Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2022-01-11T14:55:28-03:00
Carolina Gama
ANDANDO COM AS PRÓPRIAS PERNAS

Powell manda novo recado aos investidores sobre aperto monetário nos Estados Unidos; saiba o que o chefe do Fed falou e por que isso importa

Em tom mais duro do que o usual, chefe do principal banco central do mundo vai à caça de uma inflação galopante em um movimento que afetará bolsas e empresas globais

11 de janeiro de 2022
14:55
Imagem mostra Jerome Powell como grande estrela do mercado financeiro
Imagem: Shutterstock, com intervenções de Andrei Morais

Segurem-se em suas cadeiras: um aperto monetário mais agressivo nos Estados Unidos vem aí. Se alguém ainda tinha alguma dúvida disso, ela acabou hoje com o depoimento do presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell, ao comitê bancário do Senado norte-americano. 

O chefe do principal banco central do mundo foi claro em seu recado aos investidores: se a inflação seguir em nível mais elevado do que o tolerável por mais tempo, o Fed não só vai elevar os juros, hoje perto de zero, como aumentará a taxa básica mais vezes do que o previsto. 

Ele foi além: com o fim das compras de ativos da era pandêmica, os juros vão subir o quanto for necessário para conter a inflação, e o balanço patrimonial do Fed - atualmente perto de US$ 9 trilhões - vai ser enxugado. 

Ao investidor, a mensagem é uma só: ninguém estará livre dos efeitos de um aperto monetário mais agressivo do que o esperado a considerar a menor a atratividade de mercados mais arriscados como Brasil, o aumento de custos para empresas e o impacto sobre as ações. 

Primeiro a surpresa, agora a certeza

As declarações de Powell desta terça-feira (11) estão em linha com a divulgação na semana passada da ata da reunião de dezembro. O documento, que pegou todo mundo de surpresa, indicou que a era de dinheiro farto promovido pelo Fed desde março de 2020, no auge da pandemia, está mais perto do fim do que se esperava. 

“Se tudo acontecer como previsto, as compras de ativos vão acabar em março, vamos elevar a taxa de juros e, na sequência, perto do final do ano, vamos equilibrar nosso balanço patrimonial”, disse Powell hoje aos senadores. 

“Esse é o cenário geral que vejo acontecer, mas o comitê não tem nenhuma decisão predeterminada”, acrescentou ele em um sinal de que se for preciso, o aperto monetário nos Estados Unidos pode ser maior e mais rápido do que o projetado para conter a inflação galopante. 

As últimas projeções dos participantes do comitê de política monetária do Fed - representadas pelo famoso gráfico de pontos ou dot plot - indicam que a taxa de juros, hoje na faixa entre zero e 0,25% ao ano - deve subir três vezes em 2022.

Essa é a média das projeções, mas alguns dirigentes do Fed já veem mais aumentos dos juros neste ano. E não só eles enxergam essa possibilidade. O Goldman Sachs, por exemplo, passou a prever quatro aumentos na taxa básica em 2022, adicionando um aumento em dezembro à sua previsão anterior de elevação em março, junho e setembro. 

“A economia norte-americana não precisa mais do nível de acomodação oferecido no auge da crise pandêmica. A recuperação do mercado de trabalho e a disparada de preços são sinais disso, mas ainda estamos longe do nível da política monetária considerada normalizada”, afirmou Powell. 

Andando com as próprias pernas

O que o Fed, a ata e Powell estão dizendo é que os mercados financeiros terão, a partir de agora, que andar com as próprias pernas. 

Quando anunciou, em novembro do ano passado, que acabaria com as aquisições de ativos até março deste ano, o banco central norte-americano estava soltando as mãos dos investidores ao deixar de injetar mensalmente bilhões de dólares na forma de compras de títulos lastreados em hipotecas ou mbs e títulos do Tesouro.

Como alguém que está aprendendo a pedalar, uma das rodinhas da bicicleta será retirada com o aumento da taxa de juros e a outra rodinha, quando o balanço patrimonial for enxugado. 

Na prática, a redução do balanço patrimonial significa que o Fed passará a vender títulos no mercado e não mais comprar, retirando mais bilhões de dólares que são usados para fornecer liquidez e condições financeiras extremamente favoráveis. 

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

PRECAUÇÃO EXTRA

Cautela demais atrapalha os negócios? Não para o Bradesco (BBDC4): banco cria nova vice-presidência focada na gestão de riscos

A nova vertical abrangerá as áreas de compliance, conduta, ética e demais setores ligados à gestão de ameaças corporativas

FECHAMENTO DOS MERCADOS

Ibovespa ignora tensão pré-Fed e sobe mais de 2%, fechando no melhor nível desde outubro; dólar volta aos R$ 5,43

O dia tinha tudo para ser como ontem, mas o Ibovespa encontrou forças para voltar aos 110 mil pontos e recuperar as perdas da semana

CRIPTOMOEDAS HOJE

Bitcoin (BTC) sobe forte e apaga parte da queda brusca na semana; veja como operam as principais criptomoedas do mercado

Como outros ativos do risco, a moeda digital também foi afetada pelas tensões entre entre Ucrânia e Rússia nos últimos dias, mas encontrou fôlego para avançar hoje

INTERRUPÇÃO TEMPORÁRIA

Banco Central suspende sistema para consulta de dinheiro ‘esquecido’ em bancos; veja o que está por trás do bloqueio

O BC precisou interromper o funcionamento do sistema lançado ontem após enfrentar instabilidades geradas pelo grande volume de acessos

NOVA DEBANDADA?

Mais um técnico da área de Orçamento da Economia deixa cargo e expõe novo desgaste na equipe de Paulo Guedes

O movimento de saída é comum no último ano de governo, mas agora tem ocorrido mais cedo, ainda no primeiro mês de 2022

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies