Menu
2021-04-28T19:00:13-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Música para a carteira

Com alta de 74% no lucro, a WEG mostra que sua orquestra segue afinada

A WEG teve mais um trimestre de forte expansão no lucro e na receita, começando o ano com o pé direito. As ações operam em alta nesta manhã

28 de abril de 2021
11:17 - atualizado às 19:00
Weg Orquestra
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shuttersstock

A WEG, definitivamente, é um caso de sucesso na bolsa brasileira: desde 2010, os papéis ON da empresa acumulam ganhos de mais de 1.600% (não, você não leu errado: mais de mil e seiscentos por cento). Um desempenho invejável — e que é sustentado, trimestre após trimestre, pela entrega consistente de resultados operacionais e financeiros.

E, nos primeiros três meses de 2021, a história se repetiu: a enorme orquestra da companhia catarinense mostrou que continua afinada, superando as expectativas dos analistas e reportando crescimento em suas principais linhas, tanto na base anual quanto na trimestral.

A receita líquida, por exemplo, chegou a R$ 5,07 bilhões entre janeiro e março de 2021, um salto de 36,7% na comparação com o mesmo período do ano passado — em relação ao trimestre anterior, a expansão foi de 3,8%.

O lucro líquido avançou de maneira ainda mais expressiva, totalizando R$ 764,3 milhões. É uma alta de 73,7% em relação aos primeiros três meses de 2020; na base trimestral, os ganhos aumentaram 3%. A cifra ficou 7% acima da média das expectativas do mercado

E o que explica esse desempenho tão positivo, mesmo em meio às condições adversas impostas pela Covid-19? O segredo está no som complexo produzido por essa orquestra, com instrumentos numerosos e variados. A WEG tem diversas frentes de atuação, tanto no Brasil quanto no exterior — todos em harmonia com capacidade de adaptação ao momento econômico.

Para Max Bohm, analista da Empiricus, os resultados da WEG no trimestre mais uma vez mostraram a força da empresa. Veja o comentário em vídeo:

A sinfonia da WEG

A primeira frase do demonstrativo de resultados trimestrais da WEG já dá uma ideia do que está por vir:

Este trimestre manteve a sequência do bom desempenho observado em grande parte de nossos negócios

Olhando apenas para o mercado interno, a receita gerada pela companhia catarinense nos primeiros três meses de 2021 foi de R$ 2,3 bilhões, alta de 38% em um ano; o mercado externo teve desempenho semelhante, saltando 35,2% na mesma base, para R$ 2,7 bilhões — a receita obtida nos mercados da América do Sul e Central e da Ásia cresceu mais de 50%.

A diversificação geográfica não é o único trunfo da WEG: ao olharmos para o desempenho de cada área de negócio, também vemos uma tendência de crescimento bastante uniforme.

A divisão de equipamentos eletrônicos industriais, por exemplo, respondeu por R$ 2,5 bilhões da receita líquida, um avanço de 31% em relação aos primeiros três meses do ano passado. As áreas de geração, transmissão e distribuição de energia, de motores comerciais e de tintas e vernizes também se expandiram na mesma base de comparação.

"O desempenho no mercado interno foi positivo, sustentando níveis elevados de receitas nos equipamentos de ciclo curto [...], motivados pela continuidade da recuperação da atividade econômica iniciada no segundo semestre do ano passado", disse a companhia, destacando que o mercado externo também mostrou dinâmica semelhante, especialmente na China.

Para além dos números operacionais, a WEG também foi beneficiada por uma evolução em seu resultado financeiro líquido: o saldo ficou positivo em R$ 10,5 milhões no trimestre — há um ano, a linha estava zerada.

E as ações?

Num primeiro momento, o mercado gostou do que ouviu: durante a manhã, as ações ON da WEG (WEGE3) chegaram a subir mais de 3%. No entanto, esse movimento perdeu força ao longo do dia e os papéis fecharam em queda de mais de 1%.

Isso se deve, em grande parte, à forte valorização recente — mesmo com a pandemia, WEG ON avançou 120,3% em 2020, registrando a segunda maior alta de todo o Ibovespa (apenas CSN ON, com ganho de 126%, teve retorno superior).

Assim, por mais que a orquestra esteja afinada como sempre, começam a surgir dúvidas entre os investidores: será que ainda vale a pena comprar os papéis nesse nível de preço? Há potencial extra de valorização?

O indicador preço/lucro por ação (P/L) tem girado ao redor de 57 vezes para WEGE3, acima da média histórica, de 47 vezes — um P/L elevado pode sinalizar que o valor de um papel está caro. É um dado que inspira cautela entre os investidores, independentemente do desempenho financeiro da companhia.

Em tempo: a companhia catarinense aprovou o desdobramento de suas ações, na proporção de 1 para 2. Ou seja: a quantidade de papéis em circulação dobrou e o preço unitário caiu pela metade — uma iniciativa que aumenta a liquidez e facilita o acesso aos investidores.

Desempenho das ações da WEG
Desempenho das ações da WEG
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Seu Dinheiro na sua noite

O grande respiro do câmbio e mais…

“Ih, vai ser uma semana daquelas”, pensei eu na segunda-feira, ao olhar a agenda de eventos previstos para os dias seguintes. Teríamos decisão do Copom e relatório de empregos nos EUA — e isso sem contar os inúmeros balanços corporativos. Em semanas assim, eu gosto de traçar alguns cenários na minha cabeça: se o BC […]

Fechamento da semana

Real ganha do dólar na semana e bolsa sobe mais de 2% com economia americana nem tão aquecida e Copom incisivo

Os problemas domésticos foram para baixo do tapete e os fatores externos ajudaram o Real a se valorizar e a bolsa a romper resistências importantes. Confira um resumo da semana.

Mudou de ideia?

Elon Musk passa a recomendar cautela com o dogecoin às vésperas de sua participação no SNL

O bilionário, que já fez a moeda-meme disparar 60% com apenas um tweet, exibiu um alerta para as limitações do mercado de criptoativos

pandemia

Estudo aponta relação entre negacionismo de Bolsonaro e evolução da pandemia no Brasil

Segundo o levantamento, em cidades onde o presidente obteve mais de 50% dos votos no segundo turno das eleições de 2018, número de mortes foi 415% maior do que nos municípios onde ele perdeu o pleito

Insistência incomoda

Ex-presidente do BC Affonso Pastore acredita que ajuste parcial da Selic é insustentável

O economista defende o reconhecimento explícito de que a instituição perseguirá o ajuste integral da taxa básica de juros

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies