Menu
2021-06-07T09:23:00-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO

Dragão americano da inflação assombra ativos globais e resultado é bolsa, dólar e juros sob pressão; Ibovespa recua 2% e volta aos 119 mil pontos

A pressão inflacionária superou até mesmo o cenário político interno caótico nos holofotes do mercado e levou o principal índice brasileiro a amargar uma queda brusca

12 de maio de 2021
19:16 - atualizado às 9:23
Dragão Mercados Touro Gráficos Game of Thrones GOT v2
Imagem: Shutterstock, com intervenção de Andrei Morais

O mercado financeiro não foi escalado para participar do elenco do reality No Limite, mas teve um gostinho do que é viver sob pressão em um ambiente hostil, lutando por sua sobrevivência. 

Sabatina de membros e ex-membros do governo Bolsonaro para falar da administração da pandemia no Congresso? Que nada, isso nem passou pela cabeça do mercado hoje. Hoje o dia foi dedicado a outra CPI. Melhor dizendo, outro, já que estamos falando dos dados de inflação dos Estados Unidos. E só se falou nisso. 

Há algum tempo já se discute um temor de pressão inflacionária após os pacotes trilionários de estímulos. Mas agora a situação ganha novos contornos. E mostra para o mercado que aquele discurso pregado pelo Federal Reserve - de que o aumento de preços é pontual e transitório -, pode não ser bem assim. 

Como se não bastasse a pressão absurda vinda do temido dragão, o déficit fiscal também não agradou. E o resultado foram os juros dos títulos mais longos do governo americano atingindo máximas que nem um leilão do Tesouro conseguiu aplacar. Em alguns vencimentos, a demanda nem mesmo foi suficiente.

O saldo desse movimento já é conhecido: o dinheiro migra para os investimentos mais seguros e deixa os países emergentes - e a própria bolsa americana - no vermelho. Com mais dinheiro entrando na principal economia do mundo, o dólar à vista fechou o dia com uma alta de 1,59%, a R$ 5,3055.

O tombo de 2,65%, aos 119.710 pontos, da bolsa brasileira assusta, mas foi em linha com o comportamento dos pares americanos. O Nasdaq recuou 2,67%, o S&P 500 caiu 2,15% e o Dow Jones teve queda de 1,99%.

Para Ariane Benedito, economista da CM Capital, a queda marginalmente mais expressiva da bolsa brasileira tem uma explicação - nos últimos dias, enquanto Wall Street recuava, as commodities metálicas salvavam o Ibovespa do vermelho. 

Com os investidores precificando uma alta dos juros lá fora, aqui o mercado também passa por uma “calibragem”, afinal, é preciso manter o país atrativo e evitar a fuga de capital. Confira as taxas de fechamento do dia: 

  • Janeiro/2022: de 4,78% para 4,89%
  • Janeiro/2023: de 6,50% para 6,71%
  • Janeiro/2025: de 8,07% para 8,24%
  • Janeiro/2027: de 8,66% para 8,83%

Com os dois olhos bem abertos

Que os investidores temem que a rápida vacinação e trilhões em estímulos fiscais e monetários exerçam pressão para o fim dos juros nas mínimas históricas pode não ser uma novidade. Acontece que nesta manhã o temor ganhou um impulso extra em forma de números que mostraram que o dragão da inflação está longe de estar adormecido. 

O CPI avançou 0,8% em abril, enquanto o núcleo subiu 0,9%, na base mensal. As projeções apontavam para alta de 0,2% do índice cheio e ganhos de 0,3% para o núcleo, em relação ao mês anterior. 

A inflação é um indicador importantíssimo para a definição da política monetária de um país. Com os estímulos fiscais e monetários empregados para contornar a crise do coronavírus, o mundo vive um aquecimento nos preços. 

No Brasil, o avanço fez o Banco Central retomar a alta da taxa básica de juros - medida adotada em outros países emergentes também. O temor do mercado é que os BCs do hemisfério norte sigam o mesmo caminho. 

Por isso, todos estão atentos à postura do Federal Reserve (BC americano) com relação à compra de ativos e estímulos monetários. Carla Argenta, economista-chefe da CM Capital, explica que a meta de inflação nos Estados Unidos funciona um pouco diferente do que estamos acostumados. Existe uma meta perseguida - de cerca de 2% -, mas não existe um piso ou um teto. O índice tem se mantido dentro dessa faixa, mas a economista destaca que isso só ocorre porque os dados de 2020 ainda entram na conta. O que deve mudar em breve. 

Um ponto importante: o CPI não é o principal índice de inflação utilizado pelo Federal Reserve na sua decisão de política monetária. A instituição prefere o PCE, mas os dados divulgados hoje - considerados uma prévia - mostram que este também deve vir acima do esperado. 

O Federal Reserve mantém sua política acomodatícia e seus dirigentes tentam acalmar os mercados afirmando que uma inflação acima da meta de 2% ao ano será tolerada por um período e que o mercado de trabalho - e a economia em si - ainda estão longe de uma recuperação plena.

O payroll, com dados sobre o desemprego divulgados na semana passada, frustrou os economistas e afastou o fantasma da inflação. Mas é fogo cruzado. Argenta lembra que essa discrepância - inflação e desemprego - é comum em cenários de crise. 

Às vezes o discurso do Fed cola, às vezes não. O cenário hoje favoreceu o segundo caso. “O número hoje muda um pouco a ideia da forma correta de o Fed seguir com a política monetária. Várias declarações dos membros do BC americano aceitavam uma inflação mais alta para que se atingisse o pleno emprego, mas o CPI mostra que ela está muito mais pressionada, então diminui essa margem de atuação”, pontua a economista.

Sobe e desce

Com o cenário amplamente negativo, poucas ações conseguiram ter força para fechar o dia no azul. O principal destaque ficou com a BR Distribuidora, que trouxe números animadores no primeiro trimestre. 

CÓDIGO NOME VALOR VARIAÇÃO
BRDT3BR Distribuidora ONR$ 25,004,52%
IRBR3IRB ONR$ 6,351,60%
SUZB3Suzano ONR$ 68,850,78%
UGPA3Ultrapar ONR$ 19,520,41%
CIEL3Cielo ONR$ 3,480,00%

Assim como nas maiores altas, as maiores quedas também tiveram relação com a divulgação dos balanços corporativos. Ariane Benedito, da CM Capital, também pontua outro ponto importante para entender o movimento dos ativos hoje - a queda de expectativa de crescimento para o setor de serviços, um número que mexeu principalmente com o segmento de shoppings. “O mercado precificou um otimismo anual, mas, quando chegam os dados da economia real, é hora de correção”. Confira as maiores quedas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
BIDI11Banco Inter unitR$ 187,11-8,01%
MRFG3Marfrig ONR$ 19,14-7,63%
RENT3Localiza ONR$ 58,20-7,38%
IGTA3Iguatemi ONR$ 40,69-6,65%
LCAM3Unidas ONR$ 24,10-6,26%
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

seu dinheiro na sua noite

IPO da Smart Fit: vai sair da jaula o monstro!

Eu nunca fui muito de academia, confesso. Já tive meus tempos de malhar regularmente, mas nunca consegui tomar gosto pela coisa. Exercícios repetitivos não me cativam, meu negócio sempre foi dançar, de preferência em turma, com professor e horário, se não eu falto. Como você deve imaginar, entre meus colegas jornalistas não é muito diferente. […]

atenção, acionista

Vale eleva valor de dividendo a ser em pago em 30 de junho para R$ 2,189 por ação

No dia 17 de junho, a empresa tinha informado o pagamento de R$ 2,177 de dividendo por ação; demais condições da distribuição não serão alteradas

de olho na inovação

Moeda digital é nova forma de representação da moeda já emitida, diz Campos Neto

Segundo ele, ela não se confunde com os criptoativos, como o bitcoin, que não têm característica de moeda, mas sim de ativos

em audiência

Yellen diz esperar apoio do G-20 para proposta de imposto corporativo global

Grupo das 20 maiores economias do mundo se reúne em julho e deve debater o assunto

retomada

PIB da Argentina sobe 2,6% no 1º trimestre

Na comparação com igual período do ano passado, o avanço foi de 2,5%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies