2021-05-13T09:35:22-03:00
cardápio de balanços

Via, Suzano, Eletrobras, Equatorial, MRV, Eneva, Locaweb, BRF, Natura, Hapvida e JBS: os balanços que mexem com o mercado nesta quinta

Veja abaixo os principais resultados, divulgados entre a noite desta quarta-feira e a manhã desta quinta

13 de maio de 2021
7:21 - atualizado às 9:35
Imagem: Shutterstock

A temporada de balanços do primeiro trimestre segue intensa, com resultados de Via, Suzano, Eletrobras, Equatorial Energia, MRV, Eneva, Locaweb, BRF, Natura e Hapvida.

Veja abaixo os principais resultados, divulgados entre a noite desta quarta-feira (12) e a manhã desta quinta (13). Acesse também a cobertura de mercados do Seu Dinheiro.

Via

A Via, dona das Casas Bahia e do Ponto Frio, reportou lucro Líquido de R$ 180 milhões no primeiro trimestre de 2021, apontando um desempenho 13 vezes maior (1.284%) em relação ao mesmo período do ano anterior. A companhia informa, porém, que o lucro líquido comparável "para os efeitos do incentivo de subvenção relacionado a anos anteriores foi de R$ 63 milhões".

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

"No trimestre, o incentivo de subvenção totalizou R$ 150 milhões, dos quais R$ 117 milhões referem-se a efeito de anos anteriores e R$ 33 milhões ao primeiro trimestre de 2021", explica a companhia. O Ebitda, por sua vez, ficou em R$ 584 milhões, queda de 6%. Enquanto a receita líquida foi de R$ 7,547 bilhões, alta de 19,1%.

Suzano

A Suzano reduziu para R$ 2,755 bilhões o seu prejuízo no primeiro trimestre de 2021, ante perdas de R$ 13,419 bilhões um ano atrás. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado atingiu R$ 4,864 bilhões entre janeiro e março deste ano, um aumento de 61%. A receita líquida ficou em R$ 8,889 bilhões, alta de 27%.

O trimestre foi marcado pela recuperação do mercado de celulose, com significativa melhora nos fundamentos, o que favoreceu a continuidade da recuperação de preços sobretudo na China e que gradativamente estarão refletidos nos resultados da companhia.

Eletrobras

O lucro líquido da Eletrobras avançou 31% no primeiro trimestre deste ano, alcançando R$ 1,609 bilhão. Segundo a companhia, o resultado foi influenciado positivamente pela receita de transmissão, em decorrência da revisão tarifária periódica, que tem efeitos a partir de julho de 2020, mas parcialmente compensada por provisões e contingências.

Entre janeiro e março, o Lucro Antes de Juros, Impostos, Depreciação e Amortização (Ebitda, na sigla em inglês), atingiu R$ 3,858 bilhões, crescimento de 11%.

Equatorial

O Grupo Equatorial reportou lucro líquido ajustado de R$ 401 milhões no primeiro trimestre de 2021, alta de 7,1%. Excluindo os efeitos não recorrentes, o lucro líquido foi de R$ 353 milhões, redução de 19,7%. A receita operacional líquida caiu 1,6% no período, para R$ 4,140 bilhões. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) do trimestre foi de R$ 1,081 bilhão, crescimento de 1,1%.

MRV

A MRV & Co - conglomerado que abrange as incorporadoras MRV e a americana AHS, a empresa de imóveis para locação Luggo e a loteadora Urba - teve lucro líquido de R$ 137 milhões no primeiro trimestre de 2021, montante 30,9% maior em relação ao mesmo intervalo de 2020. O Ebitda somou R$ 211 milhões, crescimento de 4,2%. A receita operacional líquida totalizou R$ 1,598 bilhão, aumento de 5,9%. A margem bruta do negócio diminuiu 0,3 ponto porcentual, para 27,8%.

O grande impulso para o crescimento do lucro líquido veio das receitas financeiras. A companhia apresentou um resultado líquido positivo de R$ 35 milhões, expansão de 45,2%, motivado pelo reajuste das carteiras de financiamento aos clientes após a entrega das chaves, baseadas no IGP-M e IPCA.

Eneva

A Eneva reportou lucro líquido de R$ 203,1 milhões no primeiro trimestre deste ano 2020, alta de 13% em relação ao mesmo período do ano passado, impulsionada pela melhoria do resultado operacional e financeiro da companhia no período. O Ebitda consolidado somou R$ 442,3 milhões no primeiro trimestre, alta de 1,6%. Já o Ebitda ajustado - que exclui o impacto dos poços secos - foi de R$ 446,4 milhões, crescimento de 2,8%.

Segundo a empresa, o crescimento do Ebitda se deve à melhora das margens fixas das usinas a gás; ao aumento da margem variável de Pecém II, e às menores despesas com exploração quando comparado ao mesmo período do ano passado, além da realização de créditos de PIS/COFINS de períodos anteriores. Por outro lado, o Ebitda foi negativamente impactado pela indisponibilidade da termelétrica Parnaíba II. A receita líquida da Eneva entre janeiro e março somou R$ 951,4 milhões, alta de 1,3% na comparação com os mesmos meses do exercício anterior.

Locaweb

A Locaweb registrou lucro líquido ajustado de R$ 9 milhões no primeiro trimestre de 2021, alta de 78,4% em relação ao mesmo período do ano passado. Por outro lado, sem ajustes, a companhia atingiu prejuízo líquido de R$ 8,4 milhões, 268,9% superior ao prejuízo também registrado no mesmo intervalo de 2020. A empresa de tecnologia somou Ebitda ajustado de R$ 36,6 milhões, alta de 44,8% ante o resultado de um ano antes. Sem ajuste, o Ebitda totalizou R$ 16,8 milhões, avançando 12,6%. A companhia atingiu receita líquida de R$ 160,9 milhões no primeiro trimestre, ganho de 53,9% ante o mesmo período de 2020.

BRF

A BRF registrou lucro líquido de R$ 22 milhões no primeiro trimestre de 2021, revertendo o prejuízo de R$ 38 milhões reportado no primeiro trimestre do ano passado. O Ebitda ajustado alcançou R$ 1,234 bilhão, queda de 1,4%. A BRF registrou receita operacional líquida no segmento Brasil de R$ 5,393 bilhões, aumento de 15,1%.

Natura

A Natura &Co teve prejuízo líquido atribuído a controladores de R$ 155,2 milhões, redução de 81%. O Ebitda ficou em R$ 829,1 milhões, 470% acima do registrado um ano antes. A receita líquida consolidada aumentou 25,8% em relação ao mesmo período do ano anterior, sendo 8,1% em moeda constante. A empresa encerrou o trimestre com R$ 6,6 bilhões em posição de caixa, sendo R$ 4,3 bilhões em caixa e R$ 2,3 bilhões em depósitos de curto prazo.

Hapvida

A operadora de planos de saúde Hapvida registrou lucro líquido de R$ 151,8 milhões no primeiro trimestre de 2021, queda de 7,7%. O Ebitda somou R$ 466,8 milhões, leve recuo de 0,2%. A receita líquida da Hapvida atingiu R$ 2,323 bilhões, alta de 11,8%. A sinistralidade total atingiu 65,5% no trimestre, representando avanço de 3,9 pontos porcentuais em relação ao período em 2020. O número de beneficiários de planos de saúde ao fim do trimestre apresentou crescimento de 5,5%, totalizando 3,761 milhões.

JBS

A JBS encerrou o primeiro trimestre de 2021 com lucro líquido de R$ 2,045 bilhões, ou R$ 0,81 por ação, revertendo o prejuízo líquido de 5,933 bilhões verificado em igual período de 2020. A receita líquida foi recorde em R$ 75,251 bilhões, aumento de 33,2% em relação aos R$ 56,481 bilhões do primeiro trimestre do ano passado. Já o Ebtida ajustado cresceu 75,8%, de R$ 3,912 bilhões para R$ 6,876 bilhões. A margem ficou em 9,1%. A dívida líquida da companhia somou R$ 57,173 bilhões, 0,4% superior, em virtude da desvalorização do real frente ao dólar

*Com informações de Estadão Conteúdo

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Tendências da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro avança em dia de alta volatilidade pós-Fed e dólar recua hoje

Após a decisão de juros do Fed, os mercados operam voláteis em um forte movimento de ajuste de carteiras hoje

O melhor do Seu Dinheiro

Mais um alarme de preço baixo, Tesla em queda, bear market do bitcoin, novo fundo do Itaú e outras notícias que mexem com o seu bolso

Apesar de resultados sólidos no quarto trimestre, papéis de construtoras seguem em queda. Confira se é hora de comprar ações do setor e quais informações você precisa levar em conta antes de decidir

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas no exterior tentam se recuperar da queda após decisão do Fed e Ibovespa busca manter ritmo de alta mesmo com risco fiscal no radar

Depois de tocar os 112 mil pontos ontem (26), a bolsa brasileira precisa enfrentar o ajuste de carteiras ao novo cenário de juros altos

Exclusivo

Na “caça aos unicórnios”, Itaú lança fundo para aplicar em gestores de investimentos alternativos

O banco acaba de abrir para captação o Polaris, fundo com objetivo de retorno de até 25% ao ano e foco em investimentos que vão bem além do “combo” tradicional de bolsa, dólar e juros

CONSTRUTORAS COM DESCONTO

Vendas de imóveis em alta, ações em baixa. A queda das incorporadoras abriu uma oportunidade de compra na bolsa?

Os resultados do quarto trimestre mostram que as empresas do setor entregaram desempenhos sólidos, mas as ações caminham na direção contrária