ESQUEÇA BITCOIN: outra criptomoeda de R$ 4 pode valer R$ 80 em breve; conheça aqui

Cotações por TradingView
2021-05-14T23:55:11-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
produção em baixa

Netflix decepciona em novos assinantes, mas nega impacto da concorrência

Papéis da empresa negociados na Nasdaq caíam mais de 10% no after market; pandemia impactou em novas produções, com reflexo no balanço da companhia

20 de abril de 2021
17:57 - atualizado às 23:55
TV com o logo da Netflix
TV com o logo da Netflix - Imagem: Shutterstock

A Netflix divulgou há pouco uma drástica redução no número de novos assinantes durante o primeiro trimestre, em relação ao histórico recente da companhia. No entanto, a empresa negou que a decepção seja reflexo do aumento da concorrência.

Os papéis da Netflix negociados na Nasdaq caíam mais de 10% no after market, a US$ 588,12, embora no ano acumulem alta de 48% por conta do aumento de número de assinantes em meio à pandemia.

A covid-19 é justamente a razão atribuída pela empresa para a decepção com o número de novos assinantes no início deste ano. A plataforma da empresa ganhou 3,98 milhões de membros, mas analistas esperavam 6,2 milhões, segundo a Factset.

No mesmo período do ano passado, a Netflix ganhou 15,7 milhões de usuários.

Segundo a companhia, que agora conta com 207,64 milhões de assinantes, o avanço da covid-19 em 2020 impactou o ritmo das produções, o que levou a empresa a ter um catálogo de lançamentos mais enxuto no início deste ano.

"Não acreditamos que a concorrência tenha mudado no trimestre ou que esse tenha sido um fator relevante na variação dos resultados", disse a companhia em relatório.

A Netflix tem lidado com um avanço da concorrência em todo o mundo, depois de reinar praticamente sozinha no início da era do streaming. No Brasil, por exemplo, além da plataforma da companhia, o consumidor tem acesso a serviços como Amazon Prime e Globo Play.

Retomada e outros números

A empresa diz esperar uma retomada de um ritmo mais parecido com o de pré-pandemia a partir da segunda metade deste ano. A Netflix espera investir US$ 17 bilhões ao longo de 2021 em produções, se a pandemia permitir.

Ao contrário do Brasil, os Estados Unidos estão voltando à normalidade e já esperam um crescimento de 7% da economia neste ano, enquanto a vacinação avança no país.

Além do número de assinantes, o relatório divulgado nesta terça mostrou que a receita da Netflix cresceu 24% na comparação anual, para US$ 7,1 bilhões, em linha com as projeções da Refinitiv e da própria empresa.

O lucro por ação chegou a US$ 3,75, contra US$ 2,97 esperado por analistas. Já o lucro líquido chegou a US$ 1,7 bilhão, em uma alta de 140% na comparação com o resultado de igual período do ano passado.

A Netflix projeta lucro líquido de US$ 1,8 bilhão no segundo trimestre. A receita no período chegaria a US$ 7,3 bilhões, e o número de novos assinantes seria de 1 milhão, segundo expectativas da empresa.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

VOLTOU ATRÁS?

Ray Dalio, um dos maiores gestores do mundo, mudou de ideia: ações e títulos longos ficaram para trás — saiba qual a nova preferência dele

3 de fevereiro de 2023 - 16:19

O gestor disse que, no ano passado, uma posição forte de liquidez tornou-se “bastante atraente” em relação a ações e títulos mais longos

NA CORDA BAMBA

IRB (IRBR3) vai precisar de ainda mais dinheiro após a sequência de prejuízos? O Citi responde

3 de fevereiro de 2023 - 14:30

Há três anos, a Squadra deu o sinal de alerta para o que seria uma fraude milionária na resseguradora, que agora volta ao holofotes com as crises na Americanas e na Oi; saiba o que pode acontecer com a empresa

A NATA DA B3

Folia com petróleo! As ações de uma petroleira da B3 são as mais recomendadas para fevereiro; veja os papéis favoritos de 12 corretoras

3 de fevereiro de 2023 - 13:17

Aproveitando a mudança de foco de gigantes do setor para o pré-sal e águas profundas, esta companhia especializou-se em revitalizar campos maduros

O QUE ELES ESTÃO VENDO?

Mais um tubarão abocanhou uma participação maior na Americanas (AMER3); veja quem

3 de fevereiro de 2023 - 11:55

Depois do Morgan Stanley, agora é a vez da AQR Capital revelar aumento da exposição às ações da Americanas (AMER3)

MARKET MAKERS

O Brasil vai virar uma Venezuela? Lula pode estar prestes a cometer o maior erro de política econômica da história; entenda

3 de fevereiro de 2023 - 11:41

No episódio #30 do podcast, o economista-chefe da Verde explicou a importância do Banco Central, considerado a âncora monetária do país, para a economia brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies