Menu
2020-11-30T15:53:45-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
balanço pós-vendas

Via Varejo, Magazine Luiza e Mercado Livre celebram Black Friday — mas à sua maneira

Empresas usam parâmetros próprios para reportar aumento nas vendas; papéis caem com desempenho do setor no piso das estimativas

30 de novembro de 2020
15:32 - atualizado às 15:53
Mercado Livre - B2W - Magazine Luiza - Via Varejo
Imagem: Montagem: Andrei Morais

Na primeira semana pós-Black Friday, as gigantes Via Varejo, Magazine Luiza e Mercado Livre celebram uma alta nas vendas online — mas cada uma à sua maneira, destacando os dados mais convenientes. Já B2W (dona da Americanas.com e Submarino) optou por não divulgar nenhum dado até o momento.

Enquanto a dona das Casas Bahia reportou os dados da última semana, Magalu divulgou os números do mês. Varejista argentina com forte atuação no Brasil, o Mercado Livre repercutiu a alta da sexta-feira passada.

No e-commerce brasileiro, as vendas somaram R$ 4,02 bilhões na Black Friday, em uma alta 25,1% em relação ao mesmo período do ano passado, segundo levantamento da Ebit/Nielsen.

A Via Varejo informou que entre 22 e 28 de novembro as vendas online cresceram 99% na comparação anual — participação de 62,4% nas vendas totais. O 3P (que não faz parte do estoque próprio) teve crescimento de 125%, diz a empresa.

Para a dona da Casas Bahia, o ganho de participação de mercado online no período foi de 4,2 pontos percentuais, segundo análise da plataforma Compre & Confie. A empresa diz que o vendedor online teve importante participação, atingindo 18% das vendas online.

Ainda segundo dados da própria Via Varejo, as vendas com opção retira-loja apresentaram alta de 142%. Dentre as categorias com maior crescimento, a empresa destacou:

  • Informática +109% (+177% no 1P)
  • Telefonia celular +37% (+110% no 1P)
  • Televisores +24% (+83% no 1P).

No marketplace, as maiores altas foram em Esporte / lazer (+263%), automotivo (+186%) e cama mesa e banho (+103%).

"Durante a Black Friday a companhia superou seu recorde de 2019, atingindo R$ 3 bilhões em vendas (GMV pedido), contra R$ 2,2 bilhões no mesmo período do ano passado, com crescimento de 37%", disse a Via Varejo.

Magazine Luiza e Mercado Livre

O Magazine Luiza informou uma alta no e-commerce acima de 100% em novembro. A empresa considerou todo o mês porque antecipou algumas promoções.

De acordo com a Ebit/Nielsen, a companhia aumentou em 10 pontos percentuais seu marketshare no e-commerce do país.

Nas lojas físicas, o crescimento no conceito mesmas lojas em novembro se manteve no mesmo patamar dos meses anteriores, sendo mais forte nas primeiras semanas e estável na véspera e no dia da Black Friday, diz a empresa.

O Magazine Luiza destacou o crescimento da categoria de mercado e disse que vendeu mais de 1 milhão itens dessa categoria durante a Black Friday, com "alto volume de vendas de itens como cerveja, ketchup, creme de leite, achocolatado, fralda e protetor solar".

Em comunicado ao mercado, a empresa não detalhou os números de cada categoria. O Mercado Livre também deu poucas informações preliminares e divulgou uma métrica diferente de Magalu e Via Varejo.

Fernando Yunes, executivo da varejista, destacou em post no Linkedin a alta de 130% em volume de vendas entre quinta e sexta-feira.

Ações caem

Os papéis das varejistas caem nesta segunda-feira (30), no primeiro pregão pós-Black Friday. O dia é de queda do Ibovespa, influenciado pelas bolsas estrangeiras.

A baixa das empresas do setor do varejo acontece ainda após uma intensa valorização das ações ao longo deste ano, com a perspectiva de ganhos por conta da aceleração do digital.

Pesa ainda o desempenho levantado pelo Ebit Nielsen, que apontaria uma alta discreta nas vendas de sexta-feira. Por volta das 15h, as ações de Via Varejo (VVAR3) caíam 3,5%, os de Magalu (MGLU3) recuavam 2,6%.

B2W seguia na esteira do desempenho da concorrência, com queda de 5,7%. Na Nasdaq, Mercado Livre subia 0,43% — além de Brasil, a varejista argentina atua em 17 países. Veja a cobertura de mercados desta segunda-feira.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

CRIPTOMOEDA

Bitcoin ultrapassa US$ 60 mil antes de abertura de capital da Coinbase Global

Criptomoeda teve alta de 4,87%, a quatro dias de IPO da maior corretora de moedas digitais dos EUA

pandemia

Mortes por Covid-19 cresceram 468% no Brasil entre janeiro e março, alerta Fiocruz

Para os novos casos, o aumento foi de 701%; Sul e Centro-Oeste tendem a cenário mais crítico nas próximas semanas.

IPCA DE MARÇO

Inflação vai a 0,93% e mercado vê risco de estourar meta

Taxa acumulada passou a 6,10% no mês passado, reforçando temor de que inflação oficial termine o ano acima do teto da meta, de 5,25%.

congresso X executivo

Orçamento tem guerra de pareceres

Câmara e Senado se armaram com notas técnicas para mostrar que o presidente Jair Bolsonaro pode sancionar o Orçamento sem vetos a emendas; Ministério da Economia já prepara próprio embasamento jurídico.

Aura e Aeris: veja o que dizem os CEOs das novatas da bolsa e outras notícias que bombaram na semana no Seu Dinheiro

Novidade na praça sempre causa burburinho. Na bolsa não é diferente. É bem verdade que as opiniões divergem:Lindas!Não são lá tudo isso…Não sei, nunca ouvi falarA bolsa brasileira recebeu 43 novas integrantes em 2020 e 2021. E a fila para entrar continua a aumentar. Para você, amigo leitor, isso é excelente. São mais ações na […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies