Menu
2020-04-28T22:56:18-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
De volta ao campo positivo

Vale segue tendo despesas com Brumadinho, mas lucra US$ 239 milhões no primeiro trimestre

Apesar da queda nas receitas, a Vale conseguiu fechar o trimestre no azul e reverteu parte das perdas reportadas há um ano, quando a mineradora foi fortemente afetada pelo rompimento da barragem em Brumadinho

28 de abril de 2020
22:56
Vale minério mineração
Imagem: Shutterstock

O rompimento da barragem I na mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), continua trazendo desdobramentos financeiros à Vale. A empresa divulgou nesta terça-feira (28) seu balanço referente ao primeiro trimestre de 2020 e, embora tenha fechado o período no azul, segue reportando despesas referentes à tragédia.

A mineradora contabilizou um lucro líquido de US$ 239 milhões entre janeiro e março deste ano, revertendo parte das perdas de US$ 1,642 bilhão registradas no mesmo intervalo de 2019 — os dados do primeiro trimestre do ano passado, contudo, foram fortemente impactados pelo desastre em Brumadinho, ocorrido em 25 de janeiro.

Os ganhos da Vale nos primeiros três meses de 2020 poderiam ter sido maiores, mas a empresa ainda precisou lançar uma despesa de US$ 159 milhões ligada ao rompimento da barragem — a mineradora ressalta que não foram feitas provisões adicionais desde o fim de 2019.

"Os esforços para mitigar os impactos do Covid-19 não competem com as iniciativas da Vale para a reparação de Brumadinho", diz a companhia, em mensagem aos acionistas, afirmando ainda que os acordos de indenização e pagamentos emergenciais ligados ao rompimento da barragem já somam cerca de R$ 3,6 bilhões.

E, falando no surto de coronavírus: a mineradora afirma em seu balanço que a pandemia tem tido impacto limitado em suas operações, embora admita que, no futuro, poderá sentir efeitos mais firmes na produção de minério de ferro.

Tanto é que a Vale já havia anunciado, na semana passada, um corte em suas projeções operacionais para 2020: a produção de minério de ferro, agora, deverá ficar na faixa de 310 a 330 milhões de toneladas — originalmente, a meta estava entre 340 e 355 milhões de toneladas.

Receita em queda

Por mais que a Vale ressalte que suas operações ainda não foram afetadas de maneira significativa pela Covid-19, o mesmo não pode ser dito de suas vendas: a desaceleração da economia global ao longo do primeiro trimestre afetou diretamente a receita líquida da companhia.

Ao todo, a Vale reportou uma receita de US$ 6,969 bilhões nos três primeiros meses de 2020, uma queda de 15% em relação ao mesmo período de 2019 — uma retração mais intensa que a da linha de custos e outras despesas, que caiu 7% na mesma base de comparação.

Com a receita mais fraca e os gastos relacionados a Brumadinho, a Vale sentiu um 'efeito cascata' em seu balanço: o Ebitda ajustado — ou seja, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização — ficou em US$ 2,882 bilhões no primeiro trimestre de 2020.

O número é bastante superior ao visto nos três primeiros meses de 2019, quando o Ebitda ajustado da Vale ficou negativo em US$ 652 milhões por causa do efeito Brumadinho. Assim, uma comparação mais justa seria com a do quarto trimestre do ano passado — e, na ocasião, a linha somou US$ 3,536 bilhões.

Dívida controlada

As notícias mais animadoras para a Vale vêm do front do endividamento e da geração de caixa: a mineradora fechou o trimestre com uma dívida líquida de US$ 4,808 bilhões, inferior aos US$ 4,88 bilhões vistos no término de 2019 e dos US$ 12 bilhões registrados em março do ano passado.

Entre janeiro e março deste ano, a empresa reportou uma geração de fluxo de caixa livre de US$ 380 milhões, o que contribuiu para manter a dívida líquida nos menores patamares desde 2008. A posição de caixa da Vale soma US$ 12,267 bilhões.

A alavancagem da mineradora — isto é, a relação entre a dívida líquida e o Ebitda ajustados nos últimos 12 meses — também permanece em níveis bastante baixos. Ao fim do trimestre, estava em apenas 0,3 vez, abaixo do patamar de 0,5 vez reportado em dezembro de 2019.

Perspectivas

Em termos de visão de mercado, a Vale mostra-se preocupada com o curto prazo, dadas as incertezas ligadas aos efeitos do coronavírus para a cadeia produtiva.

"Espera-se que o setor industrial europeu retome suas atividades em maio. No entanto, há incertezas quanto ao nível de recuperação, como resposta à recuperação da demanda e dos fluxos de comércio", diz a empresa, lembrando que os diferentes estágios de retomada econômica representam uma dificuldade adicional.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Disparou

Dívida bruta do governo deverá encerrar o ano em 96% do PIB

Endividamento cresceu 20,2 pontos por causa de pandemia.

fechando a conta

Mais um tombo aí? Ibovespa cai 3% e termina outubro no vermelho, com avanço da covid-19

Índice tem novas perdas fortes em semana difícil e fecha mês em queda de 0,7%. Desempenho reflete mau humor de Nova York com coronavírus e a sangria das ‘big techs’, antes das eleições dos Estados Unidos, fator de incerteza adicional. Após intervenção do Banco Central e com a formação da Ptax, dólar tem queda

pandemia

Governo vai comprar vacina desenvolvida na China, diz Mourão

Vice-presidente disse que polêmica em torno da vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan é “briga política” com Doria

DESTAQUE DO DIA

Suzano se descola do Ibovespa e sobe mais de 1% após resultados do 3º trimestre

Analistas destacam que Ebitda superou estimativas e elogiam fluxo de caixa livre e desalavancagem

sob pressão

Inflação e redução do auxílio emergencial já derrubam vendas nos supermercados

Em outubro, a prévia da inflação, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor-15 (IPCA-15) atingiu 0,94%. O resultado é mais que o dobro da inflação registrada em setembro e a maior alta para o mês em 25 anos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies