2020-12-28T20:52:43-03:00
DINHEIRO NO BOLSO

Santander e Banco BMG: confira as empresas que vão pagar JCP

Relação de companhias que divulgaram na segunda-feira a distribuição dos proventos inclui ainda a Ser Educacional e EDP Brasil

28 de dezembro de 2020
20:52
Imagem: Shuttertstock

Fim de ano se aproxima e uma série de empresas aprova o pagamento de juros sobre capital próprio (JCP) aos seus acionistas. Entre os nomes que anunciaram o repasse dos proventos estão Santander e EDP Brasil.

Confira abaixo as empresas que anunciaram pagamentos e as condições para receber os proventos:

Santander (SANB11)

O conselho de administração do banco aprovou o pagamento do montante bruto R$ 665 milhões, que vai para R$ 565,2 milhões após a dedução do valor relativo ao imposto de renda na fonte.

O valor líquido por ação ficou em R$ 0,07221 por papel ordinário, R$ 0,07944 por preferencial e R$ 0,15165 por unit.

Terão direito aos valores aqueles com posição acionária em 8 de janeiro. Eles serão pagos a partir de 1º de fevereiro, sendo imputados aos dividendos obrigatórios de 2020.

EDP Brasil (ENBR3)

A empresa do setor elétrico aprovou o pagamento do montante bruto de R$ 162,3 milhões, o equivalente a R$ 0,27119 por ação.

Terão direito aos JCP todas as ações da companhia em circulação em 4 de janeiro, com o pagamento sendo realizado até 30 de junho.

Ser Educacional (SEER3)

O grupo de educação vai pagar o valor bruto de R$ 15,4 milhões em JCP, correspondente ao valor bruto de R$ 0,12014 por ação ordinária, sujeito a tributação pelo imposto de renda na fonte.

Terão direito aos valores os acionistas com posição registrada em 4 de janeiro, com os valores sendo pagos até 20 de janeiro.

Banco BMG (BMGB4)

O banco aprovou hoje o pagamento de JCP em complemento aos valores divulgados dia 17 de dezembro, no valor bruto de R$ 20 milhões, equivalente a R$ 0,0338 por ação ordinária e preferencial. Considerando o imposto de renda, o valor líquido por ação é de R$ 0,0287.

Considerando os JCP aprovados anteriormente e o complemento, o BMG vai pagar um total de R$ 105 milhões aos seus acionistas, equivalentes a R$ 0,1775 por ação ordinária e preferencial, ou R$ 0,1509 após incidência do tributo.  

O pagamento será efetuado até 30 de abril, tendo como base de cálculo a posição acionária de terça-feira (29).

O que são JCP?

Os JCP são uma forma de a empresa distribuir lucros, mas em vez de terem um benefício tributário para os acionistas, como ocorre com os dividendos, eles beneficiam a empresa.

Por isso não são isentos de imposto de renda para os acionistas, sendo tributados na fonte a uma alíquota de 15%.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

MUDANDO A RECOMENDAÇÃO

Itaú BBA vê Gerdau (GGBR4) como ação defensiva, mas a siderúrgica que pode subir mais de 50% é outra; confira as apostas do banco

A queda de mais de 39% das ações da Usiminas abriram um bom ponto de entrada, segundo os analistas do Itaú BBA

Análise SD

Jogou a toalha? Azul (AZUL4) critica plano de recuperação da LATAM e dá a entender que não vai aumentar a proposta

A Latam pretende injetar mais de US$ 8 bi com as medidas de seu plano de recuperação judicial, cifra superior à proposta pela Azul (AZUL4)

bitcoin (BTC) hoje

Alívio com variante da covid-19 chega primeiro ao mercado de criptomoedas e bitcoin (BTC) volta aos US$ 57 mil

O mercado de criptomoedas, que não para nunca, sentiu o alívio ainda no final do sábado (27) e segue em alta hoje

Radiocash

“Esses 4 milhões de pessoas na Bolsa vieram para ficar”, diz Gustavo Cerbasi

Com 16 livros publicados e 1,5 milhão de seguidores no Instagram, o ex-professor universitário encara com cautela a fama, e rejeita alguns rótulos

Ao acionista com carinho

Ação da Petrobras (PETR4) pode render 100% só em dividendos nos próximos cinco anos

Relação ‘risco-recompensa’ é como comparar um formigueiro ao Everest, avalia o UBS