Menu
2020-10-02T14:48:35-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Carrinho cheio

Magazine Luiza vai às compras: confira 6 aquisições da varejista no ano da pandemia

Negócios complementam a atuação do Magalu, seja do lado do consumidor ou dos vendedores que se plugam no marketplace para vender seus produtos e serviços

2 de outubro de 2020
14:48
Site do Magazine Luiza
Imagem: Shutterstock

Com R$ 8,6 bilhões em vendas no segundo trimestre, o Magazine Luiza se tornou a maior varejista de bens duráveis do país. O isolamento social forçado pela pandemia favoreceu empresas com forte presença no comércio eletrônico como o Magalu.

Só que, além de vender produtos, a varejista aproveitou para ir às compras durante a pandemia. Com o caixa reforçado depois da oferta de ações de R$ 4,7 bilhões realizada no fim de 2019, a companhia anunciou seis aquisições de oito empresas neste ano.

Ao contrário da aquisição da Netshoes, fechada no ano passado, as compras recentes do Magazine Luiza foram mais "cirúrgicas". Todas complementam a atuação da varejista, seja do lado do consumidor ou dos vendedores que se plugam no marketplace do Magalu para vender seus produtos e serviços.

O negócio mais recente foi concluído nesta sexta-feira, com a compra da GFL Logística, plataforma que opera para o e-commerce com atuação no interior de São Paulo e sul de Minas Gerais. E nada indica que o período de compras chegou ao fim.

No pregão desta sexta-feiras, as ações do Magalu (MGLU3) recuavam 3,17% por volta das 14h15, mas no ano acumulam valorização de quase 90%, a segunda maior entre os papéis que compõem o Ibovespa. Leia também nossa cobertura de mercados.

Saiba mais sobre as empresas compradas pelo Magazine Luiza em 2020 (até o momento):

1 - Estante Virtual

O Magazine Luiza ampliou a presença no mercado de livros — que consagrou a rival Amazon — ao arrematar em fevereiro deste ano a Estante Virtual, site que reúne vendedores de livros e pertencia à Livraria Cultura, que está em recuperação judicial. No ano passado, foram 3 milhões de unidades vendidas pela Estante Virtual, com um volume de R$ 120 milhões.

2 - Hubsales

No fim de julho, o Magalu deu um passo importante para ampliar o seu marketplace além do varejo com a compra da Hubsales. A empresa adquirida desenvolveu plataformas digitais para que fábricas de diversos setores passassem a vender seus produtos diretamente ao consumidor final.

Com sede em Franca (SP), a Hubsales conectou as diversas indústrias calçadistas do polo local, em uma operação que movimenta mais de 700 mil pedidos e R$ 100 milhões anuais. A ideia é conectar esses e outros polos ao marketplace da varejista.

3 - Canaltech e Inloco

No começo de agosto, o Magazine Luiza anunciou duas aquisições numa única tacada: o site de conteúdo sobre tecnologia Canaltech e a plataforma de mídia online Inloco.

O Canaltech conta com uma audiência de 24 milhões de visitantes únicos, 2,5 milhões no canal do Youtube e 792 mil seguidores em suas redes sociais. A ideia da varejista é monetizar essa audiência oferecendo aos vendedores do marketplace do Magalu a oportunidade de anunciar no site.

4 - Stoq Tecnologia

Em um avanço no varejo fora da internet, o Magalu também fechou em agosto a compra da Stoq Tecnologia, uma startup fundada em 2015 e especializada em soluções para pequenos e médios varejistas.

A empresa tem como principal produto sistemas de ponto de vendas (PDV) que permitem o pagamento onde o cliente estiver, reduzindo filas e eliminado fricções no processo de compra. Em 2019, o volume de transações pelos sistemas da Stoq superou os R$ 250 milhões.

5 - AiQFome

Quando bater aquela fome na hora em que estiver fazendo uma compra pelo celular, o cliente do Magalu poderá fazer também o pedido de comida sem sair do aplicativo da varejista.

No começo do mês passado, o Magazine Luiza anunciou a compra da startup de delivery de comida AiQFome. A empresa está presente em 350 cidades, conta com mais de 2 milhões de clientes cadastrados e recebe milhões de pedidos por ano, preparados por 17 mil restaurantes parceiros.

6 - GFL Logística e SincLog

A mais nova aquisição do Magalu veio da área de logística, ponto crucial para quem quer brigar no cada vez mais disputado varejo online. A empresa anunciou a compra da GFL Logística, que atua principalmente no interior de São Paulo e sul de Minas Gerais.

São mais de 600 municípios atendidos pela GFL, que realiza 85% das entregas no dia seguinte e 100% em até D+2. A empresa será integrada à Logbee, adquirida em 2018 pelo Magazine Luiza.

Junto com a GFL, o Magalu anunciou a compra da plataforma de tecnologia SincLog, usada pela GFL e mais de 30 transportadoras para gestão de cargas, emissão de documentos, controle das tabelas de frete e da remuneração dos motoristas. O valor do negócio, assim como dos demais, não foi revelado pela companhia.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

MAIS UMA PRA BOLSA

Grupo Big quer ficar ainda mais ‘big’ após IPO

Varejista pretende levantar recursos para expandir operações e vender as participações da Advent e do Walmart US

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta terça-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Privatizações

Guedes reforça necessidade de acelerar privatizações

Guedes mais uma vez garantiu que as reformas voltaram a andar: ‘Estamos trabalhando juntos para modernizar importantes marcos regulatórios e para votar reformas estruturais’

Exile On Wall Street

Procure por lucros crescendo

Procurar por lucros que crescem, na maior parte das vezes, implica bater de frente com a ideia de comprar barganhas clássicas apuradas sob os critérios de múltiplos baixos

IGP-M em alta

Inflação do aluguel sobe de 18,20% para 20,56% em um ano, aponta FGV

O Índice Nacional de Custo da Construção também cresceu de 0,98% para 1,50% em 12 meses, segundo pesquisa da Fundação Getúlio Vargas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies