Menu
Exile on Wall Street
Ana Westphalen
Dados da Bolsa por TradingView
2020-02-28T11:43:01-03:00
EXILE ON WALL STREET

A vida secreta dos gestores (quando a bolsa cai 7%)

A principal lição que os gestores experientes têm a nos dar hoje quando se trata de investimentos é: se você não tem condições de interferir no futuro, a melhor reação é a serenidade.

28 de fevereiro de 2020
11:37 - atualizado às 11:43
shutterstock_1054634828

Sabe aquela história de que, durante o naufrágio do Titanic, parte da orquestra a bordo ignorou o fato de que no curto prazo todos estariam mortos e começou a tocar seus instrumentos? Eu, que tendo a ter uma visão mais pragmática da vida, sempre tive dúvida de que isso fosse verdade.

Via nessa narrativa uma boa dose de imaginário popular, com pitadas de licença poética de James Cameron, diretor do blockbuster que transformou em romance o acidente que deixou mais de 1.500 mortos em abril de 1912.

Confesso que minha consciência pesou quando fiz uma viagem a Liverpool, alguns anos atrás, e constatei que estava errada. Foi durante uma parada no Museu Marítimo no porto da cidade, onde eram sediadas as empresas britânicas especializadas em lançar grandes transatlânticos à América do Norte no início do século XX.

Em um andar do museu dedicado à história do Titanic, pude ler com meus próprios olhos relatos de quem presenciou oito músicos dotados do dom supremo de manter a frieza e o foco absolutos, mesmo diante da mais completa incerteza — incerteza sobre a própria sobrevivência, no caso.

Antes que se assuste com o rumo dessa conversa, um aviso importante: nada indica que a disseminação do coronavírus representará uma tragédia global ou um cenário de proporções irreversíveis, como a forte queda recente das Bolsas mundiais tem sugerido. Digo isso com base em conversas que temos feito com os mais experientes gestores de fundos de investimentos deste país.

Creio que, em momentos como esses, o melhor que temos a fazer é nos inspirar nos grandes. E a principal lição que os gestores experientes têm a nos dar hoje quando se trata de investimentos é: se você não tem condições de interferir no futuro, a melhor reação é a serenidade e até uma certa frieza, por mais difícil que seja tentar alcançá-las.

“Ana, eu não sei nada sobre coronavírus e nem vou virar um expert em uma semana. Tudo o que posso fazer é manter proteções no meu portfólio, como sempre fiz.” Quem me disse isso foi o gestor responsável pelo fundo multimercado brasileiro mais ganhador dos últimos dois anos. Acho que é essa clareza que temos que mirar.

É claro que eles admitem; não é fácil ver o Ibovespa derretendo 7%, como na última quarta-feira de volta do Carnaval, e mais 2,5% ontem. Se é assim para quem é calejado, penso nos quase um milhão de novos investidores que entraram na Bolsa desde o início do ano passado e que estão tendo nesta semana seu batismo de sangue.

Para momentos de fraqueza, eles sugerem o seguinte exercício mental: como estará o mundo daqui a três meses? Será que o coronavírus ainda será motivo de preocupação? E em seis meses? A chance maior é de que, a essa altura, o investidor se lembre do coronavírus mais como uma janela de oportunidades que apareceu no meio de um bull market do que como uma mudança de tendência estrutural.

E antes que você pense que os grandes gestores são um poço de racionalidade e tranquilidade, não é nada disso. Eles apenas mantêm a frieza nos momentos em que não se tem muito a fazer, ao mesmo tempo em que traçam estratégias para aproveitar as oportunidades tão logo elas apareçam.

Na verdade, os melhores gestores que eu conheço são aqueles que nunca estão satisfeitos. Nos momentos de alta, estão preocupados com o que pode dar errado. Nunca baixam a guarda.

Espero que você, investidor, consiga se inspirar nos grandes gestores e manter a frieza e o foco necessários em momentos complicados de mercado como o que vivemos hoje. E saiba que nosso papel é estar ao seu lado também nessas horas, esse é o nosso trabalho e a nossa vocação.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

em família

Sobrinho-neto do bilionário Warren Buffett supera Berkshire Hathaway no ano

Ações da Boston Omaha, holding de capital aberto co-liderada pelo sobrinho-neto do bilionário, Alex Buffett Rozek, estão batendo os papéis da Berkshire Hathaway

novo serviço

Grupo pão de Açúcar vai fazer entrega para lojistas de seu marketplace

No próximo ano, a companhia passará a oferecer a possibilidade de que os lojistas virtuais armazenem produtos nos centros de distribuição do GPA

inovação

Varejo online agora quer conquistar a fronteira da venda de produto fresco

A partir do mês que vem, começa a funcionar no País uma startup mexicana de tecnologia do setor de supermercados que vai explorar exatamente esse filão

Clube do livro

Ajuste fiscal pode ser dolorido no início, mas é necessário; entenda mais no novo livro de Fabio Giambiagi, “Tudo sobre o déficit público”

Nova obra do economista do BNDES evidencia que atingir um equilíbrio orçamentário no país é essencial para o desenvolvimento em termos econômicos e sociais

em busca de recursos

AES Brasil (AESB3) aprova oferta pública e pode captar até R$ 1,8 bilhão

De acordo com a AES Brasil, o objetivo da oferta é acelerar seu plano de crescimento, com foco na diversificação do portfólio por meio de fontes complementares à hídrica, além de potencializar a criação de valor para os acionistas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies