O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2021-12-31T12:21:12-03:00
Carolina Gama
MAIS UMA ONDA

OMS alerta para tsunami de casos de covid-19 no mundo e manda recado ao Brasil; saiba o que a agência falou

Dois anos após primeiras notificações da China, circulação simultânea das variantes Delta e Ômicron provoca disparada global de infecções

29 de dezembro de 2021
18:43 - atualizado às 12:21
Segunda onda coronavírus
Europa registra avanço de nova subvariante do coronavírus. - Imagem: Shutterstock

Dois anos após a China fazer as primeiras notificações sobre uma pneumonia desconhecida, a Organização Mundial de Saúde (OMS) alerta o mundo para um tsunami de casos de covid-19 por conta circulação simultânea das variantes Delta e Ômicron do novo coronavírus.

“Delta e Ômicron são ameaças gêmeas que estão elevando os casos a números recordes, o que, mais uma vez, causa picos nas hospitalizações e mortes”, afirmou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Durante a última coletiva do ano, ele repetiu o apelo para que os países compartilhem vacinas para que a fase mais aguda da pandemia seja superada em 2022. Segundo o chefe da OMS, caso isso não aconteça, há risco de as vacinas perderem sua eficácia contra as variantes

Recado ao Brasil

As autoridades da OMS reconheceram que a situação da pandemia de covid-19 no Brasil está melhor, mas alertaram que o país não está livre de novas ondas de casos

“[A situação no país parece] muito melhor no presente momento, mas a vacinação, especialmente dos vulneráveis, não deve ser deixada para trás”, disse Ghebreyesus.

Ele reforçou ainda a necessidade de o Brasil implementar as conhecidas medidas de saúde pública para conter a disseminação do novo coronavírus no país. 

Já o  diretor do programa de emergências da OMS, Mike Ryan, afirmou que uma onda de casos deve tomar conta do mundo, e o Brasil não está fora disso. 

Segundo ele, essa situação pode agravar a condição do sistema de saúde público. “Se a onda não vier, melhor, mas estejam preparados”, disse Ryan. 

A covid-19 em números

Em seu boletim sobre a semana de 20 a 26 de dezembro, a OMS diz que foram registradas no Brasil mais 997 mortes por covid-19, um aumento de 42% em relação à semana anterior. O número de infecções em nível global subiu 11% no mesmo período. 

Mais de 280 milhões de pessoas foram contaminadas pelo novo coronavírus desde que a pandemia começou, em dezembro de 2019. Desse total, 5,4 milhões pessoas morreram. 

Os Estados Unidos seguem com o maior número acumulado de mortes, com 810 mil. Na sequência aparecem Brasil e Índia, com 618 mil e 480 mil, respectivamente. 

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

NOITE CRIPTO

Não durou muito: bitcoin (BTC) opera em queda e volta a ficar abaixo do nível de US$ 30 mil; veja a performance das outras criptomoedas

O peso da perda de confiança do mercado é um dos pontos que mais afastam o investidor do mercado de criptomoedas atualmente

DISTRIBUINDO MAIS DO QUE COMBUSTÍVEIS

Dividendos e JPC: Vibra Energia (VBBR3) anuncia o pagamento de R$ 131 milhões em proventos; confira prazos

Ao todo, a distribuidora de combustíveis já pagou R$ 663 milhões em dividendos e juros sobre capital próprio no exercício de 2021

CSN (CSNA3) e CSN Mineração (CSNA3) vão recomprar até 164 milhões de ações; veja o que muda para os acionistas

As duas companhias aproveitam o momento descontado na B3 para encerrar os programas atuais e iniciar novas operações com duração de um ano

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Inflação derruba bolsas, Hapvida vai às compras e a varejista que ameaça o Magalu; confira os destaques do dia

Depois de um dia de animação, preocupações com o movimento dos preços e a atividade econômica pelo mundo estragaram o humor dos investidores

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana come margem de grandes empresas e derruba bolsas globais; Ibovespa cai mais de 2% e dólar cola em R$ 5

Com inflação pressionando e China voltando a fechar cidades, o Ibovespa caiu menos que as bolsas em Wall Street, mas ainda assim amargou fortes perdas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies