Menu
2021-05-18T14:48:29-03:00
Larissa Vitória
Sim, eles existem

Por que a poupança ainda atrai o investimento de milionários mesmo com retorno real negativo

Especialistas explicam quais fatores levam mais de 22 mil pessoas a deixaram essa dinheirama toda na aplicação que teve em 2020 o pior desempenho dos últimos 18 anos

17 de maio de 2021
5:47 - atualizado às 14:48
Poupança
Imagem: Shutterstock, com intervenção de Andrei Morais

Há quem diga que, hoje em dia, a caderneta de poupança sequer pode ser considerada um investimento. Afinal, é difícil defender uma aplicação cujo rendimento perdeu para a inflação pelo segundo ano consecutivo.

Mas nem mesmo a rentabilidade real negativa — que significa, na prática, uma perda do poder de compra — destronou a poupança de seu lugar cativo no rol dos investimentos preferidos de grande parte dos brasileiros.

  • VÍDEO: Afinal, por que a poupança ainda atrai tantas pessoas? O Seu Dinheiro te explica em 1 minuto:

E engana-se quem pensa que apenas os poupadores eventuais — com poucos recursos, disciplina ou educação financeira — deixam seus caraminguás à mercê da implacável inflação. 

O próprio presidente Jair Bolsonaro revelou ter quase R$ 500 mil na caderneta na declaração de bens ao TSE, nas eleições de 2018. Mas ele está longe de ser o único brasileiro que poderia ter seu dinheiro melhor investido.

Existem poupanças por aí com depósitos superiores a R$ 1 milhão. Para ser mais exata, existiam 22.659 contas desse tipo em março deste ano, de acordo com dados do Fundo Garantidor de Créditos (FGC). 120 delas, inclusive, guardavam mais de R$ 20 milhões.

Quem são, onde vivem e do que se alimentam aqueles que deixam essa dinheirama na poupança é algo que ainda não sabemos, pois eles se escondem muito bem e não estão dispostos a explicar seus motivos.

Mas conversamos com duas especialistas que podem nos ajudar a entender um pouco melhor sobre como funciona a mente dos milionários da poupança.

Vai um fermento aí?

Antes, porém, de tentarmos explicar a lógica por trás das escolhas de mais 22 mil pessoas com acesso a praticamente qualquer tipo de investimento, precisamos entender como é possível, com a variedade de opções disponíveis no mercado, decidir qual é o melhor para nós.

Para ajudar nessa tarefa, vamos às figuras de linguagem. Imagine, por exemplo, que o patrimônio é um bolo e os investimentos são os ingredientes que adicionamos para vê-lo crescer um pouco mais a cada ano. 

Existem certos tipos de ingredientes que fazem com que o crescimento dispare em um ritmo acelerado, mas que também podem levá-lo a murchar de repente caso a temperatura do forno mude.

Já outros adicionais podem não provocar grandes mudanças na massa, mas garantem que o bolo estará disponível para qualquer necessidade.

Na economia, este é o chamado tripé dos investimentos, um guia muito útil, formado por três elementos - rentabilidade, liquidez e segurança -, para avaliar qual aplicação se encaixa melhor dentro dos objetivos de cada um.

Não existe uma “receita” para decretar qual é o grau de importância desses elementos e montar uma carteira de aplicações. Isso quem define é o perfil de cada investidor. 

Mas, analisando os três separadamente, vemos que a poupança dá show em um dos quesitos, “empata” em outro e perde feio em um deles. 

Pernas bambas

A poupança pode render pouco, mas tem a vantagem de estar livre da volatilidade de investimentos como a renda variável, por exemplo. Além disso, os valores depositados são cobertos pelo fundo garantidor de créditos (FGC) no caso da  quebra do banco onde o dinheiro foi aplicado — até o limite de R$ 250 mil. Ponto para a segurança.

Poderíamos dar outro ponto para a liquidez. Afinal, é possível resgatar os recursos da caderneta a qualquer momento. Mas essa é uma “liberdade condicional”, já que você perde todo o rendimento do mês se sacar o dinheiro antes da data de aniversário da aplicação.

O rendimento atual da poupança equivale a 70% da taxa básica de juros (Selic) e tem a vantagem de ser isento de imposto de renda. Quanto significa isso em termos práticos? De acordo com um levantamento da Economatica, considerando a inflação, a poupança teve um retorno real negativo de  2,30% em 2020, o pior desempenho os últimos 18 anos. Menos um ponto para a rentabilidade.

Calculadora com sinal de porcentagem representando juros

Na prática, o rendimento da poupança não é suficiente para manter o poder de compra do dinheiro. Imagem: Shutterstock

Um combo desastroso

Com o tripé em mente e de volta aos nossos milionários, podemos levantar três hipóteses para explicar porque eles — ou a maioria deles — decidiram deixar essa grana toda perdendo poder de compra: 

  1. Valorizam mais a segurança;
  2. Preferem a liquidez “condicional”;
  3. Não sabem como funcionam outros tipos de investimentos.

Para Sigrid Guimarães, sócia e CEO da Alocc Gestão Patrimonial, a explicação mais lógica é um combo que reúne as três possibilidades em um só pacote.

“Nós não temos, ou temos muito pouco, educação financeira nas escolas e nas faculdades. Então, por falta de conhecimento técnico e por via das dúvidas, nos sentimos mais seguros com a poupança.”

Apesar de não podermos ter certeza quanto ao contexto e motivos pessoais por trás de cada uma daquelas 22 mil contas, a aposta da especialista está de acordo com o que mostram os dados disponíveis.

Segundo o Raio X do Investidor 2020, elaborado pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), cerca de 65% dos investidores que ficam apenas na poupança pertencem à classe C e apenas 29% possuem formação superior. 

Já a maioria, ou 56%, daqueles que apostam em outros produtos financeiros são da classe B e outros 60% têm o ensino superior completo.

Poupança milionários

A dificuldade no acesso à educação financeira também é um fator determinante para os poupanceiros. Imagem: Shutterstock

Geração Poupança

Além da falta de conhecimento e do medo, Sandra Blanco, estrategista-chefe da Órama Investimentos, destaca que podemos acrescentar mais um elemento ao combo: a idade dos investidores. 

“Acredito que isso está relacionado a pessoas de gerações passadas, que ainda são muito tradicionais. Elas não têm o conhecimento necessário, não conseguem se entender tão bem com os bancos digitais e com os novos produtos disponíveis e preferem a segurança da caderneta de poupança.”

A diferença geracional pode ajudar a entender, por exemplo, como podemos observar um crescimento entre dois grupos muito diferentes, o de “poupanceiros” e de investidores arrojados, no mesmo período. 

O número de contas poupança — cuja idade dos titulares, ainda segundo o Raio X, gira em torno dos 43 anos — com mais de R$ 1 milhão em depósitos avançou 17% nos últimos 12 meses. Enquanto isso, a B3, bolsa de valores brasileira, atingiu a marca de 3,5 milhões de investidores pessoas físicas em março de 2020 com a chegada de pessoas com idade média de 32 anos.

“Vemos também, não só na bolsa, essa turma investindo em criptomoedas, por exemplo, e se aventurando em corretoras internacionais porque se sentem mais confortáveis nesse novo ambiente tecnológico que, para o investidor mais velho, representa um risco adicional”, aponta a estrategista da Órama.

Mas, mesmo para quem não lida muito bem com os adventos da modernidade e sente aquele frio na espinha só de pensar em arriscar seu patrimônio, há outras formas de balancear rentabilidade, liquidez e segurança e deixar a caderneta (e a inflação) para trás.

Primeiros passos

Assim como funciona para quem não chegou nem perto de um forno por anos e agora resolveu se arriscar na cozinha, a estrategista explica que o mais indicado para os futuros ex-poupanceiros é começar com aplicações mais simples e parecidas com a caderneta.

“Hoje nós temos disponíveis produtos para que o investidor conservador dê um passo fora da poupança para aclimatar no novo ambiente até que se sinta confortável para expandir seus horizontes”, diz. Na hora da escolha do produto, o que manda é descobrir em qual das pontas do tripé o investidor está disposto a perder pontos para que a rentabilidade passe a ganhar. 

Para quem topa abrir mão da liquidez, por exemplo, outros títulos de renda fixa que também são garantidos pelo FGC até R$ 250 mil, como os CDBs, podem garantir performances superiores com aplicações um pouco mais longas.

Outros títulos bancários, como as letras de crédito imobiliária (LCI) e do agronegócio (LCA) contam ainda com isenção de imposto de renda, assim como a poupança.

Há ainda a opção dos títulos públicos disponíveis na plataforma do Tesouro Direto. Se algum dos nossos milionários decidisse aplicar o dinheiro em um título que poderá ser resgatado em 2024, por exemplo, o ganho sobre a poupança seria de aproximadamente R$ 51 mil.

Simulação do valor líquido de resgate do Tesouro Selic 2024. Fonte: Tesouro Direto

Para quem pode deixar o dinheiro aplicado por períodos ainda maiores, a diferença entre os dois investimentos saltaria para mais de R$ 292 mil com um título de vencimento em 2030 e pagamento semestral de juros.

Simulação do valor líquido de resgate do Tesouro IPCA+ 2030. Fonte: Tesouro Direto

A desvantagem do Tesouro Direto é que, caso o investidor precise do dinheiro antes do vencimento, terá de vender seus papéis pela taxa daquele momento, o que pode levar a um retorno negativo. É a famosa "marcação a mercado".

Já para quem aceita riscos maiores, os fundos de investimento imobiliário, de renda fixa e multimercados oferecidos por grandes casas de investimentos oferecem a perspectiva de rentabilidades maiores e a gestão profissional dos portfólios.

Diversificar é preciso

Seja qual for a escolha final, uma última lição sobre investimentos também deve estar sempre na mente do investidor: nunca coloque todos os seus ovos em apenas uma cesta. 

Até mesmo a aplicação mais segura do universo está sujeita a certos tipos de risco. Empresas vão à falência, bancos quebram e até mesmo governos podem enfrentar dificuldades para honrar seus compromissos financeiros. A garantia da poupança também só vai até os R$ 250 mil da cobertura do FGC.

“A melhor maneira de enfrentar essas eventualidades é diversificar o patrimônio em várias categorias, porque nunca sabemos exatamente onde a crise pode atingir”, diz Sigrid Guimarães, da Alocc.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Maquininhas internacionais

De malas prontas: presidente da Getnet revela planos para o início das operações na Europa em 2022

A empresa se tornou peça-chave nos planos do espanhol Santander de criar uma plataforma global de pagamentos

Renda variável

Na batalha das corretoras, Rico vai zerar taxa em operações com opções

A medida busca tornar a corretora mais competitiva e reforçar a atuação do grupo no ramo da renda variável

Concursos públicos

De olho nos concurseiros, Yduqs anuncia aquisição da plataforma de EaD Qconcursos

Plataforma de cursos preparatórios para concursos públicos tem 412 mil alunos pagantes e mira mercado potencial de 17 milhões de pessoas; valor da operação não foi divulgado

Mostrando as garras

Dirigente do Fed fala em alta de juros em 2022 e admite postura mais agressiva contra inflação

Em entrevista à CNBC, Bullard disse que o Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC, na sigla em inglês) adotou uma posição mais dura no encontro deste mês

Entrando no pet shop

O plano da BRF: colocar comida na sua mesa e ração no potinho do seu pet

A BRF comprou o grupo Hercosul, produtor e distribuidor de ração para cães e gatos, entrando no mercado pet. Entenda o racional da operação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies