Menu
2020-02-25T19:40:30-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Queda de 30% desde o IPO

BMG volta a decepcionar em balanço e ações despencam

Banco registrou prejuízo contábil antes de impostos com novas provisões para ações cíveis e fez projeções de crescimento abaixo do esperado pelo mercado

14 de fevereiro de 2020
15:28 - atualizado às 19:40
BMG futebol
Imagem: Rodrigo Gazzanel/Agência Corinthians

Assim como ocorreu no terceiro trimestre, as ações do Banco BMG reagem em queda violenta à divulgação do balanço dos últimos três meses do ano e de 2019.

O banco registrou lucro líquido de R$ 344 milhões no ano passado pelo critério gerencial, alta de 33,4%. No quarto trimestre, o resultado foi 20% maior e somou R$ 74 milhões. Então, qual foi o problema?

Uma olhada mais atenta nos números mostra que o resultado do BMG foi pior do que parece. Pelo critério contábil, o banco registrou um prejuízo antes de impostos de R$ 210 milhões nos últimos três meses de 2019.

Parte da diferença para o resultado gerencial vem de um ajuste nas provisões no valor R$ 313 milhões, que o banco classificou como não-recorrente, ou seja, que não deve se repetir em resultados seguintes.

Entre os ajustes nas provisões estão as feitas para ações cíveis, justamente aquelas que provocaram desconforto nos investidores no balanço do terceiro trimestre de 2019, o primeiro do BMG após a abertura de capital na B3.

Por outro lado, o banco também descontou do resultado gerencial o ganho de R$ 276 milhões – também extraordinário – obtido com a correção de créditos tributários com o aumento da alíquota da CSLL.

Além das dúvidas sobre o resultado, o BMG divulgou projeções para o resultado de 2020 que apontam um crescimento menor do que o inicialmente esperado pelo mercado.

As ações do banco (BMGB4) fecharam o dia em baixa de 17,58%, cotadas a R$ 7,55. Desde a oferta pública inicial (IPO), há pouco mais de três meses, o banco já perdeu mais de 30% do valor na bolsa. Leia também a nossa cobertura de mercados.

De volta ao balanço gerencial, os resultados vieram abaixo do esperado, segundo o Credit Suisse. "A principal razão para a frustração das nossas estimativas foram as despesas operacionais acima do esperado", escreveram os analistas, em relatório a clientes.

O banco suíço, que foi um dos coordenadores do IPO do BMG, tem recomendação "outperform" (equivalente a compra) para as ações, com preço-alvo de R$ 12,50.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

E a fila aumenta

BR Partners faz registro de IPO que pode movimentar até R$ 620 milhões

Banco de investimentos fundado por Ricardo Lacerda pretende fazer uma oferta pública de Units, com faixa de preço entre R$ 16 e R$ 19

Pedido ao presidente

Instituto Aço Brasil pede a Bolsonaro para não reduzir tarifa de importação

Na visão do presidente executivo da entidade, Marco Polo de Mello Lopes, não há cenário de excepcionalidade que justifique tal medida

Insights Assimétricos

Preparado para a Super Quarta? O que você precisa saber antes das decisões do Fed e do Copom sobre juros

Um ajuste dos juros, mantendo-os ainda abaixo do neutro (entre 5,5% e 6,5%), seria salutar. Uma alta para além disso, contudo, poderá comprometer a retomada brasileira

Caçadores de tendências

Itaú Asset lança mais 3 ETFs com foco em inovação nas áreas de saúde, tecnologia e consumo dos millennials

Gestora do Itaú agora aposta em índices de empresas globais ligadas a tendências de consumo que estão mudando a sociedade

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

As ações das novas petroleiras valem a pena?

Nos recentes movimentos de rotação de carteiras nos mercados, temos nos deparado com a dicotomia Velha Economia (empresas de segmentos tradicionais) e Nova Economia (empresas ligadas à tecnologia e novas formas de consumo). Dentro do que se convencionou chamar de Velha Economia, temos visto o destaque das empresas de commodities, justamente o forte do Brasil. […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies