Menu
2020-02-12T17:14:53-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Mercados hoje

Ibovespa ignora decepção com o varejo e sobe mais de 1%; dólar vai a R$ 4,35 e chega a um novo recorde

O Ibovespa tem uma nova sessão de ganhos firmes e, com isso, já aparece novamente no nível dos 117 mil pontos, impulsionado pelo bom humor nas bolsas globais. Já o dólar continuou pressionado e rompeu o nível de R$ 4,35

12 de fevereiro de 2020
10:17 - atualizado às 17:14
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Os mercados brasileiros exibem nesta quarta-feira (12) uma dinâmica quase idêntica à vista no pregão anterior: por um lado, a menor percepção de risco em relação ao coronavírus dá forças às bolsas globais e coloca o Ibovespa no campo positivo; por outro, o dólar à vista seguiu pressionado e buscou mais uma máxima

Por volta de 17h10, o principal índice da bolsa brasileira operava em alta de 1,44%, aos 117.035,41 pontos, pegando carona no bom desempenho dos demais mercados acionários globais: nos EUA, o Dow Jones (+0,86%), o S&P 500 (+0,59%) e o Nasdaq (+0,80%) sobem; na Europa, o tom foi igualmente positivo.

Já o dólar à vista continuou sem sinais de alívio: a moeda americana fechou em alta de 0,57%, a R$ 4,3510, e cravou um novo recode nominal — é a quinta sessão consecutiva em que a moeda americana renova as máximas de encerramento.

O motor por trás do otimismo visto nas bolsas é a leitura de que o surto de coronavírus começa a perder força. Apesar de o número de mortos e infectados pela doença continuar subindo, essa alta tem ocorrido num ritmo inferior ao dos últimos dias.

Essa percepção, assim, reduz a aversão ao risco por parte dos investidores, que já começam a vislumbrar um futuro menos nebuloso no curto prazo e mostram-se menos apreensivos quanto aos impactos do coronavírus à economia da China e do mundo como um todo.

Economia patinante

O bom humor visto lá fora acaba, inclusive, neutralizando a preocupação com a economia doméstica. Mais cedo, foi divulgada a queda de 0,1% nas vendas do varejo em dezembro ante novembro — resultado que ficou abaixo da expectativa dos analistas ouvidos pelo Broadcast, que apontava para alta de 0,2% no período.

O resultado decepcionante traz mais incerteza quanto ao ritmo de recuperação da economia brasileira — o que, por outro lado, faz o mercado voltar a apostar num novo corte da Selic para estimular a atividade, por mais que o BC tenha sinalizado que o atual ciclo de reduções nos juros chegou ao fim.

Essa percepção de que há espaço para mais cortes na Selic acabou trazendo pressão extra ao câmbio, já que uma nova redução nas taxas diminuiria ainda mais o diferencial de juros em relação aos EUA — o que, consequentemente, afastaria recursos externos no país.

Também com isso em mente, as curvas de juros tiveram mais um dia de queda, tanto na ponta curta quanto na longa. Veja abaixo como estão os principais DIs no momento:

  • Janeiro/2021: de 4,23% para 4,22%;
  • Janeiro/2023: de 5,42% para 5,37%;
  • Janeiro/2025: de 6,07% para 6,03%;
  • Janeiro/2027: de 6,42% para 6,39%.

Cielo e Tim em alta

Cielo ON (CIEL3) e Tim ON (TIMP3) aparecem entre os destaques positivos do Ibovespa, com ganhos de 3,37% e 3,99%, respectivamente.

As ações da Cielo reagem positivamente a uma notícia publicada pelo jornal Valor Econômico. Segundo a publicação, o Banco do Brasil estaria revendo suas participações no segmento de cartões, o que poderá desencadear um movimento de venda de ativos.

Já os papéis da Tim sobem na esteira dos resultados trimestrais da companhia: entre outubro e dezembro, a operadora de telefonia reportou lucro líquido de R$ 756 milhões, alta de 19,6% na base anual.

Veja abaixo as cinco maiores altas do Ibovespa no momento:

  • Cogna ON (COGN3): +5,11%
  • Klabin units (KLBN11): +5,00%
  • Totvs ON (TOTS3): +4,04%
  • Tim ON (TIMP3): +3,99%
  • Weg ON (WEGE3): +3,93%

Confira também as maiores quedas do índice:

  • IRB ON (IRBR3): -2,28%
  • CVC ON (CVCB3): -1,91%
  • Marfrig ON (MRFG3): -1,37%
  • Bradesco ON (BBDC3): -1,19%
  • JBS ON (JBSS3): -0,85%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

atenção, acionista

Carrefour paga R$ 175 milhões em juros sobre capital próprio e altera valor de dividendos

Cifra equivale a R$ 0,088148225 por ação em circulação; também anunciou uma modificação do valor por ação dos dividendos aprovados em abril, de R$ 0,382372952 para R$ 0,382361396

maior apetite por risco

Empresas do Brasil captam US$ 4,6 bilhões; montante deve aumentar com ofertas de Stone e Light

Emissores brasileiros haviam paralisado planos de captar no exterior nos últimos meses, em meio à turbulência interna com a pandemia e o aumento do juro norte-americano

em meio ao aumento de consumo de frango

SuperFrango, de Goiás, retomará IPO de R$ 1 bilhão

Após resolver adiar a operação, a empresa fará uma apresentação mais cuidadosa de seu negócio aos analistas; oferta é estimada entre R$ 1 bilhão e R$ 1,5 bilhão

levantamento

Estatais descumprem critérios do marco do saneamento

GO Associados calculou que as companhias públicas do Rio Grande do Norte, Santa Catarina, Alagoas, Maranhão, Amazonas, Pará, Piauí, Roraima, Rondônia e Amapá não atendem a todos os critérios da “etapa 1” do decreto – que prevê o cumprimento de índices mínimos dos indicadores econômicos-financeiros

questionamentos em brasília

Novo marco de saneamento é alvo de ofensiva no Supremo e no Congresso

No Supremo, mais de 20 empresas estatais que prestam hoje serviços no setor querem a volta da possibilidade de fechar os chamados “contratos de programa”, diretamente com as Prefeituras e sem licitação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies