Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-08-04T19:49:42-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa não escapa do risco fiscal e da tensão pré-Copom e recua mais de 1%; dólar fecha em leve queda

Em mais um dia de grande volatilidade, o Ibovespa não conseguiu escapar do impacto do recuo das ações da Petrobras. Já o dólar tentou escapar dos temores fiscais e recuou

4 de agosto de 2021
18:54 - atualizado às 19:49
negócios dúvidas apreensão
Imagem: Shuttertstock

Há semanas o mercado financeiro já trabalha com a hipótese de uma alta de 1 ponto percentual para a Selic, mas isso não impediu que o pregão pré-Copom desta quarta-feira (04) fosse marcado pela cautela. E o Ibovespa que o diga.

Receios sobre o ritmo de crescimento da economia americana levaram aversão ao risco às bolsas em Wall Street, o que respingou na B3, onde os investidores já estavam de cabelo em pé com o clima político em Brasília e a preocupação com o teto de gastos.

O resultado foi mais uma sessão de intensa volatilidade e sem uma direção definida. O câmbio e os juros futuros até fecharam o dia mais comportados, mas o Ibovespa não escapou da queda de 1,44%, aos 121.801 pontos. A Petrobras, que acompanhou a queda do petróleo WTI, e as ações do Bradesco, com a reação negativa do mercado ao balanço, foram os principais responsáveis pelo recuo.

Tão importante quanto o novo nível da Selic deve ser o tom utilizado pelos dirigentes do Banco Central, já que a última edição do Boletim Focus mostra que as projeções para o ano que vem começam a comprometer a meta. 

Pesando a expectativa de um aumento da Selic, dados mistos da economia americana e as dúvidas com relação aos passos do governo federal, o dólar à vista chegou a subir mais de 1% na máxima, mas encerrou o dia em leve queda de 0,13%, aos R$ 5,1858.

Com as apostas de alta de no mínimo 0,75 ponto percentual já feitas, o mercado de juros se ajustou de forma marginal, refletindo principalmente a piora do cenário fiscal. Confira:

  • Janeiro/22: de 6,36% para 6,37%
  • Janeiro/23: de 7,88% para 7,93%
  • Janeiro/25: de 8,77% para 8,82%
  • Janeiro/27: de 9,11% para 9,11%

De onde vem o vento?

O clima nos corredores do Congresso não é dos melhores. Os parlamentares voltaram do recesso e, com eles, voltaram também os debates envolvendo a reforma tributária. Além disso, as contas públicas geram preocupação, com o governo buscando soluções para honrar a dívida de quase R$ 90 bilhões em precatórios, incluídos no Orçamento de 2022. 

Embora o presidente da Câmara, Arthur Lira, já tenha expressado contrariedade à possibilidade de que o teto de gastos seja furado, as negociações em torno do novo Bolsa Família seguem em alta. 

Para Leonardo Milane, sócio e economista da VLG Investimentos, a volatilidade do câmbio é explicada pela tensão em torno do pagamento dos precatórios para abrir espaço para a reformulação do Bolsa Família com um valor acima do que era esperado pelo mercado. 

“O governo está prometendo usar 60% do fundo de privatização para pagar dívida. E aí, essa é uma leitura positiva. A leitura negativa é que os outros 40%, o governo vai usar para pagar precatório e para aumentar o Bolsa Família, que seriam linhas de despesa que furariam o teto se fossem feitas de uma outra maneira”. 

Números nebulosos

Os dias passam, mas o temor do mercado financeiro com relação aos próximos passos do Federal Reserve persiste. Com os indicadores macroeconômicos sem mostrar uma tendência clara de direção, a especulação é constante. 

Dados mistos são comuns em economias que estão atravessando uma crise econômica, mas não agradam. E hoje foi mais um dia de decepção para o mercado.

O relatório de empregos privados ADP, que é considerado uma prévia do payroll dos Estados Unidos, veio abaixo do esperado. A previsão do The Wall Street Journal era de 653 mil novos postos de trabalho, mas o número veio quase pela metade, com 330 mil novas vagas de emprego em julho.

Já os índices do gerente de compras (PMI, na sigla em inglês) também inspiraram cautela. O PMI composto dos Estados Unidos recuou de 63,7 para 59,9 em julho. Já o PMI de serviços caiu de 64,6 para 59,9, acima da previsão do The Wall Street Journal de 59,8.

A leitura do mercado é de que a economia está longe do superaquecimento que por vezes é sugerido. 

A piora do sentimento em relação ao emprego fez Nova York inverter o sinal e lá ficar durante a maior parte do dia, ainda que os números reforcem a tese defendida pelo Federal Reserve de uma economia ainda com setores frágeis e crescimento desigual para justificar a manutenção dos estímulos  — o S&P 500 e o Dow Jones recuaram 0,46% e 0,92%, respectivamente, enquanto o Nasdaq avançou 0,13%. 

O momento inflacionário dos Estados Unidos segue pressionando o Federal Reserve, que vê o fim da compra de bônus de dívida no fim do primeiro trimestre de 2022.

Sobe e desce do Ibovespa

Com balanços positivos para alimentar o apetite por risco, o setor de siderurgia foi o grande destaque positivo do dia do Ibovespa hoje. Confira as maiores altas:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
USIM5Usiminas PNAR$ 21,394,60%
KLBN11Klabin unitsR$ 24,992,04%
NTCO3Natura ONR$ 55,151,25%
TOTS3Totvs ONR$ 36,941,21%
CSNA3CSN ONR$ 45,431,07%

Com o WTI recuando mais de 3%, nem a expectativa de números robustos no balanço da Petrobras salvaram os papéis da estatal hoje.

Além da queda expressiva das ações da Petrobras, não tem como não destacar o tombo dos papéis do Bradesco. O banco, que divulgou os seus resultados na noite de ontem, não agradou o mercado. Embora a companhia tenha registrado um crescimento de 60% no lucro ante o mesmo período do ano passado, os investidores se decepcionaram com os números do segmento de seguros. Confira também as maiores quedas:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
BBDC4Bradesco PNR$ 23,45-4,36%
CSAN3Cosan ONR$ 24,55-4,06%
PETR3Petrobras ONR$ 26,70-3,61%
LCAM3Locamérica ONR$ 26,18-3,54%
BBDC3Bradesco ONR$ 20,20-3,53%

Resumo do dia

Veja como fecharam o Ibovespa, dólar, bitcoin e as bolsas americanas hoje:

Ibovespa1,44%121.801 pontos
Dólar à vista-0,13%R$ 5,1858
Bitcoin3,70%R$ 207.158
S&P 500-0,46%4.402 pontos
Nasdaq0,13%14.780 pontos
Dow Jones-0,92%34.792 pontos
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Mais uma na lista

Corretora de criptomoedas Huobi Global, uma das maiores do mundo, restringe negociações na China

A plataforma também informou que retirará gradualmente as contas existentes no gigante asiático até o fim de 2021

Uma nova gigante tech

Infracommerce (IFCM3) dispara 10% com “aquisição transformacional”; outras techs sentem o baque e caem

A Infracommerce (IFCM3) acertou a compra da Synapcom, ganhando escala no B2B — e pagando um preço relativamente baixo pela rival

NOVO SUSTO

Em crise de liquidez, concorrente da Evergrande esboça pedido de apoio a governo de cidade chinesa

Notícia provocou queda acentuada nas ações da Sunac, que fecharam hoje no nível mais baixo em 4 anos

Crédito disponível

Com juros salgados, Caixa libera empréstimo de até R$ 1.000 no aplicativo Caixa Tem; veja condições

O crédito ficará disponível para assalariados, autônomos, beneficiários de programas sociais e de políticas públicas de distribuição de renda

Bolsa hoje

Destaques do Ibovespa: frigoríficos e empresas ligadas a commodities lideram altas em dia de recuperação; Locaweb (LWSA3) é maior queda

Confira os destaques do pregão desta segunda-feira (27) e não deixe de acompanhar as principais notícias do dia na nossa cobertura de mercados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies