Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-11-13T14:57:22-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
De olho nos dados

Inflação, varejo, serviços e empresas: Entenda a última semana — e como se prevenir para as próximas — em 5 gráficos

Os analistas projetam queda no PIB, aumento de inflação, juros e piora no desempenho dos setores de varejo e serviços

13 de novembro de 2021
14:24 - atualizado às 14:57
ações gráficos empresários bolsa
5 gráficos pra entender a semana - Imagem: Shutterstock

A aprovação da PEC dos precatórios esta semana conseguiu aliviar um dos pontos de maior tensão dos mercados nos últimos meses, o que fez os investidores voltarem suas atenções para os indicadores econômicos e balanços das empresas. 

A degradação do cenário doméstico é um dos pontos principais que os analistas destacam para recalibrar as projeções para a economia nacional. O PIB não deve crescer tanto quanto o esperado, enquanto a inflação e os juros continuam em trajetória de alta. 

Confira abaixo os cinco gráficos que movimentaram essa semana:

Inflação de outubro

Fonte: IBGE

Na última quarta-feira (10), o IBGE divulgou o IPCA de outubro, que avançou 1,25%, frente às projeções de alta de 1,06% na mediana das projeções dos analistas ouvidos pelo Broadcast. Em setembro, o índice avançou 1,16%.

Com isso, o índice de preços acumula alta de 10,67% nos últimos 12 meses, contra 10,46% das projeções. O IPCA avança 8,24% em 2021.

Entre os múltiplos fatores que influenciam a alta da inflação estão o avanço dos preços dos combustíveis e da conta de luz. Além disso, a economia sofre com a alta do dólar, tendo em vista que uma série de produtos básicos estão atrelados à moeda norte-americana. 

O indicador está acima do teto da meta do Banco Central para 2021, de 5,25%, o que deve fazer a autoridade monetária acelerar o aumento da Selic. Por sua vez, a curva de juros segue pressionada. 

Vendas no varejo em setembro

Fonte: IBGE

No dia seguinte da divulgação dos dados inflacionários, outro número também decepcionou o mercado. 

O varejo ampliado recuou 1,1% em setembro, enquanto a mediana das expectativas apontavam para uma manutenção em 0%. O varejo restrito, por sua vez, recuou 1,3%, muito acima da mediana das projeções de queda de 0,6%, de acordo com especialistas ouvidos pelo Broadcast.

O aumento da inflação afetou diretamente o resultado do setor, que projeta uma Black Friday morna para este ano

Apesar da transformação digital e do e-commerce ter chegado a 21% das vendas do varejo, o comércio é afetado pelo crédito mais caro e pela inflação, que afasta tem afastado os consumidores e dificultado por uma retomada com maior tração.

Serviços em setembro

Fonte: IBGE

Com o varejo abaixo do esperado, os analistas ficaram de olho no dado do setor de serviços da última sexta-feira (12).

Em tese, uma migração do varejo para o setor de serviços indicaria uma mudança no padrão de consumo do brasileiro durante a retomada econômica, o que seria refletido em números mais robustos do setor. 

Entretanto, de acordo com o IBGE, o volume de serviços caiu 0,6% em setembro em relação a agosto, na contramão da mediana das projeções apontava para um avanço de 0,5% das atividades.

Magazine Luiza (MGLU3)

Fonte: Broadcast

Saindo do campo dos indicadores, a temporada de balanços segue a todo vapor, com dados do terceiro trimestre das empresas mexendo com os negócios.

Com o cenário doméstico fraco, a queridinha do varejo na B3, Magazine Luiza (MGLU3) teve uma queda de 18,32% só no pregão da última sexta-feira (12). No mês, a queda é de 23,10% e, no ano, mais de 55% de recuo. 

Mesmo com o e-commerce a todo vapor, a empresa pena em fazer as lojas físicas acompanharem o desempenho do restante da “Amazon brasileira”, o que refletiu diretamente no balanço do terceiro trimestre.

Via (VIIA3) na semana

Fonte: Broadcast

Outro balanço que também decepcionou os investidores foi o da Via (VIIA3). Receita, Ebitda e lucro ficaram bem abaixo das projeções dos analistas; além disso, a empresa aumentou em R$ 1,2 bilhão o saldo de provisões relacionadas a processos trabalhistas — um efeito que, embora não recorrente, não estava no radar e caiu mal no mercado.

A empresa — que tinha promessas de ser a próxima MagaLu — conseguiu subir 0,65% no pregão da sexta-feira, mas o saldo é negativo na semana (queda de 14,81%), no mês (24,36%) e no ano (65,21%).

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

BC aumenta a Selic, Nubank conclui IPO e mercado reage bem à PEC dos precatórios; veja o que marcou esta quarta-feira

Conforme esperado pelos economistas após dados recentes mais fracos da atividade econômica brasileira, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu elevar a taxa básica de juros em 1,5 ponto percentual, a 9,25% ao ano, em sua última reunião do ano. Se em muitos momentos ao longo de 2021 o mercado acionário reagiu ao […]

2022 MAIS GORDO

Dividendos e JCP: Copel (CPLE6) engrossa a lista de pagamentos milionários aos acionistas; não fique fora dessa

Data da remuneração ainda não foi definida pela empresa, mas valerá para aqueles com posição até 30 de dezembro deste ano

FECHAMENTO DO DIA

Investidores tentam equilibrar noticiário e Ibovespa emplaca mais um dia de alta; dólar tem queda firme com ômicron no radar

Com o avanço da PEC dos precatórios, a pandemia se torna um dos únicos gatilhos negativos a rondar o Ibovespa

DOBRANDO A ESQUINA

Lucro das empresas com ações na bolsa deve cair 6,3% em 2022, diz BTG Pactual

Mesmo assim ainda é possível encontrar setores em que o cenário é positivo; saiba quem é quem

Bateu o martelo

IPO do Nubank sai no topo da faixa indicativa, a US$ 9 por ação; banco ultrapassa Itaú (ITUB4) e é a instituição financeira mais valiosa da América Latina

Com isso, os BDRs, que serão negociados por aqui a partir da próxima quinta-feira (09), saem valendo R$ 8,38

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies