Menu
2021-05-25T19:12:41-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa volta duas (mil) casas e retorna aos 122 mil pontos; exterior pesado e commodities pressionaram a bolsa

Com a cautela predominando no exterior, o Ibovespa se afastou do seu nível recorde de 125 mil pontos. O dólar à vista fechou o dia em leve alta

25 de maio de 2021
18:31 - atualizado às 19:12
Plastic,Chips,For,Table,Games,Children.
Imagem: Shutterstock

O dia começou com o Ibovespa sonhando com a possibilidade de um novo recorde, mas a realidade foi um pouco diferente e o principal índice da bolsa brasileira acabou recuando duas casas. 

Com o bom humor dos investidores não perdurando em Nova York, o Ibovespa abandonou a casa dos 124 mil pontos e voltou para a casa dos 122.987 pontos, um recuo de 0,84%.

Por aqui, pesou o desempenho ruim do setor de commodities. Petrobras e as companhias com exposição ao minério de ferro recuaram forte, mesmo com o avanço da commodity e do petróleo, o que influenciou na queda mais expressiva da bolsa brasileira. 

Lá fora, as atenções continuaram voltadas para a possibilidade de uma pressão inflacionária em escala global. Os dirigentes do Federal Reserve, o banco central americano, seguem alinhados e repetindo que o aumento de preços não passa de uma situação transitória e que, se a inflação se mostrar persistente, o Fed tem como contê-la. Mas dados divulgados hoje azedaram um pouco a recepção desse discurso - o sentimento do consumidor, assim como a vendas de novas moradias recuaram. 

A pressão normalmente é sentida primeiro no retorno dos títulos do Tesouro americano, mas hoje eles recuaram após um leilão. Esse movimento impactou o dólar à vista, que inverteu o sinal e fechou o dia em alta de 0,23%, a R$ 5,3371. As bolsas americanas, no entanto, seguiram no vermelho. 

O Dow Jones caiu 0,24%, o S&P 500 recuou 0,21% e o Nasdaq teve queda de 0,03%. O VIX, considerado o índice do medo, subiu mais de 2%. 

Um pouco de Brasil

O cenário internacional tem monopolizado o ritmo dos negócios nas últimas semanas, mas hoje os investidores locais tiveram informações de peso para digerir. 

A primeira foi o IPCA-15, considerado a prévia da inflação oficial. O índice atingiu a marca de 7,27% nos últimos 12 meses, mas desacelerou quando comparado ao mês anterior. Em maio, o aumento foi de 0,44% ante 0,60% registrado em abril. 

Com a inflação tirando o pé do acelerador, os investidores voltam a apostar em uma atuação mais moderada do Banco Central na próxima reunião de política monetária. No Brasil, segue no radar a possibilidade de avanço da agenda de reformas, o que alivia a tensão gerada na véspera pela possibilidade de prorrogação ao auxílio emergencial.

Hoje a CCJ da Câmara aprovou a constitucionalidade da reforma administrativa. O alívio do cenário fiscal, aliado a uma queda dos juros futuros no exterior, também refletiram na curva de juros brasileira. Confira:

  • Janeiro/2022: de 5,04% para 4,99%
  • Janeiro/2023: de 6,80% para 6,71%
  • Janeiro/2025: de 8,27% para 8,15%
  • Janeiro/2027: de 8,86% para 8,76%

Sobe e desce

O setor aéreo movimentou o Ibovespa na primeira etapa do pregão. O mercado repercutiu a notícia de que a Azul e a Latam decidiram encerrar o acordo de compartilhamento de voos, o que pode indicar uma retomada da demanda no setor. 

No começo da tarde, no entanto, os papéis da Cielo assumiram o topo da tabela. A notícia de que a Alelo, empresa de benefícios corporativos do ramo de alimentação, deve lançar um superapp e avançar em novos segmentos parece ter feito o mercado precificar com mais força um possível divórcio de Bradesco e Banco do Brasil, controladores da empresa de maquininhas. Confira as maiores altas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
CIEL3Cielo ONR$ 4,097,63%
COGN3Cogna ONR$ 4,197,16%
PCAR3GPA ONR$ 37,955,39%
AZUL4Azul PNR$ 42,014,11%
YDUQ3Yduqs ONR$ 31,553,95%

Depois de subir mais de 20% no pregão de ontem, o Banco Inter ficou com a lanterna dos desempenhos hoje. Confira também as maiores quedas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
BIDI11Banco Inter unitR$ 209,07-6,37%
USIM5Usiminas PNAR$ 19,44-3,09%
CSAN3Cosan ONR$ 21,87-2,89%
B3SA3B3 ONR$ 16,98-2,69%
CSNA3CSN ONR$ 44,07-2,56%
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

atenção, acionista

Carrefour paga R$ 175 milhões em juros sobre capital próprio e altera valor de dividendos

Cifra equivale a R$ 0,088148225 por ação em circulação; também anunciou uma modificação do valor por ação dos dividendos aprovados em abril, de R$ 0,382372952 para R$ 0,382361396

maior apetite por risco

Empresas do Brasil captam US$ 4,6 bilhões; montante deve aumentar com ofertas de Stone e Light

Emissores brasileiros haviam paralisado planos de captar no exterior nos últimos meses, em meio à turbulência interna com a pandemia e o aumento do juro norte-americano

em meio ao aumento de consumo de frango

SuperFrango, de Goiás, retomará IPO de R$ 1 bilhão

Após resolver adiar a operação, a empresa fará uma apresentação mais cuidadosa de seu negócio aos analistas; oferta é estimada entre R$ 1 bilhão e R$ 1,5 bilhão

levantamento

Estatais descumprem critérios do marco do saneamento

GO Associados calculou que as companhias públicas do Rio Grande do Norte, Santa Catarina, Alagoas, Maranhão, Amazonas, Pará, Piauí, Roraima, Rondônia e Amapá não atendem a todos os critérios da “etapa 1” do decreto – que prevê o cumprimento de índices mínimos dos indicadores econômicos-financeiros

questionamentos em brasília

Novo marco de saneamento é alvo de ofensiva no Supremo e no Congresso

No Supremo, mais de 20 empresas estatais que prestam hoje serviços no setor querem a volta da possibilidade de fechar os chamados “contratos de programa”, diretamente com as Prefeituras e sem licitação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies