Menu
2019-12-09T18:43:36-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores

Credit Suisse recomenda compra de ação do BMG após queda de 28% desde IPO

Os analistas do banco suíço – que foi um dos bancos coordenadores do IPO – iniciaram a cobertura das ações do BMG com preço-alvo de R$ 12,50, o que representa um potencial de alta de 50%

9 de dezembro de 2019
11:50 - atualizado às 18:43
bmg corinthians
Luís Paulo Rosenberg, diretor de marketing do Corinthians, e Marcio Alaor, do Banco BMG - Imagem: Agência Corinthians

Quem decidiu investir nas ações do Banco BMG (BMGB4) na oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), realizada no fim de outubro, amarga uma perda de 28% em pouco mais de um mês. Mas para o Credit Suisse, apesar da queda (ou por causa dela), os papéis do banco estão atrativos.

Os analistas do banco suíço – que foi um dos bancos coordenadores do IPO que até agora só deu dor de cabeça para os investidores –iniciaram a cobertura das ações do BMG com recomendação "outperform" (equivalente a compra). O preço-alvo para os papéis é de R$ 12,50, o que representa um potencial de alta de 50% em relação à cotação de fechamento de sexta-feira (R$ 8,35).

As ações do BMG desabaram na bolsa pouco depois da estreia na B3 em reação aos resultados desapontadores do terceiro trimestre e dificuldades na comunicação com o mercado, segundo o Credit Suisse.

Os investidores foram pegos de surpresa com o aumento nas despesas do banco com provisões legais, que passaram de R$ 44 milhões no primeiro trimestre do ano para R$ 90 milhões no período entre julho e setembro, o equivalente a 4% da carteira de crédito e 36% do lucro.

"Embora as provisões provavelmente levem a estimativas de resultados mais baixas do que o inicialmente previsto, a queda de 28% no preço das ações parece exagerada em nossa visão", escreveram os analistas do Credit Suisse, em relatório a clientes.

O BMG deve registrar um lucro líquido ajustado de R$ 646 milhões no ano que vem, o que representa uma rentabilidade sobre o patrimônio (ROE, na sigla em inglês) de 15,7%, de acordo com o Credit Suisse. A alta "significativa" em relação aos níveis de 2019 deve ser puxada pelo melhor mix de ativos e crédito e melhora no funding apesar do maior nível de provisões legais.

No pregão de hoje, as ações do BMG fecharam em alta de 1,92%, a R$ 8,51. Leia também nossa cobertura completa de mercados.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Negócio fechado

Petrobras assina venda de sua fatia de 50% no campo terrestre de Rabo Branco

O campo teve produção média em 2020 de 131 barris de petróleo por dia (bpd).

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

O Fundo Verde e a tragédia grega do Brasil

Ao despertar a fúria de Zeus por ter entregue o fogo do Olimpo aos mortais, Prometeu foi acorrentado e punido: durante o dia, uma águia devorava seu fígado; durante a noite, o órgão se regenerava — um ciclo de tormento eterno. Tragédias gregas, infelizmente, costumam ser úteis ao falarmos sobre o Brasil. Reformas econômicas demandam […]

FECHAMENTO

Commodities amenizam a queda da bolsa, mas exterior negativo e nova crise em Brasília falam mais alto

As commodities mais uma vez tentaram salvar a bolsa brasileira de um dia no vermelho, mas o exterior negativo e a cautela em Brasília falaram mais alto

Presidente otimista

EUA devem ter retomada econômica mais rápida em quase 40 anos, diz Biden

Segundo o democrata, o foco de seu governo se manterá em criar empregos e combater a pandemia de covid-19

Gestão na crise

Brasil vive uma espécie trágica de dia da marmota, diz Verde Asset

Navegar os mercados locais vem sendo uma odisseia extremamente complexa e nada indica que vai melhorar, diz a gestora de Luis Stuhlberger

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies