Menu
2021-01-18T19:14:16-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Fechamento

Vacina empolga, mas incertezas ainda são muitas e limitam os ganhos do Ibovespa; dólar fica estável

Embora o início da vacinação tenha criado um princípio de euforia, as incertezas ainda são muitas e nublam o cenário

18 de janeiro de 2021
18:54 - atualizado às 19:14
Vacinação
Imagem do primeiro dia de vacinação no Estado de São Paulo - Imagem: Flickr do Governo de SP

Pode soltar o grito de gol da garganta. O Brasil está oficialmente no mapa dos países que começaram a vacinar a sua população contra a covid-19 e dá o primeiro passo para garantir que a vida um dia volte ao normal.

O caminho até aqui não foi fácil e pelo jeito ainda temos uma estrada e tanto para percorrer, mas sempre é preciso começar de algum lugar…

Por agora, é o suficiente. O mercado financeiro recebe a aprovação das vacinas de braços abertos, com uma visão de que o início da vacinação fecha as portas para que o país aprove novos estímulos fiscais e abafe até mesmo uma discussão sobre uma nova rodada do auxílio emergencial. 

É bem verdade que o Ibovespa fechou o dia longe das máximas — quando subiu 1,86%, aos 122.585,82 —, e a cautela predominou durante a tarde, mas ainda assim o dia foi de ganhos de 0,74%, aos 121.241,63.

Depois de ganhar força no decorrer da manhã, o índice começou a ter menos fôlego. Além de pesar algumas incertezas sobre a logística da campanha de vacinação no país, a perda de ímpeto também tem uma pressão técnica. É o que aponta a economista-chefe da Veedha Investimentos, Camila Abdelmalack, que lembra que pela manhã tivemos vencimento de opções sobre as ações da bolsa, o que pode ter deflagrado um ajuste no meio da tarde. 

O dólar também teve um dia de volatilidade. A moeda americana chegou a cair 1,28%, a R$ 5,2365, mas fechou o dia perto da estabilidade, com alta de 0,01%. As incertezas contribuíram para esse movimento, mas a divisa acabou tendo um comportamento em linha do que se viu no mercado internacional. 

O alívio com a vacinação também recaiu sobre o mercado de juros, que seguiu uma trajetória de realização dos lucros recentes. Sem Wall Street, que ficou fechada em celebração ao feriado do Dia de Martin Luther King, a liquidez global foi comprometida, o que favoreceu esse movimento de ajuste. 

O mercado também acompanha de perto a movimentação em torno da eleição do próximo presidente da Câmara — a disputa está entre Baleia Rossi e Arthur Lira e os dois reforçaram o compromisso com o teto de gastos ao longo do último fim de semana. A disputa para as duas cadeiras deve movimentar de forma mais expressiva o mercado nas próximas semanas, segundo Abdelmalack. Confira as taxas de fechamento dos juros futuros:

  • Janeiro/2022: de 3,345% para 3,26%
  • Janeiro/2023: de 5,035% para 4,99%
  • Janeiro/2025: de 6,63% para 6,47%
  • Janeiro/2027: de 7,11% para 7,10% 

Com a pulga atrás da orelha

Embora o início da vacinação tenha aliviado os mercados nesta segunda-feira, nem tudo são flores. Ainda temos um cenário complicado, com uma série de incertezas que devem ser recorrentes no noticiário dos próximos dias.

Em primeiro plano temos o embate público entre o presidente Jair Bolsonaro e o governador do estado de São Paulo, João Doria.  Logo pela manhã o presidente quebrou o silêncio sobre a aprovação para uso emergencial das vacinas e seguiu defendendo o “tratamento precoce” com medicamentos que não possuem comprovação científica, voltou a questionar a eficácia da CoronaVac, indo na contramão do que disseram os técnicos da Anvisa, e disse que a “vacina é do Brasil” e não de um governador só. 

Além das rusgas que geram um desgaste político, o plano do governo federal para a vacinação em massa ainda é uma grande incógnita. Não existem informações sobre cronograma e ainda não se sabe o quão eficiente (e rápida) a logística de distribuição pode ser. 

O início da campanha de vacinação do governo federal foi adiantada após o estado de São Paulo vacinar a primeira pessoa no domingo mesmo, mas começou com atrasos e erros de logística.

Em evento simbólico hoje pela manhã, o ministro da saúde, Eduardo Pazuello, e governadores de diversos estados fizeram um acordo para que a imunização começasse às 17 horas desta segunda-feira. Mas não foi possível cumprir o prazo, já que os aviões que levavam a carga atrasaram e tiveram problemas no embarque. Muitos estados que já deveriam ter recebido as doses ainda aguardam informações sobre o carregamento. 

Lucas Carvalho, analista de Toro Investimentos, acredita que essa será a tônica dos próximos dias e o mercado deve testar a capacidade do governo federal em prover uma vacinação em larga escala.

Por ora, a vacina em mãos foi suficiente para que os investidores voltassem a apostar naqueles segmentos que normalmente são colocados como os grandes perdedores da crise do coronavírus. É o caso das empresas ligadas ao consumo, varejo físico e farmacêutico e companhias aéreas, que tiveram um bom desempenho na sessão de hoje.

Alívio que vem da China

Além do otimismo com as vacinas, o dia foi muito positivo também para o setor de commodities. E o gatilho para isso veio da China.

Mesmo em um ano conturbado como 2020, a China teve um desempenho positivo da sua economia — o único entre as grandes economias. 

O gigante asiático cresceu 2,3% em 2020, acima do que os analistas estavam projetando. Nos últimos três meses do ano a alta foi de 6,5% ante o mesmo período do ano anterior. A China foi o primeiro país a ser afetado pelo coronavírus e conseguiu conter a situação enquanto o restante do mundo ainda aprendia como lidar com o vírus.

Com o bom desempenho da economia chinesa, as empresas produtoras de commodities saem ganhando. O país é grande consumidor de matéria-prima e uma recuperação econômica mais rápida do que o esperado pode indicar um aumento da demanda para essas empresas.

Apoiadas nessas expectativas, empresas de peso como CSN (+1,98%), Vale (0,81%) e Gerdau (1,42%), tiveram altas consideráveis na sessão de hoje, também apoiadas na alta do preço do minério.

O resultado surpreendente da economia chinesa também embalou os negócios na Europa. Depois de uma sessão em que predominou um viés negativo — de olho no avanço do número de casos da covid-19 e o desdobramento das novas cepas identificadas no continente — a maior parte das bolsas da região fechou em alta. 

Monitorando a economia

Logo pela manhã, os investidores digeriram os dados do IBC-Br, ‘prévia do PIB do BC’, que mostrou sinais de desaceleração, mas veio acima do projetado pelos analistas.

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) apresentou crescimento de 0,59% em novembro, na comparação com o mês anterior, quando cresceu 0,75%, dado que foi revisado para baixo.

Sobe e desce

Depois de um recuo recente, as ações da Weg (WEGE3) dispararam mais de 6% nesta segunda-feira e chegaram a romper a máxima histórica da companhia, ao chegar aos R$ 92.

“Com um cenário de feriado nos EUA, rusgas e vencimento de opções, os investidores acabam buscando aqueles ativos considerados mais resilientes”, destaca Márcio Lórega, analista técnico da Ativa Investimentos. Ao comentar a nova máxima histórica da companhia, o analista também destacou que a Weg tem potencial para mais. 

Entre as maiores altas do dia também estão o BTG Pactual, que anunciou na semana passada que fará uma oferta de ações que pode movimentar R$ 2,353 bilhões, e a Hapvida, que ainda surfa o efeito da sua proposta de fusão com a Intermédica. 

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
WEGE3Weg ONR$ 92,21 7,02%
NTCO3Natura ONR$ 51,94 5,16%
BPAC11BTG Pactual unitsR$ 92,27 3,97%
GNDI3Intermédica ONR$ 99,00 3,66%
HAPV3Hapvida ONR$ 17,93 3,64%

Confira também as maiores quedas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
EQTL3Equatorial ONR$ 22,86-2,14%
PRIO3PetroRio ONR$ 72,84-1,94%
SBSP3Sabesp ONR$ 41,80-1,79%
BRFS3BRF ONR$ 20,39-1,78%
CMIG4Cemig PNR$ 14,43-1,64%
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

reta final de negociações

Senado americano aprova “pacote Biden” de US$ 1,9 trilhão

Agora, o pacote voltará para a Câmara dos Representantes, que analisará as alterações feitas no texto pelos senadores. Se for aprovado, o projeto será enviado à Casa Branca para a sanção do presidente

entrevista

‘Episódio Petrobras deu um susto grande nos investidores’, diz economista do Itaú

O economista-chefe do Itaú Unibanco, Mario Mesquita, diz também estar preocupado com as incertezas políticas, que ameaçam o crescimento do PIB

Dificuldades À vista?

Deputados falam em reduzir medidas de ajuste fiscal do texto da PEC do auxílio

Embora defenda celeridade na análise da proposta, Albuquerque admite que o texto pode ser enxugado

escolha da CEO

Investir no Brasil: se correr o bicho pega, se ficar o bicho come

Confira uma seleção de matérias feita pela CEO do Seu Dinheiro, Marina Gazzoni

Efeitos da pandemia

PEC do auxílio aprovada no Senado prevê abater R$ 100 bi da dívida pública

Pelos cálculos do governo, a necessidade de financiamento da dívida pública federal (DPF) neste ano é de R$ 1,469 trilhão, valor que aumentou por causa do maior volume de títulos de curto prazo que o governo precisou emitir para conseguir captar recursos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies