Menu
2020-12-31T12:08:25-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Separação

Itaú marca data da assembleia que vai definir “divórcio” da XP

Assembleia marcada para 31 de janeiro de 2021 vai discutir a proposta de separação da participação de 40,52% que o Itaú detém na XP em uma nova empresa

31 de dezembro de 2020
11:57 - atualizado às 12:08
itau xp jedi
Imagem: Montagem Andrei Morais

O Itaú Unibanco marcou a data da assembleia de acionistas que vai decidir sobre o processo de separação da participação detida na XP Investimentos: 31 de janeiro de 2021. O banco pretende separar a participação de 40,52% que detém na corretora em uma nova empresa, batizada de Newco.

Com a operação, cada acionista do Itaú receberá a mesma quantidade de ações da nova companhia — que também será negociada na B3 — e decidir individualmente se pretende manter ou não participação na XP.

Leia também:

O Itaú anunciou que estudava o "divórcio" da sociedade com a corretora no início de novembro. O processo envolveu a venda de uma participação de 5% em uma oferta realizada no começo de dezembro e que rendeu quase US$ 1 bilhão ao banco.

O Itaú comprou uma participação de 49,9% no capital da XP em 2017, por R$ 6,3 bilhões. O acordo original previa a opção de o banco assumir o controle acionário da corretora. Mas o BC acabou vetando essa possibilidade como condição para aprovar o negócio.

De todo modo, o bancão não tem do que reclamar do investimento, já que a XP hoje é avaliada em US$ 22 bilhões (R$ 116 bilhões, no câmbio atual).

A separação agora também depende do aval tanto do Banco Central como das autoridades regulatórias dos Estados Unidos e Reino Unido.

O modelo final da "separação de bens" ainda pode mudar. Isso porque a XP quer aproveitar a operação para fazer uma proposta pelas ações com "supervoto" que hoje estão nas mãos do Itaú.

Listada na Nasdaq, a XP possui dois tipos de ações. Os papéis classe A, que são os negociados na bolsa norte-americana, dão direito a um voto cada, enquanto que os da classe B, que pertencem aos controladores, têm dez votos cada.

Essa estrutura acionária permite que os sócios da XP continuem comandando a companhia mesmo sem ter a maioria do capital da empresa.

A XP informou que estuda propor uma fusão com a Newco, a empresa que receberá a participação que o Itaú possui na corretora. Em troca, oferece aos acionistas da Newco ações classe A da corretora. Desta forma, passariam a deter uma participação direta na XP.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Indústria em expansão

Brasil vive ‘boom’ de gestoras de recursos

De janeiro a março, Anbima registrou 27 novas gestoras

Pandemia

Governo proíbe entrada de estrangeiros em voos provenientes da Índia

Restrição vale também para Reino Unido, Irlanda do Norte e África do Sul

Imposto de renda

Cerca de 12 milhões de pessoas ainda não enviaram declaração

Balanço foi divulgado pela Receita Federal na sexta-feira; prazo termina em 31 de maio

COLUNA DO JOJO

Como Jojo Wachsmann investiria o prêmio de R$ 1,5 milhão de Juliette, campeã do BBB21

CIO da Vitreo conta como alocaria uma carteira diversificada, segura e rentável com o prêmio do maior reality show do Brasil

Vai e vém

Demanda por crédito no Brasil cai 11% em abril, mas sobe 231% em 12 meses

Oscilação do índice medido pela Neurotech é atribuída a sazonalidade

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies