Menu
2019-04-04T14:51:20-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Metas

Varejo espera 100 milhões de consumidores na Black Friday

Lojistas adiantaram as promoções, que estão no ar desde o começo da semana; contudo, o pico de consumo só deve acontecer na sexta-feira, segundo pesquisa

22 de novembro de 2018
14:20 - atualizado às 14:51
Black Friday
Imagem: shutterstock

A temporada de superdescontos prometida pelo varejo na Black Friday começa à meia-noite desta quinta-feira, 22, para sexta-feira, 23, tanto nas lojas físicas quanto, principalmente, no comércio pela internet.

Neste ano, são esperados que 100 milhões de brasileiros aproveitem a data para fazerem alguma compra, de acordo com pesquisa feira pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Com a expectativa ainda maior que as edições anteriores, os lojistas adiantaram as promoções, que estão no ar desde o começo da semana. Contudo, segundo o Google, o pico de consumo deve acontecer, de fato, na sexta-feira.

Expectativa alta

Uma das redes que decidiram adiantar as promoções foi a Via Varejo, dona das Casas Bahia e do Ponto Frio. A partir desta quinta, às 11 horas, as mil lojas da rede vão abrir as portas já com os preços reduzidos. Em lojas como Pão de Açúcar e Extra, a expectativa é que o movimento em um único dia supere o de seis sextas-feiras juntas, que tradicionalmente é o melhor dia desse varejo.

Para além das ofertas relâmpago, os órgãos de defesa dos consumidores alertam para as pegadinhas, batizadas de "Black Fraude". Procon-SP e Instituto Nacional de Defesa do Consumidor (Idec), por exemplo, vão manter uma sala de crise para atender às demandas dos clientes que enfrentarem problemas nas compras.

De acordo com dados da Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), órgão do Ministério da Justiça, durante a Black Friday ocorre um aumento de cerca de 70% nas reclamações na plataforma consumidor.gov.br, um serviço público que permite a interlocução direta entre consumidores e empresas para solução de conflitos. O problema é que o número de ocorrências solucionadas, no entanto, permanece igual, na média de 72,6%.

As cinco principais categorias de queixas registradas no site são oferta não cumprida, venda ou publicidade enganosa e serviço não fornecido; demora na entrega ou não entrega do produto adquirido; dificuldade, atraso ou retenção de valores a serem reembolsados; dificuldade de contato e demora no atendimento; e produtos danificados ou que não funcionam e consequente dificuldade de troca ou conserto.

O advogado do Idec, Igor Marchetti, diz que os dados extraídos pela Senacon mostram que o consumidor deve estar atento às falsas ofertas. "Recomendamos atenção para que não sejam prejudicados por uma onda fictícia de descontos", diz.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

pandemia

Covid-19: número de mortes sobe para 361,8 mil no Brasil

Nas últimas 24 horas, foram registradas mais 3.459 mortes no país

seu dinheiro na sua noite

Petróleo, minério e tudo que há de bom

Entre o fantasma do Orçamento com pedaladas, a besta da PEC “fura-teto”, o gigante da CPI da Covid e o monstro da pandemia, o Ibovespa conseguiu hoje engatar a terceira alta seguida e fechar acima dos simbólicos 120 mil pontos, marca que o índice não via desde fevereiro. Mas como pode? Bem, mais uma vez […]

hoje não

Hering rejeita proposta da Arezzo para potencial fusão

Segundo a Cia. Hering, a proposta “não atende ao melhor interesse dos acionistas e da própria companhia”

Polêmica na privatização

CVM vai investigar CEEE por suposta omissão na divulgação de informações

A autarquia começará a apuração de uma denúncia de omissão de fatos relevantes sobre a privatização da estatal gaúcha

FECHAMENTO

Commodities em alta levam o Ibovespa acima dos 120 mil pontos pela primeira vez desde fevereiro; dólar recua

O clima incerto em Brasília segue assombrando os investidores, mas ainda assim a bolsa brasileira consegue fôlego com as commodities para se manter no azul

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies