🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView

Preste muita atenção aos CPFs — não só aos CNPJs — na hora de investir em bolsa

Executivos competentes, confiáveis e energéticos transformam o negócio em algo completamente diferente, e não destroem valor para o acionista

31 de julho de 2021
7:22 - atualizado às 15:42
Sergio Rial, presidente do banco Santander, na sede do Banco em São Paulo
Sérgio Rial, presidente do Santander Brasil, que deixa o cargo no fim deste ano - Imagem: Murillo Constantino/Seu Dinheiro

Nesta semana, assistimos ao anúncio do Santander Brasil (SANB11) de que seu CEO, Sérgio Rial, será alçado ao posto de chairman (presidente do conselho de administração). Em seu lugar, assume Mario Leão, que liderou o Corporate (área de grandes empresas) nos últimos quatro anos.

Rial acompanha o movimento de nomes como Jeff Bezos, que recentemente saiu do posto de CEO para se tornar chairman da gigante Amazon.

Durante a semana, circulou nos aplicativos de mensagens uma emocionada mensagem de Sérgio, que descreve sua enorme alegria em fazer esse movimento, e em poder reconhecer o trabalho da sua equipe direta, que sobe de posto quase em bloco, junto com ele. Merecido, não só por ele, mas por toda a equipe. Ninguém chega a lugar nenhum sozinho.

Como Rial muito bem coloca em seu texto, o Santander Brasil “abriu lojas quando a maioria fechava, acelerou [a concessão de crédito] quando muitos temiam” e fechou a torneira dos empréstimos quando todos estavam otimistas demais, logo antes da pandemia.

Com isso, o banco abriu uma série de lojas de crédito focadas no produtor rural Brasil afora, se consolidou como o líder em financiamento de veículos, com uma participação de mercado de mais de 25%, e mostrou grande resiliência na receita de serviços, a linha de receita sob intenso ataque das fintechs, por meio da sua bem-sucedida GetNet.

Com efeito, o Santander apresentou um dos maiores retornos totais ao acionista dentre os grandes bancos brasileiros ao longo dos últimos cinco anos. Fruto do trabalho de uma grande equipe, liderada por Rial. Se ele não tivesse uma equipe competente, não teria para onde ir depois de sete anos como CEO — não teria ninguém para substituí-lo.

Não acha incrível que um patinho feio, um “bancão sob ataque das fintechs”, conseguiu performar tão bem ao longo dos últimos anos?

Esse é meu ponto. A importância do fator gente.

Executivos competentes, confiáveis e energéticos transformam o negócio em algo completamente diferente, e não destroem valor para o acionista. Gente boa muda o negócio, muda a estratégia, mas não deixa a peteca cair.

Por outro lado, pessoas que carecem de qualquer um desses três traços — competência, caráter ou energia — são capazes de transformar um excelente negócio em uma destruição de valor para o acionista.

Leia também:

Muito além do cashback

O caso de Méliuz (CASH3), é outro exemplo bem-sucedido do poder das pessoas à frente de uma empresa.

Já gostamos da tese de investimentos desde quando a empresa era majoritariamente de cashback, serviço que fica dentro da vertical “marketplace” da companhia.

À época do seu IPO, a vertical de serviços financeiros era tida pela maioria dos investidores como “opcionalidade” – algo que não colocamos na conta, mas, se executado, traz upside adicional ao case.

Pois bem. A maioria das opcionalidades ou não são executadas nunca, ou são executadas alguns anos depois de prometidas. No caso de Méliuz, entretanto, a companhia já entregou um serviço financeiro novo desde que veio para a bolsa — há menos de um ano — o Méliuz Empréstimos. Mas não parou por aí.

Também fez duas aquisições relevantes nessa vertical nesse meio tempo: o AcessoBank, um banco digital completo, e, ontem, o AlterBank, banco digital especializado na negociação de criptomoedas.

Se os serviços financeiros já eram opcionalidades aos olhos dos investidores, imagine criptoativos. Para mim, não estava nem no radar. E a companhia surpreendeu positivamente.

Quem sabe daqui a pouco o Israel Salmen também não vira chairman? A acompanhar…

Enfim.

Atente-se, sempre, a quem está por trás daquela marca, daquele ticker, daquele negócio. O cérebro, o caráter e a energia são frequentemente mais relevantes que o negócio.

Preste muita atenção aos CPFs – não só aos CNPJs.

Um abraço,
Larissa

Compartilhe

A BOLSA COMO ELA É

Gringos estão de olho no Ibovespa, mas investidor local parece sem apetite pela bolsa brasileira. Qual é a melhor estratégia?

30 de agosto de 2022 - 11:50

É preciso ir contra o consenso para gerar retornos acima da média, mesmo que isso signifique correr o risco de estar errado

A BOLSA COMO ELA É

Volatilidade é vida: Entenda como aproveitar as oportunidades durante as oscilações do mercado de ações

23 de agosto de 2022 - 12:27

Como antes recomendava Warren Buffett, também te convido a gostar da volatilidade. Só há oportunidade de ganho quando o preço descola do fundamento

A BOLSA COMO ELA É

10 mil horas não são suficientes: Entenda os principais erros e acertos da temporada de resultados

9 de agosto de 2022 - 13:00

A safra de resultados atual permite enxergar alguma validade no ambiente. O esmero do analista profissional parece ter algum sentido de ser

A BOLSA COMO ELA É

Se decepcionou com o Nubank e outras fintechs? Saiba como escolher boas ações para ter na carteira

1 de agosto de 2022 - 11:19

Nem tudo o que reluz é ouro. Nos pregões de otimismo, em geral, quanto mais arriscado o ativo, mais ele sobe, mas por vezes essa subida também é injusta

A BOLSA COMO ELA É

Assim como Elon Musk fez com o Twitter, quando você vai dar o braço a torcer?

12 de julho de 2022 - 12:45

É possível ganhar muito dinheiro mesmo errando, desde que reconheça os erros antes que eles causem estrago demais

A BOLSA COMO ELA É

Isso também vai passar: Entenda por que é hora de aproveitar a baixa do mercado para investir em ações da bolsa

5 de julho de 2022 - 12:58

O Ibovespa negocia aos menores múltiplos desde 2008. Portanto, se ainda não começou a investir, este é um ótimo momento para começar

A BOLSA COMO ELA É

Não faça nada sem pensar: Conheça três bons motivos para vender suas ações na bolsa

28 de junho de 2022 - 12:32

As decisões de investimento, sejam de compra ou de venda, devem ser pensadas, conscientes e razoáveis. Faça suas escolhas pelos motivos certos

A BOLSA COMO ELA É

Vale a pena investir em ativos de risco mesmo com a possibilidade cada vez maior de recessão?

21 de junho de 2022 - 12:20

Gastar sola de sapato na busca de empresas vencedoras continuará sendo uma estratégia para maximizar o retorno dentro do universo de ações; entenda a tese

CAÇADOR DE TENDÊNCIAS

Oportunidade de lucro de mais de 9% em swing trade com ações da Weg (WEGE3) e da Metalúrgica Gerdau (GOAU4) – long & short

20 de junho de 2022 - 8:31

Identifiquei uma oportunidade de long & short – compra dos papéis da Metalúrgica Gerdau (GOAU4) e venda dos papéis da Weg (WEGE3); confira a análise

A BOLSA COMO ELA É

Estratégias para lucrar com ações: Confira dicas para escapar dos erros mais comuns dos investidores

14 de junho de 2022 - 13:08

Em primeiro lugar, não copie modelos do passado. Rockefeller, Lemann e Buffett fizeram fortuna com investimentos, mas copiar as estratégias deles hoje dificilmente te faria rico

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies