Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-06-07T09:23:00-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO

Dragão americano da inflação assombra ativos globais e resultado é bolsa, dólar e juros sob pressão; Ibovespa recua 2% e volta aos 119 mil pontos

A pressão inflacionária superou até mesmo o cenário político interno caótico nos holofotes do mercado e levou o principal índice brasileiro a amargar uma queda brusca

12 de maio de 2021
19:16 - atualizado às 9:23
Dragão Mercados Touro Gráficos Game of Thrones GOT v2
Imagem: Shutterstock, com intervenção de Andrei Morais

O mercado financeiro não foi escalado para participar do elenco do reality No Limite, mas teve um gostinho do que é viver sob pressão em um ambiente hostil, lutando por sua sobrevivência. 

Sabatina de membros e ex-membros do governo Bolsonaro para falar da administração da pandemia no Congresso? Que nada, isso nem passou pela cabeça do mercado hoje. Hoje o dia foi dedicado a outra CPI. Melhor dizendo, outro, já que estamos falando dos dados de inflação dos Estados Unidos. E só se falou nisso. 

Há algum tempo já se discute um temor de pressão inflacionária após os pacotes trilionários de estímulos. Mas agora a situação ganha novos contornos. E mostra para o mercado que aquele discurso pregado pelo Federal Reserve - de que o aumento de preços é pontual e transitório -, pode não ser bem assim. 

Como se não bastasse a pressão absurda vinda do temido dragão, o déficit fiscal também não agradou. E o resultado foram os juros dos títulos mais longos do governo americano atingindo máximas que nem um leilão do Tesouro conseguiu aplacar. Em alguns vencimentos, a demanda nem mesmo foi suficiente.

O saldo desse movimento já é conhecido: o dinheiro migra para os investimentos mais seguros e deixa os países emergentes - e a própria bolsa americana - no vermelho. Com mais dinheiro entrando na principal economia do mundo, o dólar à vista fechou o dia com uma alta de 1,59%, a R$ 5,3055.

O tombo de 2,65%, aos 119.710 pontos, da bolsa brasileira assusta, mas foi em linha com o comportamento dos pares americanos. O Nasdaq recuou 2,67%, o S&P 500 caiu 2,15% e o Dow Jones teve queda de 1,99%.

Para Ariane Benedito, economista da CM Capital, a queda marginalmente mais expressiva da bolsa brasileira tem uma explicação - nos últimos dias, enquanto Wall Street recuava, as commodities metálicas salvavam o Ibovespa do vermelho. 

Com os investidores precificando uma alta dos juros lá fora, aqui o mercado também passa por uma “calibragem”, afinal, é preciso manter o país atrativo e evitar a fuga de capital. Confira as taxas de fechamento do dia: 

  • Janeiro/2022: de 4,78% para 4,89%
  • Janeiro/2023: de 6,50% para 6,71%
  • Janeiro/2025: de 8,07% para 8,24%
  • Janeiro/2027: de 8,66% para 8,83%

Com os dois olhos bem abertos

Que os investidores temem que a rápida vacinação e trilhões em estímulos fiscais e monetários exerçam pressão para o fim dos juros nas mínimas históricas pode não ser uma novidade. Acontece que nesta manhã o temor ganhou um impulso extra em forma de números que mostraram que o dragão da inflação está longe de estar adormecido. 

O CPI avançou 0,8% em abril, enquanto o núcleo subiu 0,9%, na base mensal. As projeções apontavam para alta de 0,2% do índice cheio e ganhos de 0,3% para o núcleo, em relação ao mês anterior. 

A inflação é um indicador importantíssimo para a definição da política monetária de um país. Com os estímulos fiscais e monetários empregados para contornar a crise do coronavírus, o mundo vive um aquecimento nos preços. 

No Brasil, o avanço fez o Banco Central retomar a alta da taxa básica de juros - medida adotada em outros países emergentes também. O temor do mercado é que os BCs do hemisfério norte sigam o mesmo caminho. 

Por isso, todos estão atentos à postura do Federal Reserve (BC americano) com relação à compra de ativos e estímulos monetários. Carla Argenta, economista-chefe da CM Capital, explica que a meta de inflação nos Estados Unidos funciona um pouco diferente do que estamos acostumados. Existe uma meta perseguida - de cerca de 2% -, mas não existe um piso ou um teto. O índice tem se mantido dentro dessa faixa, mas a economista destaca que isso só ocorre porque os dados de 2020 ainda entram na conta. O que deve mudar em breve. 

Um ponto importante: o CPI não é o principal índice de inflação utilizado pelo Federal Reserve na sua decisão de política monetária. A instituição prefere o PCE, mas os dados divulgados hoje - considerados uma prévia - mostram que este também deve vir acima do esperado. 

O Federal Reserve mantém sua política acomodatícia e seus dirigentes tentam acalmar os mercados afirmando que uma inflação acima da meta de 2% ao ano será tolerada por um período e que o mercado de trabalho - e a economia em si - ainda estão longe de uma recuperação plena.

O payroll, com dados sobre o desemprego divulgados na semana passada, frustrou os economistas e afastou o fantasma da inflação. Mas é fogo cruzado. Argenta lembra que essa discrepância - inflação e desemprego - é comum em cenários de crise. 

Às vezes o discurso do Fed cola, às vezes não. O cenário hoje favoreceu o segundo caso. “O número hoje muda um pouco a ideia da forma correta de o Fed seguir com a política monetária. Várias declarações dos membros do BC americano aceitavam uma inflação mais alta para que se atingisse o pleno emprego, mas o CPI mostra que ela está muito mais pressionada, então diminui essa margem de atuação”, pontua a economista.

Sobe e desce

Com o cenário amplamente negativo, poucas ações conseguiram ter força para fechar o dia no azul. O principal destaque ficou com a BR Distribuidora, que trouxe números animadores no primeiro trimestre. 

CÓDIGO NOME VALOR VARIAÇÃO
BRDT3BR Distribuidora ONR$ 25,004,52%
IRBR3IRB ONR$ 6,351,60%
SUZB3Suzano ONR$ 68,850,78%
UGPA3Ultrapar ONR$ 19,520,41%
CIEL3Cielo ONR$ 3,480,00%

Assim como nas maiores altas, as maiores quedas também tiveram relação com a divulgação dos balanços corporativos. Ariane Benedito, da CM Capital, também pontua outro ponto importante para entender o movimento dos ativos hoje - a queda de expectativa de crescimento para o setor de serviços, um número que mexeu principalmente com o segmento de shoppings. “O mercado precificou um otimismo anual, mas, quando chegam os dados da economia real, é hora de correção”. Confira as maiores quedas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
BIDI11Banco Inter unitR$ 187,11-8,01%
MRFG3Marfrig ONR$ 19,14-7,63%
RENT3Localiza ONR$ 58,20-7,38%
IGTA3Iguatemi ONR$ 40,69-6,65%
LCAM3Unidas ONR$ 24,10-6,26%
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

NOVA DEBANDADA?

Mais um técnico da área de Orçamento da Economia deixa cargo e expõe novo desgaste na equipe de Paulo Guedes

O movimento de saída é comum no último ano de governo, mas agora tem ocorrido mais cedo, ainda no primeiro mês de 2022

BARRADAS NO BAILE

Madero e ISH Tech cancelam planos de IPO, elevando para 12 número de desistências na B3 neste ano; veja o que atrapalha as ofertas

E esse número pode crescer ainda mais, pois a Corsan também deve adiar sua oferta em breve. Por enquanto, restam 20 candidatas à estreia na B3

OPERAÇÃO COMPLEXA

Superintendência do Cade dá sinal verde para compra do Big pelo Carrefour, mas prescreve remédios para evitar concentração; entenda

O órgão prevê medidas estruturais e comportamentais para mitigar os problemas concorrenciais identificados durante a análise da operação

Mercados Hoje

Ibovespa tenta se manter em alta em dia negativo em NY e de grande cautela com expectativa em relação ao Fed

Dia é bastante negativo em Wall Street e especialmente na Europa, com temor de invasão da Rússia à Ucrânia e reunião do Fed na quarta-feira

Novo serviço

Saiba se você tem algum dinheiro ‘esquecido’ para receber do banco

O Banco Central disponibilizou serviço para que cidadãos e empresas consultem se têm saldos “esquecidos” em bancos ou valores a receber de devoluções ou cobranças indevidas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies