O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-05-02T08:09:13-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
SEGREDOS DA BOLSA

Esquenta dos mercados: ‘Super Quarta’ e covid-19 na China injetam cautela nas bolsas esta semana; Ibovespa acompanha ameaça ao teto de gastos

Nos próximos dias, os Bancos Centrais dos EUA e do Brasil permanecem no foco dos investidores, junto com uma semana recheada de balanços importantes para o índice local

2 de maio de 2022
8:09
Fed Copom
Super Quarta dos bancos centrais no foco dos investidores em bolsa. - Imagem: Federal Reserve e Banco Central do Brasil

A primeira semana de maio deve começar difícil para as principais bolsas pelo mundo. A proximidade da decisão de política monetária do Federal Reserve injeta cautela nos investidores nesta segunda-feira (05). Além de tudo, os índices devem sentir o ajuste de carteiras de começo de mês. 

De maneira um pouco mais local, a decisão sobre juros aqui no Brasil também deve afetar os negócios ao longo dos próximos dias. A chamada “Super Quarta” é o dia mais esperado após uma semana de indicadores de inflação tanto por aqui quanto nos Estados Unidos. 

Os próximos dias ainda contam com uma série de relatórios de emprego nos EUA, com o principal deles — o payroll — divulgado na sexta-feira (06).

Nos próximos pregões, os investidores devem buscar a recuperação das perdas na semana passada; o principal índice da B3 fechou o pregão da última sexta-feira (29) em queda de 1,86%, aos 107.876 pontos, nas mínimas do dia.

Já o dólar se aproximou ainda mais dos R$ 5,00 e fechou a sessão em leve alta de 0,06%, a R$ 4,9427.

Confira o que movimentará as bolsas, o dólar e o Ibovespa nos próximos dias:

Bolsas hoje: início de semana sem direção

Os principais índices asiáticos encerraram o pregão desta segunda-feira em queda, seguindo o fraco desempenho de Nova York da semana passada. O índice do gerente de compras (PMI, em inglês) da China também corroborou para o fraco desempenho das bolsas por lá. 

Na abertura da Europa, a desaceleração chinesa também pressiona os índices e as bolsas por lá seguem em baixa. A recente onda de covid-19 que se alonga no país já começou a afetar o desempenho da economia — o que pode afetar os demais países no longo prazo. 

Por último, os futuros de Wall Street operam na direção contrária, no aguardo da decisão de política monetária da próxima quarta-feira (04).

Super-Quarta se aproxima

Um dos eventos mais esperados do ano pelos investidores é a reunião de maio do Federal Reserve. Esse encontro do Fomc — o Copom americano — pode dar maiores detalhes sobre o plano de aperto monetário dos EUA e a redução do balanço patrimonial do Fed.

Na última leitura, a inflação (medida pelo PCE) por lá veio em linha com o esperado, acumulando alta de 5,2% na base anual, o que representa o maior avanço de preços para o período em mais de 40 anos. 

Entretanto, os dados preliminares do PIB do primeiro trimestre por lá também vieram mais fracos do que as projeções, em queda de 1,4% — a expectativa era de um crescimento de 1,0%.

Jerome Powell, presidente da instituição, deve acompanhar a divulgação dos dados do payroll desta semana e pode precisar adequar seu discurso para próxima reunião de política monetária se a economia não estiver “sólida o bastante para sobreviver a alta nos juros”, nas palavras dele. 

E por aqui

Além dos juros por lá, o nosso Banco Central também divulga a decisão dos juros nesta semana. Assim como os norte-americanos, os brasileiros também vivem com uma inflação desenfreada e crescente nos últimos meses. 

De acordo com o IBGE, o IPCA-15, considerado uma prévia da inflação oficial, acelerou 1,73% até a metade de abril. Isso representa a maior alta para o mês desde 2003, quando o índice de fevereiro teve alta de 2,19%.

O nosso BC deve, portanto, aumentar os juros em 100 pontos base, trazendo a Selic para patamares de 11,75% ao ano para 12,75%. O fim do ciclo de altas deve encerrar em 13,25%, mas o “cenário alternativo” proposto pelo presidente da autoridade monetária, Roberto Campos Neto, pode fazer com que os planos mudem.

Algumas casas de análise já preveem que os juros básicos devem chegar até os 14,00% — já as previsões menos otimistas dão conta de um patamar de 15,00%. 

E mais destaques da semana

O mercado deve acompanhar a volta da divulgação de alguns indicadores publicados pelo Banco Central, mesmo com a retomada da greve dos servidores do BC.

O IBC-Br, considerado uma prévia do PIB, será publicado hoje, juntamente com o Boletim Focus, com as perspectivas do mercado para a economia. 

Os investidores locais ainda acompanham os primeiros passos da eleição de outubro. Um dos pontos que pesa para o Brasil será a revisão do teto de gastos, que entrou em xeque nos últimos meses. 

O que dizem os candidatos

Os primeiros colocados nas pesquisas da corrida eleitoral falaram da revisão do limite de gastos públicos — o que pode pesar no sentimento do mercado nos próximos dias. 

O ex-presidente Luiz Ignácio Lula da Silva (PT) já declarou abertamente ser contra a medida, enquanto o atual presidente Jair Bolsonaro (PL) deu sinais de que também deve revisar o teto. 

Por falar em gastos…

Até o momento, o “pacote de bondades” de Bolsonaro — com uma série de benefícios e isenções fiscais — custou cerca de R$ 82 bilhões aos cofres públicos, de acordo com as contas do jornal O Estado de São Paulo.

Nas despesas, temos os gastos com o Auxílio Brasil (antigo Bolsa Família), de R$ 41 bilhões, e vale-gás, no valor de R$ 1,9 bilhão, além do aumento linear de 5% para os servidores, que devem somar mais de R$ 12 bilhões. 

Já na parte das isenções, o governo abriu mão de R$ 27,4 bilhões para ampliar o corte do IPI para 35%, além do reajuste da tabela do Imposto de Renda, que deve aumentar a perda de receitas em R$ 20 bilhões. 

Agenda da semana

Segunda-feira (02)

  • FGV: IPC-S de abril (8h)
  • Banco Central: IBC-Br de atividade econômica de fevereiro (9h)
  • Banco Central: Setor público consolidado em fevereiro (9h)
  • Banco Central: Boletim Focus semanal (10h)
  • Economia: PMI industrial de abril (10h)
  • Estados Unidos: PMI industrial de abril (10h45)

Terça-feira (03)

  • IBGE: Produção industrial de março (9h)
  • Zona do Euro: Presidente do BCE, Christine Lagarde, discursa em cerimônia do Generation Euro Students Award (10h)
  • Estados Unidos: Relatório Jolts de emprego em março (11h)
  • Estados Unidos: Estoques de petróleo (17h30)

Quarta-feira (04)

  • Estados Unidos: Relatório ADP de empregos privados em abril (9h15)
  • Estados Unidos: Balança comercial de março (9h30)
  • Economia: PMI composto e de serviços em abril (10h)
  • Estados Unidos: PMI composto e de serviços (10h45)
  • Estados Unidos: Decisão de política monetária do Fed, seguida por coletiva do presidente Jerome Powell (15h)
  • Banco Central: Copom anuncia decisão sobre a Selic (após 18h30)

Quinta-feira (05)

  • Estados Unidos: Pedidos de auxílio-desemprego (9h30)
  • Estados Unidos: PMI global de serviços em abril (12h)

Sexta-feira (06)

  • Estados Unidos: Payroll de abril (9h30)
  • Anfavea: Produção de veículos em abril (10h)
  • Estados Unidos: Crédito ao consumidor em março (15h)

Balanços da semana

Segunda-feira (02)

Após o fechamento: 

  • Localiza (Brasil) 

Terça-feira (03)

Após o fechamento:

  • Raia Drogasil (Brasil)
  • XP (Brasil)

Quarta-feira (04)

Antes da abertura:

  • Volkswagen (Alemanha)
  • Moderna (EUA)
  • BP (Reino Unido)

Após o fechamento:

  • BRF (Brasil)
  • Suzano (Brasil)
  • CSN (Brasil)
  • Petrorio (Brasil)

Quinta-feira (05)

Antes da abertura:

  • InBev (Bélgica)
  • Carrefour (França)
  • Crédit Agricole (França)
  • Royal Dutch Shell (Reino Unido)

Após o fechamento:

  • Bradesco (Brasil)
  • Engine (Brasil)
  • Renner (Brasil)
  • Natura (Brasil)
  • Petrobras (Brasil)
  • Rumo (Brasil)
  • Unidas (Brasil)
  • Stellantis (Holanda)

Sexta-feira (06)

Sem horário:

  • Porto (Brasil)
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

concorrência no varejo

Magalu ameaçada? Dona da rival Shopee tem salto na receita e lidera aplicativos baixados no Brasil

Papéis da controladora da Shopee subiram 14% na bolsa de Nova York (Nyse) ontem (18) e fecharam o pregão valendo US$ 80,14

EM TEMPO REAL

TCU retoma julgamento da privatização da Eletrobras (ELET3) hoje; acompanhe ao vivo

O governo está otimista com a perspectiva de que o processo seja aprovado pelo tribunal

DE ROUPA NOVA

Com foco em criptomoedas e NFTs, Zuckerberg muda o nome do Facebook Pay para Meta Pay; entenda as alterações

Novo passo em direção ao metaverso inclui na plataforma de pagamentos e negociações usada no WhatsApp as funções de empréstimos e investimentos em ativos digitais

NA SAÚDE E NA DOENÇA

Parceria bilionária entre Dasa (DASA3) e Inspirali, da Ânima (ANIM3), sai do papel com foco em formação médica; confira detalhes do projeto

Iniciativa deve beneficiar os mais de 10 mil estudantes de Medicina da Inspirali assim como os médicos que fazem parte das mais de 900 unidades de medicina diagnóstica e hospitais da Dasa

MEME-STABLECOIN

Shiba Inu (SHIB) quer lançar própria stablecoin depois do fracasso da TerraUSD (UST); entenda porque isso é uma furada

Analistas não enxergam a Shiba Inu como um bom investimento e a crise das stablecoins não deve ajudar o projeto

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies