Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-07-20T18:22:52-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Série dramática

Lucro da Netflix sobe no segundo trimestre, mas a temporada está indo por um mau caminho

A Netflix reportou crescimento firme na receita e no lucro no segundo trimestre. Mas as projeções para os próximos meses não são animadoras

20 de julho de 2021
18:21 - atualizado às 18:22
Netflix Sweet Tooth
Imagem: Divulgação/Netflix

O que você andou assistindo na Netflix ultimamente? Não faltam opções no enorme catálogo da empresa — eu, particularmente, vi O Gambito da Rainha há não muito tempo, mas eu costumo estar atrasado com os lançamentos.

Para a alegria da Netflix, o meu padrão de consumo não é a regra entre os assinantes. Veja alguns números das principais novidades da empresa nos últimos meses — os dados de audiência dizem respeito às primeiras quatro semanas de exibição:

  • Army of the Dead — Invasão em Las Vegas: 75 milhões de espectadores;
  • Fatherhood: 74 milhões;
  • Sweet Tooth: 60 milhões;
  • Sombra e ossos: 55 milhões; e
  • A Família Mitchell e a Revolta das Máquinas: 53 milhões

São números que não fazem feio perto de qualquer blockbuster, ainda mais nos tempos de hoje, em que ir ao cinema (infelizmente) é tarefa arriscada. E esse consumo de filmes e séries em casa ajudou a companhia a ter mais um trimestre bom em termos financeiros.

Entre abril e junho deste ano, a Netflix teve receita global de US$ 7,3 bilhões, alta de 19% em relação ao mesmo período de 2020. O lucro líquido aumentou quase 90% na mesma base de comparação, para US$ 1,35 bilhão — o lucro por ação foi de US$ 2,97.

Os números ficaram em linha com as expectativas do mercado, segundo dados compilados pelo Yahoo Finance; o lucro por ação ficou ligeiramente abaixo da média das projeções, de US$ 3,14, mas isso não causou grande transtorno.

O que realmente incomodou o mercado — como um episódio que fica travando o tempo todo — foram as projeções para o futuro. A temporada de 2021 para a Netflix foi boa até aqui, mas a história está caminhando para um lado mais dramático e sombrio.

Tanto é que, no after market de Nova York, as ações da Netflix (NFLX) recuavam 1,2% por volta das 18h (horário de Brasília), a US$ 525,61 — logo depois da publicação do balanço, os papéis chegaram a despencar mais de 5%. Na B3, as BDRs da Netflix (NFLX34) fecharam em queda de 0,05% hoje, a R$ 55,62.

Quer saber como investir em BDRs e quais as perspectivas para essa classe de ativos no segundo semestre? O Seu Dinheiro preparou um vídeo com as dicas e opiniões de especialistas:

Para onde crescer?

Em termos operacionais, a Netflix reportou a adição de 1,5 milhão de novos usuários pagos, novamente superando as expectativas do mercado. O problema é que, para o terceiro trimestre, a empresa espera resultados, no mínimo, tímidos.

Veja o resumo das previsões fornecidas pela própria Netflix para os próximos três meses:

  • Receita líquida: US$ 7,48 bilhões;
  • Lucro líquido: US$ 1,2 bilhão;
  • Lucro por ação: US$ 2,55; e
  • Novos usuários pagos: 3,5 milhões.

Ou seja: em termos financeiros, a Netflix projeta uma receita praticamente estável e um lucro menor no terceiro trimestre.

E, talvez o que mais gere desconforto em Wall Street: com apenas 3,5 milhões de novos usuários pagos sendo adicionados, a Netflix caminha para um ano com uma expansão da base de assinantes bastante inferior ao passado recente:

Netflix
Curvas de adição de novos usuários pagos à base da Netflix, ano a ano. Repare que, ao menos que o quarto trimestre seja extraordinariamente forte, a empresa ficará abaixo da marca de 25 milhões pela primeira vez desde 2019

Essas projeções modestas causam certo estranhamento, considerando que o terceiro trimestre terá a estreia de novas temporadas de series bastante populares, como La Casa de Papel, Sex Education e Virgin River.

Quanto à expansão da base, o segundo trimestre já mostrou algumas tendências preocupantes. O mercado dos Estados Unidos e Canadá encolheu em cerca de 400 mil usuários pagos em relação ao trimestre anterior; o aumento de 1,5 milhão se deve, em grande parte, ao bom desempenho na América Latina e na Ásia e Pacífico.

A sombra da competição

A Netflix, antes revolucionária no entretenimento digital, é hoje uma velha conhecida, quase uma veterana. Há agora um sem-número de serviços de streaming, cada um com sua biblioteca — Disney+, HBO Max, Globoplay, Amazon Prime, Apple TV+, Paramount+, Looke... A lista vai longe.

Eu mesmo disse no começo do texto que costumo não acompanhar os lançamentos de perto, mas vi O Caso Evandro, do Globoplay, praticamente na estreia; também consumi coisas no Disney+ e no Amazon Prime.

O ponto é que a Netflix já não nada mais de braçada no setor de streaming de conteúdo em vídeo. Além de outros serviços semelhantes, a companhia também compete com o YouTube, com redes sociais como o TikTok e com o mercado de games.

A própria Netflix divulgou em seu balanço alguns dados coletados pela Nielsen a respeito da disputa por audiência nos EUA. A TV aberta, com 23%, e a TV a cabo, com 40%, ainda dominam de longe o espectador americano.

A Netflix, segundo esse levantamento, tem 7%, seguida por YouTube (6%), Hulu (3%), Prime Video (2%) e Disney+ (2%). Outros serviços de streaming, somados, têm 8%; outras atividades, como videogames, têm 9%.

Com esses dados, a Netflix tenta passar a mensagem de que há muito espaço para os serviços de streaming avançarem, roubando audiência da TV aberta e a cabo — e a empresa, naturalmente, seria uma das mais aptas a conquistar o público. Ela, inclusive, planeja uma entrada gradual no setor de games, oferecendo jogos via streaming aos assinantes.

Ainda assim, as projeções financeiras e operacionais para o terceiro trimestre mostram que a tarefa não será fácil — e que essa história não vai ser resolvida já nessa temporada.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Mais uma empreitada

Do espaço para as fazendas: Elon Musk consegue licença para oferecer internet via satélite no Reino Unido

A Starlink, segundo informações do jornal Telegraph, quer chegar a regiões onde a cobertura por fibra e 5G não alcançam, e tem planos mais ambiciosos

Leão faminto

Carga pesada: Impostômetro atinge a marca de R$ 1,5 trilhão

Monitoramento da Associação Comercial de São Paulo mostra que, no ano passado, marca foi atingida somente no dia 28 de setembro

Muita calma nessa hora

Tem Vale Gás? Petrobras diz que não há definição sobre participação em programas sociais

Manifestação vem depois que o presidente Jair Bolsonaro disse em entrevista que a estatal tem R$ 3 bilhões em reservas para custear ajuda

Clube do Livro

Batalhas sem arma: Em “Cripto Wars”, Jim Rickards explica guerras cambiais e agora, com criptomoedas

Autor, conhecido também por suas previsões certeiras sobre o bitcoin, fala de como a tecnologia mudou as estratégias financeiras dos países

RUMO AO MILHÃO

O primeiro e mais importante investimento para quem atingir o primeiro milhão (ou ir além)

Por mais que você busque o conforto e a segurança de uma promessa de retorno garantido, digo, com convicção, que o único investimento com retorno garantido em longo prazo é aquele feito em educação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies