';

IPCA + 7,5%: receba esta e outras ofertas ‘premium’ de renda fixa no WhatsApp; clique aqui

Cotações por TradingView
2020-02-12T17:14:53-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Mercados hoje

Ibovespa ignora decepção com o varejo e sobe mais de 1%; dólar vai a R$ 4,35 e chega a um novo recorde

O Ibovespa tem uma nova sessão de ganhos firmes e, com isso, já aparece novamente no nível dos 117 mil pontos, impulsionado pelo bom humor nas bolsas globais. Já o dólar continuou pressionado e rompeu o nível de R$ 4,35

12 de fevereiro de 2020
10:17 - atualizado às 17:14
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Os mercados brasileiros exibem nesta quarta-feira (12) uma dinâmica quase idêntica à vista no pregão anterior: por um lado, a menor percepção de risco em relação ao coronavírus dá forças às bolsas globais e coloca o Ibovespa no campo positivo; por outro, o dólar à vista seguiu pressionado e buscou mais uma máxima

Por volta de 17h10, o principal índice da bolsa brasileira operava em alta de 1,44%, aos 117.035,41 pontos, pegando carona no bom desempenho dos demais mercados acionários globais: nos EUA, o Dow Jones (+0,86%), o S&P 500 (+0,59%) e o Nasdaq (+0,80%) sobem; na Europa, o tom foi igualmente positivo.

Já o dólar à vista continuou sem sinais de alívio: a moeda americana fechou em alta de 0,57%, a R$ 4,3510, e cravou um novo recode nominal — é a quinta sessão consecutiva em que a moeda americana renova as máximas de encerramento.

O motor por trás do otimismo visto nas bolsas é a leitura de que o surto de coronavírus começa a perder força. Apesar de o número de mortos e infectados pela doença continuar subindo, essa alta tem ocorrido num ritmo inferior ao dos últimos dias.

Essa percepção, assim, reduz a aversão ao risco por parte dos investidores, que já começam a vislumbrar um futuro menos nebuloso no curto prazo e mostram-se menos apreensivos quanto aos impactos do coronavírus à economia da China e do mundo como um todo.

Economia patinante

O bom humor visto lá fora acaba, inclusive, neutralizando a preocupação com a economia doméstica. Mais cedo, foi divulgada a queda de 0,1% nas vendas do varejo em dezembro ante novembro — resultado que ficou abaixo da expectativa dos analistas ouvidos pelo Broadcast, que apontava para alta de 0,2% no período.

O resultado decepcionante traz mais incerteza quanto ao ritmo de recuperação da economia brasileira — o que, por outro lado, faz o mercado voltar a apostar num novo corte da Selic para estimular a atividade, por mais que o BC tenha sinalizado que o atual ciclo de reduções nos juros chegou ao fim.

Essa percepção de que há espaço para mais cortes na Selic acabou trazendo pressão extra ao câmbio, já que uma nova redução nas taxas diminuiria ainda mais o diferencial de juros em relação aos EUA — o que, consequentemente, afastaria recursos externos no país.

Também com isso em mente, as curvas de juros tiveram mais um dia de queda, tanto na ponta curta quanto na longa. Veja abaixo como estão os principais DIs no momento:

  • Janeiro/2021: de 4,23% para 4,22%;
  • Janeiro/2023: de 5,42% para 5,37%;
  • Janeiro/2025: de 6,07% para 6,03%;
  • Janeiro/2027: de 6,42% para 6,39%.

Cielo e Tim em alta

Cielo ON (CIEL3) e Tim ON (TIMP3) aparecem entre os destaques positivos do Ibovespa, com ganhos de 3,37% e 3,99%, respectivamente.

As ações da Cielo reagem positivamente a uma notícia publicada pelo jornal Valor Econômico. Segundo a publicação, o Banco do Brasil estaria revendo suas participações no segmento de cartões, o que poderá desencadear um movimento de venda de ativos.

Já os papéis da Tim sobem na esteira dos resultados trimestrais da companhia: entre outubro e dezembro, a operadora de telefonia reportou lucro líquido de R$ 756 milhões, alta de 19,6% na base anual.

Veja abaixo as cinco maiores altas do Ibovespa no momento:

  • Cogna ON (COGN3): +5,11%
  • Klabin units (KLBN11): +5,00%
  • Totvs ON (TOTS3): +4,04%
  • Tim ON (TIMP3): +3,99%
  • Weg ON (WEGE3): +3,93%

Confira também as maiores quedas do índice:

  • IRB ON (IRBR3): -2,28%
  • CVC ON (CVCB3): -1,91%
  • Marfrig ON (MRFG3): -1,37%
  • Bradesco ON (BBDC3): -1,19%
  • JBS ON (JBSS3): -0,85%

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

O QUE É ISSO, UM LIVRO?

Bilionário indiano rebate acusações de fraude após Adani Group perder US$ 72 bilhões em valor de mercado

30 de janeiro de 2023 - 14:05

Gautam Adani publicou um documento de 413 páginas refutando as alegações da Hindenburg Research de fraude contábil e lavagem de dinheiro

DESTAQUES DA BOLSA

CVC (CVCB3) despenca na B3 e lidera quedas do Ibovespa hoje — o que está por trás da queda?

30 de janeiro de 2023 - 13:48

A companhia subiu forte na semana passada, mas a correção das cotações não é o único fator por trás do desempenho negativo hoje

MAIOR QUE O ANUNCIADO

Refez as contas: Philips (re)anuncia corte no quadro de funcionários após prejuízo bilionário

30 de janeiro de 2023 - 13:02

A empresa holandesa informou que as demissões devem se concentrar nos Estados Unidos e na Holanda

Novidade para o futuro

De olho na aposentadoria, título Tesouro RendA+ estreia pagando mais de 6% acima da inflação; simulador está fora do ar

30 de janeiro de 2023 - 12:04

Nova linha de títulos do Tesouro tem como meta complementar a aposentadoria e estreia com oito datas de vencimento diferentes

PASSA NO BITCOIN

Binance se une com Mastercard e replica cartão pré-pago lançado na Argentina ano passado para o Brasil

30 de janeiro de 2023 - 11:05

Segundo números mais recentes, a bandeira Mastercard é aceita em 90 milhões de estabelecimentos em todo o mundo — e, no Brasil, os clientes querem usar mais cripto

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies