Menu
Larissa Quaresma
A Bolsa como ela é
Larissa Quaresma
Analista de ações e integrante da equipe do Carteira Empiricus
Dados da Bolsa por TradingView
2021-08-28T07:14:05-03:00
A bolsa como ela é

Por que o Nubank não deveria valer mais que o Itaú

Os números do Nubank não sustentam o valor pretendido no IPO e pretendo te explicar o porquê no “A bolsa como ela é” de hoje

28 de agosto de 2021
7:10 - atualizado às 7:14
Homem segurando um smartphone com o aplicativo do banco na tela e o cartão Nubank na mesa
Cartão e celular com tela do Nubank - Imagem: Shutterstock

O Nubank vem para IPO na Nasdaq com a pretensão de um valuation entre US$ 75 bilhões e US$ 100 bilhões, segundo publicou a imprensa. Esse valor supera o do Itaú, que vale US$ 55 bilhões em bolsa, e está no mesmo patamar de Vale, cujo valor de mercado é de US$ 100 bilhões.

Mas os números da empresa não sustentam isso, e pretendo te explicar o porquê no “A bolsa como ela é” de hoje. (Adianto: não é pela superioridade de Itaú, mas sim pelo exagero em Nubank.)

A Empiricus é de uma época em que não existia capital abundante para startups de países emergentes. No seu ano de fundação pós-crise do subprime de 2008, dar lucro era condição cine qua non para a continuidade do negócio.

Não havia dinheiro sobrando para colocar piscina de bolinha no escritório ou financiar grafites descolados nas paredes do prédio. Criar um modelo de negócio que gerasse caixa era condição de sobrevivência. (Ouça mais detalhes dessa história no maravilhoso episódio #37 do Puro Malte: “Startup com piscina de bolinha”.)

Mas o mundo é diferente agora. Juro real negativo nos países desenvolvidos levou a uma abundância de recursos entrando em ativos de risco na busca de maiores retornos. Startups que só consomem caixa passaram a ser avaliadas pelo seu múltiplo de EV/Receita, pela impossibilidade de calcular a razão EV/EBITDA ou Preço/Lucro quando se tem um denominador negativo.

Nos últimos trimestres, surgiu, ainda, uma nova métrica: EV/Usuário. Porque, agora, não só as queimadoras de receita vêm para a bolsa; mas, também, aquelas que têm muitos usuários, mas geram pouca receita. Onde isso vai parar?

O PicPay queria vir para mercado com um valuation de mil dólares por usuário ativo, o que implicaria um valor de mercado na casa dos US$ 20 bilhões (já descontando a dívida líquida). Diante de um mercado que estava disposto a pagar “apenas” US$ 6 bilhões, a companhia desistiu do IPO.

Agora, o Nubank, com um valor de mercado de US$ 88 bilhões (assumindo o ponto médio da faixa indicada), estaria valendo mais de dois mil dólares por usuário (são 40 milhões de clientes). Os múltiplos não param de crescer.

Mas qual a história que as demonstrações financeiras do Nubank nos contam?

O Nubank teve um produto bancário (soma da receita de crédito mais a receita de serviços, menos o custo de captação do dinheiro dos clientes) de R$ 1,7 bilhão em 2019, e de R$ 2,8 bilhões em 2020 — um robusto crescimento de 60%, há de se reconhecer.

Considerando esses números como a receita da instituição e um valor de mercado que equivale, em reais, a R$ 454 bilhões, o mercado estaria pagando um múltiplo de 162 vezes a receita de 2020, ou, assumindo um crescimento de iguais 60% para o ano atual fechado, 102 vezes a receita de 2021.

Se considerarmos as despesas de inadimplência, o produto bancário líquido de provisões para perdas esperadas foi de R$ 1,0 bilhão em 2019 e de R$ 2,0 bilhões em 2020, implicando uma expansão de 50%.

Descontando todas as despesas da fintech, em que pesem os gastos com processamento de dados (R$ 500 milhões em 2020) e com pessoal (R$ 709 milhões no mesmo ano), o Nubank teve prejuízos líquidos de R$ 313 milhões e de R$ 230 milhões em 2019 e 2020, respectivamente. Como falamos acima, calcular múltiplos de lucro líquido quando este é negativo nos leva a números sem sentido.

Leia também:

Nubank vs outras fintechs

Vamos, então, usar o múltiplo de receita de Nubank, de 102 vezes para 2021, como nossa base de comparação com outras fintechs listadas em bolsa. 

Méliuz, listada na B3, negocia a 21 vezes a receita de 2021. Stone, empresa brasileira listada na NYSE, 15 vezes. A Robinhood, plataforma de investimentos americana que é um fenômeno entre os millenials, 19 vezes.

Finalmente, o Tinkoff, banco digital russo que é o grande benchmark para Nubank, fez sua última rodada de investimentos a um valuation de US$ 6,3 bilhões, o que significaria um múltiplo de 2 vezes a receita de 2021 (aqui assumindo um crescimento de 30% sobre a receita de 2020). 

Como se pode ver, nada chega nem perto do múltiplo de aproximadamente 100 vezes almejado por Nubank.

Não estou dizendo que o mercado não vai pagar. Somente na precificação da oferta é que saberemos qual o apetite do mercado para uma promessa de geração de caixa no futuro. 

A esses preços, eu não pagaria para ver.

Um abraço,

Larissa

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

MERCADOS HOJE

Evergrande injeta temor no mercado global e bolsas têm dia de fortes perdas; Ibovespa fecha no menor nível desde novembro

Temor de que os problemas da incorporadora chinesa gerem uma reação em cadeia no mercado global afundou as bolsas nesta segunda-feira (20)

Ruído político

Congresso não participou de debate sobre aumento no IOF, revela presidente da Câmara

Arthur Lira também declarou que quer avançar com a reforma administrativa e uma solução para a questão dos precatórios ainda nesta semana

Na onda do minério

Mercado Livre (MELI34) ultrapassa Vale (VALE3) e se torna a empresa mais valiosa da América Latina

A gigante de comércio eletrônico argentina conquistou o posto após a mineradora brasileira perder R$ 43,6 bilhões em valor de mercado na última semana

Vídeos

Investir em IPOs vale a pena? Saiba as causas dessa febre do mercado

O ano de 2021 está mostrando a força do setor dos IPOs. São diversas empresas que abriram seu capital e fizeram sua oferta primária. Matheus Spiess, analista da Empiricus, explica neste vídeo sobre este cenário. Confira

desaceleração a caminho

Renda fixa: Por que a Evergrande derruba o Ibovespa, mas alivia o mercado de juros

Desempenho é oposto ao que se poderia esperar quando há pânico no mercado, diz especialista; contratos DIs para janeiro de 2022 caem de 7,09% para 7,08%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies