🔴 5 MOEDAS PARA MULTIPLICAR SEU INVESTIMENTO EM ATÉ 400X – VEJA COMO ACESSAR LISTA

Por que o Nubank não deveria valer mais que o Itaú

Os números do Nubank não sustentam o valor pretendido no IPO e pretendo te explicar o porquê no “A bolsa como ela é” de hoje

28 de agosto de 2021
7:10 - atualizado às 7:14
Homem segurando um smartphone com o aplicativo do banco na tela e o cartão Nubank (NU/NUBR33) na mesa
Imagem: Shutterstock

O Nubank vem para IPO na Nasdaq com a pretensão de um valuation entre US$ 75 bilhões e US$ 100 bilhões, segundo publicou a imprensa. Esse valor supera o do Itaú, que vale US$ 55 bilhões em bolsa, e está no mesmo patamar de Vale, cujo valor de mercado é de US$ 100 bilhões.

Mas os números da empresa não sustentam isso, e pretendo te explicar o porquê no “A bolsa como ela é” de hoje. (Adianto: não é pela superioridade de Itaú, mas sim pelo exagero em Nubank.)

A Empiricus é de uma época em que não existia capital abundante para startups de países emergentes. No seu ano de fundação pós-crise do subprime de 2008, dar lucro era condição cine qua non para a continuidade do negócio.

Não havia dinheiro sobrando para colocar piscina de bolinha no escritório ou financiar grafites descolados nas paredes do prédio. Criar um modelo de negócio que gerasse caixa era condição de sobrevivência. (Ouça mais detalhes dessa história no maravilhoso episódio #37 do Puro Malte: “Startup com piscina de bolinha”.)

Mas o mundo é diferente agora. Juro real negativo nos países desenvolvidos levou a uma abundância de recursos entrando em ativos de risco na busca de maiores retornos. Startups que só consomem caixa passaram a ser avaliadas pelo seu múltiplo de EV/Receita, pela impossibilidade de calcular a razão EV/EBITDA ou Preço/Lucro quando se tem um denominador negativo.

Nos últimos trimestres, surgiu, ainda, uma nova métrica: EV/Usuário. Porque, agora, não só as queimadoras de receita vêm para a bolsa; mas, também, aquelas que têm muitos usuários, mas geram pouca receita. Onde isso vai parar?

O PicPay queria vir para mercado com um valuation de mil dólares por usuário ativo, o que implicaria um valor de mercado na casa dos US$ 20 bilhões (já descontando a dívida líquida). Diante de um mercado que estava disposto a pagar “apenas” US$ 6 bilhões, a companhia desistiu do IPO.

Agora, o Nubank, com um valor de mercado de US$ 88 bilhões (assumindo o ponto médio da faixa indicada), estaria valendo mais de dois mil dólares por usuário (são 40 milhões de clientes). Os múltiplos não param de crescer.

Mas qual a história que as demonstrações financeiras do Nubank nos contam?

O Nubank teve um produto bancário (soma da receita de crédito mais a receita de serviços, menos o custo de captação do dinheiro dos clientes) de R$ 1,7 bilhão em 2019, e de R$ 2,8 bilhões em 2020 — um robusto crescimento de 60%, há de se reconhecer.

Considerando esses números como a receita da instituição e um valor de mercado que equivale, em reais, a R$ 454 bilhões, o mercado estaria pagando um múltiplo de 162 vezes a receita de 2020, ou, assumindo um crescimento de iguais 60% para o ano atual fechado, 102 vezes a receita de 2021.

Se considerarmos as despesas de inadimplência, o produto bancário líquido de provisões para perdas esperadas foi de R$ 1,0 bilhão em 2019 e de R$ 2,0 bilhões em 2020, implicando uma expansão de 50%.

Descontando todas as despesas da fintech, em que pesem os gastos com processamento de dados (R$ 500 milhões em 2020) e com pessoal (R$ 709 milhões no mesmo ano), o Nubank teve prejuízos líquidos de R$ 313 milhões e de R$ 230 milhões em 2019 e 2020, respectivamente. Como falamos acima, calcular múltiplos de lucro líquido quando este é negativo nos leva a números sem sentido.

Leia também:

Nubank vs outras fintechs

Vamos, então, usar o múltiplo de receita de Nubank, de 102 vezes para 2021, como nossa base de comparação com outras fintechs listadas em bolsa. 

Méliuz, listada na B3, negocia a 21 vezes a receita de 2021. Stone, empresa brasileira listada na NYSE, 15 vezes. A Robinhood, plataforma de investimentos americana que é um fenômeno entre os millenials, 19 vezes.

Finalmente, o Tinkoff, banco digital russo que é o grande benchmark para Nubank, fez sua última rodada de investimentos a um valuation de US$ 6,3 bilhões, o que significaria um múltiplo de 2 vezes a receita de 2021 (aqui assumindo um crescimento de 30% sobre a receita de 2020). 

Como se pode ver, nada chega nem perto do múltiplo de aproximadamente 100 vezes almejado por Nubank.

Não estou dizendo que o mercado não vai pagar. Somente na precificação da oferta é que saberemos qual o apetite do mercado para uma promessa de geração de caixa no futuro. 

A esses preços, eu não pagaria para ver.

Um abraço,

Larissa

Compartilhe

A BOLSA COMO ELA É

Gringos estão de olho no Ibovespa, mas investidor local parece sem apetite pela bolsa brasileira. Qual é a melhor estratégia?

30 de agosto de 2022 - 11:50

É preciso ir contra o consenso para gerar retornos acima da média, mesmo que isso signifique correr o risco de estar errado

A BOLSA COMO ELA É

Volatilidade é vida: Entenda como aproveitar as oportunidades durante as oscilações do mercado de ações

23 de agosto de 2022 - 12:27

Como antes recomendava Warren Buffett, também te convido a gostar da volatilidade. Só há oportunidade de ganho quando o preço descola do fundamento

A BOLSA COMO ELA É

10 mil horas não são suficientes: Entenda os principais erros e acertos da temporada de resultados

9 de agosto de 2022 - 13:00

A safra de resultados atual permite enxergar alguma validade no ambiente. O esmero do analista profissional parece ter algum sentido de ser

A BOLSA COMO ELA É

Se decepcionou com o Nubank e outras fintechs? Saiba como escolher boas ações para ter na carteira

1 de agosto de 2022 - 11:19

Nem tudo o que reluz é ouro. Nos pregões de otimismo, em geral, quanto mais arriscado o ativo, mais ele sobe, mas por vezes essa subida também é injusta

A BOLSA COMO ELA É

Assim como Elon Musk fez com o Twitter, quando você vai dar o braço a torcer?

12 de julho de 2022 - 12:45

É possível ganhar muito dinheiro mesmo errando, desde que reconheça os erros antes que eles causem estrago demais

A BOLSA COMO ELA É

Isso também vai passar: Entenda por que é hora de aproveitar a baixa do mercado para investir em ações da bolsa

5 de julho de 2022 - 12:58

O Ibovespa negocia aos menores múltiplos desde 2008. Portanto, se ainda não começou a investir, este é um ótimo momento para começar

A BOLSA COMO ELA É

Não faça nada sem pensar: Conheça três bons motivos para vender suas ações na bolsa

28 de junho de 2022 - 12:32

As decisões de investimento, sejam de compra ou de venda, devem ser pensadas, conscientes e razoáveis. Faça suas escolhas pelos motivos certos

A BOLSA COMO ELA É

Vale a pena investir em ativos de risco mesmo com a possibilidade cada vez maior de recessão?

21 de junho de 2022 - 12:20

Gastar sola de sapato na busca de empresas vencedoras continuará sendo uma estratégia para maximizar o retorno dentro do universo de ações; entenda a tese

CAÇADOR DE TENDÊNCIAS

Oportunidade de lucro de mais de 9% em swing trade com ações da Weg (WEGE3) e da Metalúrgica Gerdau (GOAU4) – long & short

20 de junho de 2022 - 8:31

Identifiquei uma oportunidade de long & short – compra dos papéis da Metalúrgica Gerdau (GOAU4) e venda dos papéis da Weg (WEGE3); confira a análise

A BOLSA COMO ELA É

Estratégias para lucrar com ações: Confira dicas para escapar dos erros mais comuns dos investidores

14 de junho de 2022 - 13:08

Em primeiro lugar, não copie modelos do passado. Rockefeller, Lemann e Buffett fizeram fortuna com investimentos, mas copiar as estratégias deles hoje dificilmente te faria rico

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar