Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-02-25T19:40:30-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Queda de 30% desde o IPO

BMG volta a decepcionar em balanço e ações despencam

Banco registrou prejuízo contábil antes de impostos com novas provisões para ações cíveis e fez projeções de crescimento abaixo do esperado pelo mercado

14 de fevereiro de 2020
15:28 - atualizado às 19:40
BMG futebol
Imagem: Rodrigo Gazzanel/Agência Corinthians

Assim como ocorreu no terceiro trimestre, as ações do Banco BMG reagem em queda violenta à divulgação do balanço dos últimos três meses do ano e de 2019.

O banco registrou lucro líquido de R$ 344 milhões no ano passado pelo critério gerencial, alta de 33,4%. No quarto trimestre, o resultado foi 20% maior e somou R$ 74 milhões. Então, qual foi o problema?

Uma olhada mais atenta nos números mostra que o resultado do BMG foi pior do que parece. Pelo critério contábil, o banco registrou um prejuízo antes de impostos de R$ 210 milhões nos últimos três meses de 2019.

Parte da diferença para o resultado gerencial vem de um ajuste nas provisões no valor R$ 313 milhões, que o banco classificou como não-recorrente, ou seja, que não deve se repetir em resultados seguintes.

Entre os ajustes nas provisões estão as feitas para ações cíveis, justamente aquelas que provocaram desconforto nos investidores no balanço do terceiro trimestre de 2019, o primeiro do BMG após a abertura de capital na B3.

Por outro lado, o banco também descontou do resultado gerencial o ganho de R$ 276 milhões – também extraordinário – obtido com a correção de créditos tributários com o aumento da alíquota da CSLL.

Além das dúvidas sobre o resultado, o BMG divulgou projeções para o resultado de 2020 que apontam um crescimento menor do que o inicialmente esperado pelo mercado.

As ações do banco (BMGB4) fecharam o dia em baixa de 17,58%, cotadas a R$ 7,55. Desde a oferta pública inicial (IPO), há pouco mais de três meses, o banco já perdeu mais de 30% do valor na bolsa. Leia também a nossa cobertura de mercados.

De volta ao balanço gerencial, os resultados vieram abaixo do esperado, segundo o Credit Suisse. "A principal razão para a frustração das nossas estimativas foram as despesas operacionais acima do esperado", escreveram os analistas, em relatório a clientes.

O banco suíço, que foi um dos coordenadores do IPO do BMG, tem recomendação "outperform" (equivalente a compra) para as ações, com preço-alvo de R$ 12,50.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

RIQUEZA DIGITAL

Dancinha milionária: estrelas do TikTok já ganham mais do que grandes executivos nos Estados Unidos; veja quanto elas faturam

Os milhões de seguidores de alguns tiktokers são irresistíveis para as marcas, que acabam gastando muito dinheiro não só em anúncios como em suas linhas de produtos

DA REALIDADE PARA O NOVO DIGITAL

Walmart no metaverso: gigante do varejo dos EUA vai fabricar e vender no mundo virtual; entenda

Para ter um pé nesse universo, Nike e marcas de vestuário como Urban Outfitters, Ralph Lauren e Abercrombie & Fitch também entram com pedidos de marca registrada

PEGA LADRÃO!

Fechada na economia e aberta ao cibercrime: Coreia do Norte desvia milhões de dólares com ataques a plataformas de criptomoedas em 2021

Norte-coreano Lazarus ganhou notoriedade com invasões cibernéticas à Sony Pictures e à WannaCry. Grupo já foi sancionado pelos Estados Unidos e pela ONU

EFEITOS DO CLIMA

Usiminas (USIM5) retoma gradualmente atividades de mineração afetadas por chuvas em Minas Gerais

Segundo o grupo, os problemas ainda afetam empresas responsáveis pela cadeia de escoamento de minério

Conteúdo Empiricus

Dos R$2 mil aos R$100 mil em 12 meses com esta criptomoeda? Criptoativo criado por sócio de Steve Jobs faz parte do segmento que pode decolar e deixar o Bitcoin no chinelo após evento do dia 24 de janeiro

Ele fundou a Apple junto de Steve Jobs e agora criou uma nova criptomoeda que custa centavos e pertence ao ecossistema que pode saltar 5.000% em 2022 e enriquecer os seus investidores

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies