O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-05-05T17:22:57-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo pela Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa acompanha EUA e recua 3% com releitura da decisão do Fed; dólar sobe a R$ 5,04

5 de maio de 2022
9:09 - atualizado às 17:22

RESUMO DO DIA: Os investidores digerem a Super Quarta, com reflexos de uma política monetária mais "amigável" fomentando o otimismo nesta quinta-feira (05). Enquanto os índices da Europa avançam, Nova York se reajusta ao rali do final da tarde de ontem. Por aqui, o risco fiscal é quem domina o Ibovespa.

Acompanhe por aqui o que mexe com a bolsa, o dólar e os demais mercados hoje, além das principais notícias do dia.

O Ibovespa encerrou a sessão em queda de 2,80%, aos 105.304 pontos.

FECHAMENTO EM NOVA YORK
  • Nasdaq: -4,99%
    S&P 500: -3,55%
    Dow Jones: -3,11%

O dólar à vista encerrou o dia em alta de 2,30%, a R$ 5,0165.

EXPORTADORAS SE SALVAM

Com o mercado digerindo (muito mal) o discurso do presidente do Federal Reserve sobre a política monetária dos EUA, apenas duas ações escapam da queda: Klabin (KLBN11) Suzano (SUZB3).

A tábua de salvação que impede as duas de se afogarem na aversão ao risco global é o resultado financeiro da primeira empresa.

A produtora de papel e celulose caiu nas graças dos investidores ao reverter em lucro líquido de R$ 10,3 bilhões o prejuízo de R$ 2,6 bilhões registrado no primeiro trimestre do ano passado.

CONFIRA TODOS OS DETALHES

NASDAQ ACELERA QUEDA

Mais sensível à alta dos juros futuros, o Nasdaq aprofundou a queda na última hora e já registra perdas na casa dos 5%.

BRF (BRFS3): CHOQUE DE REALIDADE

A BRF (BRFS3) chegou a despencar quase 14% mais cedo, em meio às reações negativas dos analistas ao balanço trimestral da companhia — o JP Morgan chegou a rebaixar as ações para venda. Com um prejuízo de R$ 1,5 bilhão e um Ebitda muito inferior às piores estimativas do mercado, os papéis foram as mínimas desde 2009.

Durante a teleconferência de resultados, a administração da BRF reconheceu a fraqueza do primeiro trimestre e tentou ‘virar a página’, mostrando que a perspectiva para o restante do ano é positiva, tanto no Brasil quanto no exterior. A estratégia parece ter dado certo: as ações BRFS3 reduziram as perdas e caem ‘apenas’ 4% nesta tarde.

Leia mais sobre o balanço da BRF no primeiro trimestre.

As bolsas globais sustentam o ritmo de queda na casa dos 3%, ainda repercutindo a visão de que o Federal Reserve pode ter trabalho para atingir os seus objetivos com o ritmo atual de ajuste.

No Brasil, apenas Suzano e Klabin escapam do banho de sangue, impulsinadas pelo dólar alto e pelos resultados divulgados pelas companhias.

FECHAMENTO NA EUROPA
  • Frankfurt: -0,50%
  • Londres: +0,17%
  • Paris: -0,43%
  • Stoxx-600: -0,74%
RECESSÃO NA TERRA DA RAINHA

O Federal Reserve e o Banco Central do Brasil não foram os únicos a elevar os juros para conter a inflação. Nesta quinta-feira (05), o Banco da Inglaterra (BoE) subiu sua taxa básica em 0,25 ponto percentual, a 1%ao ano — o quarto aumento seguido e o maior nível desde 2009.

Junto com a elevação dos juros, o BoE cortou drasticamente suas projeções para a economia do Reino Unido, que agora tem uma recessão no horizonte. Segundo o BC, o Produto Interno Bruto (PIB) britânico deve encolher 0,25% em 2023, depois de uma expansão projetada em 3,75% para este ano. As bolsas na Europa caem na esteira da decisão, com exceção de Londres, que opera em alta.

NUBANK NAS MÍNIMAS EM NOVA YORK

A euforia com as ações do Nubank (NU) durou pouco. Depois de subirem mais de 5% na quarta-feira (04), embalados pelo otimismo que tomou conta do mercado norte-americano após a decisão do Federal Reserve (Fed), os papéis do banco digital voltam a cair em Nova York, renovando mínimas.

Os papéis recuam 8,49%, cotados a US$ 5,28. A menor cotação de fechamento do Nubank até então aconteceu na terça-feira (03), a US$ 5,47. A baixa das ações acontece em um dia de fortes perdas nas bolsas dos EUA, com a maior pressão sobre o Nasdaq e sobre as empresas de tecnologia.

REAVALIANDO OS DISCURSOS

Depois de reagir positivamente ao discurso do Federal Reserve na tarde de ontem, o mercado financeiro passa por uma reavaliação. 

Embora Jerome Powell tenha afirmado que uma elevação de 0,75 pontos percentuais na próxima reunião não é o cenário-base, os analistas e economistas possuem dificuldade para ver como o Fed irá cumprir a sua promessa de agressividade no combate à inflação sem apressar o ritmo da alta do juro. Vale lembrar que Powell reforçou os riscos que uma potencial desaceleração da China e a continuidade da guerra na Ucrânia trazem para os preços. 

No Brasil, o Copom seguiu o roteiro esperado, mas o Banco Central mostra dificuldade em planejar o plano de pouso da política monetária, o que faz com que as apostas para a Selic no fim do ano sejam reajustadas para cima. 

JUROS EM FORTE ALTA

Ao contrário do que aconteceu na sessão de ontem, hoje o mercado de juros opera em forte alta, digerindo melhor as declarações do Fed.

CÓDIGO NOME  TAXA  FEC 
DI1F23 DI jan/23 13,20% 13,01%
DI1F25 DI Jan/25 12,21% 11,97%
DI1F26 DI Jan/26 12,04% 11,83%
DI1F27 DI Jan/27 12,01% 11,81%
CAUTELA PREDOMINA

Com a aversão ao risco generalizada que toma conta dos negócios, apenas quatro ações operam no azul, repercutindo a temporada de balanços.

A Gerdau apresentou bons números e a Suzano tem perspectiva positiva para o futuro. A exportadora também anunciou um programa de recompra de ações. Confira:

CÓDIGO NOME ULT VAR
GGBR4 Gerdau PN R$ 28,11 2,55%
GOAU4 Metalúrgica Gerdau PN R$ 11,53 2,04%
SUZB3 Suzano ON R$ 52,17 1,56%
KLBN11 Klabin units R$ 22,52 1,26%
BRAP4 Bradespar PN R$ 27,89 0,36%

Na ponta contrária, a BRF aparece com o pior desempenho do dia. A companhia apresentou um balanço considerado fraco pelos analistas.

CÓDIGO NOME ULT VAR
BRFS3 BRF ON R$ 12,02 -12,01%
MGLU3 Magazine Luiza ON R$ 4,59 -7,27%
ALPA4 Alpargatas PN R$ 19,35 -5,93%
HAPV3 Hapvida ON R$ 8,33 -5,66%
TOTS3 Totvs ON R$ 30,43 -5,44%

Após os fortes ganhos da véspera no Brasil e nos Estados Unidos, os investidores atuam com uma maior cautela.

Em Wall Street, pesa a leitura de que a taxa de juros deve subir mais do que o esperado e se manter em um patamar mais elevado por um período maior de tempo.

Por aqui, o Ibovespa acompanha a maior cautela global, ignorando até mesmo a alta do petróleo e do minério de ferro.

O Ibovespa encerrou os leilões de abertura em queda de 0,45%, aos 107.855 pontos, enquanto o dólar à vista segue a trajetória de alta, com um avanço de 1,05%, negociado a R$ 5,0143.

CURVA DE JUROS FUTUROS ABRE EM ALTA

Os juros futuros (DIs) abriram em alta, com a perspectiva de que o aperto monetário não acabe não cedo.

A perspectiva do mercado era de que o ciclo de alta da Selic se encerrace em 12,75%, mas o “cenário alternativo”, proposto pelo BC em março deste ano, começa a pesar e o novo cálculo da rota mostra que os juros devem continuar subindo.

COD NOME  ULT  FEC
DI1F23 DI jan/23 13,19% 13,04%
DI1F25 DI Jan/25 12,12% 12,05%
DI1F26 DI Jan/26 11,95% 11,89%
DI1F27 DI Jan/27 11,93% 11,90%

Ibovespa futuro abre em queda de 1,09%, aos  108.670. No mesmo horário, o dólar à vista avança 0,55%, negociado a R$ 4,9951.

BOLSAS NO EXTERIOR

As bolsas da Europa reagem positivamente ao anúncio de juros do Banco Central americano na tarde da última quarta-feira (04).

Os balanços locais também ajudam no bom desempenho dos índices pela manhã.

Já nos Estados Unidos, o cenário é um pouco diferente: o rali pós-Fed aconteceu ontem mesmo, com o Nasdaq chegando a disparar mais de 3%.

Nesta quinta-feira (05), os futuros apontam para um dia de reajuste.

  • Euro Stoxx 50: +1,59%
  • Dow Jones futuro: -0,53%
  • S&P 500 futuro: -0,70%
  • Nasdaq futuro: –0,86%
ESQUENTA DOS MERCADOS

Entre tapas e beijos, o Federal Reserve conseguiu impulsionar as bolsas no final da última Super Quarta com seus — nem tão costumeiros — afagos. Jerome Powell, presidente do Fed, deu sinais de que o aperto monetário dos Estados Unidos não será tão intenso quanto o esperado.

Isso porque ontem (04), o Fed anunciou a elevação dos juros para a faixa entre 0,75% e 1,00%, um avanço de 50 pontos-base na taxa. Mas Powell garantiu que o monetário não terá elevações mais bruscas, da ordem de 0,75 pontos percentuais, um dos grandes temores do mercado.

E isso deu motivo mais que de sobra para os índices internacionais reagirem. Após o anúncio, o Ibovespa inverteu o sinal e passou a avançar e fechou o dia em alta de 1,70%, aos 108.343 pontos.

O dólar à vista também inverteu a tendência de valorização e caiu 1,21%, fechando as negociações no patamar de R$ 4,9036

Leia o nosso Esquenta dos Mercados completo aqui.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

CVM recua e libera distribuição de dividendos do fundo imobiliário Maxi Renda FII (MXRF11) com base no ‘lucro caixa’ — relembre o caso

A xerife do mercado de capitais reconheceu “a existência de obscuridade e contradição” na decisão original

Superou o trauma? Bitcoin (BTC) segue no patamar de US$ 30 mil; saiba se a maior criptomoeda do mundo sustentará esse nível

BTC terá também que superar os críticos às moedas digitais, que não pouparam esforços para injetar ainda mais medo nesse mercado já extremamente desorientado

CEO do JP Morgan leva cartão vermelho de acionistas e pode ficar sem bônus milionário, entenda a decisão rara

A desaprovação foi a primeira desde que o conselho do banco norte-americano enfrentou um voto negativo sobre compensações desde que as regras foram introduzidas, há mais de uma década

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Hapvida, Magazine Luiza e Nubank tombam, mas Ibovespa fecha o dia no azul; confira os destaques desta terça-feira

O maior apetite ao risco e a expectativa de manutenção no ritmo de alta no juro nos Estados Unidos ajudou o Ibovespa, que teve um dia de ganho

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa sustenta alta após susto inicial com Powell; dólar cai abaixo dos R$ 5

O Ibovespa fechou o dia longe das mínimas, mas o dólar caiu 2% com o apetite por risco no exterior

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies