Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2022-01-05T19:40:14-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Gestores

Inter (BIDI11) chega a cair mais de 20% em três pregões e mercado se volta para o “Monstro do Leblon”

Toda vez que as ações do Inter apresentam uma trajetória incomum as atenções se voltam para o Ponta Sul, fundo que detém uma posição grande no banco digital

5 de janeiro de 2022
12:21 - atualizado às 19:40
Sede do Banco Inter stone
Sede do Inter - Imagem: Divulgação

A bolsa brasileira começou o ano com o pé esquerdo, mas nada que se compare com o desempenho do Banco Inter (BIDI11). Os papéis do banco digital chegaram a acumular uma queda superior a 20% em apenas três pregões e vivem hoje uma montanha-russa.

Toda vez que as ações do Inter apresentam uma trajetória incomum as atenções do mercado se voltam para o Ponta Sul, o fundo do gestor Flavio Goldim, também conhecido como “Monstro do Leblon”.

As units do Inter (BIDI11) entraram em leilão no fim da manhã de hoje, quando operavam em forte queda de 8,64%. Na operação, foram colocados à venda 1,54% das ações, que o mercado acredita pertencerem ao Ponta Sul.

No fim da manhã, porém, os papéis se recuperaram subitamente. Por volta das 12h15, BIDI11 era negociada em alta de 1,81%, cotada a R$ 24,74. No fim do pregão, porém, as units fecharam cotadas a R$ 23, uma queda de 5,35%.

O gráfico abaixo dá uma medida da oscilação:

imagem

Inter e Ponta Sul

Goldim ganhou o apelido de Monstro do Leblon pela forma agressiva como opera no mercado, com posições bastante alavancadas — maiores que o patrimônio do fundo.

A posição do Ponta Sul no Inter representava mais da metade da carteira em agosto de 2021 (último dado disponível), de acordo com o site Mais Retorno.

Além das ações e units, o fundo do "Monstro" detinha posições a termo, um derivativo no qual o investidor define um preço de compra para uma ação em uma data futura.

O Ponta Sul é um dos maiores acionistas individuais do Inter. Em um comunicado de dezembro, o fundo informava deter, direta e indiretamente, aproximadamente 199 milhões de ações preferenciais do banco, o equivalente a 15,51% do total.

Como não há nenhuma razão aparente para a forte queda dos papéis do Inter nos últimos pregões, um profissional de mercado atribui o movimento à montagem de posições vendidas nas ações contra o Ponta Sul.

No ano passado, o fundo de Goldim amargou uma queda de 56%, muito além dos 11,93% negativos do Ibovespa em 2011.

Leia também:

*Colaborou Jasmine Olga

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

MÚSICA NO FANTÁSTICO

Unilever recebe mais um não da Glaxo para oferta de US$ 68 bilhões por divisão que produz Advil; entenda o caso

Se fosse concretizado, o acordo seria o maior em termos globais desde o início da pandemia de covid-19

EFEITOS COLATERAIS

Ômicron e seus investimentos: variante do coronavírus terá efeitos distintos sobre empresas de saúde na bolsa; saiba quais são eles

Planos de saúde devem enfrentar um cenário menos favorável dado o aumento dos índices de sinistralidade e pressão sobre os custos

FOI DADA A LARGADA

Petrobras (PETR4) e Novonor iniciam oficialmente processo para vender participações na Braskem; veja quanto a operação bilionária pode levantar

O pedido de registro para a oferta pública secundária, que será realizada no Brasil e no exterior, foi publicado na madrugada deste sábado (15) na CVM

INCENTIVO À MUDANÇA

Meca das criptomoedas? Estado americano tenta atrair trabalhadores com pagamento em bitcoin (BTC)

Iniciativa acontece em meio a explosão de crescimento no setor de tecnologia, especificamente naquelas habilitadas para blockchain

HEY, BROTHERS!

BBB é ‘fábrica de milionários’: prêmio de R$ 1,5 milhão é fichinha perto da fortuna que ex-participantes constroem; veja como Juliette, Gil do Vigor e outros ficaram ricos após reality

A edição de 2022 do BBB começa na próxima segunda e pode conceder o título de milionário a mais pessoas; veja quem já conseguiu se consagrar com a participação na casa mais vigiada do Brasil

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies