Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-06-23T08:16:32-03:00
Estadão Conteúdo
POLÍTICA

‘A guerra cultural é o eixo do governo Bolsonaro’, diz João Cezar de Castro Rocha

O professor João destaca a necessidade dos seguidores do presidente (e dele próprio) de ter, o tempo todo, inimigos a combater.

23 de junho de 2020
8:16
Bolsonaro stf
(Brasília - DF, 15/06/2020) Presidente Jair Bolsonaro durante entrevista para o jornalista Marcello D'Angelo da BandNews TV. Foto: Isac Nóbrega/PR -

O êxito do bolsonarismo, com sua paixão mobilizadora nas redes sociais e nas ruas, inviabiliza o governo Jair Bolsonaro, diagnostica o professor João Cezar de Castro Rocha, pesquisador da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Titular de Literatura Comparada a instituição, ele aponta o paradoxo do discurso bolsonarista no livro Guerra Cultural e Retórica do Ódio (Crônicas do Brasil), que lançará em julho.

Ele destaca a necessidade dos seguidores do presidente (e dele próprio) de ter, o tempo todo, inimigos a combater, um fator que, prevê, levará a administração ao colapso. Isso estaria evidente no combate à covid-19. " É muito claro: a morte não é um meme, e vida não se reduz à disputa de narrativas", afirmou, em entrevista ao Estadão. Leia trechos da entrevista a seguir.

O sr. se refere em seu livro a uma forma brasileira de guerra cultural empreendida pelo governo Bolsonaro. O que é isso?

Em nenhuma circunstância estou negando que a guerra cultural bolsonarista lance mão de diversos recursos utilizados sobretudo pela extrema direita norte-americana. Não estou negando que seja possível fazer um estudo da guerra cultural bolsonarista que valorize a proximidade de tudo que o governo Bolsonaro realiza e que pode ser encontrado em governos da Turquia, da Hungria.

A guerra cultural é o objetivo do governo?

A guerra cultural é o eixo do governo. Por isso mesmo, a guerra cultural não deixa que haja governo. Esse é o paradoxo. Este governo vai entrar em colapso administrativo. A guerra cultural assegura o êxito do bolsonarismo e impossibilita a ação do governo.

Isso explica a ação, ou não ação, do governo as pandemia?

Justamente. O que está acontecendo agora na pandemia é desastroso. Em lugar de administrar a crise, de vislumbrar um futuro difícil e se antecipar a ele, Bolsonaro gasta o tempo inteiro criando inimigos políticos.

O senhor cogitou que os grupos digitais bolsonaristas ficariam mais extremistas, não?

Estão ficando. E não somente isso, as milícias digitais estão indo para as ruas. O caso absurdo deste grupo dos 300 (grupo extremista que acampou em Brasília). É muito claro: a morte não é um meme, e a vida não se reduz à disputa de narrativas. Então, infelizmente, esta peste nos confronta com a necessidade de observar com cuidado dados objetivos da realidade.
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

IPO adiado

Bluefit: nem desconto de 20% garante estreia da rede de academias na bolsa

Inicialmente estimado em R$ 600 milhões, IPO da rede de academias de baixo custo agora deverá ter o valor reduzido e envolver apenas investidores institucionais, como fundos e fundações

Tensão EUA-China

Executiva da Huawei detida no Canadá em 2018 volta à China após acordo com os EUA

Confinada à cidade de Vancouver há quase três anos, onde havia sido presa sob acusação de fraude, CFO da Huawei, Meng Wangzhou, protagonizou incidente diplomático entre Canadá, EUA e China

o melhor do seu dinheiro

Mercados na semana: O destino da Evergrande, uma análise da Vale e seis ações indicadas por analistas

A semana que termina nos mercados foi marcada pela incerteza quanto ao futuro da incorporadora chinesa Evergrande e seus desdobramentos sobre a economia global. A crise na empresa, que tem um passivo oscilando à beira da insolvência, é consequência do aperto monetário e regulatório sobre o setor promovido pelo governo chinês desde o final do […]

Estimativas

Carrefour (CRFB3) divulga projeção para Atacadão e estima R$ 100 bi em vendas em 2024

A projeção de vendas brutas da rede no exercício social que se encerrará em 31 de dezembro de 2021 é de R$ 60 bilhões

PODCAST MESA PRA QUATRO

Da Conga até o Tik Tok: Gretchen conta de sua carreira artística e como administra seu dinheiro

Aos 60 anos, Gretchen relata sobre sua independência financeira e histórias de família e de carreira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies