Menu
2021-01-26T11:29:15-03:00
Rafael Lara
Rafael Lara
Estudante de jornalismo na Faculdade Cásper Líbero de São Paulo. Trabalhou em empresas como: TV Gazeta, Suno Research e Portal iG.
Painel sobre América Latina

Bolsonaro adota tom positivo para reformas e privatizações em evento do Credit Suisse

O painel também conta com o ministro da Economia, Paulo Guedes.

26 de janeiro de 2021
10:19 - atualizado às 11:29
Jair Bolsonaro
Imagem: Carolina Antunes/PR

O presidente Jair Bolsonaro foi o primeiro palestrante no evento do Credit Suisse que discute os investimentos na América Latina. O painel também conta com o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Leia também:

Bolsonaro começou sua fala sinalizando uma recuperação da economia brasileira dizendo que todo o trabalho que está sendo feito para criar uma economia brasileira "mais aberta, eficiente e competitiva está em sintonia com a atração de investimentos estrangeiros diretos, particularmente para projetos prioritários na área de infraestrutura".

"Pretendemos acelerar os leilões de concessões e privatizações, em especial no âmbito do Programa de Parceria de Investimentos, o PPI, que tem uma carteira de projetos estratégicos de longo prazo, baixo risco e com taxas de retorno atraentes e estáveis", disse Bolsonaro.

O PPI, inclusive, foi o que Bolsonaro mais destacou em seu breve discurso, realçando que com o programa "entre 2019 e 2020, concluímos 65 leilões e projetos. Ressalto como exemplos concretos do êxito do PPI: os projetos da ferrovia ferro-grão e da ferrovia de integração oeste-leste", disse.

Sinal positivo para privatizações e reformas

O presidente também deu como será o tom com as despesas da pandemia afirmando que não irá "deixar que medidas temporárias relacionadas com a crise se tornem compromissos permanentes de despesas. Nosso objetivo é passar da recuperação baseada no apoio ao consumo para um crescimento sustentado pelo dinamismo do setor privado."

Além disso, disse que "em 2021, vamos acelerar o calendário de privatizações e dar continuidade às medidas de aperfeiçoamento do ambiente de negócios. Queremos regulamentos mais simples e menos onerosos para destravar o imenso potencial do Brasil e facilitar o trabalho da iniciativa privada."

OCDE e vacinação

A modernização da economia e o aprimoramento das políticas públicas também foram tema do discurso de Bolsonaro, que afirmou que elas "passam pelo aprimoramento das políticas públicas passam pela incorporação das melhores práticas internacionais. Por isso, a nossa ascensão à OCDE permanecerá como meta prioritária da política externa brasileira. Também vamos avançar na tramitação das propostas da reforma fiscal, tributária e administrativa."

Por fim, a fala sobre aquilo que possivelmente é a coisa mais importante no País hoje: a vacina. Bom, de acordo com o presidente: "sempre disse que qualquer vacina uma vez aprovada pela Anvisa, ela seria comprada pelo governo federal. Só no ano passado, assinamos em dezembro uma medida provisória destinando um crédito de R$ 20 bilhões para as vacinações e elas agoram tornam-se uma realidade para nós.

"Já somos o sexto país que mais vacinou no mundo, brevemente estaremos nos primeiros lugares, para darmos conforto à população, segurança a todos e de forma que a nossa economia não deixe de funcionar, concluiu Bolsonaro.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

em busca de energia limpa

Criptomoedas: Elon Musk diz que Tesla vendeu 10% do que detinha em bitcoin

Segundo executivo, operação prova que a criptomoeda poder ser liquidada facilmente “sem mover o mercado”

imunização

Governo de São Paulo adianta em 30 dias vacinação contra a covid-19; veja novas datas

Plano é vacinar toda a população adulta do estado, ao menos com a primeira dose, até o dia 15 de setembro

luto

Ex-presidente do BC Carlos Langoni morre de covid-19 no Rio

Carlos Langoni trabalhou no governo na virada das décadas de 1970 e 1980, quando foi presidente do BC; ele colaborou com a equipe econômica do ministro Paulo Guedes, quase 40 anos depois

nos eua

Nova ‘ação meme’? Orphazyme dispara quase 1400% em um dia e mercado não sabe por quê

Investidores da empresa aguardam uma importante atualização sobre um tratamento experimental para a doença de Niemann-Pick; sem novidades, mercado não sabe a razão da alta

entrevista

Superávit primário pode voltar em 2024, diz secretário do Tesouro

Jeferson Bittencourt diz que a melhora no quadro fiscal do País não é “sorte”; confira a entrevista

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies