🔴 É HOJE! COMO COMPRAR CARROS COM ATÉ 50% DE DESCONTO NA TABELA FIPE – CONHEÇA A ESTRATÉGIA

Larissa Vitória
Larissa Vitória
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo portal SpaceMoney e pelo departamento de imprensa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
Sim, eles existem

Por que a poupança ainda atrai o investimento de milionários mesmo com retorno real negativo

Especialistas explicam quais fatores levam mais de 22 mil pessoas a deixaram essa dinheirama toda na aplicação que teve em 2020 o pior desempenho dos últimos 18 anos

Larissa Vitória
Larissa Vitória
17 de maio de 2021
5:47 - atualizado às 14:48
Poupança
Imagem: Shutterstock, com intervenção de Andrei Morais

Há quem diga que, hoje em dia, a caderneta de poupança sequer pode ser considerada um investimento. Afinal, é difícil defender uma aplicação cujo rendimento perdeu para a inflação pelo segundo ano consecutivo.

Mas nem mesmo a rentabilidade real negativa — que significa, na prática, uma perda do poder de compra — destronou a poupança de seu lugar cativo no rol dos investimentos preferidos de grande parte dos brasileiros.

  • VÍDEO: Afinal, por que a poupança ainda atrai tantas pessoas? O Seu Dinheiro te explica em 1 minuto:

E engana-se quem pensa que apenas os poupadores eventuais — com poucos recursos, disciplina ou educação financeira — deixam seus caraminguás à mercê da implacável inflação. 

O próprio presidente Jair Bolsonaro revelou ter quase R$ 500 mil na caderneta na declaração de bens ao TSE, nas eleições de 2018. Mas ele está longe de ser o único brasileiro que poderia ter seu dinheiro melhor investido.

Existem poupanças por aí com depósitos superiores a R$ 1 milhão. Para ser mais exata, existiam 22.659 contas desse tipo em março deste ano, de acordo com dados do Fundo Garantidor de Créditos (FGC). 120 delas, inclusive, guardavam mais de R$ 20 milhões.

Quem são, onde vivem e do que se alimentam aqueles que deixam essa dinheirama na poupança é algo que ainda não sabemos, pois eles se escondem muito bem e não estão dispostos a explicar seus motivos.

Mas conversamos com duas especialistas que podem nos ajudar a entender um pouco melhor sobre como funciona a mente dos milionários da poupança.

Vai um fermento aí?

Antes, porém, de tentarmos explicar a lógica por trás das escolhas de mais 22 mil pessoas com acesso a praticamente qualquer tipo de investimento, precisamos entender como é possível, com a variedade de opções disponíveis no mercado, decidir qual é o melhor para nós.

Para ajudar nessa tarefa, vamos às figuras de linguagem. Imagine, por exemplo, que o patrimônio é um bolo e os investimentos são os ingredientes que adicionamos para vê-lo crescer um pouco mais a cada ano. 

Existem certos tipos de ingredientes que fazem com que o crescimento dispare em um ritmo acelerado, mas que também podem levá-lo a murchar de repente caso a temperatura do forno mude.

Já outros adicionais podem não provocar grandes mudanças na massa, mas garantem que o bolo estará disponível para qualquer necessidade.

Na economia, este é o chamado tripé dos investimentos, um guia muito útil, formado por três elementos - rentabilidade, liquidez e segurança -, para avaliar qual aplicação se encaixa melhor dentro dos objetivos de cada um.

Não existe uma “receita” para decretar qual é o grau de importância desses elementos e montar uma carteira de aplicações. Isso quem define é o perfil de cada investidor. 

Mas, analisando os três separadamente, vemos que a poupança dá show em um dos quesitos, “empata” em outro e perde feio em um deles. 

Pernas bambas

A poupança pode render pouco, mas tem a vantagem de estar livre da volatilidade de investimentos como a renda variável, por exemplo. Além disso, os valores depositados são cobertos pelo fundo garantidor de créditos (FGC) no caso da  quebra do banco onde o dinheiro foi aplicado — até o limite de R$ 250 mil. Ponto para a segurança.

Poderíamos dar outro ponto para a liquidez. Afinal, é possível resgatar os recursos da caderneta a qualquer momento. Mas essa é uma “liberdade condicional”, já que você perde todo o rendimento do mês se sacar o dinheiro antes da data de aniversário da aplicação.

O rendimento atual da poupança equivale a 70% da taxa básica de juros (Selic) e tem a vantagem de ser isento de imposto de renda. Quanto significa isso em termos práticos? De acordo com um levantamento da Economatica, considerando a inflação, a poupança teve um retorno real negativo de  2,30% em 2020, o pior desempenho os últimos 18 anos. Menos um ponto para a rentabilidade.

Calculadora com sinal de porcentagem representando juros

Na prática, o rendimento da poupança não é suficiente para manter o poder de compra do dinheiro. Imagem: Shutterstock

Um combo desastroso

Com o tripé em mente e de volta aos nossos milionários, podemos levantar três hipóteses para explicar porque eles — ou a maioria deles — decidiram deixar essa grana toda perdendo poder de compra: 

  1. Valorizam mais a segurança;
  2. Preferem a liquidez “condicional”;
  3. Não sabem como funcionam outros tipos de investimentos.

Para Sigrid Guimarães, sócia e CEO da Alocc Gestão Patrimonial, a explicação mais lógica é um combo que reúne as três possibilidades em um só pacote.

“Nós não temos, ou temos muito pouco, educação financeira nas escolas e nas faculdades. Então, por falta de conhecimento técnico e por via das dúvidas, nos sentimos mais seguros com a poupança.”

Apesar de não podermos ter certeza quanto ao contexto e motivos pessoais por trás de cada uma daquelas 22 mil contas, a aposta da especialista está de acordo com o que mostram os dados disponíveis.

Segundo o Raio X do Investidor 2020, elaborado pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), cerca de 65% dos investidores que ficam apenas na poupança pertencem à classe C e apenas 29% possuem formação superior. 

Já a maioria, ou 56%, daqueles que apostam em outros produtos financeiros são da classe B e outros 60% têm o ensino superior completo.

Poupança milionários

A dificuldade no acesso à educação financeira também é um fator determinante para os poupanceiros. Imagem: Shutterstock

Geração Poupança

Além da falta de conhecimento e do medo, Sandra Blanco, estrategista-chefe da Órama Investimentos, destaca que podemos acrescentar mais um elemento ao combo: a idade dos investidores. 

“Acredito que isso está relacionado a pessoas de gerações passadas, que ainda são muito tradicionais. Elas não têm o conhecimento necessário, não conseguem se entender tão bem com os bancos digitais e com os novos produtos disponíveis e preferem a segurança da caderneta de poupança.”

A diferença geracional pode ajudar a entender, por exemplo, como podemos observar um crescimento entre dois grupos muito diferentes, o de “poupanceiros” e de investidores arrojados, no mesmo período. 

O número de contas poupança — cuja idade dos titulares, ainda segundo o Raio X, gira em torno dos 43 anos — com mais de R$ 1 milhão em depósitos avançou 17% nos últimos 12 meses. Enquanto isso, a B3, bolsa de valores brasileira, atingiu a marca de 3,5 milhões de investidores pessoas físicas em março de 2020 com a chegada de pessoas com idade média de 32 anos.

“Vemos também, não só na bolsa, essa turma investindo em criptomoedas, por exemplo, e se aventurando em corretoras internacionais porque se sentem mais confortáveis nesse novo ambiente tecnológico que, para o investidor mais velho, representa um risco adicional”, aponta a estrategista da Órama.

Mas, mesmo para quem não lida muito bem com os adventos da modernidade e sente aquele frio na espinha só de pensar em arriscar seu patrimônio, há outras formas de balancear rentabilidade, liquidez e segurança e deixar a caderneta (e a inflação) para trás.

Primeiros passos

Assim como funciona para quem não chegou nem perto de um forno por anos e agora resolveu se arriscar na cozinha, a estrategista explica que o mais indicado para os futuros ex-poupanceiros é começar com aplicações mais simples e parecidas com a caderneta.

“Hoje nós temos disponíveis produtos para que o investidor conservador dê um passo fora da poupança para aclimatar no novo ambiente até que se sinta confortável para expandir seus horizontes”, diz. Na hora da escolha do produto, o que manda é descobrir em qual das pontas do tripé o investidor está disposto a perder pontos para que a rentabilidade passe a ganhar. 

Para quem topa abrir mão da liquidez, por exemplo, outros títulos de renda fixa que também são garantidos pelo FGC até R$ 250 mil, como os CDBs, podem garantir performances superiores com aplicações um pouco mais longas.

Outros títulos bancários, como as letras de crédito imobiliária (LCI) e do agronegócio (LCA) contam ainda com isenção de imposto de renda, assim como a poupança.

Há ainda a opção dos títulos públicos disponíveis na plataforma do Tesouro Direto. Se algum dos nossos milionários decidisse aplicar o dinheiro em um título que poderá ser resgatado em 2024, por exemplo, o ganho sobre a poupança seria de aproximadamente R$ 51 mil.

Simulação do valor líquido de resgate do Tesouro Selic 2024. Fonte: Tesouro Direto

Para quem pode deixar o dinheiro aplicado por períodos ainda maiores, a diferença entre os dois investimentos saltaria para mais de R$ 292 mil com um título de vencimento em 2030 e pagamento semestral de juros.

Simulação do valor líquido de resgate do Tesouro IPCA+ 2030. Fonte: Tesouro Direto

A desvantagem do Tesouro Direto é que, caso o investidor precise do dinheiro antes do vencimento, terá de vender seus papéis pela taxa daquele momento, o que pode levar a um retorno negativo. É a famosa "marcação a mercado".

Já para quem aceita riscos maiores, os fundos de investimento imobiliário, de renda fixa e multimercados oferecidos por grandes casas de investimentos oferecem a perspectiva de rentabilidades maiores e a gestão profissional dos portfólios.

Diversificar é preciso

Seja qual for a escolha final, uma última lição sobre investimentos também deve estar sempre na mente do investidor: nunca coloque todos os seus ovos em apenas uma cesta. 

Até mesmo a aplicação mais segura do universo está sujeita a certos tipos de risco. Empresas vão à falência, bancos quebram e até mesmo governos podem enfrentar dificuldades para honrar seus compromissos financeiros. A garantia da poupança também só vai até os R$ 250 mil da cobertura do FGC.

“A melhor maneira de enfrentar essas eventualidades é diversificar o patrimônio em várias categorias, porque nunca sabemos exatamente onde a crise pode atingir”, diz Sigrid Guimarães, da Alocc.

Compartilhe

Um agrado aos clientes

Banco Pan aumenta rentabilidade da aplicação de sua conta digital para 115% do CDI – mas benefício é temporário

24 de agosto de 2022 - 17:35

Retorno da aplicação no CDB de liquidez diária do banco, o Poupa PAN, aumentará, mas a princípio apenas por três meses. Veja como obter a remuneração maior

A hora e a vez da renda fixa

Onde os brasileiros investem: CDBs ultrapassam ações no 1º semestre, e valor investido em LCIs e LCAs dispara

2 de agosto de 2022 - 18:40

Volume investido em CDBs pelas pessoas físicas superou o valor alocado em ações no período; puxado pelo varejo, volume aplicado por CPFs cresceu 2,8% no período, totalizando R$ 4,6 trilhões

Qual a melhor?

Após Nubank, PicPay também fará mudanças na conta. Veja o que melhora, o que piora e compare as duas

27 de julho de 2022 - 20:02

Conta rendeira do PicPay não terá mais limite de saldo para retorno de 102% do CDI, mas melhoria vem acompanhada de algumas desvantagens

Pare de sofrer

Cansado da volatilidade das criptomoedas e da bolsa? Veja 12 ativos de renda fixa para investir seu dinheiro e ir dormir

9 de junho de 2022 - 15:31

O cenário de juros altos aumenta a tensão nos mercados de ativos de risco, mas faz a renda fixa brilhar, possibilitando ao investidor ganhar dinheiro com muito menos risco

PROMOÇÃO NA RENDA FIXA

Guide lança CDB pré-fixado que rende 16% ao ano para novos clientes, mas a oferta é limitada; confira os detalhes e prazos

19 de maio de 2022 - 17:47

Mirando em novos clientes, a corretora aposta no percentual superior à taxa Selic, atualmente em 12,75% ao ano, para seduzir até os mais conservadores

Voltou a molezinha!

Com Selic a 12,75%, já é possível ganhar 1% ao mês líquido de IR. Veja 16 opções e saiba onde encontrar esses tesouros

5 de maio de 2022 - 6:30

Após nova alta da taxa de juros, LCI e LCA que pagam 100% do CDI passam a render a remuneração dos sonhos do investidor conservador brasileiro

Fechando uma lacuna

Em parceria com a Órama, Mercado Pago lança plataforma de investimentos com CDB que rende 150% do CDI

2 de maio de 2022 - 18:46

Conta de pagamento do Mercado Livre estreia no mundo dos investimentos com CDBs que pagam mais de 100% do CDI, com aplicações a partir de R$ 1

Enriquecer na renda fixa

Com Selic a 11,75%, já dá para dobrar seu capital na renda fixa, de forma simples e com baixo risco; veja como

18 de março de 2022 - 5:30

Não, você não vai precisar investir por 30 anos, nem colocar o seu dinheiro em um título de dívida de uma empresa próxima da bancarrota para conseguir tal feito; veja os investimentos que proporcionam isso hoje

Subiu de novo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 11,75%

16 de março de 2022 - 19:24

Taxa básica de juros deve subir mais ao longo do ano. Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras de renda fixa com a nova alta da Selic

Armadura contra o dragão

Veja o título do Tesouro Direto mais indicado para proteger seu dinheiro da inflação em meio à guerra entre Rússia e Ucrânia

15 de março de 2022 - 6:50

A alta dos preços em razão do conflito já se faz sentir no bolso do brasileiro – vide o aumento dos combustíveis. Mas este título do Tesouro Direto ajuda a preservar seu patrimônio

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar