Petrobras detalha plano estratégico; confira os principais pontos

Cotações por TradingView
2021-08-04T20:06:23-03:00
Renato Carvalho
Mercado inseguro

Seguros atrapalham, e ações do Bradesco (BBDC3/BBDC4) caem forte após balanço; veja o que disseram o CEO e analistas

Mesmo depois de apresentar crescimento superior a 60% no lucro em relação ao ano passado, investidores se concentram nos obstáculos que aguardam o banco

4 de agosto de 2021
12:42 - atualizado às 20:06
Agência do Banco Bradesco (BBDC4)
Banco Bradesco (BBDC4) - Imagem: Estadão Conteúdo/Ricardo Lisboa

O Bradesco sempre teve como diferencial a grande participação do segmento de seguros no lucro líquido. Mas a pandemia de covid-19 provocou uma mudança brusca e importante nesse histórico, e por isso, as ações do banco estão em queda, diferente do que aconteceu ontem com seu concorrente Itaú Unibanco.

As ações do Bradesco ficaram entre as maiores quedas do Ibovespa no dia. Os papéis preferenciais (BBDC4) fecharam em baixa de 4,36%, a R$ 23,45, enquanto os ordinários (BBDC3) recuaram 3,53%, a R$ 20,20.

Durante conversa com jornalistas na manhã desta quarta-feira, o CEO do banco, Octavio de Lazari Júnior, que inclusive já esteve no comando da Bradesco Seguros, fez questão de ressaltar que o aumento das despesas da seguradora, com origem nos sinistros relacionados à covid-19, é algo temporário, e os próximos trimestres já devem mostrar uma recuperação.

“Acredito que a participação dos negócios de seguros no lucro voltará a subir já no segundo semestre deste ano. Ainda não nos patamares históricos, próximos de 30%, mas haverá uma recuperação gradual”

Octávio de Lazari Júnior, CEO do Bradesco

O lucro da operação de seguros caiu quase 52% em relação ao segundo trimestre do ano passado, para R$ 655 mihões. Na comparação com os três primeiros meses deste ano, o tombo foi ainda maior, de quase 60%.

Assim, a participação da Bradesco Seguros no lucro consolidado, que já havia recuado de 35% no segundo trimestre de 2020 para 25% nos três primeiros meses de 2021, despencou para 10% entre abril e junho deste ano.

A sinistralidade geral, que indica a proporção do faturamento direcionado para atender os segurados, saiu de 58,4% no ano passado para 67,4% no segundo trimestre de 2021. No caso dos sinistros relacionados à pandemia, o cenário foi ainda pior, saindo de 62,4% para 85,5%.

Por isso, o Bradesco resolveu rever seu guidance para a seguradora, deixando para trás a projeção de crescimento nos resultados entre 2% e 6% em 2021, para uma queda esperada entre 15% e 20%.

Durante a teleconferência, Lazari Júnior disse que neste terceiro trimestre, já há sinais de recuperação nos seguros, e ressaltou o sucesso de vendas nos canais digitais.

“Foram 1 milhão de itens vendidos no primeiro semestre, com um faturamento adicional de R$ 700 milhões. Isso nos dá confiança de que os números vão melhorar”.

Se o momento do Bradesco não é dos melhores, veja outras opções para investir e ter bons retornos neste vídeo:

Mas e os analistas?

De modo geral, quem acompanha de perto o Bradesco apontou que as atividades bancárias trouxeram bons números, com lucro próximo (mas pouco abaixo) do Itaú, e bom crescimento da carteira de crédito. Mas demonstraram preocupação com a seguradora.

Na visão do Credit Suisse, o desempenho da seguradora acabou ofuscando totalmente o crescimento dos serviços bancários. Os analistas ressaltam que sem os efeitos da covid-19, o retorno sobre patrimônio líquido (ROE, na sigla em inglês), indicador de rentabilidade dos bancos, ficaria entre 19% e 20%, ante os 17,1% registrados no período.

O Credit Suisse manteve a recomendação de compra para a ação e preço-alvo em R$ 30,90, o que indica um potencial de valorização próximo de 30% em 12 meses para as ações. Mas entre os grandes bancos, a preferência os analistas está com Itaú.

O BTG Pactual fez uma análise específica sobre Bradesco Saúde, que teve o maior impacto sobre o resultado final da seguradora.

Os analistas ressaltam que houve expansão de 37 mil beneficiários de planos de saúde no segundo trimestre, em relação ao final de março. Foram 40 mil contratações de planos corporativos, contra uma saída de 3 mil clientes nos individuais.

Os sinistros, medidos pela utilização de serviços médicos pelos beneficiários, chegou a 95%, uma alta de 25 pontos percentuais em 12 meses. Além da pandemia, houve uma retomada dos atendimentos eletivos.

O BTG afirma que os números da Bradesco Saúde antecipam um cenário bem difícil para operadoras de planos de saúde, caso, por exemplo, de Hapvida e NotreDame Intermédica, e mais positivo para provedores, como é o caso da Qualicorp.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

FECHAMENTO DO DIA

Petrobras (PETR4) tomba após plano estratégico e leva junto o Ibovespa; dólar cai abaixo dos R$ 5,20

1 de dezembro de 2022 - 19:31

Estamos oficialmente no último mês do ano. O clima natalino se confunde com a energia caótica da Copa do Mundo, mas o mercado financeiro sabe bem o que quer ver sob a árvore de Natal antes do Ano Novo chegar — mas boa parte desses presentes depende da disposição do presidente eleito em distribuir.  Até […]

INVESTINDO MAIS

Suzano (SUZB3) vai investir R$ 18,5 bilhões em 2023

1 de dezembro de 2022 - 19:30

O valor projetado pela Suzano (SUZB3) está acima dos R$ 16,1 bilhões investidos neste ano, especialmente pelos gastos com o Projeto Cerrado

OLHOS NO FUTURO

Sem dar grande atenção ao novo governo e possíveis interferências, Petrobras (PETR4) detalha seu plano estratégico falando em continuidade

1 de dezembro de 2022 - 18:36

Temas que mais preocupam o mercado após a divulgação dos próximos passos da Petrobras (PETR4) são distribuição de dividendos e política de investimentos

Previdência Social

STF aprova revisão da vida toda, que pode aumentar valor da aposentadoria pelo INSS; veja quem pode se beneficiar

1 de dezembro de 2022 - 18:28

Medida leva em conta contribuições feitas antes de julho de 1994, caso estas beneficiem o aposentado; em fevereiro, plenário virtual do STF já tinha formado maioria a favor

MAIS QUE AMIGOS, FRIENDS

Putin e Xi mais juntos do que nunca: China já é quase metade do mercado de câmbio da Rússia

1 de dezembro de 2022 - 17:48

A participação da moeda chinesa no mercado de câmbio russo agora é de 40% a 45%, ante menos de 1% no início do ano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies