Menu
2021-03-29T14:55:29-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
balanço 4º trimestre

Oi registra crescimento de receita pelo segundo trimestre seguido

Empresa está em processo de reestruturação das atividades, com alguns resultados começando a aparecer no 4º trimestre

29 de março de 2021
7:29 - atualizado às 14:55
Loja da Oi no Rio de Janeiro
Loja da Oi no Rio de Janeiro - Imagem: Shutterstock

Em recuperação judicial desde 2016, a Oi (OIBR3) conseguiu encerrar o quarto trimestre de 2020 com sinais de melhoras do lado operacional, sendo este o segundo trimestre seguido em que a receita cresceu, além de ter mostrado uma redução de custos e despesas.

Mas os números continuam retratando uma empresa fragilizada, em meio a um processo de reestruturação das atividades, que inclui a venda de ativos.

A Oi informou na madrugada desta segunda-feira (29) que fechou o trimestre com um prejuízo operacional de R$ 96 milhões, menos que a perda de R$ 405 milhões do mesmo período de 2019.

No trimestre, por conta de um crédito tributário diferido no valor de R$ 3,4 bilhões, ela registrou lucro líquido consolidado de R$ 1,8 bilhão, revertendo prejuízo em base anual e trimestral. Ela encerrou 2020 com prejuízo de R$ 10,5 bilhões, alta de 17%.

Recuperação sequencial de receita

A Oi registrou uma receita líquida consolidada de R$ 4,8 bilhões no quarto trimestre, um incremento de 1,5% em relação ao terceiro trimestre e uma redução de 2,8% em relação ao ano anterior. No acumulado de 2020, a receita da Oi recuou 5,5%, para R$ 5,2 bilhões.

Segundo ela, o desempenho no trimestre reflete a estratégia de substituição dos serviços de cobre por fibra no segmento residencial, de migração de clientes pré-pago para pós-pago no segmento de mobilidade pessoal e de maior comercialização de serviços corporativos e atacado na divisão de serviços para negócios.

Mas é preciso levar em conta que a companhia está em fase de transição, com alguns segmentos já tendo sido vendidos, ou em fase de venda. No final do ano passado, a Oi vendeu sua rede de telefonia móvel para um consórcio formado por TIM, Vivo e Claro (o negócio ainda está sendo analisado pelo Cade). E ela negocia a venda de uma participação de 51% na InfraCo, unidade de negócios de fibra ótica, para um fundo gerido pelo BTG Pactual.

Redução de despesa, aumento do Ebitda

Os custos e despesas operacionais consolidados de rotina, incluindo as operações internacionais e que excluem itens não recorrentes, totalizaram R$ 3,3 bilhões no quarto trimestre, um aumento de 1,3% na comparação com o trimestre anterior e queda de 6,1% em relação ao quarto trimestre de 2019.

Segundo a companhia, ela continuou atuando nas frentes de redução de custos e simplificação operacional, eficiência e transformação digital, como parte do plano estratégico de se tornar mais “leve e ágil”, apresentando redução em praticamente todas as linhas na comparação com 2019.

Esta redução de custos e despesas levou o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) a subir 28,4%, para R$ 1,6 bilhão, com a reversão de parte da provisão para baixas contábeis em ativos. Se desconsiderarmos este ponto, o Ebitda recorrente registrou alta de 5,5%, para R$ 1,5 bilhão.

A margem Ebitda recorrente subiu 2,4 pontos percentuais (p.p.) em relação ao quarto trimestre de 2019 e 0,1 p.p. ante o terceiro trimestre de 2020, para 31,2%.

Em 2020, o Ebitda recorrente caiu 3%, para R$ 5,8 bilhões, mas a margem cresceu 1,3 p.p., a 31,1%.

Fluxo de caixa e endividamento

O fluxo de caixa operacional consolidado de rotina, que representa o Ebitda recorrente menos os investimentos, foi negativo em R$ 245 milhões e, nas operações brasileiras, foi negativo em R$ 269 milhões. No acumulado do ano de 2020, o fluxo de caixa consolidado de rotina foi negativo em R$ 1,454 bilhão e, nas operações brasileiras, foi negativo em R$ 1,423 bilhão.

Tanto no trimestre quanto em todo o ano de 2020, o resultado foi negativo por conta principalmente do elevado volume de investimentos no projeto de expansão da rede de fibra ótica, para garantir a execução de seu plano de transformação.

A dívida bruta consolidada da Oi registrou um saldo de R$ 26,3 bilhões no quarto trimestre, uma redução de 2,1% quando comparada com o trimestre anterior e um aumento de 44,6% no ano contra ano.

A redução no trimestre é decorrente, principalmente, da valorização do real em relação ao dólar no período, resultando em receita financeira de variação cambial. No comparativo anual, por sua vez, a elevação foi decorrente, principalmente, da forte desvalorização do real, resultado dos efeitos da pandemia, além das incertezas fiscais e risco político, no front doméstico.

Teve ainda o resultado da acumulação de juros e da amortização do ajuste a valor presente (AVP), que contribuem para o crescimento da dívida a cada período. Tem ainda o efeito da emissão de uma debênture privada no valor aproximado de R$ 2,5 bilhões, conforme previsto no plano de recuperação judicial.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

FECHAMENTO

Mercado olha desconfiado para Orçamento e Ibovespa acompanha queda do exterior; dólar fica estável

Com a agenda de indicadores esvaziada e a véspera de feriado trazendo uma maior cautela ao cenário, os investidores acabaram optando pela cautela

Prioridade na Casa

Câmara aprova requerimento de urgência sobre projeto de privatização dos Correios

A medida permite que a proposta “fure” a fila de votação de projetos e pode agilizar o processo de desestatização

produção em baixa

Netflix decepciona em novos assinantes, mas nega impacto da concorrência

Papéis da empresa negociados na Nasdaq caíam mais de 10% no after market; pandemia impactou em novas produções, com reflexo no balanço da companhia

Desencontro acadêmico perdoado

Eike Batista é absolvido pela CVM em processo sobre ‘inconsistências’ no currículo

A farsa do fundador do Grupo X, que se apresentava com diferentes credenciais para cada uma das empresas, foi descoberta após sua prisão

A maior desde 1994

Com recorde na arrecadação em março, Paulo Guedes fala em recuperação econômica

Os R$ 137,9 bilhões arrecadados no mês animaram o ministro e o levaram a afirmar que o país “se levantou”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies