Menu
2020-02-12T17:14:53-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Mercados hoje

Ibovespa ignora decepção com o varejo e sobe mais de 1%; dólar vai a R$ 4,35 e chega a um novo recorde

O Ibovespa tem uma nova sessão de ganhos firmes e, com isso, já aparece novamente no nível dos 117 mil pontos, impulsionado pelo bom humor nas bolsas globais. Já o dólar continuou pressionado e rompeu o nível de R$ 4,35

12 de fevereiro de 2020
10:17 - atualizado às 17:14
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Os mercados brasileiros exibem nesta quarta-feira (12) uma dinâmica quase idêntica à vista no pregão anterior: por um lado, a menor percepção de risco em relação ao coronavírus dá forças às bolsas globais e coloca o Ibovespa no campo positivo; por outro, o dólar à vista seguiu pressionado e buscou mais uma máxima

Por volta de 17h10, o principal índice da bolsa brasileira operava em alta de 1,44%, aos 117.035,41 pontos, pegando carona no bom desempenho dos demais mercados acionários globais: nos EUA, o Dow Jones (+0,86%), o S&P 500 (+0,59%) e o Nasdaq (+0,80%) sobem; na Europa, o tom foi igualmente positivo.

Já o dólar à vista continuou sem sinais de alívio: a moeda americana fechou em alta de 0,57%, a R$ 4,3510, e cravou um novo recode nominal — é a quinta sessão consecutiva em que a moeda americana renova as máximas de encerramento.

O motor por trás do otimismo visto nas bolsas é a leitura de que o surto de coronavírus começa a perder força. Apesar de o número de mortos e infectados pela doença continuar subindo, essa alta tem ocorrido num ritmo inferior ao dos últimos dias.

Essa percepção, assim, reduz a aversão ao risco por parte dos investidores, que já começam a vislumbrar um futuro menos nebuloso no curto prazo e mostram-se menos apreensivos quanto aos impactos do coronavírus à economia da China e do mundo como um todo.

Economia patinante

O bom humor visto lá fora acaba, inclusive, neutralizando a preocupação com a economia doméstica. Mais cedo, foi divulgada a queda de 0,1% nas vendas do varejo em dezembro ante novembro — resultado que ficou abaixo da expectativa dos analistas ouvidos pelo Broadcast, que apontava para alta de 0,2% no período.

O resultado decepcionante traz mais incerteza quanto ao ritmo de recuperação da economia brasileira — o que, por outro lado, faz o mercado voltar a apostar num novo corte da Selic para estimular a atividade, por mais que o BC tenha sinalizado que o atual ciclo de reduções nos juros chegou ao fim.

Essa percepção de que há espaço para mais cortes na Selic acabou trazendo pressão extra ao câmbio, já que uma nova redução nas taxas diminuiria ainda mais o diferencial de juros em relação aos EUA — o que, consequentemente, afastaria recursos externos no país.

Também com isso em mente, as curvas de juros tiveram mais um dia de queda, tanto na ponta curta quanto na longa. Veja abaixo como estão os principais DIs no momento:

  • Janeiro/2021: de 4,23% para 4,22%;
  • Janeiro/2023: de 5,42% para 5,37%;
  • Janeiro/2025: de 6,07% para 6,03%;
  • Janeiro/2027: de 6,42% para 6,39%.

Cielo e Tim em alta

Cielo ON (CIEL3) e Tim ON (TIMP3) aparecem entre os destaques positivos do Ibovespa, com ganhos de 3,37% e 3,99%, respectivamente.

As ações da Cielo reagem positivamente a uma notícia publicada pelo jornal Valor Econômico. Segundo a publicação, o Banco do Brasil estaria revendo suas participações no segmento de cartões, o que poderá desencadear um movimento de venda de ativos.

Já os papéis da Tim sobem na esteira dos resultados trimestrais da companhia: entre outubro e dezembro, a operadora de telefonia reportou lucro líquido de R$ 756 milhões, alta de 19,6% na base anual.

Veja abaixo as cinco maiores altas do Ibovespa no momento:

  • Cogna ON (COGN3): +5,11%
  • Klabin units (KLBN11): +5,00%
  • Totvs ON (TOTS3): +4,04%
  • Tim ON (TIMP3): +3,99%
  • Weg ON (WEGE3): +3,93%

Confira também as maiores quedas do índice:

  • IRB ON (IRBR3): -2,28%
  • CVC ON (CVCB3): -1,91%
  • Marfrig ON (MRFG3): -1,37%
  • Bradesco ON (BBDC3): -1,19%
  • JBS ON (JBSS3): -0,85%
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Recuperação da estatal

Lucro da Petrobras salta 55,7% em 2019 e chega a R$ 40,1 bilhões, impulsionado pela venda de ativos

A Petrobras fechou 2019 com o maior lucro líquido anual de sua história, sustentada pelos fortes desinvestimentos e ganhos de eficiência na extração de petróleo — fatores que compensaram os menores preços da commodity no exterior

De olho no balanço

Marfrig reverte prejuízo e registra lucro líquido de R$ 27 milhões no 4º trimestre de 2019

No acumulado do ano, o lucro líquido caiu para R$ 218 milhões, ante R$ 1,4 bilhão no ano anterior

Confira os números

Petrobras, Ultrapar, Marfrig, RaiaDrogasil e GPA: os balanços que vão mexer com a bolsa nesta quinta-feira

O dia começa recheado de balanços anuais das companhias listadas no Ibovespa

Recurso da estatal

TRF-4 nega recurso da Petrobras e mantém Odebrecht fora de ação da Lava Jato

No recurso, a estatal buscava o prosseguimento dos réus na ação cível e a manutenção do bloqueio de bens dos executivos

Seu Dinheiro na sua noite

Guedes fora, alta do dólar

Você se lembra de quando o dólar a R$ 4,20 era o grande “patamar psicológico” da moeda americana? Não faz tanto tempo assim, mas esse nível de cotação ficou para trás, e agora parece até um pouco distante. Hoje, o dólar à vista bateu um novo recorde de fechamento. Eu sei que você já leu […]

Mais um recorde: dólar à vista sobe a R$ 4,36 e renova a máxima nominal de fechamento

O dólar à vista subiu mais um degrau nesta quarta-feira (19): pela primeira vez, terminou uma sessão acima dos R$ 4,36, cravando um novo recorde nominal. É a oitava vez em 2020 que a moeda renova as máximas de fechamento

Ainda na liderança

Vitor Hugo crê que permanece como líder do governo; Terra diz não receber convite

O deputado disse que não recebeu sinalizações do presidente Jair Bolsonaro de que poderá ser substituído pelo ex-ministro Osmar Terra

O impasse continua

Após TRT suspender demissões, Petrobras quer negociar desligamentos em fábrica

Encerramento da operação da Ansa é o principal motivo da greve dos petroleiros

Ponto polêmico

Relator mantém trabalho aos domingos na MP do contrato verde e amarelo

Deputado Áureo manteve a permissão para que todos os trabalhadores sejam convocados para trabalhar aos domingos e feriados

Novidade no IR

Programa do IR virá sem dedução da contribuição patronal sobre domésticos

Fim da dedução é a principal novidade para as declarações de IR em 2020

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements