Menu
2021-05-13T07:54:53-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Dragão na área

Inflação nos EUA coloca Fed contra a parede e mantém mercado na defesa

Alívio pode vir de resultados trimestrais e expectativa com balanço da Petrobras

13 de maio de 2021
7:43 - atualizado às 7:54
Escudo dragão
Imagem: Shutterstock

Nem sempre é bom estar certo. A gente avisou aqui ontem sobre o potencial de danos dos dados de inflação ao consumidor norte-americano em abril caso eles viessem muito fora da curva. Pois eles não apenas mostraram uma forte aceleração como vieram bem mais fortes que o esperado.

A reação dos investidores foi fechar na retranca e minimizar os danos. O dólar, que vinha caindo em relação ao real nas últimas semanas, voltou à faixa dos R$ 5,30 depois de subir 1,57%. Já o Ibovespa, que tanto patinou para retornar à faixa dos 120 mil pontos e almejar novos recordes históricos, recuou 2,65% e fechou em 119.710 pontos.

Tendência ou pressão

A aceleração da inflação nos EUA ocorre em um momento no qual investidores e analistas de mercado estão em busca de sinais de superaquecimento na economia norte-americana. A intenção deles é tentar antecipar quando o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) começará a reverter sua política de juro básico perto de zero, bem como seu programa de compra de ativos.

A autoridade monetária norte-americana mantém a posição baseada na insistência – há quem chame de teimosia – de seus diretores no argumento de que a pressão inflacionária é um fenômeno transitório. As atenções se voltam para o Fed justamente pelo fato de autoridade monetária norte-americana ter liderado a reação à pandemia. Presume-se agora que outros importantes bancos centrais aguardarão sinalizações do Fed antes de agir.

Como o nível da inflação é um dos principais parâmetros do Fed para pautar suas ações de política monetária, a reação dos investidores aos dados de inflação nos EUA é compreensível, já que, se não fosse a colossal liquidez injetada pelos bancos centrais logo aos primeiros impactos da pandemia, o rali observado desde então nos mercados financeiros nem teria ocorrido.

E como notícia ruim raramente vem sozinha, é bom ficar de olho no PPI, o índice preços ao produtor nos EUA. Talvez ajude a saber se uma mudança de tendência já está em andamento ou se o mercado está apenas tentando pressionar o Fed a manter o alívio monetário custe o que custar. Seja como for, o cenário externo não é nada alentador.

Pesquisa, CPI e balanços

No cenário local, a situação não traz alívio. Enquanto os investidores olham de soslaio para a pesquisa Datafolha indicando o pior momento da resiliente aprovação ao presidente Jair Bolsonaro desde o início do mandato – além de uma derrota por 55% x 32% para o ex-presidente Lula se um segundo turno fosse disputado hoje –, a CPI da Pandemia ouvirá hoje o ex-CEO da Pfizer, Carlos Murillo, em busca de detalhes sobre a recusa do governo à compra de vacinas contra a covid-19.

Na véspera, o ex-secretário de Comunicação do Palácio do Planalto, Fabio Wajngarten, só não saiu preso da audiência com os senadores porque o presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito, Omar Aziz (PSD-AM), alivou para ele.

Além disso, o Supremo Tribunal Federal (STF) retomará na parte da tarde o julgamento do ICMS e PIS/Cofins.

Diante de tanta imprevisibilidade, enquanto o IBC-Br talvez permita ajustes às projeções para o PIB brasileiro em 2021, alguma esperança pontual pode vir dos resultados trimestrais divulgados entre ontem e hoje - ViaVarejo, Suzano, Eletrobras, Equatorial Energia, MRV, Eneva, Locaweb, BRF, Natura e Hapvida - e aqueles previstos para mais.

Para depois do fechamento, o balanço mais esperado do dia certamente é o da Petrobras, mas não é o único. Além da companhia estatal de petróleo, divulgam resultados hoje Bradespar, BR Malls, CCR, Cyrela, EcoRodovias, IRB Brasil, Light, Magalu e Sabesp.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Maquininhas internacionais

De malas prontas: presidente da Getnet revela planos para o início das operações na Europa em 2022

A empresa se tornou peça-chave nos planos do espanhol Santander de criar uma plataforma global de pagamentos

Renda variável

Na batalha das corretoras, Rico vai zerar taxa em operações com opções

A medida busca tornar a corretora mais competitiva e reforçar a atuação do grupo no ramo da renda variável

Concursos públicos

De olho nos concurseiros, Yduqs anuncia aquisição da plataforma de EaD Qconcursos

Plataforma de cursos preparatórios para concursos públicos tem 412 mil alunos pagantes e mira mercado potencial de 17 milhões de pessoas; valor da operação não foi divulgado

Mostrando as garras

Dirigente do Fed fala em alta de juros em 2022 e admite postura mais agressiva contra inflação

Em entrevista à CNBC, Bullard disse que o Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC, na sigla em inglês) adotou uma posição mais dura no encontro deste mês

Entrando no pet shop

O plano da BRF: colocar comida na sua mesa e ração no potinho do seu pet

A BRF comprou o grupo Hercosul, produtor e distribuidor de ração para cães e gatos, entrando no mercado pet. Entenda o racional da operação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies