Menu
2019-11-18T18:46:36-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Olho nos números

BMG não agrada mercado em primeiro balanço após IPO e ações caem

Apesar da queda acentuada dos papéis, ao comentar o balanço do BMG, os analistas do BTG Eduardo Rosman e Thomas Peredo se mostraram mais tranquilos com o resultado e destacaram que os números vieram dentro do esperado pela maioria dos investidores com quem conversaram

18 de novembro de 2019
17:18 - atualizado às 18:46
BMG

Depois de abrir capital na bolsa no fim de outubro, o banco BMG (BMGB11) decepcionou o mercado no primeiro pregão após a divulgação de seus resultados na última quinta-feira (14).

As units do BMG (BMGB11) terminaram esta segunda-feira cotadas em R$ 43,39, uma queda de 3,58%. No mês, os papéis do banco apresentam contração de 1,16%.

Apesar da queda acentuada dos papéis, ao comentar o balanço do BMG, os analistas do BTG Eduardo Rosman e Thomas Peredo se mostraram mais tranquilos com o resultado e destacaram que os números vieram dentro do esperado pela maioria dos investidores com quem conversaram.

Em nota enviada a clientes, eles ainda pontuaram que o resultado antes de impostos foi mais fraco, porém disseram que a margem financeira líquida cresceu fortemente na comparação trimestre contra trimestre.

Números do balanço

De acordo com os resultados apresentados na última quinta-feira(14), o lucro líquido do BMG chegou a R$ 66 milhões no terceiro trimestre, o que representa um aumento de 20% em relação ao mesmo período do ano passado.

O lucro recorrente entre julho e setembro terminou o período em R$ 88 milhões, uma expansão de 14,2%. Em nove meses, o banco acumula lucro de R$ 205 milhões, montante que é 56,4% maior do que os ganhos registrados no ano passado.

O retorno sobre patrimônio líquido médio recorrente (ROAE) fechou o terceiro trimestre em 14,6%, o que representa uma alta de 1,5 ponto percentual em relação ao mesmo período do ano passado. Para o cálculo, foram excluídos os efeitos do ágio.

O BMG fechou setembro com ativos totais em R$ 18,045 bilhões, um crescimento de 6,4% na comparação anual.

O patrimônio líquido, por sua vez, chegou a R$ 2,73 bilhões e mostrou uma estabilização em relação aos R$ 2,76 bilhões reportados um ano antes.

Crédito

A carteira de crédito terminou o trimestre em R$ 10,814 bilhões, avanço de 16,7% em 12 meses e de 5,3% em três meses.

A inadimplência com mais de 90 dias caiu em 12 meses, de 3,9% em setembro do ano passado para 3,5% este ano.

Porém, houve aumento em relação a junho, quando os atrasos representavam percentual menor de 3,3% da carteira.

A margem financeira ajustada do custo do crédito, por sua vez, ficou em R$ 474 milhões no terceiro trimestre, o que representa uma expansão de 19,3% ante o mesmo período do ano passado.

A alta é reflexo no crescimento da carteira de varejo, que atuou especialmente no financiamento do consumo por meio do oferecimento de cartão de crédito e empréstimo consignado, além de crédito pessoal.

No terceiro trimestre deste ano, a carteira de varejo atingiu R$ 9,03 milhões. Com isso, tal indicador teve um crescimento de 19% ante o mesmo período de 2018.

De olho no IPO

Na abertura de capital do banco, o BMG captou R$ 1,6 bilhão. O preço por ação da instituição foi definido em R$ 11,60 no IPO, em uma faixa que variou até os R$ 13,40.

O banco registrou o lote principal e suplementar, mas não o adicional – um sinal de que a demanda pelas ações não foi lá grandes coisas.

Em sua justificativa, o BMG disse que a maior parte do dinheiro do IPO vai para o caixa do banco, que pretende usar os recursos em novos produtos e investir nas linhas já existentes. O BMG estreou no pregão da B3 avaliado em R$ 7 bilhões.

Segundo o que ficou estabelecido em seu prospecto, os investidores que participaram da oferta receberam inicialmente recibos de ações do tipo units (BMGB11), que serão convertidos depois em papéis preferenciais (BMGB4) após a homologação do aumento de capital pelo Banco Central.

A oferta foi coordenada pela XP Investimentos, Itaú BBA, Credit Suisse, Brasil Plural e BB-Banco de Investimento.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

país em crise

Concorrente do Uber, Cabify encerra operações no Brasil por conta da pandemia

Fundada há 10 anos em Madri, empresa enfrentou um mercado altamente competitivo no Brasil, mas crise recente foi decisiva para startup deixar o país

TIM Brasil poderá emitir até R$ 5,7 bilhões em debêntures incentivadas

O projeto da operadora para melhorias nas redes fixas e móveis de 21 unidades da federação entrou na lista de autorizações do Ministério das Comunicações

quem vai levar?

Tem ação fresquinha vindo aí, minha amiga, com o IPO da Hortifruti Natural da Terra

Com tese de investimento sendo que ela é o melhor do supermercado e da feira, companhia busca recursos para expandir operações

Ligando na tomada

Renault traz a nova geração de carros elétricos ao Brasil — e Weg e EDP garantem a recarga

A Renault firmou parceria com EDP e WEG para o fornecimento de infraestrutura do novo Zoe, veículo 100% elétrico da montadora francesa

Estreia na segunda

Hashdex capta R$ 615 milhões para o primeiro ETF de criptomoedas

O ETF replicará um índice desenvolvido pela Nasdaq com a própria gestora Hashdex e estreia na bolsa brasileira na seugnda-feira (26)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies