Menu
2020-10-02T14:48:35-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Carrinho cheio

Magazine Luiza vai às compras: confira 6 aquisições da varejista no ano da pandemia

Negócios complementam a atuação do Magalu, seja do lado do consumidor ou dos vendedores que se plugam no marketplace para vender seus produtos e serviços

2 de outubro de 2020
14:48
Site do Magazine Luiza
Imagem: Shutterstock

Com R$ 8,6 bilhões em vendas no segundo trimestre, o Magazine Luiza se tornou a maior varejista de bens duráveis do país. O isolamento social forçado pela pandemia favoreceu empresas com forte presença no comércio eletrônico como o Magalu.

Só que, além de vender produtos, a varejista aproveitou para ir às compras durante a pandemia. Com o caixa reforçado depois da oferta de ações de R$ 4,7 bilhões realizada no fim de 2019, a companhia anunciou seis aquisições de oito empresas neste ano.

Ao contrário da aquisição da Netshoes, fechada no ano passado, as compras recentes do Magazine Luiza foram mais "cirúrgicas". Todas complementam a atuação da varejista, seja do lado do consumidor ou dos vendedores que se plugam no marketplace do Magalu para vender seus produtos e serviços.

O negócio mais recente foi concluído nesta sexta-feira, com a compra da GFL Logística, plataforma que opera para o e-commerce com atuação no interior de São Paulo e sul de Minas Gerais. E nada indica que o período de compras chegou ao fim.

No pregão desta sexta-feiras, as ações do Magalu (MGLU3) recuavam 3,17% por volta das 14h15, mas no ano acumulam valorização de quase 90%, a segunda maior entre os papéis que compõem o Ibovespa. Leia também nossa cobertura de mercados.

Saiba mais sobre as empresas compradas pelo Magazine Luiza em 2020 (até o momento):

1 - Estante Virtual

O Magazine Luiza ampliou a presença no mercado de livros — que consagrou a rival Amazon — ao arrematar em fevereiro deste ano a Estante Virtual, site que reúne vendedores de livros e pertencia à Livraria Cultura, que está em recuperação judicial. No ano passado, foram 3 milhões de unidades vendidas pela Estante Virtual, com um volume de R$ 120 milhões.

2 - Hubsales

No fim de julho, o Magalu deu um passo importante para ampliar o seu marketplace além do varejo com a compra da Hubsales. A empresa adquirida desenvolveu plataformas digitais para que fábricas de diversos setores passassem a vender seus produtos diretamente ao consumidor final.

Com sede em Franca (SP), a Hubsales conectou as diversas indústrias calçadistas do polo local, em uma operação que movimenta mais de 700 mil pedidos e R$ 100 milhões anuais. A ideia é conectar esses e outros polos ao marketplace da varejista.

3 - Canaltech e Inloco

No começo de agosto, o Magazine Luiza anunciou duas aquisições numa única tacada: o site de conteúdo sobre tecnologia Canaltech e a plataforma de mídia online Inloco.

O Canaltech conta com uma audiência de 24 milhões de visitantes únicos, 2,5 milhões no canal do Youtube e 792 mil seguidores em suas redes sociais. A ideia da varejista é monetizar essa audiência oferecendo aos vendedores do marketplace do Magalu a oportunidade de anunciar no site.

4 - Stoq Tecnologia

Em um avanço no varejo fora da internet, o Magalu também fechou em agosto a compra da Stoq Tecnologia, uma startup fundada em 2015 e especializada em soluções para pequenos e médios varejistas.

A empresa tem como principal produto sistemas de ponto de vendas (PDV) que permitem o pagamento onde o cliente estiver, reduzindo filas e eliminado fricções no processo de compra. Em 2019, o volume de transações pelos sistemas da Stoq superou os R$ 250 milhões.

5 - AiQFome

Quando bater aquela fome na hora em que estiver fazendo uma compra pelo celular, o cliente do Magalu poderá fazer também o pedido de comida sem sair do aplicativo da varejista.

No começo do mês passado, o Magazine Luiza anunciou a compra da startup de delivery de comida AiQFome. A empresa está presente em 350 cidades, conta com mais de 2 milhões de clientes cadastrados e recebe milhões de pedidos por ano, preparados por 17 mil restaurantes parceiros.

6 - GFL Logística e SincLog

A mais nova aquisição do Magalu veio da área de logística, ponto crucial para quem quer brigar no cada vez mais disputado varejo online. A empresa anunciou a compra da GFL Logística, que atua principalmente no interior de São Paulo e sul de Minas Gerais.

São mais de 600 municípios atendidos pela GFL, que realiza 85% das entregas no dia seguinte e 100% em até D+2. A empresa será integrada à Logbee, adquirida em 2018 pelo Magazine Luiza.

Junto com a GFL, o Magalu anunciou a compra da plataforma de tecnologia SincLog, usada pela GFL e mais de 30 transportadoras para gestão de cargas, emissão de documentos, controle das tabelas de frete e da remuneração dos motoristas. O valor do negócio, assim como dos demais, não foi revelado pela companhia.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Revolta

Lojistas de shopping vão à Justiça para mudar índice de reajuste de aluguel

Indicador tradicionalmente usado para corrigir contratos de aluguel, o IGP-M subiu 23,14% em 2020, a maior alta em quase duas décadas.

BOA NOTÍCIA

Acionistas vão se beneficiar da nova política de dividendos da Copel

Novos parâmetros definidos pela empresa podem resultar em pagamentos significativos no curto prazo, segundo Goldman Sachs

Mercados hoje

Ibovespa recua com o peso das incertezas domésticas; dólar sobe

Os investidores repercutem hoje a decisão do Copom de manter a taxa básica de juros em 2% ao ano e a derrubada do forward guidance. Lá fora, bolsas seguem no embalo da posse do novo presidente dos EUA

Exile on Wall Street

Como planejar sua aposentadoria rápida?

Não sei exatamente onde está a melhor resposta para esse tipo de indagação, mas desconfio que não esteja nos livros de economia e finanças.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies