🔴 FONTE DE RENDA EXTRA COM APENAS 1 CLIQUE – CONHEÇA AQUI

Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
PISTA LIVRE

CCR (CCRO3) ou EcoRodovias (ECOR3)? O Credit Suisse aponta qual a via mais rápida para o lucro na bolsa

O banco suíço tem recomendação de compra para ambas as empresas e vê potencial de alta de mais de 40% para as ações. Mas o portfólio de uma delas é visto como mais sólido no momento

Victor Aguiar
Victor Aguiar
5 de janeiro de 2022
11:06 - atualizado às 19:49
Montagem mostrando dois exércitos se chocando no horizonte. De um lado, aparece o logo da CCR (CCRO3); do outro, o logo da EcoRodovias (ECOR3)
Imagem: Shutterstock, com intervenção de Andrei Morais

O setor de infraestrutura tem duas rotas bastante tradicionais na bolsa: alguns preferem a CCR (CCRO3) e seu amplo portfólio de estradas, aeroportos e concessões de mobilidade urbana; outros gostam mais da EcoRodovias (ECOR3) e sua carteira de concessões mais enxuta, mas com alguns ativos bastante rentáveis. Para o Credit Suisse, ambas garantem uma viagem tranquila ao investidor, mas uma delas promete um deslocamento mais rápido para cima.

A avaliação do banco suíço é clara: as duas ações têm condições para pisar no acelerador ao longo de 2022. Tanto CCRO3 quanto ECOR3 possuem recomendação overweight (semelhante à compra) e preços-alvo que implicam um potencial de alta de mais de 40% em relação às cotações atuais; a EcoRodovias, inclusive, teve sua classificação elevada — anteriormente, o Credit Suisse tinha uma postura neutra para os papéis.

Dito isso, a instituição financeira aponta a CCR como sua favorita no setor: a carteira mais diversificada, as vitórias recentes em diversos leilões de infraestrutura e a duração mais longa de seus projetos dão à empresa uma ligeira vantagem em relação à EcoRodovias.

E mesmo no mercado de ações, o desempenho da CCR tem sido superior. Em meio à forte turbulência vista na bolsa ao longo do segundo semestre de 2021, os papéis CCRO3 apresentaram um comportamento relativamente sólido, com um retorno menos negativo que o do Ibovespa; os ativos ECOR3, por outro lado, amargaram uma queda intensa:

Vale lembrar que 2021 foi um ano bastante intenso para o setor de infraestrutura, com inúmeros leilões de estradas e aeroportos. Além disso, a reabertura gradual da economia e a reativação do turismo trouxeram consigo um aumento no fluxo de veículos nas estradas e de passageiros nos aeroportos, elevando a geração de receita dessas empresas.

Esse pano de fundo tende a continuar em 2022, com uma série de leilões federais e estaduais de ativos de infraestrutura já previstos para os próximos meses. Além disso, a renovação de contratos e prorrogação dos prazos de concessão de estradas também foi motivo de comemoração entre investidores e analistas.

Considerando todos esses pontos e as mudanças promovidas pelo Credit Suisse em sua análise setorial, qual a reação do mercado nesta quarta-feira (5)? Bem, no início do pregão, o comportamento das duas ações foi tímido, com ambas operando perto da estabilidade. Depois, com a piora generalizada do mercado, CCRO3 fechou em baixa de 1,49%, a R$ 11,26, e ECOR3 encerrou em queda de 1,00%, a R$ 6,94.

CCR (CCRO3): a preferida do Credit Suisse

  • Recomendação: compra
  • Taxa interna de retorno (IRR): 11,1%
  • Preço-alvo: R$ 17,00
  • Potencial de alta: +49%

A CCR teve um 2021 bastante movimentado: arrematou dois blocos de aeroportos no leilão de abril, colocando mais 15 terminais em sua carteira; arrematou a concessão linhas 8 - Diamante e 9 - Esmeralda da CPTM, em São Paulo; e saiu vitoriosa do leilão para relicitação da NovaDutra, mantendo um dos principais ativos de seu portfólio por mais 30 anos.

Além disso, a companhia também assegurou a prorrogação do prazo do contrato do sistema Anhanguera-Bandeirantes — um evento que, além de garantir a continuidade da concessão, também afastou os riscos jurídicos relacionados ao possível rompimento contratual por parte do governo de São Paulo.

O saldo disso tudo, para o Credit Suisse, é uma dinâmica mais saudável para o portfólio da CCR. Os novos projetos aumentam a duração da carteira da empresa e diluem a depreciação dos ativos ao longo do tempo. Tanto é que, ao levar esse novo perfil em conta, o banco reduziu em R$ 1,1 bilhão suas projeções de impacto de depreciação e amortização em 2022 — o que, naturalmente, traz um efeito positivo para as estimativas de lucro líquido.

"Mantemos nossa preferência pela CCR em relação à EcoRodovias, considerando a diversificação da companhia e a liquidez mais elevada das ações", escrevem Regis Cardoso, Henrique Simões e Alejandro Zamacona, analistas do Credit Suisse.

EcoRodovias (ECOR3): valuation atrativo

  • Recomendação: compra (era neutra)
  • Taxa interna de retorno (IRR): 11,1%
  • Preço-alvo: R$ 10,00 (era R$ 11,00)
  • Potencial de alta: +43%

A EcoRodovias teve um ano bem menos atribulado: saiu derrotada na disputa pela NovaDutra e não conquistou novas concessões. No entanto, conseguiu a prorrogação do contrato do sistema Anchieta-Imigrantes junto ao governo de São Paulo, o principal ativo de sua carteira.

O próprio Credit Suisse tinha rebaixado a recomendação de EcoRodovias para neutro em dezembro, dado o pouco progresso em termos de ampliação de portfólio em comparação com a CCR. No entanto, de lá para cá, as ações ECOR3 tiveram uma queda forte — e o atual nível de preço é um bom ponto de entrada.

Vale ressaltar, no entanto, que o banco suíço cortou o preço-alvo de ECOR3. Os analistas lembram que as concessões da Ecovias Caminho do Mar e da Ecocataratas chegaram ao fim, o que traz um efeito duplo à EcoRodovias: por um lado, há uma queda de receita líquida; por outro, há um menor impacto de depreciação no curto prazo.

Numa análise semelhante à da CCR, o Credit Suisse pondera que os gastos da EcoRodovias com depreciação e amortização em 2022 devem ser R$ 236 milhões menores que o previsto, o que dará impulso ao lucro líquido no ano.

Riscos e oportunidades para CCR e EcoRodovias

Esse retorno implícito de mais de 40% para CCRO3 e ECOR3 possui alguns riscos, sobretudo quando levamos em conta o ambiente econômico do país. Juros altos e baixo crescimento do PIB tendem a afetar a atividade industrial, o que, por sua vez, pode reduzir o fluxo de caminhões e veículos pesados nas estradas — justamente os que pagam maiores tarifas de pedágio.

Além disso, eventuais novas ondas da Covid-19 podem afetar a movimentação de veículos leves, com menos pessoas viajando a lazer ou a trabalho. Por fim, a sombra dos riscos regulatórios nunca está descartada, com eventuais discussões sobre revisões contratuais e anulações de aditivos sempre rondando o setor.

Há, ainda, a questão dos novos leilões de infraestrutura previstos para 2022. E se é verdade que ativos inéditos injetam sangue novo na CCR e na EcoRodovias, também é verdade que uma competição acirrada demais — seja entre as duas companhias ou com players estrangeiros — pode culminar em ofertas excessivamente agressivas nas disputas, o que reduz a rentabilidade dos projetos.

Leilões: o que vem por aí

  • BR-116/493 (CRT) (RJ-MG)
    • Previsão: 1º trimestre de 2022
    • Prazo: 30 anos
    • Investimento estimado: R$ 8,6 bilhões
  • Rodovias Integradas do Paraná
    • Previsão: 1º trimestre de 2022
    • Prazo: 30 anos
    • Investimento estimado: R$ 42,1 bilhões
  • 7ª rodada de leilões de aeroportos
    • Previsão: 3º trimestre de 2022
    • Bloco Norte II (Belém, Santarém, Marabá, Carajás, Altamira e Macapá)
    • Bloco RJ-MG (Santos Dumont, Jacarepaguá, Uberlândia, Montes Claros e Uberaba)
    • Bloco SP-MS (Congonhas, Campo de Marte, Campo Grande, Corumbá e Ponta Porã)
  • Rodovias do litoral paulista
    • Previsão: 2022
    • Prazo: 30 anos
    • Investimento estimado: R$ 3 bilhões
  • Rodovias estaduais do Rio Grande do Sul
    • Três blocos de estradas
    • Previsão: 2022
    • Prazo: 30 anos

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar