🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Análise

Campos Neto publica carta e não vê culpa nenhuma do BC no estouro da meta de inflação

Quem ler o documento de 15 páginas divulgado nesta terça-feira não vai encontrar nenhum “mea culpa” do BC, responsável pelo controle da inflação

Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
11 de janeiro de 2022
18:09 - atualizado às 18:12
O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto fala à imprensa no Palácio do Planalto
Campos Neto destaca na carta que a escalada da inflação foi um fenômeno global - Imagem: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

O problema não sou eu, é você. Esse poderia ser um resumo da carta publicada pelo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, para justificar o estouro da meta de inflação em 2021.

O IPCA, índice usado no sistema de metas, encerrou o ano em 10,06%, muito acima do objetivo do BC, que precisava entregar uma inflação de 3,75%, com uma tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos.

Mas quem ler o documento de 15 páginas divulgado nesta terça-feira não vai encontrar nenhum "mea culpa" do BC, responsável pelo controle da inflação.

De acordo com a carta publicada do Banco Central, foram três os principais fatores que levaram o IPCA de 2021 a ultrapassar a meta:

  • Forte elevação dos preços de bens transacionáveis em moeda local, em especial os preços de commodities;
  • Bandeira de energia elétrica de escassez hídrica;
  • Desequilíbrios entre demanda e oferta de insumos, e gargalos nas cadeias produtivas globais.

Campos Neto também destaca na carta, e com razão, que a escalada da inflação foi um fenômeno global e atingiu a maioria dos países avançados e emergentes.

Aliás, o BC atribui à "inflação importada" o principal fator para o estouro de desvio de 6,31 pontos percentuais da meta no ano passado.

Mas também tivemos 1,21 ponto percentual desse estouro que veio como inércia de 2020, quando o IPCA já veio acima da meta, embora dentro do intervalo de tolerância do BC.

O polêmico forward guidance do BC

Para uma parte do mercado, o BC errou na estratégia de controle de preços ao reduzir demais a Selic no auge da crise da covid-19, quando os juros foram à mínima de 2% ao ano.

Além de baixar os juros, o Banco Central ainda adotou o polêmico forward guidance, uma sinalização ao mercado de que os juros permaneceriam baixos por um longo período.

Na carta endereçada ao ministro Paulo Guedes, que também é presidente do Conselho Monetário Nacional (CMN), o BC detalha as ações durante a pandemia, incluindo o forward guidance, adotado em agosto de 2020.

O problema é que, logo após a sinalização do BC de que não subiria os juros, a inflação começou a mostrar as suas garras e fechou 2020 em 4,52% — já acima da meta de 4%.

“As surpresas ensejaram uma mudança na comunicação do Copom, que culminou com o início de ciclo de aperto monetário no primeiro trimestre de 2021”, justifica o presidente do BC, no momento da carta mais próximo a uma admissão de responsabilidade.

O BC pode ter demorado para agir, mas ninguém pode dizer que não foi efetivo quando começou a subir os juros, que saíram de 2% no início de 2021 para 9,25% em dezembro.

Esse foi um dos maiores ciclos de alta de juros desde o início do regime de metas, mas não foi o suficiente para segurar a inflação.

O que a carta do BC diz sobre 2022

O presidente do Banco Central afirma na carta que tem tomado as devidas providências para que a inflação atinja as metas estabelecidas pelo CMN neste ano, que é de 3,50%.

Pelas projeções atuais do BC, o IPCA deve atingir 4,7% neste ano, o que representa uma queda de 5,4 pontos em relação a 2021. Se a estimativa se concretizar, Campos Neto não precisará mandar uma nova carta, já que a inflação ficará dentro do intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual.

Ao destacar os riscos para a inflação, o BC devolve a bola para o Ministério da Economia, ao destacar a piora nas condições fiscais. “Questionamentos em relação ao futuro do arcabouço fiscal resultam em aumento dos prêmios de risco e elevam o risco de desancoragem das expectativas de inflação.”

Leia também:

Compartilhe

SOBE MAIS UM POUQUINHO?

Campos Neto estragou a festa do mercado e mexeu com as apostas para a próxima reunião do Copom. Veja o que os investidores esperam para a Selic agora

15 de setembro de 2022 - 12:41

Os investidores já se preparavam para celebrar o fim do ciclo de ajuste de alta da Selic, mas o presidente do Banco Central parece ter trazido o mercado de volta à realidade

PREVISÕES PARA O COPOM

Um dos maiores especialistas em inflação do país diz que não há motivos para o Banco Central elevar a taxa Selic em setembro; entenda

10 de setembro de 2022 - 16:42

Heron do Carmo, economista e professor da FEA-USP, prevê que o IPCA registrará a terceira deflação consecutiva em setembro

OUTRA FACE

O que acontece com as notas de libras com a imagem de Elizabeth II após a morte da rainha?

9 de setembro de 2022 - 10:51

De acordo com o Banco da Inglaterra (BoE), as cédulas atuais de libras com a imagem de Elizabeth II seguirão tendo valor legal

GREVE ATRASOU PLANEJAMENTO

Banco Central inicia trabalhos de laboratório do real digital; veja quando a criptomoeda brasileira deve estar disponível para uso

8 de setembro de 2022 - 16:28

Essa etapa do processo visa identificar características fundamentais de uma infraestrutura para a moeda digital e deve durar quatro meses

FAZ O PIX GRINGO

Copia mas não faz igual: Por que o BC dos Estados Unidos quer lançar um “Pix americano” e atrelar sistema a uma criptomoeda

30 de agosto de 2022 - 12:08

Apesar do rali do dia, o otimismo com as criptomoedas não deve se estender muito: o cenário macroeconômico continua ruim para o mercado

AMIGO DE CRIPTO

Com real digital do Banco Central, bancos poderão emitir criptomoeda para evitar “corrosão” de balanços, diz Campos Neto

12 de agosto de 2022 - 12:43

O presidente da CVM, João Pedro Nascimento, ainda afirmou que a comissão será rigorosa com crimes no setor: “ fraude não se regula, se pune”

AGORA VAI!

O real digital vem aí: saiba quando os testes vão começar e quanto tempo vai durar

10 de agosto de 2022 - 19:57

Originalmente, o laboratório do real digital estava previsto para começar no fim de março e acabar no final de julho, mas o BC decidiu suspender o cronograma devido à greve dos servidores

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

O ciclo de alta da Selic está perto do fim – e existe um título com o qual é difícil perder dinheiro mesmo se o juro começar a cair

2 de agosto de 2022 - 5:58

Quando o juro cair, o investidor ganha porque a curva arrefeceu; se não, a inflação vai ser alta o bastante para mais do que compensar novas altas

PRATA E CUPRONÍQUEL

Banco Central lança moedas em comemoração ao do bicentenário da independência; valores podem chegar a R$ 420

26 de julho de 2022 - 16:10

As moedas possuem valor de face de 2 e 5 reais, mas como são itens colecionáveis não têm equivalência com o dinheiro do dia a dia

AGRADANDO A CLIENTELA

Nubank (NUBR33) supera ‘bancões’ e tem um dos menores números de reclamações do ranking do Banco Central; C6 Bank lidera índice de queixas

21 de julho de 2022 - 16:43

O banco digital só perde para a Midway, conta digital da Riachuelo, no índice calculado pelo BC

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies