O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

Matheus Spiess
Insights Assimétricos
Matheus Spiess
É economista e editor da Empiricus
2022-04-19T06:28:43-03:00
INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Um negócio da China às avessas: como os lockdowns podem afetar a economia global

Há espaço para exposição na bolsa brasileira, mas impacto de lockdowns na China sobre commodities deve provocar volatilidade

19 de abril de 2022
6:28
Mercado financeiro
Lockdowns na China afetam cerca de 400 milhões de pessoas. Imagem: Shutterstock

Internacionalmente, dois temas acabam ofuscando os demais: a guerra na Ucrânia e o aperto monetário nos países desenvolvidos, em resposta à inflação. A relação perversa entre os dois, na qual o conflito acaba elevando ainda mais os preços, tem feito com que os investidores só consigam conversar sobre isso nas últimas semanas. Assim, temas de grande relevância, como os lockdowns na China, apesar de importantes, são resguardados a um segundo plano.

O temor aqui reside na permanência das restrições chinesas para endereçar a alta de casos de covid-19 em diferentes regiões do país e nos desdobramentos de tal manutenção na segunda maior economia do mundo.

Os esforços para conter o pior surto de coronavírus em dois anos devem se provar um duro golpe na atividade econômica de março em diante, inclusive em Xangai, o centro financeiro e industrial do país. Lembre-se que já vínhamos de uma realidade na qual governo chinês havia estabelecido uma meta de crescimento para 2022 de 5,5%, a menor em três décadas.

PIB da China cresce - desemprego também

Nesta segunda-feira (18), porém, tivemos uma surpresa positiva. O PIB do primeiro trimestre subiu 4,8% na comparação anual, superando as expectativas de aumento de 4,4%. Adicionalmente, o investimento em ativos fixos no primeiro trimestre aumentou 9,3% em relação ao ano anterior, superando as expectativas de crescimento de 8,5%.

Parece ótimo, mas é o suficiente para ficarmos despreocupados? Negativo.

A taxa de desemprego em 31 grandes cidades chinesas subiu de 5,4% em fevereiro para 6% em março – a maior já registrada por dados oficiais desde 2018. Em outras palavras, a economia chinesa até teve um bom primeiro trimestre, mas agora está oscilando, muito por conta de as restrições só terem entrado em vigor principalmente em março.

Ou seja, o crescimento foi impulsionado por um desempenho econômico surpreendentemente bom em janeiro e fevereiro, enquanto a queda recente nos gastos do consumidor e o aumento do desemprego sugerem meses difíceis à frente (vendas no varejo caíram em março e a produção industrial desacelerou). Por isso, os dados econômicos de abril devem piorar.

Lockdowns na China atingem 400 milhões de pessoas

Cerca de 400 milhões de pessoas em 45 cidades da China estão sob lockdown total ou parcial como parte da rígida política de "covid zero" do governo chinês. Juntas, as regiões com restrições representam 40% do produto interno bruto anual da segunda maior economia do mundo (US$ 7,2 trilhões). Entretanto, nem tudo é o que parece.

A política de "covid zero" já não significa zero casos locais. Se fosse esse o caso, os moradores de Xangai poderiam ficar presos por anos. Em vez disso, as autoridades estão se concentrando em uma nova métrica chamada “zero infecção na sociedade”. Com isso, a dinâmica das restrições foi flexibilizada. Abaixo, podemos ver os diferentes tipos de lockdown.

Isto é, o governo redefiniu suas restrições. O objetivo indica que as medidas de lockdown começarão a ser afrouxadas assim que a propagação zero da comunidade for alcançada, mesmo que ainda haja um alto número de infecções em instalações de isolamento. Dessa forma, isso também significa que os moradores podem sair do bloqueio mais cedo.

É melhor do que antes? Sem dúvida, sim. Se trata da solução do problema? Negativo.

Ainda não começamos a sentir os efeitos da nova quebra na cadeia de suprimentos, sendo que nem havíamos nos recuperado totalmente do choque anterior. Para ilustrar, tomemos Xangai como exemplo: uma cidade de 25 milhões de habitantes e um dos principais centros financeiro, de fabricação e exportação da China.

Porto de Xangai está parado

O Porto de Xangai, que movimentou mais de 20% do tráfego de carga chinês em 2021, está praticamente parado. Alimentos presos em contêineres sem acesso à refrigeração estão apodrecendo, enquanto a carga de entrada agora está presa nos terminais marítimos por uma média de oito dias antes de ser transportada para outro lugar.

Xangai produz cerca de 6% das exportações da China e o lockdown está abalando ainda mais as cadeias de suprimentos. A seguir, podemos observar como o supply chain global ainda está comprometido e deve piorar (por conta da China e da Rússia) — o índice abaixo é baseado na diferença entre o tempo de entrega e no tempo de fabricação, ambos componentes do PMI.

Entendo que os mercados globais ainda possam subestimar o impacto real do lockdown, dado que muita atenção segue sendo focada no conflito entre Rússia e Ucrânia e nos aumentos das taxas de juros dos países desenvolvidos, em especial do Federal Reserve dos EUA. Além disso, parece que muita esperança tem sido depositada sobre os estímulos do governo chinês.

O primeiro-ministro Li Keqiang emitiu um terceiro alerta sobre os riscos de crescimento econômico em menos de uma semana, estimulando os investidores a apostar em estímulos maiores e mais rápidos nos próximos dias. Dito e feito. Atendendo às expectativas, o Banco do Povo da China cortou a taxa de juros de sua linha de crédito de médio prazo.

Será suficiente?

Difícil dizer, mas meu entendimento é que apenas parcialmente, não integralmente. O impacto na China é grande e os efeitos na economia global são bastante significativos, em especial para o universo das commodities. Em um relatório recente, a Organização Mundial do Comércio (OMC) alertou que o pior cenário poderia reduzir o PIB global de longo prazo em 5%.

O mercado global ainda é dependente do crescimento chinês, o mesmo que aqueceu o ciclo econômico entre a década de 90 e o início do século 21. Um arrefecimento dessa atividade terá efeitos duradouros em uma economia que já tem que enfrentar o temor de estagflação. O Brasil, que tem como seu principal escape as commodities, está sob risco.

O cenário para o resto de 2022 é desafiador, assim como será em 2023 e 2024. A janela para o início da década se mostrou muito mais complexa do que esperávamos. Ainda há espaço para ganhos e otimismo, mas a oportunidade se mostra cada vez mais difícil — o ciclo de preços atual é impulsionado em grande pela quebra na cadeia de suprimentos.

Para o Ibovespa, o impacto também pode ser significativo, uma vez que temos a presença considerável de commodities no índice. O fluxo de estrangeiros ainda pode nos ajudar, claro, bem como a possibilidade de ganhos com bancos (historicamente, alta dos juros beneficia o setor na média), mas deveremos sentir a volatilidade nos preços das commodities.

Sim, há espaço para exposição na Bolsa brasileira. Tudo isso, claro, feito sob o devido dimensionamento das posições, conforme seu perfil de risco, e a devida diversificação de carteira, com as respectivas proteções associadas. Que fique claro aqui: não será um passeio no parque. A longo prazo, deveremos ter ganhos, mas o curto promete bastante risco.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

CVM recua e libera distribuição de dividendos do fundo imobiliário Maxi Renda FII (MXRF11) com base no ‘lucro caixa’ — relembre o caso

A xerife do mercado de capitais reconheceu “a existência de obscuridade e contradição” na decisão original

Superou o trauma? Bitcoin (BTC) segue no patamar de US$ 30 mil; saiba se a maior criptomoeda do mundo sustentará esse nível

BTC terá também que superar os críticos às moedas digitais, que não pouparam esforços para injetar ainda mais medo nesse mercado já extremamente desorientado

CEO do JP Morgan leva cartão vermelho de acionistas e pode ficar sem bônus milionário, entenda a decisão rara

A desaprovação foi a primeira desde que o conselho do banco norte-americano enfrentou um voto negativo sobre compensações desde que as regras foram introduzidas, há mais de uma década

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Hapvida, Magazine Luiza e Nubank tombam, mas Ibovespa fecha o dia no azul; confira os destaques desta terça-feira

O maior apetite ao risco e a expectativa de manutenção no ritmo de alta no juro nos Estados Unidos ajudou o Ibovespa, que teve um dia de ganho

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa sustenta alta após susto inicial com Powell; dólar cai abaixo dos R$ 5

O Ibovespa fechou o dia longe das mínimas, mas o dólar caiu 2% com o apetite por risco no exterior

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies