ferro e demais matérias-primas.

Veio então a grande greve dos caminhoneiros de 2018. Temer quis congelar o preço do óleo diesel, procedimento com o qual Parente não concordou, pedindo demissão no ato.

Apesar de algumas interferências pontuais do Planalto, nos governos Temer e Bolsonaro, a Petrobras continua atuando como uma sociedade anônima que privilegia os acionistas, sendo o maior deles a própria União.

Petrobras (PETR4): talvez ocorra uma mudança

Agora talvez isso tenha de mudar, favorecendo a população em geral, em detrimento do objetivo lucro. Bolsonaro é a favor disso, assim como seu opositor, Lula; o mesmo acontece com as casas do Legislativo.

Se outros países, seguindo liderança dos Estados Unidos, embargarem o petróleo e o gás natural russo, ou se a própria Rússia, numa atitude economicamente suicida, estancar suas exportações, vejo grandes possibilidades do preço do barril, num processo de squeeze, se elevar a 200 dólares ou mais.

Como os consumidores brasileiros não têm condições de arcar com esse preço, essa história de cotação internacional vai melar por aqui. Se os estatutos da Petrobras não permitem, os estatutos irão mudar.

O erro da política petrolífera vem desde o governo Vargas, quando se criou o monopólio da Petrobras, em meio a arroubos de nacionalismo sintetizados pelo slogan O petróleo é nosso.

Se o mercado de extração, refino e distribuição de petróleo fosse livre no Brasil, como é o caso dos Estados Unidos, teríamos aqui diversas empresas, nacionais e estrangeiras, prospectando, produzindo, refinando e vendendo derivados num processo de livre e saudável concorrência.

Só o fato de a Petrobras fixar o preço do produto, mesmo que às vezes seja realista, me causa profunda irritação. Já imaginaram se a soja, o milho, as carnes e outras commodities brasileiras de grande produtividade fossem produzidas em fazendas estatais? Onde estaríamos nós como potência de matérias-primas, como é o caso atual?

Josef Stalin coletivizou a agricultura soviética e 12 milhões de pessoas morreram de fome.

Mao Tsé-Tung criou o programa O grande salto adiante, com o mesmo objetivo de estatizar o campo. Resultado: segundo Frank Dokötter, catedrático de Humanidades da Universidade de Hong Kong, e autor do livro Mao’s Great Famine, 45 milhões de chineses pereceram no processo.

Momento atípico

Mais de oitenta por cento de meus recursos pessoais estão aplicados em renda variável, quase tudo em blue chips de alta liquidez. Deste portfolio não consta nenhuma ação de estatal, nem mesmo a Petrobras — simplesmente não confio em governos.

Por outro lado, acredito que, em ocasiões de emergência (e o mundo está atravessando uma delas), a União, consultando o Congresso Nacional, pode interferir em alguns preços para evitar abusos, sejam eles extorsivos ou causados por eventos internacionais que fogem ao nosso alcance.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Nubank (NUBR33) empolgou? Nem tanto. Saiba por que as ações dispararam após o balanço, mas logo perderam a força

Inadimplência do Nubank subiu mais que nos grandes bancos brasileiros no primeiro trimestre, mas analistas minimizaram a alta

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa surfa no otimismo internacional e abre em alta; dólar é negociado abaixo dos R$ 5

RESUMO DO DIA: Os sinais de alívio da covid-19 na China devolveu o apetite de risco dos investidores nesta terça-feira (17). O tom menos agressivo dos representantes do Federal Reserve na tarde de ontem (16) também incentivam uma busca por barganhas nas bolsas hoje. Por aqui, o Ibovespa acompanha os debates envolvendo a PEC 63, […]

CAÇADOR DE TENDÊNCIAS

Oportunidade de swing trade: compra de ações da Positivo (POSI3) e lucro de 2% no bolso com Wiz (WIZS3)

Identifiquei uma oportunidade de swing trade – compra dos papéis da Positivo Tecnologia (POSI3), com entrada em R$ 7,87; veja a análise das ações

O melhor do Seu Dinheiro

Velozes e autônomos: desafio Imigrantes; veja a história do dia e outras oito notícias que mexem com os seus investimentos

Descubra tudo o que você precisa saber sobre os carros autônomos e o que é preciso para eles ganharem de vez as estradas brasileiras

BARGANHANDO EM PÚBLICO?

Elon Musk acha que o Twitter tentou enganá-lo, suspende negociação e exige clareza sobre número de contas falsas

Twitter e Elon Musk divergem sobre quantidade de usuários falsos e spams; empresa fala em 5%, bilionário acha que é bem mais

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies