🔴 AS BIG TECHS ESTÃO ‘SUGANDO’ DINHEIRO DA BOLSA BRASILEIRA? – VEJA COMO SE PROTEGER

Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Série dramática

Lucro da Netflix sobe no segundo trimestre, mas a temporada está indo por um mau caminho

A Netflix reportou crescimento firme na receita e no lucro no segundo trimestre. Mas as projeções para os próximos meses não são animadoras

Victor Aguiar
Victor Aguiar
20 de julho de 2021
18:21 - atualizado às 18:22
Netflix Sweet Tooth
Imagem: Divulgação/Netflix

O que você andou assistindo na Netflix ultimamente? Não faltam opções no enorme catálogo da empresa — eu, particularmente, vi O Gambito da Rainha há não muito tempo, mas eu costumo estar atrasado com os lançamentos.

Para a alegria da Netflix, o meu padrão de consumo não é a regra entre os assinantes. Veja alguns números das principais novidades da empresa nos últimos meses — os dados de audiência dizem respeito às primeiras quatro semanas de exibição:

  • Army of the Dead — Invasão em Las Vegas: 75 milhões de espectadores;
  • Fatherhood: 74 milhões;
  • Sweet Tooth: 60 milhões;
  • Sombra e ossos: 55 milhões; e
  • A Família Mitchell e a Revolta das Máquinas: 53 milhões

São números que não fazem feio perto de qualquer blockbuster, ainda mais nos tempos de hoje, em que ir ao cinema (infelizmente) é tarefa arriscada. E esse consumo de filmes e séries em casa ajudou a companhia a ter mais um trimestre bom em termos financeiros.

Entre abril e junho deste ano, a Netflix teve receita global de US$ 7,3 bilhões, alta de 19% em relação ao mesmo período de 2020. O lucro líquido aumentou quase 90% na mesma base de comparação, para US$ 1,35 bilhão — o lucro por ação foi de US$ 2,97.

Os números ficaram em linha com as expectativas do mercado, segundo dados compilados pelo Yahoo Finance; o lucro por ação ficou ligeiramente abaixo da média das projeções, de US$ 3,14, mas isso não causou grande transtorno.

O que realmente incomodou o mercado — como um episódio que fica travando o tempo todo — foram as projeções para o futuro. A temporada de 2021 para a Netflix foi boa até aqui, mas a história está caminhando para um lado mais dramático e sombrio.

Tanto é que, no after market de Nova York, as ações da Netflix (NFLX) recuavam 1,2% por volta das 18h (horário de Brasília), a US$ 525,61 — logo depois da publicação do balanço, os papéis chegaram a despencar mais de 5%. Na B3, as BDRs da Netflix (NFLX34) fecharam em queda de 0,05% hoje, a R$ 55,62.

Quer saber como investir em BDRs e quais as perspectivas para essa classe de ativos no segundo semestre? O Seu Dinheiro preparou um vídeo com as dicas e opiniões de especialistas:

Para onde crescer?

Em termos operacionais, a Netflix reportou a adição de 1,5 milhão de novos usuários pagos, novamente superando as expectativas do mercado. O problema é que, para o terceiro trimestre, a empresa espera resultados, no mínimo, tímidos.

Veja o resumo das previsões fornecidas pela própria Netflix para os próximos três meses:

  • Receita líquida: US$ 7,48 bilhões;
  • Lucro líquido: US$ 1,2 bilhão;
  • Lucro por ação: US$ 2,55; e
  • Novos usuários pagos: 3,5 milhões.

Ou seja: em termos financeiros, a Netflix projeta uma receita praticamente estável e um lucro menor no terceiro trimestre.

E, talvez o que mais gere desconforto em Wall Street: com apenas 3,5 milhões de novos usuários pagos sendo adicionados, a Netflix caminha para um ano com uma expansão da base de assinantes bastante inferior ao passado recente:

Netflix
Curvas de adição de novos usuários pagos à base da Netflix, ano a ano. Repare que, ao menos que o quarto trimestre seja extraordinariamente forte, a empresa ficará abaixo da marca de 25 milhões pela primeira vez desde 2019

Essas projeções modestas causam certo estranhamento, considerando que o terceiro trimestre terá a estreia de novas temporadas de series bastante populares, como La Casa de Papel, Sex Education e Virgin River.

Quanto à expansão da base, o segundo trimestre já mostrou algumas tendências preocupantes. O mercado dos Estados Unidos e Canadá encolheu em cerca de 400 mil usuários pagos em relação ao trimestre anterior; o aumento de 1,5 milhão se deve, em grande parte, ao bom desempenho na América Latina e na Ásia e Pacífico.

A sombra da competição

A Netflix, antes revolucionária no entretenimento digital, é hoje uma velha conhecida, quase uma veterana. Há agora um sem-número de serviços de streaming, cada um com sua biblioteca — Disney+, HBO Max, Globoplay, Amazon Prime, Apple TV+, Paramount+, Looke... A lista vai longe.

Eu mesmo disse no começo do texto que costumo não acompanhar os lançamentos de perto, mas vi O Caso Evandro, do Globoplay, praticamente na estreia; também consumi coisas no Disney+ e no Amazon Prime.

O ponto é que a Netflix já não nada mais de braçada no setor de streaming de conteúdo em vídeo. Além de outros serviços semelhantes, a companhia também compete com o YouTube, com redes sociais como o TikTok e com o mercado de games.

A própria Netflix divulgou em seu balanço alguns dados coletados pela Nielsen a respeito da disputa por audiência nos EUA. A TV aberta, com 23%, e a TV a cabo, com 40%, ainda dominam de longe o espectador americano.

A Netflix, segundo esse levantamento, tem 7%, seguida por YouTube (6%), Hulu (3%), Prime Video (2%) e Disney+ (2%). Outros serviços de streaming, somados, têm 8%; outras atividades, como videogames, têm 9%.

Com esses dados, a Netflix tenta passar a mensagem de que há muito espaço para os serviços de streaming avançarem, roubando audiência da TV aberta e a cabo — e a empresa, naturalmente, seria uma das mais aptas a conquistar o público. Ela, inclusive, planeja uma entrada gradual no setor de games, oferecendo jogos via streaming aos assinantes.

Ainda assim, as projeções financeiras e operacionais para o terceiro trimestre mostram que a tarefa não será fácil — e que essa história não vai ser resolvida já nessa temporada.

Compartilhe

MAQUININHA DE LUCRO

PagSeguro (PAGS34) dispara após balanço e puxa ações da Cielo (CIEL3); veja os números do resultado do 2T22

25 de agosto de 2022 - 17:28

A lucro da PagSeguro aumentou 35% na comparação com o mesmo período do ano passado e atingiu R$ 367 milhões

FIM DE TEMPORADA

Nos balanços do segundo trimestre, uma tendência para a bolsa: as receitas cresceram, mas os custos, também

19 de agosto de 2022 - 16:18

Safra de resultados financeiros sofreu efeitos do aumento da Selic, mas sensação é de que o pior já passou

Investidores gostaram

Nubank (NU; NUBR33) chega a subir 20% após balanço, mas visão dos analistas é mista e inadimplência preocupa

16 de agosto de 2022 - 12:03

Investidores gostaram de resultados operacionais, mas analistas seguem atentos ao crescimento da inadimplência; Itaú BBA acha que banco digital pode ter subestimado o risco do crédito pessoal

BALANÇO

Inter (INBR31) reverte prejuízo em lucro de R$ 15,5 milhões no segundo trimestre; confira os números

15 de agosto de 2022 - 21:01

No semestre encerrado em 30 de junho de 2022, o Inter superou a marca de 20 milhões de clientes, o que equivale a 22% de crescimento no período

BALANÇO DA HOLDING

Lucro líquido da Itaúsa (ITSA4) recua 12,5% no segundo trimestre, mas holding anuncia JCP adicional; confira os destaques do balanço

15 de agosto de 2022 - 19:52

Holding lucrou R$ 3 bilhões no segundo trimestre e vai distribuir juros sobre capital próprio no fim de agosto

Resultados

Nubank (NUBR33) tem prejuízo acima do esperado no 2º tri, e inadimplência continuou a se deteriorar; veja os destaques do balanço

15 de agosto de 2022 - 18:42

Prejuízo líquido chegou a quase US$ 30 milhões, ante uma expectativa de US$ 10 milhões; inadimplência veio dentro do esperado, segundo o banco

Bife suculento

Marfrig (MRFG3) anuncia R$ 500 milhões em dividendos e programa de recompra de 31 milhões de ações; veja quem tem direito aos proventos e os destaques do balanço

12 de agosto de 2022 - 13:15

Mercado reage positivamente aos números da companhia nesta sexta (12); dividendos serão pagos em setembro

Balanço

Oi (OIBR3) sai de lucro para prejuízo no 2T22, mas dívida líquida desaba

12 de agosto de 2022 - 6:45

Oi reportou prejuízo líquido de R$ 320,8 milhões entre abril de junho, vinda de um lucro de R$ 1,09 bilhão no mesmo período do ano anterior

Balanço do 2º tri

Cenário difícil para os ativos de risco pesa sobre o balanço da B3 no 2º trimestre; confira os principais números da operadora da bolsa

11 de agosto de 2022 - 19:56

Companhia viu queda nos volumes negociados e também nas principais linhas do balanço, tanto na comparação anual quanto em relação ao trimestre anterior

BALANÇO

Apelo de Luiza Trajano não foi à toa: Magazine Luiza tem prejuízo de R$ 135 milhões no 2T22 — veja o que afetou o Magalu

11 de agosto de 2022 - 19:26

O Magalu conseguiu reduzir as perdas na comparação com o primeiro trimestre de 2022, mas em relação ao mesmo período de 2021, acabou deixando o lucro para trás

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar